Gra­ça Ro­cha A “No­bel” da cos­mo­lo­gia

É in­ves­ti­ga­do­ra da NASA e viu o tra­ba­lho re­co­nhe­ci­do atra­vés da atri­bui­ção do mais im­por­tan­te ga­lar­dão no cam­po da cos­mo­lo­gia. Os fo­gue­tões da agên­cia ame­ri­ca­na têm o de­do de­la.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Almanaque - POR Pe­dro Ema­nu­el San­tos

Pré­mio Gru­ber. Nun­ca ou­viu fa­lar? Tra­ta-se do ga­lar­dão má­xi­mo na área da cos­mo­lo­gia, uma es­pé­cie de Pré­mio No­bel da es­pe­ci­a­li­da­de, e foi atri­buí­do es­te ano a uma por­tu­gue­sa, Gra­ça Ro­cha. Es­ta ci­en­tis­ta for­ma­da em Ma­te­má­ti­ca Pu­ra e em Fí­si­ca/Ma­te­má­ti­ca Apli­ca­da na ver­ten­te de As­tro­no­mia pe­la Uni­ver­si­da­de do Por­to – e com es­tu­dos com­ple­men­ta­dos de­pois em Lon­dres e Cam­bri­ge, no Rei­no Uni­do, on­de con­cluiu um “mas­ters de­gree” em As­tro­no­mia – faz par­te de uma equi­pa de in­ves­ti­ga­ção que tra­ba­lha pa­ra a NASA, a su­per po­de­ro­sa ins­ti­tui­ção de in­ves­ti­ga­ção es­pa­ci­al ame­ri­ca­na.

Aos 57 anos, Gra­ça Ro­cha, na­tu­ral do Por­to, vi­ve des­de o iní­cio da dé­ca­da de 1990 fo­ra do país. “Pri­mei­ro em In­gla­ter­ra e des­de 2005 nos Es­ta­dos Uni­dos. Pas­sa­do um ano de lá es­tar co­me­cei lo­go a tra­ba­lhar pa­ra a NASA, co­mo ‘re­se­ar­cher’”, con­ta.

O tra­ba­lho que lhe foi atri­buí­do des­de o iní­cio foi de mon­ta. É de­la, e do gru­po de que faz par­te – “a ci­ên­cia só se faz em con­jun­to”, não se can­sa de lem­brar –, a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la pro­gra­ma­ção dos al- go­rit­mos dos fo­gue­tões que a NASA en­via pa­ra o espaço. Uma ta­re­fa “di­fí­cil, ex­te­nu­an­te, que ocu­pa mui­tas ho­ras diá­ri­as sob in­ten­so stres­se e pres­são”, mas “ex­tre­ma­men­te com­pen­sa­do­ra”, so­bre­tu­do na ho­ra em que os pro­je­tos pas­sam, qu­a­se li­te­ral­men­te, pa­ra ou­tra di­men-

são e as na­ves são lan­ça­das ru­mo a no­va mis­são es­pa­ci­al. “Qu­an­do ve­mos o fo­gue­tão a se­guir em di­re­ção aos céus é o gran­de si­nal de que a nos­sa mis­são foi cum­pri­da com su­ces­so”, or­gu­lha-se Gra­ça Ro­cha. “Abrem-se gar­ra­fas de cham­pa­nhe, vêm lá­gri­mas aos olhos de tan­ta emo­ção.”

Ape­sar do “re­co­nhe­ci­men­to do tra­ba­lho re­a­li­za­do” ao lon­go dos úl­ti­mos anos nos Es­ta­dos Uni­dos, re­ce­ber o Pré­mio Gru­ber foi “uma gran­de sur­pre­sa”. Não só pe­la por­tu­en­se co­mo por to­dos os que com ela par­ti­lham in­ves­ti­ga­ção e com quem di­vi­diu o Gru­ber, atri­buí­do pe­la primeira vez em 2009 e que dis­tin­gue in­ves­ti­ga­do­res que dão im­por­tan­tes con­tri­bu­tos pa­ra a com­pre­en­são do Uni­ver­so. Es­ta­be­le­ci­da em Los An­ge­les, es­ta­do da Ca­li­fór­nia, Gra­ça Ro­cha man­tém pon­tes com Por­tu­gal. Con­tac­ta com co­le­gas com­pa­tri­o­tas, ten­ta acom­pa­nhar o que se vai pas­san­do no meio uni­ver­si­tá­rio na­ci­o­nal, in­cen­ti­va no­vos pro­je­tos que se vão lan­çan­do por cá. “Quem sa­be um dia não vol­ta­rei... É ca­da vez mais di­fí­cil, mas quem sa­be”, con­fes­sa. ●m

M Gra­ça Ro­cha é res­pon­sá­vel por par­te da pro­gra­ma­ção dos fo­gue­tões lan­ça­dos pe­la NASA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.