ALE­XAN­DRE E A EU­FO­RIA DE VI­VER

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário#1371 - TEXTO E FO­TOS An­tó­nio Pe­dro Santos

Uma va­ci­na es­tra­ga­da ati­rou-o aos dois anos pa­ra a ca­dei­ra de ro­das. Aos 47, Ale­xan­dre Al­ber­naz trei­na pa­ra os Jo­gos Pa­ra­lím­pi­cos de Tó­quio 2020. Na pis­ci­na, con­ta ao jor­na­lis­ta An­tó­nio Pe­dro Santos, “so­mos todos iguais”.

Aos dois anos, uma va­ci­na es­tra­ga­da trans­for­mou a vi­da de Ale­xan­dre Al­ber­naz. Em vez de fi­car imu­ne à po­li­o­mi­e­li­te, con­traiu a do­en­ça. Des­de ce­do apren­deu a mo­ver-se sen­ta­do nu­ma ca­dei­ra de ro­das e nun­ca bai­xou os bra­ços. De­sis­tir é pa­ra os fra­cos. Com 47 anos, de­pois de já ter pra­ti­ca­do bas­que­te­bol e an­de­bol, quer cum­prir o mai­or so­nho da sua vi­da: par­ti­ci­par nos Jo­gos Pa­ra­lím­pi­cos de Tó­quio, em 2020, na ca­te­go­ria de na­ta­ção adap­ta­da. Eis a sua his­tó­ria, em dis­cur­so di­re­to.

“Boa noi­te.” Foi atra­vés des­tas du­as pa­la­vras que co­nhe­ci o Ale­xan­dre. Eram qua­se qua­tro da ma­nhã e a ca­mi­nho de ca­sa cum­pri­men­tei o ca­sal que na­mo­ra­va em ple­no cen­tro de Lisboa, à es­pe­ra de um au­to­car­ro. Na­que­le mo­men­to, na­que­la rua, éra­mos só nós os três. “Boa noi­te e obri­ga­do”, res­pon­deu ele, fa­zen­do-me vol­tar atrás. Eu ti­nha si­do a úni­ca pes­soa a cum­pri­men­tá-los; a mos­trar, re­fe­riu, a edu­ca­ção tí­pi­ca da pro­vín­cia. Foi ami­za­de à pri­mei­ra vis­ta.

Há mui­tas for­mas de con­tar his­tó­ri­as, mas nem sem­pre é fá­cil en­con­trá-las. Fru­to do mais pu­ro aca­so (ou não), a vi­da de Ale­xan­dre da­va um li­vro. “Detesto jor-

na­lis­tas, nun­ca gos­tei, mas pe­la ma­nei­ra co­mo nos co­nhe­ce­mos, vou dei­xar-te con­tar a mi­nha his­tó­ria.”

Aqui fi­ca ela, na pri­mei­ra pes­soa:

“Nas­ci em Ben­gue­la, An­go­la, on­de vi­vi até aos dois anos. Foi nes­sa al­tu­ra que le­vei a se­gun­da do­se da va­ci­na con­tra a po­li­o­mi­e­li­te, adul­te­ra­da por um mês e meio no cais de Lu­an­da, com tem­pe­ra­tu­ras pró­xi­mas dos 50 graus. O re­sul­ta­do ime­di­a­to fo­ram 80 cri­an­ças, co­mo eu, in­fe­ta­das com po­li­o­mi­e­li­te, das quais só so­bre­vi­ve­ram cin­co. Pen­so que as ou­tras qua­tro já fa­le­ce­ram. De­vo ser o úni­co so­bre­vi­ven­te.

O meu pai le­vou-me, pou­co tem­po de­pois, pa­ra a Áfri­ca do Sul, on­de le­vei cho­ques na ca­be­ça pa­ra me ati­va­rem al­gu­ma sen­si­bi­li­da­de no cor­po. Gra­ças a Deus te­nho o cor­po to­do a fun­ci­o­nar. Me­xo os de­dos dos pés, te­nho for­ça nas per­nas, mas não con­si­go ter for­ça su­fi­ci­en­te pa­ra su­por­tar o pe­so do cor­po. Por is­so an­do de ca­dei­ra de ro­das. Nun­ca nin­guém me pe-

diu des­cul­pa, nem aos meus pais.

De­pois de ir pa­ra a Áfri­ca do Sul es­ti­ve dois anos em co­ma e quan­do re­cu­pe­rei já es­ta­va em Por­tu­gal, no Hos­pi­tal São João de Deus, em Mon­te­mor-o-No­vo. Lem­bro-me de ter cin­co anos e de me em­pur­ra­rem pa­ra uma ba­nhei­ra de me­tal. Ti­nha me­do, mas pa­ra apren­der era ne­ces­sá­rio que to­mas­se ba­nho sem aju­das. No fi­nal, ou­vi o ir­mão, da Or­dem, di­zer que ti­nha de sair so­zi­nho da ba­nhei­ra pa­ra a ca­dei­ra de ro­das. Dis­se-lhe que não con­se­guia, a cho­rar, e ele dei­xou-me so­zi­nho na ca­sa de ba­nho, às es­cu­ras. En­trei em hi­po­ter­mia, mas a hi­po­ter­mia dá-te for­ça. Gra­ças a is­so con­se­gui su­bir pa­ra a ca­dei­ra, so­zi­nho, pe­la pri­mei­ra vez. Ja­mais me es­que­ci da li­ção que nes­se dia me de­ram, que eu ha­ve­ria de con­se­guir fa­zer tu­do na vi­da sem pe­dir na­da a nin­guém.

Dan­tes, a po­li­o­mi­e­li­te era ta­bu. Vi­ver num hos­pi­tal é co­mo vi­ve­res pre­so, es­ta­mos sós, sem fa­mí­lia, seis por ca­da quar­to, é mui­to trau­ma­ti­zan­te. Lem­bro-me de aju­dar um ve­lho­te de Pi­as, que não ti­nha bra­ços nem per­nas, a ir à ca­sa de ba­nho. Ele en­fi­a­va-se to­do pa­ra den­tro da sa­ni­ta. Nós, co­mo co­le­gas, am­pa­rá­va­mo-lo, se­gu­ran­do-lhe o tronco até ele eva­cu­ar. Nes­ses anos ga­nhei uma for­ça de von­ta­de bru­tal, por­que per­ce­bi que o ser hu­ma­no só pensa no ou­tro quan­do olha pa­ra o la­do e vê que há sem­pre al­guém mui­to pi­or do que nós. Deu-me mui­ta for­ça pa­ra con­ti­nu­ar. Fo­ram anos de mui­ta dor, ale­gria e com­pai­xão, mas a fé mo­ve mon­ta­nhas.

Vi­vi no Hos­pi­tal de Mon­te­mor até aos 12 anos. Os meus pais iam vi­si­tar-me fre­quen­te­men­te, se bem que fos­se mui­to di­fí­cil pa­ra o meu pai lá ir. Era uma pes­soa mui­to sen­sí­vel, mui­to es­pe­ci­al. Cos­tu­ma­va dar sem­pre a des­cul­pa que ia lá fo­ra fu­mar um ci­gar­ro pa­ra não me ver na­que­le es­ta­do, pa­ra poder cho­rar à von­ta­de. Ali fi­ze­ram de mim um ho­mem, abri os olhos

mui­to mais ce­do pa­ra o mun­do, per­ce­bi que não ia ser fá­cil ter uma vi­da de de­fi­ci­en­te, su­por­tar es­te far­do. No ou­tro dia, ao sair de uma con­sul­ta no Hos­pi­tal San­ta Ma­ria, ia apa­nhar um tá­xi. O ho­mem, mal-en­ca­ra­do, dis­se-me que não es­ta­va dis­po­ní­vel pa­ra mim, que o car­ro de­le não es­ta­va adap­ta­do pa­ra pes­so­as co­mo eu. Co­mo não me ca­lei, di­ri­giu-se a mim e dis­se-me das coi­sas mais cruéis que já ou­vi: ‘Se Deus te mar­cou al­gum mal te en­con­trou.’ Nós ser­vi­mos de exem­plo pa­ra aque­les que se con­si­de­ram nor­mais. Nós não so­mos anor­mais, so­mos pes­so­as es­pe­ci­ais, ve­mos as coi­sas de ma­nei­ra di­fe­ren­te. En­ca­ra­mos a bon­da­de de ou­tra for­ma e não olha­mos com es­cár­nio pa­ra nin­guém, ao con­trá­rio do que sen­ti­mos. É um país di­fí­cil pa­ra se vi­ver as­sim. Bas­ta ir a Es­pa­nha e não pa­go um úni­co trans­por­te. Aqui, num au­to­car­ro da Car­ris, num es­pa­ço re­ser­va­do pa­ra mim, on­de não po­de ir mais nin­guém, a pri­mei­ra pre­o­cu­pa­ção dos pi­cas é per­gun­tar se eu te­nho bi­lhe­te ou pas­se. Não te­nho cul­pa que num au­to­car­ro a ram­pa pa­ra eu en­trar de­mo­re dois ou três mi­nu­tos a bai­xar, mais dois ou três mi­nu­tos pa­ra fe­char, es­ta ci­da­de nem pa­ra is­so tem pa­ci­ên­cia.

Em 1983 saio do hos­pi­tal, bem es­tu­da­do. Quan­do saí vi­nha com eu­fo­ria de vi­ver. Em Co­ru­che ti­nha mui­ta li­ber­da­de e an­da­va mui­to a ca­va­lo e de mo­to 4. Fiz o me­lhor que po­dia ter fei­to nes­sa al­tu­ra, mus­cu­la­va o cor­po di­a­ri­a­men­te. Os do­en­tes com po­li­o­mi­e­li­te têm de se cons­ci­en­ci­a­li­zar de uma coi­sa: ou fa­zem des­por­to ou fi­si­o­te­ra­pia re­gu­lar­men­te, ca­so con­trá­rio hão de aca­bar por mor­rer co­mo uma con­cha. Eu nun­ca mor­re­rei co­mo uma con­cha. A pa­ra­li­sia nun­ca há de ser mais for­te do que eu. Ti­ve os me­lho­res ami­gos que po­dia ter ti­do, nun­ca me fi­ze­ram sen­tir que era de­fi­ci­en­te. Co­me­cei a pra­ti­car des­por­to aos 13 anos. Pri­mei­ro bas­que­te­bol, de­pois an­de­bol. A na­ta­ção sur­giu há no­ve anos, na pis­ci­na da Por­te­la. Es­ta­va sa­tu­ra­do de tra­ba­lhar num call cen­ter e deu-me na ca­be­ça que ti­nha de co­me­çar a na­dar. O meu cor­po pre­ci­sa­va de ou­tro es­tí­mu­lo. Per­gun­ta­ram-me ao que ia e a mi­nha res­pos­ta foi: ‘Que­ro ir aos Jo­gos Olím­pi­cos e, pa­ra is­so, pre­ci­so da vos­sa aju­da. Não sei se­quer na­dar, pre­ci­so que me ensinem a per­der to­das as fo­bi­as da água.’ So­fro de an­si­e­da­de e pâ­ni­co, que te­nho de com­ba­ter cons­tan­te­men­te.

Den­tro de água so­mos todos iguais. Na pis­ci­na es­tou eu, que trei­no qua­se todos os di­as, e há aque­les que que­rem ape­nas man­ter a for­ma pa­ra o ve­rão e vão só pa­ra aba­ter um pou­co de gor­du­ra. Em re­la­ção a es­ses sin­to-me mui­to su­pe­ri­or, por­que na­do mui­to mais rá­pi­do, já co­nhe­ço a água. Aí sin­to-me igual aos cha­ma­dos ‘hu­ma­nos nor­mais’. Cla­ro que há pes­so­as frus- tra­das, co­mo um ho­mem que um dia quis fa­zer uma cor­ri­da co­mi­go, de 25 me­tros. Não me me­çam pe­lo meu ta­ma­nho, mas pe­la mi­nha in­te­li­gên­cia. Quem é ar­ro­gan­te, per­de. Dei-lhe cin­co me­tros de avan­ço e ga­nhei. No fi­nal dis­se-lhe que já ti­nha ida­de pa­ra ter juí­zo. Foi um mis­to de ale­grar o ego e tes­tar a nos­sa ho­no­ra­bi­li­da­de.

Ga­nhei dois cam­pe­o­na­tos na­ci­o­nais, em 2014 e 2015. O nos­so se­le­ci­o­na­dor, pro­fes­sor Car­los Mo­ta, fez de mim um atle­ta de al­ta com­pe­ti­ção, en­ten­de mui­to bem as nos­sas de­fi­ci­ên­ci­as. Já trou­xe­mos mais me­da­lhas olímpicas do que es­te país me­re­ce. O es­for­ço de um atle­ta pa­ra­lím­pi­co é bár­ba­ro, só Deus po­de ex­pli­car o que nos trans­mi­te quan­do es­ta­mos na água e nos sen­ti­mos um ser hu­ma­no com­ple­to. Mas eu não me quei­xo, ape­sar de só re­ce­ber do Es­ta­do 300 eu­ros de sub­sí­dio por 70% de in­ca­pa­ci­da­de mo­to­ra. Só é de­fi­ci­en­te quem quer, quem se la­mu­ria o dia to­do e vi­ve do pas­sa­do, do que acon­te­ceu. Nun­ca me sen­ti di­fe­ren­te, sou ape­nas es­pe­ci­al. Não gos­to mui­to de aju­das, que as pes­so­as me es­te­jam sem­pre a di­zer pa­ra ter aten­ção a coi­sas co­mo a pre­sen­ça de um de­grau. Não an­do, mas ver ain­da ve­jo.

A dis­cri­mi­na­ção é to­tal. Até já me per­gun­ta­ram co­mo é que eu te­nho re­la­ções se­xu­ais com a mi­nha mu­lher. O po­vo por­tu­guês tem a ma­nia de fa­lar com ou­tras pes­so­as sem as co­nhe­cer. Num ca­fé veio ter co­mi­go uma se­nho­ra. Pe­diu-me pa­ra não le­var a mal, mas es­ta­va cu­ri­o­sa so­bre a for­ma co­mo fa­zia amor. A mi­nha res­pos­ta foi, ‘se qui­ser, pos­so le­vá-la lá pa­ra fo­ra e mos­trar-lhe’.

A mi­nha re­la­ção com a água é se­xu­al. Den­tro de água sin­to-me um Deus do se­xo. Ti­ve mui­tas na­mo­ra­das, e es­tou com a Ra­quel há qua­tro anos. A mi­nha his­tó­ria com as mu­lhe­res é de lou­var aos céus. Gra­ças a Deus sem­pre ti­ve as mu­lhe­res que quis. Pe­los me­di­ca­men­tos que ce­do ti­ve de to­mar, tor­nei-me ho­mem mui­to no­vo. A ca­dei­ra de ro­das nun­ca foi um im­pe­di­men­to, nun­ca me ti­rou a fe­li­ci­da­de. Ain­da so­nho em ter dois fi­lhos e es­tar pre­sen­te nos pró­xi­mos Jo­gos Olím­pi­cos, de Tó­quio, em 2020. Sei que te­nho mui­to pa­ra gal­gar em dois anos, mui­ta pro­va pa­ra com­pe­tir, mas te­nho for­ça pa­ra is­so e mui­to mais.

Gos­ta­va que todos os de­fi­ci­en­tes olhas­sem pa­ra mim co­mo um an­jo pro­te­tor e al­guém com ob­je­ti­vos bem de­fi­ni­dos na vi­da. De­pois de me tor­nar atle­ta pa­ra­lím­pi­co de cor­po e al­ma, hei de mon­tar um tu­ris­mo ru­ral no Ri­ba­te­jo, vi­ver e mor­rer lá, por­que sei que já não te­nho mui­tos anos de vi­da. Na mi­nha ra­ça dos in­ca­pa­ci­ta­dos es­tou cá pa­ra gri­tar por todos. Sou ape­nas mais um ser hu­ma­no.” ●

AN­TÓ­NIO PE­DRO SANTOS

6 A po­li­o­mi­e­li­te nun­ca foi um obs­tá­cu­lo pa­ra a per­se­ve­ran­ça de Ale­xan­dre Al­ber­naz. Trei­na três ve­zes por se­ma­na na pis­ci­na da Por­te­la, on­de o en­si­na­ram a na­dar e a per­der to­das as fo­bi­as da água

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.