PA­RA SEM­PRE NANY PE­TRO­VA

São du­as ve­zes por semana. Bar­ba fei­ta, Fer­nan­do So­a­res des­ce a rua e en­tra no bar In­vic­tus, na Bai­xa do Por­to, pa­ra ser Nany Pe­tro­va. Es­tá reformado há mais de uma dé­ca­da, mas só de dia. À noi­te, es­te tri­pei­ro das Fon­tai­nhas tor­na-se Nany. É as­sim des­de

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário - TEXTO Mi­le­ne Mar­ques FOTOGRAFIA Le­o­nel de Cas­tro/Glo­bal Ima­gens

Aos 70 anos e reformado, Fer­nan­do So­a­res é o ve­te­ra­no dos trans­for­mis­tas por­tu­gue­ses. Na pele de Nany Pe­tro­va, es­te fi­lho das ilhas por­tu­en­ses es­co­lheu não sair da sua ci­da­de, tro­can­do o sonho de uma car­rei­ra de ator por um fio de em­pre­gos diur­nos, in­cluin­do me­ta­lúr­gi­co. Os jor­na­lis­tas Mi­le­ne Mar­ques (texto) e Le­o­nel de Cas­tro (fotos) mos­tram uma vi­da cheia de pe­ru­cas, tu­les e ce­tins.

Pas­sa pou­co da meia-noi­te. Fer­nan­do So­a­res en­tra no In­vic­tus e to­ma um ca­fé ao bal­cão. As lu­zes con­ti­nu­a­rão bai­xas até à ho­ra do es­pe­tá­cu­lo em que ho­mens vi­ram di­vas e can­tam em play­back. To­dos me­nos Nany Pe­tro­va, o eter­no ar­tis­ta do bur­les­co ali re­si­den­te. To­das as sex­tas e sá­ba­dos há es­pe­tá­cu­los de trans­for­mis­mo na ca­sa com mais pro­gra­ma­ção do gé­ne­ro no Por­to. Fer­nan­do so­be ao ca­ma­rim e di­vi­de o espelho com Ro­ber­to, o do­no do bar e ami­go de lon­ga da­ta, que à noi­te en­car­na a sen­su­al Ro­ber­ta Kinsky. Pri­mei­ro a ba­se, de­pois as som­bras car­re­ga­das de co­res, o lá­pis gros­so pelos olhos, as pes­ta­nas pos­ti­ças me­ta­li­za­das, tu­do à me­di­da exa­ge­ra­da das per­so­na­gens que Nany in­ter­pre­ta. O ci­gar­ro, sem­pre co­la­do aos lá­bi­os, con­so­me-se qu­a­se so­zi­nho du­ran­te a mu­ta­ção que vai sor­ven­do Fer­nan­do. Um ou­vi­do sur­do aju­da ao alhe­a­men­to. Já não ou­ve nin­guém. É aqui que começa a en­trar em Nany, ex­pli­ca mais tar­de. À ho­ra de pas­sar

o ba­tom, he­si­ta e pe­de aju­da.

São já 44 anos de car­rei­ra co­mo trans­for­mis­ta, pi­o­nei­ro nos ba­res gays do Por­to. A primeira vez que Fer­nan­do So­a­res se ves­tiu de mu­lher foi nu­ma ca­sa par­ti­cu­lar de um ami­go, ha­bi­tu­a­do a re­ce­ber mui­ta gen-

te. Ali nas­ceu o 43 Club. Cor­ria o ano de 1974, dois após o seu re­gres­so de An­go­la, do Ul­tra­mar. “Eu ti­nha mui­to jei­to pa­ra brin­ca­dei­ras e ves­tia a rou­pa da cri­a­da de­le. Dei­tá­mos uma pa­re­de abai­xo, fi­ze­mos um pal­co e mon­tá­mos um es­pe­tá­cu­lo. Ca­da um sa­bia fazer uma coi­sa”, re­cor­da Fer­nan­do. Se­guiu-se a par­ti­ci­pa­ção no con­cur­so “A vi­si­ta da Ca­bré­lia”, tam­bém ves­ti­do de mu­lher. Era um co­le­ga que o pin­ta­va, até que um dia fa­lhou e te­ve que se de­sen­ras­car so­zi­nho. “Na épo­ca não ha­via na­da dis­to. Fui apren­den­do a ver os ou­tros, nin­guém me en­si­nou na­da.” Os tru­ques da ar­te foi apa­nhan­do com os trans­for­mis­tas das ca­sas de Lis­boa, on­de mui­tas ve­zes atu­ou co­mo ar­tis­ta con­vi­da­do. Co­lar os brin­cos às ore­lhas com pas­ti­lha elás­ti­ca, usar pa­pel hi­gié­ni­co à vol­ta da ca­be­ça pa­ra su­gar o su­or, en­tre um mun­do de se­gre­dos que não acha pi­a­da re­ve­lar. En­che o pei­to pa­ra di­zer que tra­ba­lhou com os íco­nes Ruth Bry­den e Ly­dia Bar­loff, no Fi­nal­men­te.

“Na al­tu­ra, nem ha­via o no­me ‘drag que­en’. Só tra­ves­ti. Mas eu não sou tra­ves­ti, sou trans­for­mis­ta. Tu­do o que eu fa­ço tem tru­ques, nos ge­ni­tais, na ca­ra...” Ainda ho­je os con­cei­tos se con­fun­dem, e tal­vez por is­so Fer­nan­do fa­ça ques­tão de fri­sar a ca­da ins­tan­te que não gos­ta de se sen­tir mu­lher. “Eu nem gos­to de me ves­tir de mu­lher. Is­to pa­ra mim é uma fer­ra­men­ta de tra­ba­lho, co­mo a ba­ta de um en­fer­mei­ro. Is­to é te­a­tro. A mi­nha ca­be­ça não é na­da de mu- lher.” O es­ti­lo tos­co e a rou­qui­dão do ta­ba­co tam­bém não. Ca­ra pin­ta­da, Nany des­ce do ca­ma­rim ves­ti­do de Fer­nan­do. Faz tempo no bar até per­to das 2 ho­ras, qu­an­do so­be pa­ra a se­gun­da par­te da ca­rac­te­ri­za­ção.

Bur­les­co até aos 80 ou 90 anos

É per­to des­sa ho­ra que a ca­sa, uma es­pé­cie de ca­ba­ré saí­do de um fil­me de sé­rie B, com so­fás dou­ra­dos e ro­bó­ti­cas lu­zes néon a pre­en­cher o va­zio, começa a com­por-se. Quem pas­sa na Rua da Con­cei­ção é atraí­do pelos al­tos de­ci­béis vin­dos do fun­do de um cor­re­dor de aces­so a umas an­ti­gas ga­le­ri­as. À en­tra­da, um car­taz com as es­tre­las da noi­te anun­cia o “show de trans­for­mis­mo”. A uma sé­rie de ho­mens de meia-ida­de co­me­çam a jun­tar-se gru­pos de jo­vens à pro­cu­ra do ex­cên­tri­co. Há di­as me­lho­res do que ou­tros e o es­ta­be­le­ci­men­to ainda sen­te os efei­tos de uma ca­sa que se es­tá a fazer, com dois anos.

Uma a uma, as di­vas des­cem as es­ca­das e to­mam o cen­tro da sa­la de mi­cro na mão. O play­back é qu­a­se aces­só­rio. Ali dis­pu­tam-se as me­lho­res si­lhu­e­tas fe­mi­ni­nas, as trans­for­ma­ções mais per­fei­tas. Até à en­tra­da da hi­per­bó­li­ca Nany, a dis­rup­ti­va – ora Ro­si­nha das mon­ta­nhas, ves­ti­do cur­to, axa­dre­za­do aos fo­lhos e acor­deão nas mãos, a fazer que can­ta “Eu le­vo no pa­co­te”; ora “se­reia” que brin­ca na praia com re­vis­tas por­no e ba­na­nas en­quan­to bal­bu­cia a le­tra de “Cu­an­do ca­li­en­ta el sol” e pis­ca o olho aos ho­mens;

ora Ága­ta em “Co­mu­nhão de bens”, a em­pur­rar o car­ri­nho do Ne­nu­co.

“Com es­ta ida­de, 70 anos, is­to ainda es­tá de pé. E não es­tou ma­lu­qui­nha, não es­tou. Ainda me pin­to, ainda pin­cho, ainda sal­to. Já fiz o jan­tar, já la­vei a loi­ça, já le­vei a ca­de­la à rua, já fiz a bar­ba e che­guei aqui e pus a pi­li­nha pa­ra trás, por­que eu tam­bém te­nho pi­la, não é? Is­to é um tra­ba­lho di­fí­cil.” A sa­la ri-se. As pa­la­vras atro­pe­lam-se no so­ta­que tri­pei­ro. Fo­ram pro­fe­ri­das na úl­ti­ma ho­me­na­gem ao seu lon­go per­cur­so ar­tís­ti­co, no Por­to Drag Fes­ti­val de ju­lho pas­sa­do, no Ca­fé Lu­si­ta­no, mas não se des­vi­am das di­tas no fi­nal de ou­tros es­pe­tá­cu­los, qu­an­do brin­ca com epi­só­di­os da sua vi­da e se me­te com o pú­bli­co à es­pe­ra de ar­ran­car-lhes mais gar­ga­lha­das.

“Quan­to mais feia for, mais en­gra­ça­do fi­co. O meu tra­ba­lho é to­tal­men­te di­fe­ren­te do dos meus co­le­gas. Aliás, sou dos que mais gas­ta di­nhei­ro, por­que te­nho que com­prar ba­lões, ces­ti­nhas, flo­res, car­ri­nhos pa­ra o meu bur­les­co.” As per­so­na­gens, de­se­nha-as men­tal­men­te qu­an­do es­tá na ca­ma, de­pois de es­co­lher as mú­si­cas pa­ra os seus play­backs, aque­las que se co­lam em “lo­op” à me­mó­ria.

“A ida­de não me afe­ta na­da”, diz Fer­nan­do. “Sen­do bur­les­co, eu pos­so ter 80 ou 90 anos e fazer shows.” É es­se bi­chi­nho do es­pe­tá­cu­lo que não o dei­xa lar­gar es­te mun­do, mes­mo ten­do co­me­ça­do a tra­ba­lhar aos 14 anos e es­tan­do reformado há mais de dez, des-

de que a sau­na on­de era fun­ci­o­ná­rio fe­chou. “Fui em­pre­ga­do de res­tau­ran­te, ti­pó­gra­fo, me­ta­lúr­gi­co, mas nun­ca dei­xei o trans­for­mis­mo. Is­to pa­ra mim é uma ar­te e não é fá­cil, por­que eu não le­vo is­to co­mo uma ma­ri­qui­ce. Às ve­zes, es­tou cheio de pro­ble­mas e te­nho que fazer rir. E a mim quem me faz rir?”, ati­ra. Fer­nan­do só re­cor­da uma épo­ca em que es­te­ve afas­ta­do de Nany, por im­pli­ca­ção de um na­mo­ra­do. Não du­rou um ano, o tempo da re­la­ção. O bi­chi­nho ven­ceu. Nes­ta al­tu­ra, já só se can­sa dos “me­xe­ri­cos do mun­do gay, do le­va e traz”, des­ta­ca.

“Eu nun­ca de­sis­ti, nem de­sis­to. Co­mo di­zia a Pal­mi­ra Bas­tos, as ár­vo­res mor­rem de pé. En­quan­to as per­ni­nhas me­xe­rem e a vo­zi­nha ti­ver po­der de gra­ça, eu vou an­dan­do.” Dos áu­re­os fi­nais dos anos 70 e dos anos 80 traz vi­vas as lem­bran­ças dos di­as cor­ri­dos de es­pe­tá­cu­lo em es­pe­tá­cu­lo.“An­ti­ga­men­te, fa­zia três shows por noi­te e tra­ba­lha­va de dia. Fiz mui­tas di­re­tas atrás de di­re­tas, por­que ti­nha que en­trar ao ser­vi­ço às oi­to da ma­nhã. Sem­pre quis tra­ba­lhar pa­ra ho­je ter uma re­for­ma, por­que mais tar­de não era com os shows que ia vi­ver”, ex­pli­ca.

Per­cor­reu “to­dos os ca­ba­rés do Por­to, me­nos o Ta­ma­riz”, des­de O Ca­lor da Noi­te ou A Can­deia ao en­tre­tan­to re­a­ber­to Pé­ro­la Negra. A gran­de mai­o­ria já não exis­te. “Ago­ra, tu­do es­tá mu­da­do. Há uma cri­se mui­to gran­de”, co­men­ta Fer­nan­do. “Na al­tu­ra, o am­bi­en­te era mais re­ser­va­do e di­ver­ti­do.”

Tra­tar da ca­sa e do ani­ver­sá­rio

A ca­sa de Fer­nan­do es­con­de uma es­pé­cie de museu de Nany, que com­pe­te com as ima­gens de Ma­rilyn Mon­roe nas pa­re­des, al­mo­fa­das e edre­dão da ca­ma. Há lem­bran­ças de ho­me­na­gens a Pe­tro­va ex­pos­tas no mó­vel da en­tra­da (co­mo a do “ami­go Marco Pau­lo” e de clu­bes no­tur­nos) e um pe­que­no quar­to for­ra­do com mo­men­tos emol­du­ra­dos da sua car­rei­ra, on­de sur­gem fo­to­gra­fi­as com fi­gu­ras pú­bli­cas co­mo Her­man Jo­sé, Carlos Cas­tro e Wan­da Stu­art.

“Aqui vi­vem dois ho­mens e uma mu­lher. Um Ós­car, um Fer­nan­do e uma Nany”, diz a rir-se, no so­fá ze­bra­do da sua sa­la. “O guar­da-fa­tos tem rou­pa de ho­mem e rou­pa de mu­lher, sa­pa­tos de ho­mem e sa­pa­tos de mu­lher.” E tem pe­ru­cas, tu­les e ce­tins. E há mais pe­ru­cas, cui­da­do­sa­men­te do­bra­das do aves­so, em cai­xas e cai­xi­nhas no quar­to prin­ci­pal que di­vi­de com Ós­car, o ho­mem com quem par­ti­lha a vi­da já lá vão 24 anos. Co­nhe­ceu-o qu­an­do lhe foi pin­tar a ca­sa, mas re­cu­sa-se a ca­sar. “Pa­ra quê, pa­ra fi­car com a mi­nha re­for­ma?”, de­fen­de-se Nany nas su­as apre­sen­ta­ções. O pú­bli­co ri-se.

Em ca­sa, são com­pa­nhei­ros. Fer­nan­do ma­dru­ga to­dos os di­as pa­ra o aju­dar a pre­pa­rar a mar­mi­ta e vol­ta pa­ra a ca­ma. “Sem­pre fiz trans­for­mis­mo, só que ago­ra es­tou reformado e te­nho mais va­gar. Não pa­ra os es­pe­tá­cu­los, mas pa­ra a vi­da de ca­sa.” Fer­nan­do tra­ta da rou­pa, lim­pa a ca­sa, co­zi­nha, cui­da da ca­de­la.

Tem or­gu­lho no lar e gos­ta de ter tu­do im­pe­cá­vel. Che­gou a vi­ver em quar­tos e não gos­tou da so­li­dão ex­pe­ri­men­ta­da. “Sem­pre so­nhei ter a mi­nha ca­sa.” A 16 de agos­to pas­sa­do le­van­tou-se mais ce­do. Ha­via bo­la de fran­go, ris­sóis, pa­na­dos e pu­dim a pre­pa­rar. Era o seu ani­ver­sá­rio e re­ce­bia a fa­mí­lia In­vic­tus, a que es­co­lheu, ao jan­tar – os mais no­vos, que gos­ta que lhe tra­tem por avó Nany, e os mais ve­lhos, com quem le­va uma vi­da a tra­ba­lhar na noi­te. À me­sa to­dos se tra­tam no fe­mi­ni­no.

“São 70 anos vi­vi­dos, mas mui­to so­fri­dos”, a fra­se é re­pe­ti­da no es­pe­tá­cu­lo do seu 70.º ani­ver­sá­rio, que lo­tou o In­vic­tus. Uma noi­te es­pe­ci­al, em que Nany mos­trou um la­do mais cir­cuns­pec­to ao imi­tar Al­ci­o­ne, e em que foi a es­tre­la prin­ci­pal de um car­taz que jun­tou mais no­ve trans­for­mis­tas, en­tre os da ca­sa, co­mo Ro­ber­ta e Ni­co­le Kinsky, Dya­ne Star e Katy Wan­dolly, ar­tis­tas já re­ti­ra­dos e até El­sa Mar­ti­nel­li, que veio de Lis­boa.

Po­dia ser um bom ator... ou não

Fer­nan­do re­cua ao tempo em que, “sen­do-se ho­mos­se­xu­al, qu­a­se se era pre­so”. Qu­an­do o pai des­co­briu a sua ori­en­ta­ção, já após a tro­pa, re­ne­gou-o e de­ser­dou-o. Abriu uma car­ta e viu uma fotografia do fi­lho a bei­jar um ra­paz, um na­mo­ri­co de Lis­boa. Fez-lhe as ma­las e deu-lhe “uma ta­reia de man­guei­ra”. Fi­cou uma semana a vi­ver nas so­lei­ras das por­tas, até re­ce­ber o or­de­na­do.

Fi­lho úni­co de uma fa­mí­lia hu­mil­de dos bair­ros do Por­to, Fer­nan­do sem­pre es­con­deu a sua vi­da de trans­for­mis­ta aos pais. Mes­mo qu­an­do, já após a mor­te do pai, a mãe fi­cou do­en­te e foi vi­ver pa­ra sua ca­sa. “Ti­ve sem­pre me­do que des­co-

bris­sem. Por­que nas­ci e vi­vi em ilhas. Pa­ra a mi­nha mãe não so­frer com os me­xe­ri­cos, evi­tei mui­ta coi­sa”, con­fes­sa. “Era ou­tra ge­ra­ção, to­tal­men­te di­fe­ren­te da de

ago­ra. Ago­ra, as mães acei­tam tu­do, com­pre­en­dem tu­do”, en­fa­ti­za. “Sem­pre fui uma pes­soa com ca­be­ça, por­que de­pois de os meus pais me po­rem fo­ra de ca­sa, hou­ve uma al­tu­ra em que es­ti­ve qu­a­se a pros­ti­tuir-me, pa­ra ga­nhar pa­ra co­mer, e pas­sei fo­me. So­fri mui­to, mas nun­ca con­se­gui pros­ti­tuir-me.” O te­ma da pros­ti­tui­ção sur­ge fre­quen­te­men­te no dis­cur­so de Fer­nan­do, co­mo um es­tig­ma pe­sa­do as­so­ci­a­do ao tra­ves­tis­mo de an­ti­ga­men­te e do qual se quer de­mar­car. A car­rei­ra de ator de co­mé­dia ou re­vis­ta em Lis­boa tam­bém foi eter­na­men­te adi­a­da, ape­sar do con­vi­te de Lau­ra Al­ves no iní­cio da car­rei­ra, da­do o seu “jei­to pa­ra o im­pro­vi­so”, con­ta. “Ho­je até po­dia ser um bom ator... ou até po­dia não ser, mas por cau­sa dos na­mo­ri­cos e da mi­nha mãe, sem­pre quis fi­car aqui na mi­nha ter­ra. O meu Por­to é cin­zen­to, mas é on­de es­tão as mi­nhas raí­zes.”

Fer­nan­do sen­te-se re­a­li­za­do. “Os pré­mi­os que me po­di­am dar, já os ga­nhei”, re­al­ça. As par­ti­ci­pa­ções no li­vro “Por­to A’ Abrir” e no Fes­ti­val da Can­ção do Marco de Ca­na­ve­ses a fazer de Carmen Mi­ran­da, além do Pré­mio Car­rei­ra na Ga­la Abra­ço (tam­bém co­nhe­ci­da co­mo Ga­la dos Tra­ves­tis), são os mo­men­tos que re­cor­da co­mo os mais mar­can­tes des­de que foi ba­ti­za­do de Nany Pe­tro­va por um co­le­ga. Ainda tra­ba­lha­va nu­ma me­ta­lúr­gi­ca e ves­tia-se de mu­lher nas fes­tas de Na­tal. “Co­mo di­zi­am que os me­ta­lúr­gi­cos eram co­mu­nis­tas, um co­le­ga deu-me es­se no­me rus­so. Co­mo Nany tan­to dá pa­ra mu­lher co­mo pa­ra ho­mem, fi­cou.” ●m

M A 16 de agos­to des­te ano, Fer­nan­do So­a­res fes­te­jou o 70.º ani­ver­sá­rio com o com­pa­nhei­ro Ós­car e a fa­mí­lia que es­co­lheu

Fer­nan­do So­a­res so­be ao pal­co há 44 anos. O bi­chi­nho do es­pe­tá­cu­lo não o dei­xa lar­gar es­te mun­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.