AINDA HÁ FRAN­CO EM FERROL

De re­pen­te, uma no­tí­cia es­ti­val des­per­tou do tor­por e aban­do­no de dé­ca­das a se­pul­tu­ra n.º 48 do ce­mi­té­rio mu­ni­ci­pal de Ca­ta­bois, con­ce­lho de Ferrol, na cin­tu­ra nor­te co­ru­nhe­sa. Até à “di­ca” da sua exis­tên­cia lar­ga­da por um his­to­ri­a­dor, o ja­zi­go de gra­ni­to

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário - TEXTO Al­fre­do Maia FOTOS Gon­ça­lo Del­ga­do/Glo­bal Ima­gens EM FERROL, GA­LI­ZA

Os jor­na­lis­tas Al­fre­do Maia e Gon­ça­lo Del­ga­do su­bi­ram à ter­ra na­tal de Fran­cis­co Fran­co. Ago­ra que a me­mó­ria do di­ta­dor es­pa­nhol é re­vol­vi­da, me­de-se a in­ten­si­da­de do san­gue der­ra­ma­do.

FRAN­CO IA RARAS VE­ZES A FERROL. CARMEN POLO, A MU­LHER, FREQUENTAVA MAIS OS ANTIQUÁRIOS E AS JOALHARIAS, SAINDO SEM PAGAR AS CON­TAS, QUE IAM PARAR AO AYUNTAMIENTO

Dá-se o ca­so de o Go­ver­no es­pa­nhol ter de­ci­di­do re­mo­ver os res­tos mor­tais de Fran­co da ba­sí­li­ca do Va­le dos Caí­dos, mo­nu­men­to fa­raó­ni­co eri­gi­do sob a ori­en­ta­ção pes­so­al do Ge­ne­ra­lís­si­mo pa­ra glo­ri­fi­ca­ção dos ven­ce­do­res da guerra ci­vil de Es­pa­nha (1936-39), na ver­ten­te da Ser­ra de Gu­a­da­la­ja­ra nos do­mí­ni­os do Mos­tei­ro do Es­co­ri­al. A po­lé­mi­ca ins­ta­lou-se e pro­me­te que­re­la du­ra.

Os des­cen­den­tes do cau­di­lho, cu­ja me­mó­ria en­som­bra com cen­te­nas de mi­lha­res de mor­tos, tor­tu­ra­dos, pre­sos e fu­zi­la­dos que, adi­ci­o­na­dos aos per­se­gui­dos, so­mam uns três mi­lhões de “re­pre­sa­li­a­dos” du­ran­te qua­tro dé­ca­das, bran­dem a Cons­ti­tui­ção de­mo­crá­ti­ca: não há exu­ma­ção pos­sí­vel pa­ra os res­tos do “sal­va­dor da in­va­são ma­çó­ni­ca e ver­me­lha”. Mas, se hou­ver...

No iní­cio de ju­lho, “El Cor­reo Gal­le­go” pran­tou a no­tí­cia: afi­nal, a fa­mí­lia Fran­co pos­sui um tú­mu­lo em Ferrol, a ci­da­de-na­tal do Ge­ne­ra­lís­si­mo. Es­tu­pe­fa­ção ge­ral. “Nem os elei­tos nem os fun­ci­o­ná­ri­os do con­ce­lho sa­bi­am da sua exis­tên­cia”, as­se­gu­ra o al­cal­de (pre­si­den­te da câ­ma­ra), Jor­ge Suá­rez.

Neó­fi­to em ma­té­ria de as­sé­dio jor­na­lís­ti­co, um can­to­nei­ro do ce­mi­té­rio fo­ge com en­fa­do à per­gun­ta so­bre quem cui­da do tú­mu­lo. “Nin­guém”, diz, apon­tan­do a cam­pa de gra­ni­to ne­gro, que hi­ber­na­ra, dé-

ca­das a fio, sem um sus­pi­ro de aten­ção, o me­nor ze­lo de uma lim­pe­za, mui­to me­nos de po­li­men­to das le­tras de la­tão que iden­ti­fi­cam na la­je o clã es­que­ci­do: “Fa­mí­lia Fran­co Baha­mon­de – DEP”.

Sa­be-se que es­tão ali os avós, uma tia e uma ir­mã fa­le­ci­da ainda cri­an­ça, coi­sa de qua­tro anos, tras­la­da­dos, co­mo os de­mais de­fun­tos que fo­ram inau­gu­rar

o no­vo cam­po san­to mu­ni­ci­pal, nos idos de 1945, do an­ti­go ce­mi­té­rio de Ca­ni­do de fu­nes­ta me­mó­ria. Com a no­tí­cia, acor­reu tal­vez um anó­ni­mo a pran­tar le­tras de la­tão, lu­zi­di­as de no­vas, on­de fal­ta­vam os ca­ra­te­res F de “Fran­co” e BA e E de “Baha­mon­de”, a as­si­na­lar com pa­ge­las de fi­gu­ras da sua de­vo­ção uma ve­ne­ra­ção por uma fi­gu­ra afi­nal au­sen­te e a ten­tar en­cai­xar pe­da­ços de pe­dra em fal­ta nas la­te­rais, com re­cur­so in­gé­nuo a quan­ti­da­des ge­ne­ro­sas, mas pre­cá­ri­as, de fi­ta-co­la.

ALARME NO “CONCELLO”

So­a­ram os alar­mes no con­ce­lho de Ferrol. Com o al­cal­de na di­an­tei­ra, to­ma­ram-se de­ci­sões drás­ti­cas. Que a ci­da­de não acei­ta­rá re­ce­ber os res­tos mor­tais do di­ta­dor pa­ra “não a trans­for­mar em cen­tro de pe­re­gri­na­ção de fran­quis­tas e ne­o­fas­cis­tas, que os há em cres­cen­te nú­me­ro”, ex­pli­ca Jor­ge Suá­rez. De­pois, que o mu­ni­cí­pio re­ti­ra­rá à fa­mí­lia pri­vi­lé­gio do tú­mu­lo “ofe­re­ci­do” a Fran­co em 1967, por fal­ta de le­gi­ti­mi­da­de de­mo­crá­ti­ca. Coi­sa di­fe­ren­te se­rá se os des­cen­den­tes tra­ta­rem de ad­qui­rir uma no­va cam­pa. “Não po­de­mos ne­gar a nin­guém o di­rei­to de

en­ter­rar al­guém num ce­mi­té­rio pú­bli­co”, des­ta­ca o al­cal­de, can­sa­do da po­lé­mi­ca que ali che­gou co­mo “da­no co­la­te­ral”.

Por mui­to que de­sa­gra­de ter as os­sa­das do di­ta­dor no seu ter­ri­tó­rio, des­de que a fa­mí­lia tra­te da cam­pa e cum­pra os seus de­ve­res co­mo qual­quer ci­da­dão, Ferrol “não quer cair no mes­mo jo­go ide­o­ló­gi­co da ex­tre­ma-di­rei­ta e ne­gar di­rei­tos ele­men­ta­res”.

A po­lé­mi­ca, po­rém, pa­re­ce-lhe inú­til. “Es­tou cer­to de que não o vão tras­la­dar pa­ra aqui, não há qual­quer in­te­res­se dos fa­mi­li­a­res por Ferrol, não têm na­da a ver com a ci­da­de, nem cá vêm .” O pró­prio Fran­co ia raras ve­zes e a mu­lher frequentava mais os antiquários e as joalharias, saindo sem pagar as con­tas, que iam parar ao Ayuntamiento. Até que em 1959, con­ta o his­to­ri­a­dor En­ri­que Bar­re­ra, o al­cal­de Fran­cis­co Do­pi­co re­me­teu as fa­tu­ras pa­ra Ma­drid. Na vol­ta do cor­reio, foi dis­pen­sa­do.

“Al­guém acha que tra­ri­am o Fran­co pa­ra um tú­mu­lo mo­des­to em Ferrol, qu­an­do tem em Ma­drid um pan­teão da fa­mí­lia, on­de es­tá a mu­lher?”, ques­ti­o­na Bar­re­ra, di­ri­gen­te da As­so­ci­a­ção da Me­mó­ria His­tó­ri­ca De­mo­crá­ti­ca de Ferrol.

De fac­to, Carmen Polo e a úni­ca fi­lha, Carmen Fran­co, ja­zem na vis­to­sa ca­pe­la do ce­mi­té­rio de Min­gor­ru­bio, pró­xi­mo do Pa­lá­cio do Par­do que foi a re­si­dên­cia ofi­ci­al do cau­di­lho, na vi­zi­nhan­ça de de­fun­tas fi­gu­ras gra­das do fran­quis­mo, co­mo o al­mi­ran­te Luis Car­re­ro Blan­co.

A CA­SA-NA­TAL E OS CURIOSOS

Não fo­ra pe­las os­ten­si­vas pla­cas de bron­ze que as­si­na­lam, na fa­cha­da, a me­mó­ria dos fei­tos do “sal­va­dor de Es­pa­nha”, e o nú­me­ro 136 da Rua Ma­ria, no bair­ro da Ma­da­le­na, em Ferrol, pas­sa­ria des­per­ce­bi­do. Foi ali que, a 4 de de­zem­bro de 1892, veio ao mun­do Fran­cis­co Fran­co Baha­mon­de, no seio de uma fa­mí­lia da eli­te mi­li­tar lo­cal (o pai era ofi­ci­al de Ma­ri­nha) que se re­cla­ma­va de fi­dal­ga por pa­ren­tes­co com a con­des­sa de Par­do Bá­zan.

Da­li sai­ria em jo­vem pa­ra for­mar-se (com bai­xa gra­du­a­ção, o 251.º en­tre 310 ca­de­tes) co­mo ofi­ci­al de In­fan­ta­ria na Aca­de­mia de To­le­do, já que a Es­co­la Na­val, pa­ra sua eter­na frus­tra­ção, es­ta­va en­cer­ra­da. Su­biu ra­pi­da­men­te na car­rei­ra por fei­tos de ar­mas e sim­pa­ti­as ul­tra­di­rei­tis­tas, in­te­grou o nú­cleo gol­pis­ta de 18 de ju­lho de 1936 e veio a co­man­dar o “ban­do na­ci­o­nal”. Com a vi­tó­ria, em 1939, tor­nou-se che­fe do Es­ta­do, ge­ne­ra­lís­si­mo de to­dos os exér­ci­tos e cau­di­lho de Es­pa­nha, go­ver­nan­do-a bru­tal­men­te até no­vem­bro de 1975.

Man­da a Lei da Me­mó­ria His­tó­ri­ca (2007) re­ti­rar dos es­pa­ços pú­bli­cos os sím­bo­los do fran­quis­mo, dos ven­ce­do­res da guerra ci­vil e da di­ta­du­ra. Em Ferrol, pa­ra além do es­cu­do que pon­ti­fi­ca na fa­cha­da da an­ti­ga al­fân­de­ga, tei­mam es­tas pla­cas. “Já ins­tá­mos a fa­mí­lia a re­ti­rá-las, mas não po­de­mos obri­gá-la nem re­ti­rar co­er­ci­va­men­te por­que é um lu­gar pri­va­do”, las­ti­ma Jor­ge Suá­rez.

A ca­sa é um dos imó­veis da he­ran­ça bi­li­o­ná­ria que ge­rem os ne­tos, mas que­da-se si­len­ci­o­sa e fe­cha­da. “Não há vi­si­tas, mas gos­ta­va”, diz uma co­mer­ci­an­te vi­zi­nha, pe­din­do omis­são de no­me e fo­to. “Não, tam­pou­co há pe­re­gri­na­ções de afi­ci­o­na­dos”, as­se­gu­ra. “Há quem pa­re a fazer fotos, sim­ples tu­ris­tas”, con­ce­de em di­zer su­ma­ri­a­men­te o ho­mem do bar pró­xi­mo, pa­no vi­go­ro­so no bal­cão, a sa­cu­dir per­gun­tas in­có­mo­das. “São curiosos!, é me­ra cu­ri­o­si­da­de”, as­se­ve­ra Luis Puir, pro­fes­sor de ma­te­má­ti­ca. Re­la­ti­vi­za a po­lé­mi­ca dos res­tos mor­tais: “É história pas­sa­da. É um pro­ble­ma ar­ti­fi­ci­al que o co­lo­ca­ram os po­lí­ti­cos, não es­tá na rua! Os os­sos são dos mor­tos, há que dei­xá-los.” E as pla­cas, de­vem ser re­ti­ra­das? “Não. A História é o que é; po­de­mos re­ti­rá-las, mas es­tá nos li­vros!” Pro­cu­ra-se Fran­co nas li­vra­ri­as? “Sim, es­pe­ci­al­men­te tu­ris­tas que ve­em a ca­sa e per­gun­tam por obras.” Al­ber­to Jus­to, ge­ren­te da mai­or li­vra­ria da ci­da­de, ace­de a mos­trar os tí­tu­los dis­po­ní­veis – di­ver­si­fi­ca-

dos em te­mas e ân­gu­los – cu­jas ven­das anu­ais não che­gam à cen­te­na. Faz ques­tão de di­zer: “O fac­to de ter­mos li­vros so­bre Fran­co não sig­ni­fi­ca que se­ja­mos fran­quis­tas.”

UM MURO COM ME­MÓ­RIA

Quem des­ce a Rua Ma­ria, to­pa com uma pe­que­na pla­ca, lu­zen­te da inau­gu­ra­ção re­cen­te, na Rua de Ru­bal­ca­va que com ela faz es­qui­na. É uma me­mó­ria do Con­ce­lho a Pe­dro Gui­ma­rey Fil­guei­ras, “es­cri­tor, jor­na­lis­ta e po­lí­ti­co galego, as­sas­si­na­do, pe­la sua con­di­ção de de­mo­cra­ta re­pu­bli­ca­no, em 20 de se­tem­bro de 1936”, nu­ma “ho­me­na­gem do po­vo de Ferrol às pes­so­as que per­de­ram a sua vi­da na de­fe­sa das li­ber­da­des e da le­ga­li­da­de vi­gen­te”.

Na Rua dos Na­ve­gan­tes, bair­ro de Ca­ni­do, num muro lú­gu­bre, co­a­lha­do de mus­gos e plan­tas da­ni­nhas, pen­de de uma pla­ca de már­mo­re um ra­mo de flo­res en­ve­lhe­ci­do. Na pla­ca, lê-se: “Em lem­bran­ça das pes­so­as que pe­la de­fe­sa da li­ber­da­de e da le­ga­li­da­de re­pu­bli­ca­na fo­ram ví­ti­mas da re­pres­são fran­quis­ta 1936-1976 – ano da Me­mó­ria de 2006.” Fer­nan­do Ocam­po, da As­so­ci­a­ção da Me­mó­ria His­tó­ri­ca, apon­ta: era o muro dos fu­zi­la­men­tos, por si­nal o muro de su­por­te do ce­mi­té­rio de en­tão. Só em Ferrol, es­ti­ma En­ri­que Bar­re­ra, fo­ram as­sas­si­na­das 700 pes­so­as – me­ta­de ma­ri­nhei­ros e su­bo­fi­ci­ais da es­qua­dra que per­ma­ne­ceu na ba­se na­val fi­el ao Go­ver­no re­pu­bli­ca­no le­gí­ti­mo; ou­tra me­ta­de, so­ci­a­lis­tas, co­mu­nis­tas, sin­di­ca­lis­tas e anar­quis­tas e ou­tros

NO CE­MI­TÉ­RIO DE SE­RAN­TES, ESTREITAS CAMPAS COLETIVAS DE EXECUTADOS ASSINALADOS POR FIEIRAS DE PEQUENAS CRUZES TESTEMUNHAM O EXTERMÍNIO SISTEMÁTICO. HÁ DATAS QUE SE REPLICAM NAS PLA­CAS: 16 DE SE­TEM­BRO DE 1936...

re­pu­bli­ca­nos, co­mo Pe­dro Gui­ma­rey.

Uns fo­ram fu­zi­la­dos nos di­as ime­di­a­tos à to­ma­da de Ferrol pelos gol­pis­tas, que em es­cas­sos di­as sub­ju­ga­ram a Ga­li­za, pren­de­ram, tor­tu­ra­ram e jul­ga­ram su­ma­ri­a­men­te em tri­bu­nais mi­li­ta­res fan­to­che inú­me­ros re­pu­bli­ca­nos; ou­tros fo­ram “pas­se­a­dos” – um eu­fe­mis­mo cí­ni­co pa­ra de­sig­nar os pre­sos con­vi­da­dos a “pas­se­ar” por des­cam­pa­dos ou bos­ques e ali aba­ti­dos. Ape­sar de Ferrol ser a mai­or ba­se na­val es­pa­nho­la (“Há ci­da­des que pos­su­em uma ba­se, Ferrol é uma ba­se que tem uma ci­da­de”, co­men­ta Bar­re­ra) e de ali ha­ver ma­ri­nhei­ros­le­aisàRe­pú­bli­ca,aguar­ni­ção­e­ra­es­cas­sa.Amai­or par­te da fro­ta zar­pa­ra pa­ra Gi­bral­tar a ten­tar evi­tar a pas­sa­gem do es­trei­to pe­las tro­pas fran­quis­tas e mes­mo as­sim a aca­bou por ban­de­ar-se pa­ra os su­ble­va­dos.

Na do­ca se­ca, fi­cou o cru­za­dor Al­mi­ran­te Cer­ve­ra, ino­pe­ra­ci­o­nal e im­pe­di­do de sair com o boi­co­te do di­que pelos ata­can­tes, mui­tos de­les de ou­tras uni­da­des mi­li­ta­res da ci­da­de, in­cluin­do de ar­ti­lha­ria. An­co­ra­do, es­ta­va um cou­ra­ça­do mas sem pe­ças de ar­ti­lha­ria. Em dois di­as, Ferrol caiu.

A re­pres­são e a mor­tan­da­de que se se­gui­ram fo­ram bru­tais. As ce­las do Cas­te­lo de S. Fi­li­pe – o mai­or do con­jun­to de for­ti­fi­ca­ções que pro­te­gi­am a en­tra­da na Ria de Ferrol – en­cheu-se de en­car­ce­ra­dos às cen­te­nas. Foi pre­ci­so cri­ar bar­cos-pri­são na en­se­a­da. Se­gui­ram-se os fu­zi­la­men­tos em sé­rie, no muro de Ca­ni­do e no cas­te­lo. Só na co­mar­ca de Ferrol te­rão si­do as­sas­si­na­dos mais de mil, en­tre 1936 e 1976, de en­tre um to­tal de qua­tro mil fu­zi­la­dos, “pas­se­a­dos”,

pre­sos e per­se­gui­dos pe­lo fran­quis­mo.

No ce­mi­té­rio de Se­ran­tes, estreitas campas coletivas de executados assinalados por fieiras de pequenas cruzes testemunham o extermínio sistemático. Há datas que se replicam nas pla­cas: 16 de se­tem­bro de 1936... Des­ta­ca-se um ja­zi­go em pe­dra es­cu­ra, em cu­ja ca­be­cei­ra re­bri­lha um no­me: Ama­da Gar­cia. Pre­sa com uns 40 e tal re­sis­ten­tes, foi le­va­da pa­ra o Cas­te­lo de S. Fi­li­pe. Es­tan­do grávida, con­ce­de­ram-lhe que des­se à luz e ama­men­tas­se o fi­lho du­ran­te al­gu­mas se­ma­nas. Fu­zi­la­ram-na a 21 de janeiro de 1938, com mais se­te com­pa­nhei­ros, en­tre as mu­ra­lhas do for­te. Mal o cas­te­lo dei­xou de ser mi­li­tar e se tor­nou aces­sí­vel ao pú­bli­co, nos anos 1990, co­me­ça­ram a sur­gir ra­mos de flo­res no lo­cal de as­sas­si­na­to, le­va­das re­gu­lar­men­te pe­lo fi­lho. Des­de 2014, jaz na mes­ma cam­pa, com le­gen­da des­ta­ca­da: “Ga­bri­el – fi­lho de Ama­da Gar­cia”.

É no cas­te­lo que a As­so­ci­a­ção Me­mó­ria His­tó­ri­ca De­mo­crá­ti­ca de Ferrol pro­põe um cen­tro de in­ter­pre­ta­ção, que mos­tre os cár­ce­res, ofe­re­ça uma bi­bli­o­te­ca, um ar­qui­vo do­cu­men­tal, ex­po­si­ções e con­fe­rên­ci­as. O pro­je­to, diz o al­cal­de, es­tá a ser pre­pa­ra­do. A pri­o­ri­da­de é a ins­ta­la­ção de um me­mo­ri­al no Bair­ro do Ca­ni­do, com os mais de mil no­mes de as­sas­si­na­dos pe­lo fran­quis­mo.

UM PAÇO EM DISPUTA

No Paço de Mei­rás, pro­pri­e­da­de que a fa­mí­lia de Fran­co diz ser sua e que o Par­la­men­to Galego e o con­ce­lho de Sa­da (de­li­be­ra­ções apro­va­das por una­ni­mi­da­de) que­rem en­tre­gues ao Es­ta­do com ur­gên­cia, não há uma men­ção às ví­ti­mas do fran­quis­mo.

“Es­tá cla­ra­men­te pro­va­do que foi re­si­dên­cia ofi­ci­al do che­fe de Es­ta­do, que ali re­ce­beu ou­tros che­fes de Es­ta­do, con­ce­deu au­di­ên­ci­as e pre­si­diu a con­ce­lhos de mi­nis­tros, as­sim co­mo a es­cri­tu­ra de com­pra e ven­da em 1941, tor­nan­do Fran­co, pes­soa fí­si­ca, seu pro­pri­e­tá­rio”, diz o al­cal­de de Sa­da, Be­ni­to Por­te­la. Con­ce­lho e Par­la­men­to cor­rem con­tra o tempo, ago­ra pa­ra im­pe­dir a fa­mí­lia de es­pe­cu­lar (co­lo­cou-o à ven­da por oi­to mi­lhões lo­go que as au­to­ri­da­des exi­gi­ram a pos­se pe­lo Es­ta­do) e Be­ni­to ape­la à ação ur­gen­te do Go­ver­no nos tri­bu­nais. Pa­ra que fim? “No Pla­no Es­pe­ci­al de Pa­tri­mó­nio de Sa­da, es­tá co­mo me-

mó­ria às ví­ti­mas do fran­quis­mo. Se foi o epi­cen­tro do fran­quis­mo na Ga­li­za, tem de ser o epi­cen­tro da re­cu­pe­ra­ção da me­mó­ria.”

O Paço, man­da­do cons­truir no sé­cu­lo XIX pe­la es­cri­to­ra ga­le­ga Emí­lia Par­do Ba­zán, e “ofe­re­ci­do” pe­la Jun­ta Pro­vin­ci­al de A Co­ru­nha, em 1938, ao Ge­ne­ra­lís­si­mo, à for­ça de fun­dos pró­pri­os e do­a­ções co­er­ci­vas de fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos e co­mer­ci­an­tes nu­ma “subs­cri­ção pú­bli­ca”, é to­da uma exal­ta­ção do cau­di­lho.

Obri­ga­da a abrir ao pú­bli­co to­das as sex­tas-fei­ras de ma­nhã as “Tor­res de Mei­rás” – clas­si­fi­ca­das imó­vel de in­te­res­se cul­tu­ral – a fa­mí­lia Fran­co, que por ali cos­tu­ma ve­ra­ne­ar, per­mi­te vi­si­tas apenas aos jar­dins, à ca­pe­la (on­de es­tão guar­da­das du­as pre­ci­o­sas es­tá­tu­as sub­traí­das a uma fa­cha­da da ca­te­dral de San­ti­a­go de Com­pos­te­la), ao vas­to hall de en­tra­da, a du­as sa­las e à bi­bli­o­te­ca.

Fran­co es­tá om­ni­pre­sen­te – na coleção de pre­ci­o­sas an­ti­gui­da­des e acha­dos ar­que­o­ló­gi­cos que lhe fo­ram “ofe­re­ci­dos”; na evo­ca­ção dos seus atos ofi­ci­ais; no bus­to que pon­ti­fi­ca nas es­ca­das de aces­so à área pri­va­da; nos re­tra­tos que do­mi­nam o me­za­ni­no; ou no im­pres­si­o­nan­te qua­dro em lu­gar de des­ta­que na bi­bli­o­te­ca, re­pre­sen­tan­do-o mon­ta­do a ca­va­lo a sau­dar as for­ças de par­ti­da de Mar­ro­cos.

Uma pre­sen­ça ex­ces­si­va? “É uma par­te da nos­sa História”, des­va­lo­ri­za Pa­blo La­va, 56 anos, pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio, que aca­ba de fazer a vi­si­ta com a fa­mí­lia e sai im­pres­si­o­na­do com a bi­bli­o­te­ca – “um pa­raí­so

mui­to aco­lhe­dor”. Que diz do qua­dro? “É uma ques­tão his­tó­ri­ca, sim­ples­men­te.”

Es­for­ça-se num dis­cur­so neu­tral, mas en­ca­mi­nha a con­ver­sa pa­ra acu­sar a es­quer­da de “usar o fran­quis­mo co­mo eti­que­ta” con­tra ou­tros, cri­ti­car a Lei da Me­mó­ria His­tó­ri­ca e de­plo­rar a in­ten­ção do Go­ver­no de cri­ar uma Co­mis­são da Ver­da­de: “Que me­do!, não acei­to que quei­ram es­ta­be­le­cer uma ver­da­de po­lí­ti­ca!” As­sim co­mo du­vi­da dos mo­nu­men­tos às ví­ti­mas do fran­quis­mo. “Só se ti­ve­rem dos dois la­dos...” Pa­ra En­ri­que Bar­re­ra, “há uma cla­ra as­si­me­tria, quan­ti­ta­ti­va e qua­li­ta­ti­va, na re­pres­são fran­quis­ta e re­pu­bli­ca­na. Os fran­quis­tas as­sas­si­na­ram en­tre 225 mil e 250 mil pes­so­as (100 mil per­ma­ne­cem en­ter­ra­das nas va­las), os re­pu­bli­ca­nos apro­xi­ma­da­men­te 40 mil. Mas, en­quan­to as au­to­ri­da­des re­pu­bli­ca­nas ten­ta­ram con­ter os seus par­ti­dá­ri­os, os mi­li­ta­res fran­quis­tas en­qua­dra­ram e en­co­ra­ja­ram os seus”.

ROMANCE DO CO­MAN­DAN­TE MORENO

“Fa­lan­ges de Fon­sa­gra­da // não po­de­reis su­bir ao céu // por­que ali es­tá de por­tei­ro // o co­man­dan­te Moreno”.

Em Fon­sa­gra­da, o fol­clo­re po­pu­lar cris­ta­li­zou a me­mó­ria do fim trá­gi­co do cé­le­bre Ba­ta­lhão Ga­li­za e do seu co­man­dan­te Moreno, cu­jos res­tos mor­tais e os de ou­tros 15 com­pa­nhei­ros fo­ram exu­ma­dos em 2007 e 2008 de três va­las – en­tre as mi­lha­res que ainda ho­je jun­cam Es­pa­nha.

Gra­ças ao “Romance do Co­man­dan­te Moreno”, que

“até da­va pis­tas on­de tu­do acon­te­ceu”, re­cor­da Jo­a­quim Vic­tor, 67 anos, pin­tor e ilus­tra­dor co­la­bo­ra­dor da As­so­ci­a­ção pa­ra a Re­cu­pe­ra­ção da Me­mó­ria His­tó­ri­ca (ARMH), foi pos­sí­vel aler­tar pa­ra o ris­co de so­ter­ra­men­to do lo­cal on­de fi­ca­vam três va­las co­muns, com o pro­je­ta­do alar­ga­men­to da es­tra­da na­ci­o­nal da Ga­li­za pa­ra as As­tú­ri­as, e pro­mo­ver a exu­ma­ção. Ten­do a fren­te re­pu­bli­ca­na nas As­tú­ri­as so­ço­bra­do, a 21 de ou­tu­bro de 1937, an­te a for­ça es­ma­ga­do­ra das for­ças fran­quis­tas, o Ba­ta­lhão Ga­li­za ba­teu em re­ti­ra­da e dis­per­sou-se, re­cor­da Jo­a­quim. “Na noi­te de 28 pa­ra 29, o co­man­dan­te Moreno, ou­tros do seu es­ta­do-mai­or e vá­ri­os com­pa­nhei­ros, um gru­po de 16, que vi­nham exaus­tos”, aco­ber­ta­ram-se em du­as pequenas es­ta­la­gens na bei­ra da es­tra­da, no lu­gar do Ace­bo. Mas fo­ram de­nun­ci­a­dos. “Os do po­vo do Ace­bo // fin­gin­do ser es­quer­dis­tas // fo­ram a Fon­sa­gra­da // dar con­ta aos fa­lan­gis­tas”, con­ta a ba­la­da. Cer­ca­dos por guar­das-ci­vis e fa­lan­gis­tas, fo­ram aba­ti­dos, mas Jo­sé Moreno fu­giu. Cap­tu­ra­do di­as de­pois, so­freu lon­gas tor­tu­ras e “aca­bou aba­ti­do amar­ra­do a uma ar­go­la”. Os cor­pos fo­ram le­va­dos num car­ro de bois pa­ra a ber­ma da es­tra­da, já nas As­tú­ri­as (“ofi­ci­al­men­te, na Ga­li­za não ha­via fren­te de guerra”, ob­ser­va) e lan­ça­dos pa­ra três va­las aber­tas por ho­mens e ado­les­cen­tes dos ar­re­do­res.

Os res­tos mor­tais ja­zem num tú­mu­lo co­mum no ce­mi­té­rio de Fon­sa­gra­da, em cu­ja ca­be­cei­ra es­tá gra­va­do um ver­so do po­e­ta galego Ra­mon Ca­ba­nil­las: “A li­ber­da­de nun­ca per­deu ne­nhu­ma lu­ta!”●m

M Ja­zi­go da fa­mí­lia Fran­co. Só de­pois das no­tí­ci­as pas­sou a ser al­vo de in­te­res­se e… de­vo­ção

6 En­tre pa­nos de mu­ra­lha do Cas­te­lo de S. Fi­li­pe, em Ferrol, um dos prin­ci­pais lo­cais de fu­zi­la­men­to a Cam­pa da he­roí­na ga­le­ga Ama­da Gar­cia, fu­zi­la­da no cas­te­lo de S. Fi­li­pe se­ma­nas de­pois de dar à luz

M No ci­mo, à es­quer­da: cam­pa co­le­ti­va de re­pu­bli­ca­nos as­sas­si­na­dos a 16 de se­tem­bro de 1936, no ce­mi­té­rio de Se­ran­tes

M Ce­la gran­de no Cas­te­lo de S. Fi­li­pe on­de eram con­cen­tra­dos os con­de­na­dos a fu­zi­la­men­to

a En­ri­que Bar­re­ra, his­to­ri­a­dor e ati­vis­ta pe­la de­fe­sa da me­mó­ria das ví­ti­mas do fran­quis­mo

M Em ci­ma, à es­quer­da: ca­sa on­de nas­ceu Fran­cis­co Fran­co em Ferrol. Fa­mí­lia in­sis­te em man­ter as pla­cas de ho­me­na­gem

a Vi­si­tan­tes no Paço de Mei­rás, um imó­vel que o Par­la­men­to Galego e o Con­ce­lho de Sa­da que­rem en­tre­gue ao Es­ta­do M Be­ni­to Por­te­la, o al­cal­de de Sa­da que lu­ta pe­la trans­for­ma­ção do Paço de Mei­rás em me­mó­ria das ví­ti­mas do fran­quis­mo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.