QU­AN­DO CUSTA TAN­TO DI­ZER ADEUS A UM ANIMAL CO­MO A UMA PES­SOA

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Esti Los - POR Fi­lo­me­na Abreu

Fazer ta­tu­a­gens, com­por mú­si­cas ou guar­dar as cin­zas do animal de estimação fa­le­ci­do são exem­plos di­fe­ren­tes de fazer luto. E até já há em­pre­sas que aju­dam a trans­for­mar a mor­te em sim­bó­li­cas re­cor­da­ções. Po­rém, ca­da pes­soa tem o seu tempo. E nem sem­pre ar­ran­jar um bi­chi­nho subs­ti­tu­to é a me­lhor solução.

Uma co­le­ga que tra­ba­lha­va nu­ma quin­ta co­mo ve­te­ri­ná­ria li­gou-lhe. Uma das ca­de­las ti­nha ti­do fi­lho­tes e não es­ta­vam a con­se­guir que uma de­las fos­se ado­ta­da. Ainda pa­ra mais era re­jei­ta­da pe­la mãe. En­vi­ou al­gu­mas fotos e Mi­guel In­glês não re­sis­tiu. No mes­mo dia ru­mou de Gaia a San­to Tir­so pa­ra ir bus­cá-la. Foi em 2004. A Polly fi­cou com ele até 2015. Os pro­ble­mas de saú­de da ca­de­la, rins e be­xi­ga, ainda pre­ga­ram al­guns sus­tos ao do­no. “A da­da al­tu­ra, eu e a mi­nha na­mo­ra­da pre­ci­sá­mos de de­ci­dir se a ope­rá­va­mos qu­an­do só nos ti­nham da­do 3% de pro­ba­bi­li­da­de de ela re­sis­tir. Ainda as­sim de­ci­di­mos in­ves­tir e a ver­da­de é que a Polly te­ve uma boa vi­da, mes­mo só com um rim.” São os mo­men­tos en­gra­ça­dos que mais re­cor­da: “Um dia fui pas­seá-la e ela fu­giu-me. Dei com ela sen­ta­da no meio de mui­ta gen­te. Ti­nha in­va­di­do um ve­ló­rio. Uma ce­na dig­na de um fil­me. Ela ali mui­to qui­e­ti­nha e eu cheio de ver-

go­nha.” E co­mo Polly ti­nha pe­lo preto até brin­ca­ram com a si­tu­a­ção, di­zen­do que a ca­de­la se ti­nha apre­sen­ta­do nas ce­ri­mó­ni­as fú­ne­bres ves­ti­da a ri­gor. Foi uma con­vi­vên­cia de 11 anos. Mi­guel In­glês sa­bia que a sua ami­ga não du­ra­ria pa­ra sem­pre. Em 2015, Polly co­me­çou a co­mer me­nos. “Sa­bía­mos que não a que­ría­mos ver em so­fri­men­to, mes­mo que fi­car sem ela nos cus­tas­se mui­to.” Hou­ve um fim de semana em que a ve­te­ri­ná­ria os acon­se­lhou a de­ci­dir. “Re­cor­do-me que es­ta­va um dia de chu­va. Pas­seá­mos. De­mos-lhe os mai­o­res mi­mos e ela ainda con­se­guiu co­mer um bo­ca­di­nho de cho­co­la­te da mi­nha mão.” É aqui que tu­do se tor­na mais com­pli­ca­do. Mi­guel fi­cou com Polly até ao fim. “Agar­ra­do a ela. É sem­pre um mo­men­to de mui­ta dor, mas não a po­dia aban­do­nar. Ela foi uma gran­de com­pa­nhia.” A ve­te­ri­ná­ria tra­tou dos de­ta­lhes. “Op­tá­mos por não ser­mos nós a en­ter­rar o cor­po. Tam­bém não qui­se­mos fi­car com

as cin­zas. Em ca­sa en­che­mos uma cai­xa com al­gu­mas coi­sas de­la.” A per­da foi gran­de, mas a ami­za­de que ti­nham cons­truí­do com Polly era mai­or. Por is­so, Mi­guel e a na­mo­ra­da de­ci­di­ram fazer uma ta­tu­a­gem pa­ra a ho­me­na­ge­ar: uma pa­ta com o no­me da com­pa­nhei­ra. “Sem dú­vi­da que per­der um animal às ve­zes custa mais do que per­der uma pes­soa.” Um ano e dois di­as de­pois de Polly par­tir con­se­gui­ram ado­tar ou­tro animal. Qu­a­se nas mes­mas cir­cuns­tân­ci­as. “Fi­ze­mos

o nos­so luto du­ran­te o tempo que achá­mos que era pre­ci­so.”

Os bei­ji­nhos do Bar­na­bé

Per­der um animal é um mo­men­to com­pli­ca­do e nem sem­pre quem es­tá à nos­sa vol­ta per­ce­be a dor. As re­a­ções dos do­nos du­ran­te o luto são di­ver­sas. Va­mos al­ter­nan­do en­tre o cho­que, o cho­ro, a tris­te­za, a ne­ga­ção, a rai­va, a cul­pa e a acei­ta­ção.

Ra­quel Ca­bral sem­pre te­ve cães e ga- tos. Um dia, o pai che­gou a ca­sa, no Por­to, com um pás­sa­ro. Bar­na­bé era um pe­ri­qui­to-rei. Ini­ci­al­men­te es­ta­va nu­ma gai­o­la mas qu­an­do co­me­ça­ram a per­ce­ber que o animal era es­pe­ci­al, co­me­çou a fi­car sol­to. Bar­na­bé dan­ça­va, da­va bei­ji­nhos e con­quis­tou a fa­mí­lia to­da. E as­sim con­ti­nu­ou du­ran­te 14 anos. O pai, mú­si­co, pas­sa­va mui­to tempo com ele. Um dia Bar­na­bé es­ta­va di­fe­ren­te. Ado­e­ceu e mor­reu sem di­ag­nós­ti­co. “Foi há pou­co mais de um ano. E es­tá fo­ra de ques­tão ter um animal de subs­ti­tui­ção. Não que­re­mos ter ou­tro Bar­na­bé. Nun­ca pen­sei di­zer is­to de um pás­sa­ro, mas ele mar­cou-nos mes­mo.” Tan­to que o pai lhe mos­trou uma mú­si­ca que compôs no dia em que o pe­ri­qui­to mor­reu. Cha­ma-se “Ba­la­da ao Bar­na­bé”. “Qu­an­do o meu pai a can­tou cho­rei mui­to e nun­ca mais a quis ou­vir.”

A dor do do­no dos pro­fis­si­o­nais

Flôr Lo­bo é en­fer­mei­ra ve­te­ri­ná­ria

em Bra­ga e acom­pa­nhou mui­tos ca­sos em que do­nos e ami­gos di­zem adeus. “Nes­ses mo­men­tos te­mos de ser um pou­co psi­có­lo­gos. Nor­mal­men­te o do­no es­tá pre­sen­te na ho­ra de aba­ter o animal e é sem­pre mui­to com­pli­ca­do, até pa­ra nós que co­nhe­ce­mos bem os bi­chi­nhos. Mas te­mos de nos man­ter fir­mes pa­ra po­der aju­dar o do­no.”

Ar­man­da Gon­çal­ves, do­cen­te de Psi­co­lo­gia na Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de Bra­ga, re­fe­re que “há vá­ri­os ti­pos de luto”, e que, no ca­so dos animais, é “im­por­tan­te per­ce­ber o va­lor que a per­da de um animal com­por­ta pa­ra que o luto acon­te­ça”. Qu­an­do há “uma re­la­ção sig­ni­fi­ca­ti­va com um animal é na­tu­ral que a per­da im­pli­que so­fri­men­to na me­di­da da im­por­tân­cia des­sa re­la­ção”. Di­to is­to, su­bli­nhe-se que a tris­te­za pe­ran­te a mor­te de um animal “não des­va­lo­ri­za a im­por­tân­cia das re­la­ções hu­ma­nas. Se con- se­guir­mos per­ce­ber o que o animal re­pre­sen­ta con­se­gui­mos em­pa­ti­zar com a pes­soa que es­tá a so­frer”.

Ter ou­tro não é subs­ti­tuir

Sis­si foi en­con­tra­da na rua. “Era uma ga­ta mei­gui­nha, o que fez com que me afei­ço­as­se mui­to a ela”, con­ta He­le­na Cor­reia, de Lis­boa. Em 12 anos, a fe­li­na te­ve três tu­mo­res. O úl­ti­mo foi fa­tal. “Já es­ta­va pre­pa­ra­da, mas custa mui­to. Qu­an­do pen­so ne­la vem-me sem­pre à ideia o fo­ci­nho tris­te no dia em que saí pa­ra tra­ba­lhar – e qu­an­do che­guei a ca­sa ela ti­nha mor­ri­do. Pa­re­cia que se que­ria des­pe­dir.” Nes­se dia en­ter­rou-a num ter­re­no bal­dio. As re­cor­da­ções es­tão nas fotos e nas me­mó­ri­as. Três me­ses de­pois ado­tou ou­tra ga­ta. “Acho que é a me­lhor for­ma de su­pe­rar. Em­bo­ra per­ce­ba que há gen­te que não quei­ra. Mas não é uma subs­ti­tu­ta. A Sis­si fez-me mui­ta fal­ta. Ainda faz”, sus­pi­ra com a lá­gri­ma no olho.●m

AR­TUR MA­CHA­DO / GLO­BAL IMA­GENS

ÁLVARO ISIDORO / GLO­BAL IMA­GENS

M Ainda ho­je He­le­na Cor­reia se emo­ci­o­na ao fa­lar de Sis­si. Ao fim de três me­ses con­se­guiu ter co­ra­gem pa­ra ado­tar ou­tro animal

M Ra­quel Ca­bral e o Bar­na­bé. O pi­ri­qui­to-rei ale­grou to­da a fa­mí­lia com bei­ji­nhos e dan­ças du­ran­te 14 anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.