Lí­dia Se­quei­ra Do sin­di­ca­to pa­ra a ad­mi­nis­tra­ção

Foi ati­vis­ta sin­di­cal e sim­pa­ti­zan­te da UDP nos anos quen­tes da re­vo­lu­ção. Li­cen­ci­a­da em Eco­no­mia, é es­pe­ci­a­lis­ta em trans­por­tes, ma­té­ria a que de­di­cou a vi­da pro­fis­si­o­nal. Só não con­ven­ce os es­ti­va­do­res.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Alma- Naque -

Eco­no­mis­ta e ges­to­ra pú­bli­ca re­co­nhe­ci­da, a re­ser­va­da e con­vic­ta Lí­dia Se­quei­ra é olha­da de sos­laio pe­los es­ti­va­do­res des­de 2005, quan­do as­su­miu pe­la pri­mei­ra vez a pre­si­dên­cia da ad­mi­nis­tra­ção de um por­to – o de Si­nes – e ini­ci­ou a im­ple­men­ta­ção de um mo­de­lo ba­se­a­do, se­gun­do a acu­sa­ção sin­di­cal, “na to­tal pre­ca­ri­e­da­de”. O que os tra­ba­lha­do­res por­tuá­ri­os, em lu­ta pe­lo con­tra­to co­le­ti­vo de tra­ba­lho des­de 5 de no­vem­bro, cer­ta­men­te des­co­nhe­cem é que têm na atu­al pre­si­den­te dos Por­tos de Lis­boa, Se­tú­bal e Se­sim­bra, de qu­em tan­to dis­cor­dam, uma an­ti­ga ati­vis­ta sin­di­cal, en­tu­si­as­ta mi­li­tan­te da ex­tre­ma-es­quer­da nos anos quen­tes pós 25 de Abril. “É ver­da­de, co­nhe­ço a Lí­dia des­ses tem­pos”, diz Jor­ge Co­e­lho, ami­go há mais de 45 anos. Ca­ma­ra­da de an­dan­ças re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as, o so­ci­a­lis­ta re­cor­da tem­pos “de mui­ta sim­pa­tia pe­la UDP (União De­mo­crá­ti­ca Po­pu­lar)”, dei­xan­do adi­vi­nhar um sor­ri­so. “Éra­mos am­bos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos, eu es­ta­va no Se­cre­ta­ri­a­do Téc­ni­co pa­ra os As­sun­tos Elei­to­rais, a Lí­dia na Di­re­ção-Ge­ral dos Trans­por­tes (on­de in­gres­sou em 1972 co­mo Téc­ni­ca Su­pe­ri­or de 2.ª Clas­se). Tí­nha­mos mui­ta ati­vi­da­de sin­di­cal.” Na al­tu­ra, “a UDP che­ga­va a ter mais de­le­ga­dos do que o PCP” no Sin­di­ca­to da Fun­ção Pú­bli­ca e um co­mí­cio do par­ti­do de Acá­cio Bar­rei­ros “en­chia o Cam­po Pe­que­no”. Jo­sé Mon­tei­ro, vi­ce-pre­si­den­te do Sin­di­ca­to dos Es­ti­va­do­res e Ati­vi­da­des lo­gís­ti­cas (SEAL), re­co­nhe­ce uma “se­nho­ra mui­to re­ser­va­da que tem fa­lha­do nas su­as fun­ções, pre­ju­di­can­do gran­de-

men­te o bom fun­ci­o­na­men­to dos por­tos”. Re­cor­da-se de a ver na cri­se de de­zem­bro de 2015, com os es­ti­va­do­res em gre­ve, nu­ma reu­nião, em re­pre­sen­ta­ção da mi­nis­tra Ana Pau­la Vi­to­ri­a­no e do Mi­nis­té­rio do Mar. Na al­tu­ra, Lí­dia Se­quei­ra não ti­nha qual­quer li­ga­ção aos por­tos. “Achei es­tra­nho, não per­ce­bi bem em que fun­ção lá es­ta­va. Fos­se qual fos­se, es­pe­ra­va-se que ti­ves­se uma pos­tu­ra in­de­pen­den­te, mas não foi is­so que acon­te­ceu.” Jo­sé Mon­tei­ro apre­sen­ta a pro­va: “Es­te­ve ao la­do de Ma­ri­na Fer­rei­ra, pre­si­den­te do Por­to de Lis­boa da al­tu­ra, lu­gar que vi­ria a ocu­par, cu­ri­o­sa­men­te, pou­co de­pois”.

Pa­ra Jor­ge Co­e­lho, tra­ta-se de “uma das mai­o­res es­pe­ci­a­lis­tas de trans­por­tes”, ma­té­ria a que Lí­dia Se­quei­ra de­di­cou gran­de par­te da vi­da pro­fis­si­o­nal. Na re­la­ção com os sin­di­ca­tos “não se es­pe­re que de­fen­da aqui­lo com que não es­tá de acor­do”, ga­ran­te o ami­go. Cha­mou-a nos anos em que exer­ceu fun­ções no Go­ver­no. Pe­la com­pe­tên­cia. “Po­dia ser as­ses­so­ra de meio mun­do pri­va­do na área dos trans­por­tes, as­sim ela o qui­ses­se”. Mui­to dis­cre­ta na vi­da pes­so­al, “não mis­tu­ra as re­la­ções pes­so­ais com as pro­fis­si­o­nais”, diz o ex-mi­nis­tro. Po­rém, viu-a en­vol­vi­da nu­ma po­lé­mi­ca que a deu co­mo só­cia da ami­ga e mi­nis­tra Ana Pau­la Vi­to­ri­no nu­ma em­pre­sa de con­sul­ta­do­ria, ale­ga­da vi­o­la­ção da lei das in­com­pa­ti­bi­li­da­des e do de­ver de im­par­ci­a­li­da­de mi­nis­te­ri­al. “Em­pre­sa que nem che­gou a ser fei­ta”, de­fen­de Jor­ge Co­e­lho.

Pa­ra Ri­car­do Sil­va, ope­ra­dor de pór­ti­co no Por­to de Si­nes (ter­mi­nal 21), Lí­dia Se­quei­ra “não dei­xou por cá boa me­mo­ria”. A ges­to­ra ga­lar­do­a­da (Best Le­a­der Awards 2012) pro­mo­veu “sa­lá­ri­os bai­xos e im­pe­diu a pro­gres­são na car­rei­ra jus­ta e equi­ta­ti­va”. Na al­tu­ra, a con­de­co­ra­da por dois pre­si­den­tes da Re­pú­bli­ca (Má­rio So­a­res e Ca­va­co Sil­va) de­cla­rou à TSF gos­tar mui­to da­qui­lo que faz. Uma ra­ra de­cla­ra­ção de ca­rá­ter pes­so­al de qu­em faz ques­tão de omi­tir pu­bli­ca­men­te a ida­de.●m

MARIA LÍ­DIA FER­REI­RA SE­QUEI­RA Car­go Pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção dos Por­tos de Lis­boa, Se­tú­bal e Se­sim­bra Na­ci­o­na­li­da­de Por­tu­gue­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.