“SÓ PA­RA O CA­SO MARQUÊS EU PRECISAVA DE UNS SEIS MANDATOS”

É cer­to que Jo­a­na Mar­ques Vi­dal de­fen­deu que o pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca não de­ve ir além de um man­da­to, mas os ca­sos im­por­tan­tes pen­den­tes são tan­tos que a pres­são pa­ra que con­ti­nue po­de re­sul­tar. A jus­ti­ça é o da Jo­a­na?

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Almanaque - POR João Qu­a­dros

Es­ta semana nas en­tre­vis­tas que nun­ca fiz te­nho, su­pos­ta­men­te, co­mi­go a ainda pro­cu­ra­do­ra-ge­ral da Re­pú­bli­ca, Jo­a­na Mar­ques Vi­dal...

Es­se “ainda” é ca­paz de es­tar a mais.

Eu dis­se “ainda” por­que pre­su­mo que já não vai ser por mui­to mais tempo. Des­cul­pe-me o tro­ca­di­lho mas, is­to da Jus­ti­ça, ainda não é o da Jo­a­na. Re­su­min­do, se bem me re­cor­do, a se­nho­ra foi a primeira a di­zer que o man­da­to de Pro­cu­ra­do­ra de­via ser só um, e eu con­fio na Jus­ti­ça.

É ver­da­de, re­al­men­te eu dis­se que o man­da­to de pro­cu­ra­do­ra-ge­ral da Re­pú­bli­ca de­via ser só um, mas, se for­mos bem a ver, com a len­ti­dão da nos­sa Jus­ti­ça, um man­da­to não dá pa­ra fazer na­da. Só pa­ra o ca­so Marquês eu precisava de uns seis mandatos, ou que des­co­bris­sem o se­gre­do da vi­da eter­na.

Não me di­ga que já põe a hi­pó­te­se de con­ti­nu­ar o seu man­da­to. Is­so se­ria uma coi­sa nun­ca vis­ta. Se­ria um re­cor­de no nos­so país, o que, em prin­cí­pio, da­va di­rei­to a uma me­da­lha do nos­so Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Quer-me pa­re­cer que o Pro­fes­sor Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa é dos que mais tem pres­si­o­na­do pa­ra que a se­nho­ra con­ti­nue.

Acha? Eu não sen­ti es­sa pres­são. Uma pro­cu­ra­do­ra não po­de sen­tir pres­são.

Acho. Aliás, dá-me a sen­sa­ção que pa­ra ele é mais cer­to a se­nho­ra fazer um se­gun­do man­da­to que ele pró­prio. Nem me ad­mi­ra­va que ele dis­ses­se que só con­cor­re a um se­gun­do man­da­to se a se­nhor con­ti­nu­ar com o seu. Ele gos­ta mui­to de fazer uma es­pé­cie de chan­ta­gem com os por­tu­gue­ses. Eu já pen­sei que só lhe fal­ta di­zer que se a se­nho­ra não con­ti­nu­ar co­mo pro­cu­ra­do­ra-ge­ral aca­ba­ram-se os abra­ci­nhos; pe­lo me­nos, os abra­ços ao An­tó­nio Cos­ta.

Se ca­lhar ele pre­ci­sa de um ba­nho de água fria pa­ra acal­mar.

Eu acho que ele já to­ma ba­nhos que che­gue, e não vai acei­tar le­var uma ba­nha­da des­sas do PM. Aqui en­tre nós que nin­guém nos ou­ve, só nos le­em: a se­nho­ra põe a hi­pó­te­se de, se as pes­so­as in­sis­ti­rem mui­to, con­ti­nu­ar e fazer um se­gun­do man­da­to?

Quer di­zer... hum... se não hou­ver mais nin­guém, eu pos­so dar um jei­ti­nho. Já ti­nha umas coi­sas com­bi­na­das mas se ti­ver que ser...

Mas is­so dá a sen­sa­ção que a Jus­ti­ça es­tá tão mal que nem se­quer há mais nin­guém que pos­sa ser pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca. Ima­gi­ne se a se­nho­ra é atro­pe­la­da. Ou se lhe cai em ci­ma um da­que­las mon­ta­nhas de dos­si­ês. Fi­ca­mos sem pro­cu­ra­dor? Não po­de ser. Pa­ra si, quem é que tem o per­fil ide­al pa­ra o seu car­go?

Não vou dar pal­pi­tes, mas sin­ce­ra­men­te acho que o prin­ci­pal era ser uma pes­soa que não fos­se alér­gi­ca ao pó. Um ma­gis­tra­do com as­ma não aguen­ta a quan­ti­da­de de pó que se acu­mu­la nos nos­sos pro­ces­sos.

ILUSTRAÇÃO: MARCO MENDES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.