Fer­nan­da Va­guei­ro “Gra­ças a Deus.” E a ela

Uma ope­ra­ção à co­lu­na le­vou-a a re­pen­sar a vi­da. De­vo­ta, pro­me­teu que se con­ti­nu­as­se a an­dar tu­do fa­ria pe­las cri­an­ças. Após qua­se du­as dé­ca­das, an­ga­ri­ou mais de 60 mil eu­ros e en­tre­gou per­to de 20 ca­dei­ras de ro­das.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - ALMANAQUE -

Quan­do, há 18 anos, se sub­me­teu a uma ci­rur­gia de­li­ca­da à co­lu­na, Fer­nan­da Va­guei­ro sa­bia que cor­ria o ris­co de não vol­tar a an­dar. Com me­do, mas mui­to cons­ci­en­te do que is­so im­pli­ca­ria, fez uma pro­mes­sa a Deus: “De­pois até pos­so so­frer, mas se con­ti­nu­ar a an­dar tu­do fa­rei pa­ra aju­dar os ou­tros, prin­ci­pal­men­te as cri­an­ças”. Com 67 anos, aca­ba­dos de fa­zer, es­sa tem si­do, de fac­to, a mis­são da sua vi­da. Du­ran­te a re­cu­pe­ra­ção de­li­ne­ou a es­tra­té­gia que pau­la­ti­na­men­te iria co­lo­car em mar­cha pa­ra an­ga­ri­ar fun­dos. Co­me­çou por se de­di­car a uma pai­xão an­ti­ga, a es­cri­ta. Des­de a in­ter­ven­ção ci­rúr­gi­ca, já pu­bli­cou oi­to li­vros – al­guns de po­e­sia, ou­tros de his­tó­ri­as de vi­da – cu­jos cus­tos de im­pres­são pa­gou com as pró­pri­as eco­no­mi­as. Faz artesanato, co­mo ces­tos, cha­péus e lu­vas, que ven­de aos ami­gos e à co­mu­ni­da­de, no fi­nal das mis­sas.

Na ver­da­de, a lu­ta de Fer­nan­da tem si­do tra­va­da em vá­ri­as fren­tes. Vi­ve e tra­ba­lha no Lu­xem­bur­go des­de os 40 anos, al­tu­ra em que, por ter per­di­do tu­do, se viu obri­ga­da a emi­grar e a re­co­me­çar a vi­da do ze­ro. Foi nes­se país que cri­ou, em 2006, um gru­po no Fa­ce­bo­ok pa­ra cha­mar a aten­ção de mais pes­so­as pa­ra a sua causa. “Mu­lhe­res com fir­me­za e amor pe­las cri­an­ças” co­me­çou com 30 pes­so­as e, 12 anos de­pois, con­ti­nua a cres­cer.

Uma vez por ano, a por­tu­gue­sa, na­tu­ral do lu­gar do Mon­tou­ro, fre­gue­sia de Co­vões, con­ce­lho de Can­ta­nhe­de, or­ga­ni­za uma fes­ta fe­mi­ni­na com o ob­je­ti­vo de re­co­lher re­cei­tas pa­ra os mais ne­ces­si­ta­dos. De­pois, vem a Por­tu­gal e dis­tri­buiu o di­nhei­ro por di­ver­sas ins­ti­tui­ções e cri­an­ças. Nes­sa em­prei­ta­da so­li­dá­ria, os do­na­ti­vos di­ri­gi­dos a hos­pi­tais, cre­ches ou cor­po­ra­ções de bom­bei­ros já ul­tra­pas­sa­ram os 60 mil eu­ros. Só ca­dei­ras de ro­das dis­tri­buiu per­to de 20. Es­te ano, mais es­pe­ci­fi­ca­men­te na se­ma­na pas­sa­da, os 9 mil eu­ros que an­ga­ri­ou nos úl­ti­mos me­ses fo­ram re­ser­va­dos pa­ra uma equi­pa de jo­vens uni­ver­si­tá­ri­os do Por­to con­cre­ti­zar o so­nho de du­as cri­an­ças pa­ra­plé­gi­cas de Coim­bra, de 10 e 11 anos. O di­nhei­ro vai ain­da pa­gar uma ca­dei­ra de ro­das a um me­ni­no de oi­to anos, além de au­xi­li­ar mo­ne­ta­ri­a­men­te os Bom­bei­ros de Águe­da e de Oli­vei­ra do Bair­ro, pa­ra me­lho­rar as am­bu­lân­ci­as. “Quan­do me vi com pro­ble­mas per­ce­bi o sig­ni­fi­ca­do da vi­da. E vi que ti­nha fei­to mui­to pou­co pe­los ou­tros. Ago­ra, aju­do co­mo pos­so. E só vou pa­rar quan­do mor­rer.” Mo­des­ta, re­cu­sa es­tar so­zi­nha de­bai­xo dos ho­lo­fo­tes. “Tu­do is­to foi fei­to gra­ças ao meu tra­ba­lho, mas mais gra­ças a Deus, que tan­to me tem aju­da­do.”

M Fer­nan­da Va­guei­ro emi­grou pa­ra o Lu­xem­bur­go aos 40 anos. E é lá que an­ga­ria gran­de par­te do di­nhei­ro que dis­tri­bui em Por­tu­gal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.