Bru­na Cu­nha

24 anos, Er­me­sin­de

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Entrevista A Rui Moreira -

“PES­SO­AS QUE TÊM UM AUTOCOLANTE NO CARRO A DI­ZER ‘PRINCESA A BORDO’ NÃO SE LEMBRAM DO QUE ACON­TE­CEU À DIANA?”

Foi pre­ci­so um des­vio pe­lo cur­so de jor­na­lis­mo e uma te­se de mes­tra­do so­bre hu­mor ne­gro pa­ra Bru­na lem­brar um amor an­ti­go. “A ideia de al­guém es­tar em palco com­ple­ta­men­te vul­ne­rá­vel fas­ci­na­va-me e ater­ro­ri­za­va-me”, con­fes­sa.

Além de fa­zer um cur­so de stand-up, as­sis­tiu a vá­ri­os es­pe­tá­cu­los e ti­rou no­tas men­tais so­bre o que via. “Nun­ca ti­ve co­ra­gem de pe­dir pa­ra fa­zer cin­co mi­nu­tos”, diz a ges­to­ra de pro­je­tos, que as­si­na a veia hu­mo­rís­ti­ca co­mo BuWho. O em­pur­rão pa­ra ca­lar o me­do veio com o con­vi­te pa­ra in­te­grar o gru­po de co­mé­dia Q’Ir­ri­tan­tes.

BuWho dá cor­po ao seu sub­cons­ci­en­te em palco e re­cor­re às pa­la­vras co­mo ca­tar­se da me­mó­ria. “Fa­lo do bullying que so­fri na pre­pa­ra­tó­ria”, con­ta. Além do texto, an­co­ra-se na ex­pres­si­vi­da­de de cer­tos tra­ços fí­si­cos pa­ra cons­truir “um hu­mor mui­to cor­po­ral”. A fi­si­ca­li­da­de do re­gis­to e a lu­ta pe­la cre­di­bi­li­da­de le­vam Bru­na a pen­sar du­as ve­zes no que ves­tir pa­ra ir atu­ar. “Já pen­sei ‘até po­dia pôr um ba­tom’, mas não po­nho, por­que po­de dis­trair do ‘bo­ne­co’ que cons­truo”. No gru­po Q’Ir­ri­tan­tes, di­fe­ren­cia-se por ser a úni­ca mu­lher en­tre cin­co ho­mens “Eles olham pa­ra mim co­mo co­me­di­an­te e não co­mo a mu­lher-co­me­di­an­te”, rei­te­ra. “Gos­ta­va de ou­vir is­so do pú­bli­co um dia.”

Jo­a­na Ga­ma tem o co­ra­ção di­vi­di­do en­tre a rá­dio e a co­mé­dia há dez anos, al­tu­ra em que fez um workshop de stand-up. A par­tir daí, a co­mé­dia tor­nou-se uma aventura fei­ta de par­ti­das e che­ga­das, se­cun­dá­ria à lo­cu­ção. “No stand-up, pos­so ser mais crua na for­ma co­mo pas­so as men­sa­gens”, diz.

E es­se des­vio de li­ber­da­de per­mi­te cri­ar “uma ima­gem on­de ca­bem to­das as Jo­a­nas”, co­mo “a Jo­a­na ir­ri­ta­da, a Jo­a­na mãe, a Jo­a­na res­pon­sá­vel, a Jo­a­na in­te­li­gen­te”, fa­ce­tas ocul­tas no tra­ba­lho em rá­dio ou te­le­vi­são.

Ga­nhar o res­pei­to da co­mu­ni­da­de exi­ge con­ti­nui­da­de e fa­zer uma pau­sa sig­ni­fi­ca co­me­çar qua­se do ze­ro. “Pa­ra ga­nhar al­gu­ma es­ta­le­ca, te­nho que ter ro­da­gem”, afir­ma, de­sig­nan­do o ato de tes­tar ma­te­ri­al no­vo em vá­ri­os pal­cos. “O ca­chê vem de­pois.” Jo­a­na Ga­ma ad­mi­te que nun­ca se viu li­mi­ta­da por ser mu­lher num mun­do de ho­mens. “Não le­vo es­sa ba­ga­gem co­mi­go e, as­sim, ti­ro a eti­que­ta do se­xo fra­co”, as­si­na­la.

Pa­ra Jo­a­na, o stand-up em Por­tu­gal pre­ci­sa de pas­sar ao pró­xi­mo ní­vel pa­ra ge­rar mai­or in­te­res­se. “Pre­ci­sa­mos de co­me­di­an­tes que já não es­te­jam a ex­pe­ri­men­tar, mas que pen­sem pro­du­tos com pés e ca­be­ça”, apon­ta. “Com es­sa di­nâ­mi­ca, ha­ve­rá mais es­pa­ços a re­ce­ber es­pe­tá­cu­los. É uma evo­lu­ção na­tu­ral.”

“DIS­SE­RAM-ME QUE TI­NHA DE IR PERFEITAMENTE DEPILADA PA­RA O NAS­CI­MEN­TO DA MI­NHA FILHA. NÃO ME DEPILEI. O QUE PO­DI­AM FA­ZER? RECUSAR O PARTO? QUAN­TO MUI­TO GA­NHA­VA UMA DEPILAÇÃO GRATUITA EM AM­BI­EN­TE ESTERILIZADO.”

LE­O­NEL DE CAS­TRO/GLO­BAL IMA­GENS

TI­A­GO CRUZ

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.