VA­MOS AO QUE IN­TE­RES­SA

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário#1371 -

São ca­da vez mais os si­tes e apps a aju­dar quem bus­ca tu­do o que exis­te no in­ter­va­lo en­tre se­xo e ro­man­ce. À bo­leia de um per­fil fic­tí­cio, a jor­na­lis­ta So­fia Tei­xei­ra pe­sa os efei­tos da tec­no­lo­gia nas re­la­ções con­tem­po­râ­ne­as.

Si­tes e apli­ca­ções co­mo Tin­der, Ash­ley Ma­di­son ou Grin­dr co­lo­cam na pon­ta dos de­dos mi­lha­res de po­ten­ci­ais par­cei­ros. Quer pro­cu­re­mos uma com­pa­nhia pa­ra vi­da, uma noi­te de se­xo ou ou­tra coi­sa qual­quer. Mas es­tas apps não in­flu­en­ci­am ape­nas o mo­do co­mo co­nhe­ce­mos pes­so­as: es­tão a mudar a for­ma co­mo es­co­lhe­mos, to­ma­mos de­ci­sões e nos re­la­ci­o­na­mos, além de al­te­rar o te­ci­do so­ci­al e cul­tu­ral das co­mu­ni­da­des em que vi­ve­mos.

Mu­dou tu­do. An­tes, se que­ria pas­sar um bom bo­ca­do sem re­cor­rer a uma pros­ti­tu­ta, im­pli­ca­va dis­po­si­ção, es­for­ço, ris­co, se­du­ção, in­ves­ti­men­to e, so­bre­tu­do, mui­tas pro­ba­bi­li­da­des de fa­lhar. Ago­ra, sen­ta­do no es­cri­tó­rio, com três to­ques num bo­tão e meia dú­zia de fra­ses, ar­ran­jo uma mu­lher dis­po­ní­vel pa­ra ter se­xo co­mi­go nes­sa noi­te”, con­ta Pe­dro, que diz ser de Lisboa e ter 49 anos. “Já ti­ve se­xo com seis mu­lhe­res – além da­que­la com quem es­tou ca­sa­do, en­ten­da-se – nos úl­ti­mos dois anos.”

É mui­to di­fí­cil en­con­trar um ho­mem ca­sa­do tão dis­po­ní­vel pa­ra ad­mi­tir que pro­cu­ra ati­va­men­te o adul­té­rio e já deu fa­ca­das no ma­tri­mó­nio, mas ape­nas quan­do não se pro­cu­ra no sí­tio cer­to. E o sí­tio cer­to é uma con­ta no Ash­ley Ma­di­son, o po­pu­lar si­te de en­con­tros pa­ra pes­so­as com­pro­me­ti­das, que ba­seia a co­mu­ni­ca­ção no mo­te “A vi­da é cur­ta, te­nha um ca­so.” A per­so­na­gem fic­tí­cia que criá­mos apre­sen­ta-se co­mo uma mu­lher ca­sa­da, de 30 anos, que pro­cu­ra ho­mens. Não tem de pro­cu­rar mui­to: me­nos de cin­co ho­ras de­pois já re­ce­beu 15 “pis­ca­de­las” de olho, no­ve men­sa­gens pri­va­das e es­tá nos fa­vo­ri­tos de dez ho­mens en­tre os 29 e 65 anos, ca­sa­dos ou em re­la­ção de com­pro­mis­so. En­tre eles Pe­dro, ca­sa­do há 18 anos e uti­li­za­dor fre­quen­te do si­te (que tem 50 mi­lhões de uti­li­za­do­res), que acei­tou dar o tes­te­mu­nho pa­ra es­te ar­ti­go. Pe­dro ex­pli­ca que nin­guém es­tá ali pa­ra mui­ta con-

ver­sa fi­a­da. “De­pois de meia dú­zia de tro­cas de men­sa­gens, cos­tu­mo dar aces­so a um ál­bum de fo­to­gra­fi­as pri­va­do à mu­lher com quem es­tou a con­ver­sar e ela faz o mes­mo. Às ve­zes, nem sem­pre, são dis­cu­ti­das tam­bém pre­fe­rên­ci­as se­xu­ais e há con­ver­sas eró­ti­cas. De­pois, pas­sa-se ra­pi­da­men­te ao agen­da­men­to de um en­con­tro, por norma no bar de um ho­tel, pa­ra to­mar qual­quer coi­sa an­tes de su­bir ao quar­to”, por­me­no­ri­za. “É in­cri­vel­men­te prá­ti­co. As pes­so­as sa­bem ao que vão, sa­tis­fa­zem os seus de­se­jos e vão à sua vi­da.”

Se o Ash­ley Ma­di­son, fo­ca­do no mer­ca­do da in­fi­de­li­da­de, foi po­lé­mi­co quan­do sur­giu, mais po­lé­mi­cos têm si­do si­tes e apps co­mo o Se­e­king Ar­ran­ge­ment, Ri­chMe­etBe­au­ti­ful e Su­gar­da­ters, che­ga­dos há pou­cos anos a Por­tu­gal. Apre­sen­tam-se co­mo “si­tes de re­la­ções mu­tu­a­men­te be­né­fi­cas” e põem em con­tac­to ho­mens ou mu­lhe­res ma­du­ros e bem es­ta­be­le­ci­dos na vi­da (os “su­gar dad­di­es” e “su­gar mom­mas”) que pro­cu­ram uma com­pa­nhia mais jo­vem e atra­en-

te, dis­pos­ta a ter uma re­la­ção em tro­ca de bens ma­te­ri­ais ou di­nhei­ro (as/os “su­gar ba­bi­es”). Eles cha­mam-lhes “re­la­ções nos seus ter­mos”, mas há quem lhe cha­me pros­ti­tui­ção.

A psi­có­lo­ga clí­ni­ca e se­xó­lo­ga Vâ­nia Be­liz des­dra­ma­ti­za: “Quan­do se é mai­or de ida­de, e ha­ven­do con­sen­ti­men­to, ca­da um é li­vre de fa­zer o que de­se­ja, des­de que as es­co­lhas não vi­o­lem a li­ber­da­de do ou­tro. Em qua­se todos os com­por­ta­men­tos re­ce­be­mos re­for­ços do que fa­ze­mos. Por­que te­re­mos de en­ca­rar que no se­xo es­sas con­tra­par­ti­das são pros­ti­tui­ção?”. A se­xó­lo­ga con­si­de­ra que o im­por­tan­te é que todos sai­bam as re­gras do jo­go, ain­da que, mui­tas ve­zes, is­so pos­sa ul­tra­pas­sar al­guns li­mi­tes. “O poder e a sub­mis­são fa­zem par­te da fan­ta­sia de mui­tas pes­so­as e, mui­tas ve­zes, o di­nhei­ro é um de­no­mi­na­dor im­por­tan­te. Ago­ra exis­tem apli­ca­ções pen­sa­das pa­ra jun­tar a ofer­ta e a pro­cu­ra, mas es­te ti­po de re­la­ci­o­na­men­to sem­pre exis­tiu.” Já a psi­có­lo­ga e psi­co­te­ra­peu­ta de ca­sais Ca­ta­ri­na Me­xia tem uma opi­nião – que fri­sa ser pes­so­al – di­fe­ren­te. Em­bo­ra re­co­nhe­ça tam­bém que não é um ti­po de re­la­ção no­va, não con­cor­da com “uma apli­ca­ção que vem vul­ga­ri­zar, mas­si­fi­car e nor­ma­li­zar uma si­tu­a­ção que não dig­ni­fi­ca a con­di­ção hu­ma­na, e aju­da a acen­tu­ar si­tu­a­ções po­ten­ci­al­men­te pe­ri­go­sas pa­ra os en­vol­vi­dos”.

Es­co­lhas que con­de­nam a não con­se­guir es­co­lher

Mas nem to­das as apps de en­con­tros são po­lé­mi­cas ou têm even­tu­ais ques­tões mo­rais as­so­ci­a­das. Usar pla­ta­for­mas co­mo o Tin­der, o Me­e­tic ou o OkCu­pid pa­ra co­nhe­cer al­guém é ho­je ba­nal. Mas is­so não quer di­zer que a uti­li­za­ção se­ja isen­ta de de­sa­fi­os. “On­tem, um cli­en­te que usa o Tin­der com frequên­cia con­ta­va-me que se sen­te co­mo um da­que­les ga­los dos ca­ta-ven­tos: ton­to, sem con­se­guir pa­rar de gi­rar. São tan­tas as ja­ne­las de co­mu­ni­ca­ção, tan­tos con­tac­tos, tan­tas mu­lhe­res, que não sa­be pa­ra on­de se vol­tar”, re­ve­la Ana Car­va­lhei­ra, se­xó­lo­ga e in­ves­ti­ga­do­ra do ISPA - Ins­ti­tu­to Uni­ver­si­tá­rio de Ci­ên­ci­as Psi­co­ló­gi­cas, So­ci­ais e da Vi­da.

A van­ta­gem mais ób­via das apps é dei­xar de es­tar li­mi­ta­do ao círculo de ami­gos, aos ami­gos dos ami­gos, aos co­le­gas de tra­ba­lho e a en­con­tros de cir­cuns­tân­cia pa­ra co­nhe­cer pes­so­as. Há en­con­tros en­tre per­fei­tos es­tra­nhos que, de ou­tra for­ma, nun­ca se cru­za­ri­am. Mas aqui­lo que co­me­ça a ques­ti­o­nar-se é se es­ta apa­ren­te bên­ção não se­rá, afi­nal, uma mal­di­ção. O cam­po de pos­si­bi­li­da­des es­tá tão alar­ga­do e as op­ções são tan­tas que is­so aca­ba por cau­sar uma sen­sa­ção per­ma­nen­te de dú­vi­da e in­sa­tis­fa­ção. A es­te es­ta­do men­tal o psi­có­lo­go Bar­ry Schwartz, do Swarth­mo­re Col­le­ge, nos EUA, cha­ma “o pa­ra­do­xo da es­co­lha”: as pos­si­bi­li­da­des são tan­tas que dei­xa­mos de con­se­guir es­co­lher e dei­xa­mos de nos con­se­guir com­pro­me­ter com o que es­co­lhe­mos. Por­que ha­ve­rá sem­pre mais e me­lhor. De­pois, há o ví­cio. Um inqué­ri­to da re­vis­ta “Es­qui­re”, em 2017, re­ve­la que 48% dos uti­li­za­do­res do Tin­der o usam pa­ra en­ga­tes de uma noi­te e 42% pa­ra en­con­trar uma re­la­ção, mas o sur­pre­en­den­te é que 63% ad­mi­te que o tem­po que pas­sa na apli­ca­ção é ape­nas uma for­ma de que­brar a mo­no­to­nia e lu­tar con­tra o té­dio. Faz sen­ti­do co­me­çar a fa­lar em vi­ci­a­dos em apps de en­con­tros? A psi­co­te­ra­peu­ta Ca­ta­ri­na Me­xia en­ten­de que sim, até por­que elas es­tão de­se­nha­das pa­ra is­so: “O nos­so cé­re­bro li­ber­ta do­pa­mi­na, não com a re­com­pen­sa, mas com a ex­pec­ta­ti­va da re­com­pen­sa, e is­to é am­pli­fi­ca­do quan­do a re­com­pen­sa é in­cer­ta.

AS POS­SI­BI­LI­DA­DES SÃO TAN­TAS QUE DEI­XA­MOS DE CON­SE­GUIR ES­CO­LHER E DE NOS COMPROMETERMOS COM O QUE ES­CO­LHE­MOS. POR­QUE HA­VE­RÁ SEM­PRE MAIS E ME­LHOR

Ca­da vez que abri­mos uma des­tas apli­ca­ções e va­gue­a­mos pe­las mui­tas pos­si­bi­li­da­des que ela dis­po­ni­bi­li­za au­to­ma­ti­ca­men­te, es­ta­mos a ali­men­tar a nos­sa pro­du­ção de neu­ro­trans­mis­so­res. Tu­do is­to sem que ha­ja uma ação, por exem­plo, um en­con­tro fa­ce a fa­ce que po­nha fim a es­ta pro­cu­ra e se tor­ne num mo­men­to de sa­ci­e­da­de re­al.” Ana Car­va­lhei­ra con­cor­da: “Tor­nou-se um ví­cio es­co­lher po­ten­ci­ais par­cei­ros no te­le­mó­vel e acho is­so pre­o­cu­pan­te. A cor­res­pon­dên­cia (’mat­ch’) fun­ci­o­na co­mo um im­pul­si­o­na­dor da au­to­es­ti­ma que, de for­ma su­per­fi­ci­al, au­men­ta a per­ce­ção de ser de­se­ja­do.”

Pre­sos no mun­do vir­tu­al

Cri­a­do em 2012, o Tin­der – que se de­fi­ne co­mo “A mai­or e mais quen­te co­mu­ni­da­de de sol­tei­ros do mun­do” – ga­ran­te no seu texto de in­tro­du­ção que, em mé­dia, faz 26 mi­lhões de cor­res­pon­dên­ci­as por dia. “Bas­ta pas­sar, cor­res­pon­der e con­ver­sar online com as su­as cor­res­pon­dên­ci­as. De­pois li­gue o te­le­mó­vel, en­con­tre-se no mun­do re­al e dê iní­cio a al­go no­vo.” O con­se­lho é bom, mas há quem fi­que pre­so nes­sas ma­lhas e fa­ça da vi­da vir­tu­al a úni­ca vi­da so­ci­al que tem.

“Há ca­sais que man­têm re­la­ções ex­clu­si­va­men­te vir­tu­ais por mui­to tem­po, se­xu­a­li­za­das ou não”, sus­ten­ta a psi­có­lo­ga Ca­ta­ri­na Ri­ve­ro. E pa­ra a psi­co­te­ra­peu­ta Ca­ta­ri­na Me­xia um dos ris­cos é pre­ci­sa­men­te es­se: re­du­zir as in­te­ra­ções ao mun­do vir­tu­al. “Em pe­río­dos de mai­or fra­gi­li­da­de emo­ci­o­nal es­tas apps po­dem tor­nar-se par­ti­cu­lar­men­te ar­ris­ca­das, já que ali­men­tam o iso­la­men­to ine­ren­te a uma vi­da qua­se ex­clu­si­va­men­te vir­tu­al, ape­nas com en­con­tros pon­tu­ais e cen­tra­dos ex­clu­si­va­men­te em se­xo. Cri­am a ilu­são de re­de so­ci­al que é, na ver­da­de, uma re­de ape­nas vir­tu­al.” Ou se­ja, que não exis­te re­al­men­te.

E se não exis­te re­la­ção mas os uti­li­za­do­res sen­tem que exis­te, is­so é, em par­te, por cau­sa da enor­me mu­dan­ça a ní­vel da co­mu­ni­ca­ção que o chat trou­xe: há uma ace­le­ra­ção da sen­sa­ção de in­ti­mi­da­de, mes­mo quan­do o con­tac­to é su­per­fi­ci­al. “Es­ta per­ce­ção de in­ti­mi­da­de e de co­nhe­ci­men­to acon­te­ce por­que, online, não há me­do da ava­li­a­ção e juí­zo so­ci­al a que es­ta­mos su­jei­to nu­ma in­te­ra­ção pre­sen­ci­al”, ex­pli­ca Ana Car­va­lhei­ra. “E emer­giu co­mo va­lor do­mi­nan­te o ime­di­a­tis­mo. As pes­so­as que­rem o en­con­tro, a re­la­ção, o se­xo, o amor e o pra­zer, ago­ra, no ime­di­a­to. Não há tem­po pa­ra re­fle­tir e me­nos ain­da pa­ra sen­tir o ou­tro, e, co­mo há um con­tro­lo mui­to mai­or da in­te­ra­ção, se

“NA VI­DA RE­AL, MUI­TAS VE­ZES AS NOS­SAS RE­LA­ÇÕES MAIS SATISFATÓRIAS ACON­TE­CEM COM PES­SO­AS QUE, À PAR­TI­DA, NÃO ESCOLHERÍAMOS”

Ca­ta­ri­na Me­xia, psi­co­te­ra­peu­ta

não me agra­da, aca­bo tu­do com um cli­que.”

De res­to, aca­bar tu­do com um cli­que é um fe­nó­me­no em as­cen­são. Dan­tes as re­la­ções po­di­am aca­bar com uma pes­soa a di­zer à ou­tra, “não es­tá a re­sul­tar pa­ra mim”, “en­con­trei ou­tra pes­soa” ou “o pro­ble­ma não és tu, sou eu”. Ago­ra aca­bam sem que se di­ga uma úni­ca pa­la­vra, es­pe­ran­do que es­se si­lên­cio en­sur­de­ce­dor fa­ça o ou­tro per­ce­ber que foi o fim. O fe­nó­me­no tor­nou-se tão fre­quen­te que já foi ba­ti­za­do: cha­ma-se “ghos­ting” (do in­glês “fan­tas­ma”) e de­fi­ne-se pe­lo cor­te re­pen­ti­no da re­la­ção, sem ex­pli­ca­ções: blo­queia-se ou de­sa­mi­ga-se o en­jei­ta­do das re­des so­ci­ais e apps, não se res­pon­de às men­sa­gens, não se aten­dem os te­le­fo­ne­mas.

O fe­nó­me­no é con­sequên­cia da su­per­fi­ci­a­li­da­de dos re­la­ci­o­na­men­tos, mas tam­bém re­fle­te uma mu­dan­ça com­por­ta­men­tal in­du­zi­da pe­las tec­no­lo­gi­as: é tão rá­pi­do fa­zer sair uma pes­soa da nos­sa vi­da co­mo foi dei­xá-la en­trar. “Com a tec­no­lo­gia es­te cor­te de re­la­ção tem vin­do a ser ba­na­li­za­do e de­mons­tra a fa­ci­li­da­de com se des­car­tam as pes­so­as”, su­bli­nha a psi­có­lo­ga Ca­ta­ri­na Ri­ve­ro. “Quem tem es­te com­por­ta­men­to re­fe­re que não sa­bia o que di­zer. Tra­ta-se de uma ati­tu­de que con­si­de­ra ape­nas os sen­ti­men­tos pró­pri­os, mas que pas­sou a ser so­ci­al­men­te acei­te, de al­gum mo­do, atra­vés da tec­no­lo­gia.”

O ro­man­ce num có­di­go pos­tal per­to de si

“Qu­e­res f **** for­te?” As­sim. Nem “bom dia”, nem “boa tar­de”, nem “olá, co­mo es­tás”. Es­ta foi a pri­mei­ra men­sa­gem de um uti­li­za­dor do Tin­der que Jo­a­na, de 31 anos, re­ce­beu. Jo­a­na não é pro­pri­a­men­te uma pu­ri­ta­na, nem tem na­da con­tra se­xo ca­su­al – em­bo­ra pro­cu­re de mo­men­to uma re­la­ção es­tá­vel – mas avi­sa: “As mu­lhe­res que se ins­cre­vem no Tin­der têm de es­tar pre­pa­ra­das pa­ra men­sa­gens des­te gé­ne­ro: 90% das ve­zes a abor­da­gem é ru­de ou agres­si­va.” A mar­ke­te­er, do Por­to, co­me­çou a usar o Tin­der em maio pa­ra co­nhe­cer pes­so­as no­vas de­pois ter ter­mi­na­do uma união de fac­to. A pos­si­bi­li­da­de de tri­a­gem – fei­ta pe­lo al­go­rit­mo da apli­ca­ção e pe­los uti­li­za­do­res – de­via pôr-nos com mais fa­ci­li­da­de per­to da pes­soa cer­ta. Mas a psi­co­te­ra­peu­ta Ca­ta­ri­na Me­xia, re­co­nhe­cen­do os as­pe­tos prá­ti­cos des­sas fun­ci­o­na­li­da­des, lem­bra que “na vi­da re­al, mui­tas ve­zes as nos­sas re­la­ções mais satisfatórias acon­te­cem com pes­so­as que, à par­ti­da, não escolheríamos”. Jo­a­na, que já te­ve en­con­tros com du­as pes­so­as que co­nhe­ceu na apli­ca­ção, con­ti­nua à pro­cu­ra. “Em maio ti­ve al­guns en­con­tros com uma pes­soa mui­to in­te­res­san­te, mas ele não es­ta­va à pro­cu­ra de uma re­la­ção sé­ria. E, há du­as se­ma­nas, ti­ve ou­tro en­con­tro, mas foi o pri­mei­ro e úl­ti­mo. Hou­ve quí­mi­ca online, mas não pes­so­al­men­te”, con­ta.

Por­que, a par­tir do mo­men­to em que a re­la­ção sal­ta do Tin­der ou de ou­tra apli­ca­ção pa­ra a vi­da re­al, pas­sa a es­tar su­jei­ta às mes­mas re­gras, van­ta­gens e vi­cis­si­tu­des de ou­tra re­la­ção qual­quer. É por is­so que a se­xó­lo­ga Vâ­nia Be­liz per­gun­ta: “Qual é a di­fe­ren­ça en­tre co­nhe­cer uma pes­soa na praia ou num chat de re­la­ci­o­na­men­tos? Não ha­ve­rá até me­nos ris­cos na se­gun­da hi­pó­te­se?”. ●m

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.