“SOU O PRÍN­CI­PE DAS BOR­LAS. O ‘BLACK FRI­DAY’ DO ES­TÁ­DIO DA LUZ”

Con­vic­to de que o pro­ces­so e-tou­pei­ra não che­ga­rá a jul­ga­men­to, pois acre­di­ta na gra­ti­dão dos juí­zes que re­ce­be­ram os con­vi­tes, Pau­lo Gon­çal­ves re­ve­la que ape­nas por uma vez re­cu­sou um pe­di­do do ami­go e fun­ci­o­ná­rio ju­di­ci­al Jo­sé Au­gus­to Sil­va: uma ca­mi­sol

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Alma- Naque - POR João Qu­a­dros

Es­ta se­ma­na, es­ti­ma­dos lei­to­res, nas en­tre­vis­tas que nun­ca fiz, te­mos con­nos­co Pau­lo Gon­çal­ves, ex-as­ses­sor ju­rí­di­co do Ben­fi­ca que ces­sou fun­ções em se­tem­bro e es­tá acu­sa­do de 79 cri­mes no pro­ces­so e-Tou­pei­ra.

An­tes de mais, que­ro pe­dir que es­ta con­ver­sa não se­ja di­vul­ga­da.

Cla­ro, es­te­ja des­can­sa­do. Fi­ca aqui en­tre nós e os lei­to­res da “No­tí­ci­as Ma­ga­zi­ne”. A não ser que o seu ami­go e fun­ci­o­ná­rio ju­di­ci­al Jo­sé Au­gus­to Sil­va te­nha con­se­gui­do ace­der ao meu sis­te­ma in­for­má­ti­co.

Pe­ço-lhe que se­ja bran­do co­mi­go nes­ta en­tre­vis­ta. Até por­que te­nho aqui dois con­vi­tes pa­ra a ban­ca­da pa­ra lhe ofe­re­cer.

Dei­xe es­tar, ofe­re­ça ao Sou­sa Cin­tra, ele é que ado­ra ir ao vos­so es­tá­dio. Por fa­lar em bran­do, gos­tei mui­to da for­ma co­mo a dou­to­ra juí­za Ana Pe­res o tra­ta, só sen­ti fal­ta de chá e sco­nes. Que sor­te! Se tem apa­nha­do a pro­cu­ra­do­ra do ata­que a Al­co­che­te a es­ta al­tu­ra es­ta­va com uma oti­te e ti­nha ou­vi­do coi­sas do gé­ne­ro – “es­te­ja ca­la­do, seu ba­do­cha!”.

A juí­za Ana Pe­res é uma que­ri­da, eu até lhe pe­di se ela ia ao nos­so es­tá­dio vi­si­tar o es­ta­ci­o­na­men­to e es­co­lher um lu­gar on­de pôr a sua vi­a­tu­ra, da­do que, pe­lo me­nos, ali a EMEL não cha­teia nin­guém.

Acha que o ca­so vai che­gar a jul­ga­men­to?

Eu acho que o ca­so não vai che­gar a jul­ga­men­to, ou é uma gran­de in­gra­ti­dão da par­te dos juí­zes que re­ce­be­ram con­vi­tes.

Aqui en­tre nós, é ver­da­de que o se­nhor não de­pen­dia da au­to­ri­za­ção do Luís Fi­li­pe Vi­e­ra pa­ra fa­zer to­das es­sas ofer­tas?

Eu não de­pen­dia da au­to­ri­za­ção do pre­si­den­te pa­ra dar con­vi­tes. Até por­que, se fos­se as­sim, aqui­lo tor­na­va-se in­viá­vel da­do que che­guei a pe­dir mais de três cen­te­nas de con­vi­tes por épo­ca. Pra­ti­ca­men­te só ti­nha de o avi­sar quan­do con­vi­da­va o An­tó­nio Si­mões pa­ra o pôr lon­ge de­le.

Per­ce­bo, aliás, pe­lo que ou­vi só fal­tou o se­nhor di­zer que era vo­cê que ar­ran­ja­va con­vi­tes pa­ra o Luís Fi­li­pe Vi­ei­ra ir pa­ra a ban­ca­da. A ver­da­de é que, já que o se­nhor dei­xou de fa­zer o seu tra­ba­lho, ago­ra

o es­tá­dio es­tá tão va­zio que têm que pôr co­lu­nas de som pa­ra fin­gir que es­tá cheio de gen­te a apoi­ar.

Eu sou o prín­ci­pe das bor­las. O “black fri­day” do Es­tá­dio da Luz.

Nun­ca vi um “mãos lar­gas” co­mo o se­nhor. Nun­ca re­cu­sou um pe­di­do ao seu ami­go Jo­sé Au­gus­to Sil­va?

Só uma vez, em que ele me pe­diu se lhe ofe­re­cia uma ca­mi­so­la do Adel Ta­a­rabt.

Pe­lo me­nos sem­pre era uma ca­mi­so­la que não chei­ra­va a su­or.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.