Diego Ri­ve­ra tam­bém é nos­so

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário#1371 - TEXTO Pe­dro Car­do­so em Gu­a­na­ju­a­to, Mé­xi­co

Fi­gu­ra mai­or das ar­tes me­xi­ca­nas, Diego Ri­ve­ra ti­nha Por­tu­gal no san­gue. O jor­na­lis­ta Pe­dro Car­do­so per­cor­reu a ci­da­de de Gu­a­na­ju­a­to à pro­cu­ra de ves­tí­gi­os de uma fa­mí­lia ju­dia, os Acos­ta, fu­gi­da des­te can­to eu­ro­peu no iní­cio do sé­cu­lo XIX. O amor con­tur­ba­do mas sem fim do pin­tor por Fri­da Kah­lo veio mui­to de­pois.

Quan­do os Acos­ta, fa­mí­lia de ju­deus por­tu­gue­ses, che­ga­ram ao Mé­xi­co no iní­cio do sé­cu­lo XIX, de­ram iní­cio à li­nha­gem pa­ter­na do mu­ra­lis­ta me­xi­ca­no Diego Ri­ve­ra. Uma me­mó­ria que o ar­tis­ta, amor eter­no de Fri­da Kha­lo, rei­vin­di­ca­ria ao lon­go da sua vi­da.

Diz-se no Mé­xi­co que as bo­as his­tó­ri­as de vi­da são pas­si­o­nais. São fe­li­zes e do­lo­ro­sas, atam e de­sa­tam nós ce­gos na gar­gan­ta, ti­po tra­go ás­pe­ro de te­qui­la ba­ra­ta.

Da­mos o tom e en­tra­mos nu­ma das ta­ber­nas ta­ci­tur­nas da ci­da­de de Gu­a­na­ju­a­to – as cha­ma­das “can­ti­nas”, on­de se des­ti­lam con­tos pes­so­ais com o avan­çar dos co­pos. Pa­re­des de pe­dra bru­ta à mé­dia-luz, ba­fo hú­mi­do. Na mi­nha ca­be­ça, Cha­ve­la Var­gas can­ta “Tú me acos­tum­bras­te”. É noi­te e cho­ve miu­di­nho lá fo­ra.

Com um brin­de se­la­mos o mo­men­to. E con­ta­mos uma se­cre­ta his­tó­ria de vi­da.

Foi nos úl­ti­mos anos do sé­cu­lo XIX, nes­ta te­la ao estilo do Mé­xi­co co­lo­ni­al – es­te­reó­ti­po ain­da bem vi­vo –, que se de­se­nhou a in­fân­cia e ado­les­cên­cia de Diego Ri­ve­ra. O mu­ra­lis­ta e pin­tor (sim­ples­men­te “Diego”, pa­ra os me­xi­ca­nos) nas­ceu em 1886 no úl­ti­mo an­dar de um ve­lho ca­sa­rão de Gu­a­na­ju­a­to. Nú­me­ro 80 da Rua de Po­si­tos, on­de há 43 anos se ins­ta­lou a Ca­sa Mu­seu Diego Ri­ve­ra.

Po­lé­mi­co, tem­pe­ra­men­tal, enor­me e des­pro­por­ci­o­nal, o Diego de olhos de rã e mãos sa­pu­das foi o ma­ri­do e aman­te de Fri­da Kah­lo (ver cai­xa) e um dos mais icó­ni­cos ar­tis­tas me­xi­ca­nos em to­do o mun­do.

Mil ve­zes se re­tra­tou a vi­da do mu­ra­lis­ta, mas há um la­do pra­ti­ca­men­te des­co­nhe­ci­do, in­clu­si­va­men­te no Mé­xi­co. Não há do­cu­men­tos ofi­ci­ais, a his­tó­ria tem par­tes tur­vas e até al­gu­mas con­tra­di­ções. Mas tan­to o ar­tis­ta co­mo as ve­lhas ge­ra­ções da fa­mí­lia re­cor­dam: Diego Ri­ve­ra des­cen­de de ju­deus por­tu­gue­ses, os Acos­ta, que che­ga­ram ao Mé­xi­co no iní­cio do sé­cu­lo XIX.

“[Os meus an­te­pas­sa­dos eram] es­pa­nhóis, ho­lan­de­ses, por­tu­gue­ses, ita­li­a­nos, rus­sos e – sin­to-me or­gu­lho­so em di­zê-lo – ju­deus”, de­cla­rou nu­ma con­fe­rên­cia de im­pren­sa em 1952, na Ci­da­de do Mé­xi­co. “Re­cor­do so­bre­tu­do [...] a mi­nha avó – era uma ju­dia por­tu­gue­sa com o no­me de Inés Acos­ta”, re­for­çou, por ou­tro la­do, nu­ma en­tre­vis­ta ao fo­tó­gra­fo ame­ri­ca­no Mar­cel Stern­ber­ger.

Inés Acos­ta, a avó que “ob­ser­va­va o Shab­bat”, se­ria uma re­cor­da­ção cons­tan­te na vi­da do ne­to ar­tis­ta, mar­can­do pre­sen­ça sem­pre que Diego que­ria rei­vin­di­car a sua an­ces­tral he­ran­ça ju­dia.

Inés e a co­roa de pra­ta

No al­to de uma es­trei­ta es­ca­da­ria de pe­dra que tre­pa o Be­co das Al­mas, sur­ge uma pra­ça are­ja­da, co­mo um res­pi­ro. No la­do es­quer­do, en­qua­dra­da por du­as ár­vo­res, en­con­tra­mos a ve­lha mo­ra­dia on­de se ins­ta­lou a fa­mí­lia por­tu­gue­sa dos Acos­ta quan­do che­gou a Gu­a­na­ju­a­to, “em 1822 ou 1823”, se­gun­do a “En­ci­clo­pé­dia ju­dio-cas­te­lha­na”, ci­ta­da num ar­ti­go da se­cre­tá­ria pes­so­al de Diego Ri­ve­ra, Ra­quel Ti­bol. O edi­fí­cio cor-de-rosa-mor­ti­ço pa­re­ce ago­ra de­sa­bi­ta­do. Não en­con­tra­mos a cam­pai­nha. Ba­te­mos à por­ta uma, du­as ve­zes. Nin­guém res­pon­de. Não in­sis­ti­mos.

Tal co­mo o ca­sa­rão, a his­tó­ria dos Acos­ta é es­pec­tral e si­len­ci­o­sa. Quan­do a fa­mí­lia che­gou ao Mé­xi­co, “a imi­gra­ção lu­sa no país, tra­di­ci­o­nal­men­te cons­ti­tuí­da por ju­deus con­ver­ti­dos, era já mui­to ra­ra”, con­ta à “No­tí­ci­as Ma­ga­zi­ne” a his­to­ri­a­do­ra Ali­cia Goj­man. “Os gran­des au­tos-da-fé que ocor­re­ram aqui no sé­cu­lo XVII mar­ca­ram o fim da che­ga­da em mas­sa de por­tu­gue­ses”, con­tex­tu­a­li­za a in­ves­ti­ga­do­ra da Uni­ver­si­da­de Na­ci­o­nal Au­tó­no­ma do Mé­xi­co (UNAM).

Tam­bém a fi­lha de Diego Ri­ve­ra, Gu­a­da­lu­pe Ri­ve­ra Ma­rín, já não guar­da “qual­quer re­cor­da­ção” so­bre a ori­gem dos Acos­ta. “Eram fa­mí­li­as mui­to an­ti­gas, não me lem­bro de ou­vir o meu pai con­tar al­gu­ma coi­sa so­bre is­so”, afir­ma à NM nu­ma bre­ve con­ver­sa te­le­fó­ni­ca.

É nas bi­o­gra­fi­as de Diego que pe­lo me­nos a avó Inés ga­nha al­gu­ma for­ma. Sa­be­mos, as­sim, que te­rá nas­ci­do no ca­sa­rão dos Acos­ta por vol­ta de 1825 (e não em Por­tu­gal, co­mo di­zia Diego). Era ór­fã

de pai e vi­veu na pe­que­na pra­ça até ao ca­sa­men­to com Anas­ta­sio de la Ri­ve­ra, tam­bém ele de ori­gem ju­dia e na­tu­ral de Pe­tro­gra­do (atu­al São Pe­ters­bur­go, na Rús­sia).

Quan­do de­ram o nó, em 1842, Inés ti­nha 17 anos e Anas­ta­sio 50. “Um mo­ço de vin­te anos não po­de­ria ter si­do me­lhor aman­te”, te­rá di­to a jo­vem na úni­ca fra­se que lhe é co­nhe­ci­da, se­gun­do o au­tor Pa­trick Mar­nham no li­vro “So­nhan­do de olhos aber­tos”. O ca­sal te­ve no­ve fi­lhos, en­tre os quais o pai de Diego Ri­ve­ra.

Na obra “Dois Di­e­gos, dois Ri­ve­ras”, uma das ti­as-avós do mu­ra­lis­ta res­ga­ta ain­da uma das pou­cas me­mó­ri­as em pri­mei­ra mão que res­tam de Inés. Con­ta Au­ro­ra Al­co­cer que, um cer­to dia, o “abu­e­li­to” Anas­ta­sio des­co­briu um veio de pra­ta na mi­na de Asun­ción, da qual era co­pro­pri­e­tá­rio. “Era um fi­lão tão gran­de que on­ze ho­mens com os bra­ços es­ten­di­dos não o con­se­gui­am abra­çar.” Eu­fó­ri­co, o ve­lho Anas­ta­sio co­ro­ou en­tão a sua es­po­sa Inés: “Tu se­rás a con­des­sa ou mar­que­sa de Asun­ción de la Na­var­ra!”

O tí­tu­lo no­bi­liár­qui­co ad hoc foi pra­ta de pou­ca du­ra. Pou­cos anos de­pois, a mi­na inun­dou-se e a fa­mí­lia fi­cou em aper­tos fi­nan­cei­ros. A du­as ho­ras da ci­da­de de Gu­a­na­ju­a­to, na Ser­ra de San­ta Rosa, Asun­ción faz ho­je par­te do ro­tei­ro de “tu­ris­mo de aven­tu­ra” das mi­nas fan­tas­ma da re­gião.

Tio Be­ni­to, o Ca­va­lei­ro Vo­a­dor

Em­bo­ra Inés se­ja a fi­gu­ra mais re­cor­da­da pe­las ve­lhas ge­ra­ções da fa­mí­lia Ri­ve­ra, uma pla­ca co­me­mo­ra­ti­va na ca­sa dos Acos­ta ce­le­bra: “O En­ge­nhei­ro Be­ni­to León Acos­ta, pri­mei­ro ae­ro­nau­ta me­xi­ca­no, nas­ceu nes­ta ca­sa.”

O mar­co é im­por­tan­te pa­ra a his­tó­ria do Mé­xi­co. O tio-avô de Diego foi a pri­mei­ra pes­soa a vo­ar nos céus do país, em 1842. “Ele trou­xe o pri­mei­ro ba­lão de ar quen­te [...], ti­nha apren­di­do es­sa ar­te na

Fran­ça e na Ho­lan­da”, re­la­ta a au­to­ra Lo­ló de la Tor­ri­en­te em “Me­mó­ria e ra­zão de Diego Ri­ve­ra”.

Nes­sa épo­ca, Be­ni­to era um ver­da­dei­ro he­rói na­ci­o­nal. O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de en­tão, San­ta An­na, no­me­ou-o Ca­va­lei­ro da Or­dem de Gu­a­da­lu­pe e ou­tor­gou-lhe a ex­clu­si­vi­da­de pa­ra vo­ar no Mé­xi­co du­ran­te três anos. Ain­da ho­je o ae­ro­nau­ta pi­o­nei­ro é ho­me­na­ge­a­do no Fes­ti­val de Ba­lão de Ar Quen­te de León, o ter­cei­ro mai­or even­to do gé­ne­ro a ní­vel mun­di­al, que so­be todos os anos aos céus des­ta ci­da­de a 60 qui­ló­me­tros de Gu­a­na­ju­a­to.

Os fei­tos do tio de Inés são bem co­nhe­ci­dos, mas a pla­ca co­me­mo­ra­ti­va da ve­lha ca­sa aca­ba por tro­car-nos as vol­tas. A ins­cri­ção diz tam­bém que o ae­ro­nau­ta nas­ceu nes­te ca­sa­rão a “11 de Abril de 1819”, is­to é, três ou qua­tro anos an­tes da che­ga­da da sua pró­pria fa­mí­lia ao Mé­xi­co. No já re­fe­ri­do li­vro de me­mó­ri­as “Dois Di­e­gos, dois Ri­ve­ras”, a fi­lha do mu­ra­lis­ta, Gu­a­da­lu­pe, ba­ra­lha ain­da mais as car­tas: a pla­ca “diz que ele é ori­gi­ná­rio de Gu­a­na­ju­a­to, mas sa­be­mos que veio de Por­tu­gal”.

Con­tra­di­ção? Tal­vez não. A his­to­ri­a­do­ra Ali­cia Goj­man apre­sen­ta à NM uma hi­pó­te­se: “Na al­tu­ra em que es­sa fa­mí­lia che­gou, o Mé­xi­co aca­ba­va de se tor­nar in­de­pen­den­te e a me­mó­ria da In­qui­si­ção es­ta­va ain­da bas­tan­te fres­ca. Fo­ram mui­tas as pes­so­as que che­ga­ram e não se de­cla­ra­ram ju­di­as.” No ca­so de Be­ni­to Acos­ta, a aca­dé­mi­ca le­van­ta a pos­si­bi­li­da­de de uma “rein­ven­ção da iden­ti­da­de” co­mo ar­ti­fí­cio pa­ra es­ca­par a pos­sí­veis ame­a­ças an­tis­se­mi­tas.

Em bus­ca de pis­tas, a NM so­li­ci­tou ao Arquivo His­tó­ri­co de Gu­a­na­ju­a­to aces­so às cer­ti­dões de nas­ci­men­to do sé­cu­lo XIX da ci­da­de. No en­tan­to, o re­gis­to mais antigo da­ta de 1869, meio sé­cu­lo de­pois da en­cru­zi­lha­da bi­o­grá­fi­ca dos Acos­ta. O mis­té­rio per­ma­ne­ce por re­sol­ver. ●

FONDO FOTOGRÁFICO CENIDIAP/INBA. BI­BLI­O­TE­CA DE LAS AR­TES

FOTO ATRIBUÍDA A TI­NA MODOTTI, FONDO FOTOGRÁFICO CENIDIAP/INBA. BI­BLI­O­TE­CA DE LAS AR­TES

M Pri­mei­ro mu­ral de Diego Ri­ve­ra: "A Cri­a­ção”, no an­fi­te­a­tro Si­món Bo­lí­var, na Ci­da­de do Mé­xi­co (1922)

FONDO FOTOGRÁFICO CENIDIAP/INBA. BI­BLI­O­TE­CA DE LAS AR­TES

a Diego Ri­ve­ra é o pin­tor la­ti­no-ame­ri­ca­no mais va­lo­ri­za­do no mer­ca­do de ar­te em to­do o mun­do

COL. INBA/CA­SA MUSEO DIEGO RI­VE­RA, GU­A­NA­JU­A­TO

M Diego Ri­ve­ra era ag­nós­ti­co, mas rei­vin­di­ca­va uma an­ces­tra­li­da­de ju­dia nos mei­os po­lí­ti­co e ar­tís­ti­co on­de se mo­via Ines Acos­ta, a avo pa­ter­na de Diego Ri­ve­ra, des­cen­dia de uma fa­mí­lia por­tu­gue­sa que emi­grou pa­ra o Mé­xi­co por vol­ta de 1820

M To­das as obras de Diego Ri­ve­ra fo­ram ca­ta­lo­ga­das co­mo Mo­nu­men­to Na­ci­o­nal do Mé­xi­co em 1959

FONDO FOTOGRÁFICO CENIDIAP/INBA. BI­BLI­O­TE­CA DE LAS AR­TES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.