NO MÊS DOS BEBÉS, O DIA DA GRÁVIDA

As hor­mo­nas fi­cam ir­re­qui­e­tas, o pe­so au­men­ta, o cor­po al­te­ra-se. São no­ve me­ses de trans­for­ma­ções, dú­vi­das e re­cei­os. Um ser den­tro de ou­tro ser é uma bên­ção que, por ve­zes, exi­ge afi­na­men­tos nas ro­ti­nas. Ho­je, 9 de se­tem­bro, é o Dia da Grávida.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário - POR Sa­ra Di­as Oli­vei­ra

Não há mês mais ami­go das chu­pe­tas, dos baby­grows e das fral­das do que se­tem­bro. É o mo­men­to do ano em que nas­ce mais gen­te, di­zem os cál­cu­los. Sem coin­ci­dên­cia, é a 9 de se­tem­bro que se ce­le­bra o Dia da Grávida. Mo­men­to cer­to pa­ra a jor­na­lis­ta Sa­ra Di­as Oli­vei­ra se en­con­trar com três mu­lhe­res em es­ta­dos dis­tin­tos de ges­ta­ção e for­ne­cer um ma­pa com­ple­to das trans­for­ma­ções, in­qui­e­ta­ções e ex­pec­ta­ti­vas de quem vai dar à luz.

Ana So­fia Car­va­lho es­tá grávida pe­la primeira vez. Bar­ri­ga de se­te me­ses, Vi­cen­te de­ve­rá nas­cer no iní­cio de no­vem­bro pelos cál­cu­los mé­di­cos. “Os pri­mei­ros me­ses cus­ta­ram um bo­ca­di­nho mais com os en­jo­os. Mas já pas­sou. A bar­ri­ga foi cres­cen­do e co­me­cei a sen­tir o be­bé”, con­ta a jor­na­lis­ta da Sport TV. A gra­vi­dez de primeira viagem não lhe mu­dou sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te as ro­ti­nas. Mas sen­tiu as mu­dan­ças no cor­po. Mais vo­lu­me em de­ter­mi­na­das par­tes, mui­to so­no, mais pe­so pa­ra trans­por­tar to­dos os di­as. “A gra­vi­dez al­te­rou pou­co a mi­nha vi­da, não me im­pe­diu de con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar. Não an­do tão rá­pi­do, fa­ço tu­do com mais cal­ma, a to­mar ba­nho de­mo­ro mais tempo, pa­ra sair de ca­sa são 20 mi­nu­tos. Le­va tu­do mui­to mais tempo.”

Os exa­mes re­ve­la­ram que não é imu­ne à to­xo­plas­mo­se e, por is­so, a par­te ali­men­tar so­freu al­te­ra­ções. Mais cui­da­dos com cer­tos pro­du­tos. As re­co­men­da­ções nes­ta área fo­ram as­si­mi­la­das ra­pi­da­men­te. Ape­sar de tu­do, o ve­rão ame­no, me­nos quen­te do que é ha­bi­tu­al, tem si­do ami­go da gra­vi­dez. Nos in­cha­ços, no ca­mi­nhar, no tra­ba­lhar.

Ana tem 33 anos e quer par­to nor­mal. Se sou­bes­se que não ia de­mo­rar mui­to tempo até pres­cin­di­ria da epi­du­ral. Mas tam­bém não é ex­tre­mis­ta. O que ti­ver de ser, se­rá. “Não crio mui­tas ex­pec­ta­ti­vas”, re­ve­la. “Te­nho mui­ta cu­ri­o­si­da­de pa­ra ver co­mo vai ser, mas na­da que me crie an­si­e­da­de. Di­ga­mos que é a cu­ri­o­si­da­de nor­mal.” E aque­la sen­sa­ção de que na­da se­rá igual de­pois do nas­ci­men­to do Vi­cen­te. “Nas­ce­rá al­guém que vai de­pen­der de mim pa­ra sem­pre.” Por es­ta al­tu­ra, Ma­ria Be­a­triz te­rá pou­cos di­as de vi­da. É a primeira fi­lha de Ma­ria Fran­cis­ca, 33 anos, bol­sei­ra de in­ves­ti­ga­ção na área mé­di­ca. A gra­vi­dez im­pli­cou al­guns afi­na­men­tos nas ro­ti­nas: me­nos ca­fés por dia, mais le­gu­mes na ali­men­ta­ção. A bar­ri­ga cres­ceu mui­to ra­pi­da­men­te e os pés in­cha­ram na eta­pa fi­nal. No iní­cio, al­guns so­bres­sal­tos, al­gum stres­se. Exa­mes e exa­mes. De­pois, mais tran­qui­li­da­de. “Fa­ço o mes­mo mas mais de­va­gar por­que o pe­so au­men­tou e os pés in­cha­dos já não aju­dam mui­to. To­mo dois ca­fés por dia, no má­xi­mo, e fa­ço uma ali­men­ta­ção mais sau­dá­vel.” O bal­let e o pi­la­tes dei­xa­ram de fazer par­te do exer­cí­cio fí­si­co, se­rão re­to­ma­dos qu­an­do hou­ver dis­po­ni­bi­li­da­de. Ma­ria Fran­cis­ca tra­ba­lhou até ao fim da gra­vi­dez: às 38 se­ma­nas ainda não es­ta­va em ca­sa à es­pe­ra do par­to. M “Fa­ço tu­do com mais cal­ma.” Ana So­fia Car­va­lho, 33 anos, aguar­da a che­ga­da de Vi­cen­te, pri­mei­ro fi­lho, em no­vem­bro

So­fia Mar­tins, 36 anos, es­tá grávida pe­la se­gun­da vez. An­tó­nio, o pri­mei­ro fi­lho, tem dois anos. Edu­ar­do vem a ca­mi­nho nu­ma bar­ri­ga de qua­tro me­ses, ainda pou­co per­ce­tí­vel. Na primeira gra­vi­dez, ze­ro en­jo­os. Nes­ta já não foi bem as­sim. En­jo­os, sim, além de cor­ri­das cons­tan­tes pa­ra a ca­sa de ba­nho nas pri­mei­ras se­ma­nas. Ago­ra já pas­sou. So­fia, fun­ci­o­ná­ria dos ser­vi­ços aca­dé­mi­cos da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de do Por­to, ga­ran­te que o es­ta­do de gra­ça não lhe al­te­ra sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te as ro­ti­nas, man­ten­do as ca­mi­nha­das. Mes­mo as­sim, tem mais cui­da­dos com a ali­men­ta­ção, so­bre­tu­do com os ali­men­tos crus. E sen­te-se mais con­ten­te, mais fe­liz. “An­do mais bem-dis­pos­ta, rio-me à gar­ga­lha­da por coi­sas mí­ni­mas, não sei se tem a ver com es­te es­ta­do de gra­ça.” Há um sor­ri­so lu­mi­no­so no ros­to.

An­si­o­sa, mal-hu­mo­ra­da, lu­mi­no­sa, zen

A gra­vi­dez é um es­ta­do de gra­ça? De­pen­de. “Co­mo não exis­tem du­as mu­lhe­res iguais, ou até se­quer se­me­lhan­tes, não se po­de ge­ne­ra­li­zar e afir­mar que a gra­vi­dez se­ja um es­ta­do de gra­ça pa­ra to­das as mu­lhe­res”, res­pon­de Cláu­dio Re­be­lo, as­sis­ten­te hos­pi­ta­lar

gra­du­a­do em Gi­ne­co­lo­gia/Obs­te­trí­cia no Hos­pi­tal Pe­dro His­pa­no, em Ma­to­si­nhos. Há vá­ri­os gé­ne­ros: “Te­mos des­de a grávida mais an­si­o­sa, cons­tan­te­men­te pre­o­cu­pa­da, do­ta­da de um que­rer sa­ber (com am­plas pes­qui­sas na in­ter­net) qu­a­se su­fo­can­te; à grávida ‘mal-hu­mo­ra­da’, que usa a des­cul­pa das hor­mo­nas pa­ra fazer tu­do co­mo quer; até à grávida ‘zen’, em que tu­do es­tá bem, com­ple­ta­men­te des­pre­o­cu­pa­da, que por ve­zes até se es­que­ce das con­sul­tas e da re­a­li­za­ção dos exa­mes.”

São no­ve me­ses de trans­for­ma­ções. E vá­ri­as pre­o­cu­pa­ções. O au­men­to exa­ge­ra­do de pe­so aju­da a pro­vo­car stres­se e an­gús­tia, le­var à per­da da au­to­es­ti­ma e até con­du­zir a uma de­pres­são, quer du­ran­te a gra­vi­dez, quer de­pois do par­to. A di­fi­cul­da­de em en­gra­vi­dar e des­fe­chos in­fe­li­zes em gra­vi­de­zes an­te­ri­o­res po­dem con­tri­buir pa­ra que o es­ta­do se­ja mais de des­gra­ça do que de gra­ça. “Am­plos es­tu­dos de­mons­tram que o es­ta­do psi­co­ló­gi­co e a for­ma co­mo se ul­tra­pas­sam os pri­mei­ros três me­ses de gra­vi­dez, no­me­a­da­men­te as quei­xas de náu­se­as, vó­mi­tos, as al­te­ra­ções in­tes­ti­nais e as per­tur­ba­ções do so­no, con­di­ci­o­nam o es­ta­do mais ‘lu­mi­no­so’ da res­tan­te jor­na­da”, adi­an­ta Cláu­dio Re­be­lo. Uma grávida bem-hu­mo­ra­da e des­con-

traí­da vi­ve a gra­vi­dez em es­ta­do de gra­ça. “Sen­tir-se-á as­sim uma ver­da­dei­ra ‘spe­ci­al one’, vi­to­ri­o­sa, lu­mi­no­sa e a cum­prir um de­síg­nio uni­ver­sal. Im­por­tan­te pa­ra tu­do is­to é tam­bém ter um com­pa­nhei­ro(a) à al­tu­ra pa­ra a aju­dar e mi­mar nes­sa ca­mi­nha­da.”

En­tre 50 a 80% das grá­vi­das têm en­jo­os e vó­mi­tos que fun­ci­o­na­rão co­mo me­ca­nis­mos de pro­te­ção ali­men­tar nos pri­mei­ros três me­ses. Es­tes dis­túr­bi­os de­pen­dem dos va­lo­res da hor­mo­na da gra­vi­dez e são mais fre­quen­tes nas grá­vi­das com al­te­ra­ções da ti­roi­de. Cos­tu­mam de­sa­pa­re­cer pe­la 20.ª semana, mas em 15% das grá­vi­das man­têm-se du­ran­te os no­ve me­ses. E co­mo a bar­ri­ga cres­ce, e a pro­ges­te­ro­na re­la­xa, po­de ha­ver azia, re­flu­xo gás­tri­co e obs­ti­pa­ção. Al­te­ra­ções mus­cu­la­res po­dem pro­vo­car do­res nas cos­tas, na ba­cia e nas an­cas. Há ainda o me­ta­bo­lis­mo dos açú­ca­res e a di­a­be­tes ges­ta­ci­o­nal, que au­men­tou 65% nos úl­ti­mos dez anos. Nas fa­ses ini­ci­ais da gra­vi­dez, o pân­cre­as pro­duz mais in­su­li­na, mas de­pois das 18 se­ma­nas há uma re­sis­tên­cia à in­su­li­na pe­la ação de hor­mo­nas pro­du­zi­das pe­la pla­cen­ta. “O fe­to só po­de uti­li­zar a gli­co­se co­mo fon­te de ener­gia pa­ra o seu de­sen­vol­vi­men­to e cres­ci­men­to”, ex­pli­ca Cláu­dio Re­be­lo. Ou se­ja, o cor­po adap­ta-se e as grá­vi­das não pre­ci­sam de in­ges­tão ex­tra de açú­ca­res.

Ali­men­ta­ção, exer­cí­cio, se­xo

Uma mu­lher grávida é uma mu­lher que tem um no­vo ser den­tro de si. E ca­da gra­vi­dez é uma gra­vi­dez. “De­ve se­guir um es­ti­lo de vi­da sau­dá­vel, o que im­pli­ca evi­tar ex­ces­sos ali­men­ta­res e pe­río­dos pro­lon­ga­dos de je­jum”, fri­sa Te­re­sa Al­mei­da San­tos, di­re­to­ra do Ser­vi­ço de Re­pro­du­ção Hu­ma­na do Cen­tro Hos­pi­ta­lar e Uni-

ver­si­tá­rio de Coim­bra e pro­fes­so­ra da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na de Coim­bra. Uma ali­men­ta­ção va­ri­a­da, evi­tan­do a in­ges­tão de car­ne e pei­xe crus ou mal co­zi­nha­dos. Sa­la­das e le­gu­mes crus de­vem ser bem la­va­dos. E exer­cí­cio fí­si­co? “Po­de ser re­a­li­za­do du­ran­te a gra­vi­dez, ex­ce­to se exis­tir al­gu­ma pa­to­lo­gia que o con­train­di­que.” Ati­vi­da­des ao ar li­vre e ca­mi­nha­das são há­bi­tos sau­dá­veis que não de­vem ser co­lo­ca­dos de la­do, por­tan­to.

Em con­di­ções nor­mais, tra­ba­lhar não é con­train­di­ca­do. Há, no en­tan­to, ex­ce­ções. “A grávida de­ve con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar des­de que a sua ati­vi­da­de la­bo­ral não im­pli­que ex­po­si­ção a tó­xi­cos ou es­for­ço fí­si­co mui­to ex­ces­si­vo, o que de­ve ser ava­li­a­do ca­so a ca­so ao lon­go da ges­ta­ção”, diz a mé­di­ca. Quan­to a me­di­ca­men­tos, na­da de abu­sos. Qual­quer com­pri­mi­do, só com in­di­ca­ção e pres­cri­ção mé­di­cas. Dú­vi­das e re­cei­os são nor­mais nes­te es­ta­do e de­vem ser par­ti­lha­dos com o mé­di­co que acom­pa­nha es­ta fa­se da vi­da. “É fre­quen­te as grá­vi­das sen­ti­rem al­gu­ma an­si­e­da­de, mas as con­sul­tas pré-na­tais com a equi­pa de saú­de aju­dam a li­dar com es­ta si­tu­a­ção.” E o pai da cri­an­ça faz par­te do pro­ces­so. Se­gun­do Te­re­sa Al­mei­da San­tos, “o com­pa­nhei­ro de­ve ser en­vol­vi­do na vi­vên­cia da gra­vi­dez e acom­pa­nhar a mu­lher grávida, no­me­a­da­men­te nas con­sul­tas e na pre­pa­ra­ção pa­ra o par­to. Os ca­sais que vi­vem es­te pe­río­do con­jun­ta­men­te sen­tem-se mais pre­pa­ra­dos pa­ra li­dar com o par­to e com o re­cém-nas­ci­do”. E, du­ran­te a gra­vi­dez, as re­la­ções se­xu­ais não es­tão proi­bi­das. Des­de que as grá­vi­das se sin­tam bem e não ha­ja ame­a­ça de par­to pre­ma­tu­ro. ●m

PE­DRO GRANADEIRO / GLO­BAL IMA­GENS

M Aos 36 anos, So­fia Mar­tins es­pe­ra o se­gun­do ra­paz, Edu­ar­do. Es­ta gra­vi­dez tor­nou-a “mais bem-dis­pos­ta”

AR­TUR MA­CHA­DO / GLO­BAL IMA­GENS

LE­O­NEL DE CAS­TRO/GLO­BAL IMA­GENS

M Ma­ria Fran­cis­ca, 33 anos, tra­ba­lhou até ao fim da gra­vi­dez de Ma­ria Be­a­triz

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.