SA­RA SAM­PAIO UM AN­JO RE­GRES­SA SEM­PRE À TER­RA

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sara Sampaiao - TEXTO Ana Tu­lha *

Aos 27 anos, a me­ni­na que um dia de­se­jou ter olhos cas­ta­nhos e lá­bi­os me­nos car­nu­dos tem o Mun­do a seus pés. Só que não há fa­ma que a fa­ça ab­di­car de vol­tar a ca­sa. Mui­to me­nos no Na­tal. Em Le­ça da Pal­mei­ra ou em Lis­boa, on­de fez ami­gos pa­ra a vi­da, a sen­sa­ção é a mes­ma: a Sa­ra de ho­je con­ti­nua a ser a me­ni­na do­ce que fez um bri­lha­re­te ao vi­o­li­no num es­pe­tá­cu­lo de “Ali­ce no País das Ma­ra­vi­lhas”. Mas que tam­bém se en­fu­re­cia quan­do não aca­ba­va os tes­tes a tem­po. Por­que as­pi­ra­va à per­fei­ção.

Amo­da já a ar­ras­tou por tan­tas cor­re­ri­as pe­lo Mun­do que só com re­cur­so a uma apli­ca­ção pa­ra o te­le­mó­vel con­se­gue man­ter atu­a­li­za­do o re­gis­to dos paí­ses que vi­si­tou (mais de 50). Ain­da as­sim, não ab­di­ca de vol­tar a ca­sa pa­ra ma­tar sau­da­des. Por mui­tos anos que pas­se em No­va Ior­que – já lá vão mais de seis. Por mui­to lon­ge que vá. Na épo­ca na­ta­lí­cia, en­tão, o prin­cí­pio faz-se man­da­men­to obri­ga­tó­rio. As­sim di­tam o ape­go à fa­mí­lia e aos ami­gos que já lá es­ta­vam mui­to an­tes de ela ser a Sa­ra Sam­paio que bri­lha em des­fi­les da Vic­to­ria’s Se­cret. “A Sa­ra dá mui­ta im­por­tân­cia ao Na­tal. Tan­to que faz sem­pre ques­tão de vir a Por­tu­gal, fes­te­jar em fa­mí­lia. An­tes, pas­sa em Lis­boa, pa­ra jan­tar co­mi­go e com a Ana So­fia [Mar­tins]. Os nos­sos jan­ta­res de Na­tal já são uma tra­di­ção. Ser­vem pa­ra ce­le­brar e pa­ra fa­zer­mos um ba­lan­ço do que foi o ano e do que que­re­mos mu­dar no pró­xi­mo”, con­ta o ma­ne­quim Luís Bor­ges, ami­go da su­per­mo­de­lo por­tu­gue­sa que ago­ra es­tá de­ci­di­da a en­ve­re­dar por uma car­rei­ra no ci­ne­ma. “Es­ta­mos a fa­zer dez anos de ami­za­de”, or­gu­lha-se Luís.

Foi com ele que Sa­ra Sam­paio fez a vi­a­gem que ha­ve­ria de ser o prin­cí­pio de tu­do. Na al­tu­ra, Luís Bor­ges já tra­ba­lha­va com a Tommy Hil­fi­ger e a Tom Ford e pre­pa­ra­va-se pa­ra pas­sar uma se­ma­na em Lon­dres, de­vi­do a com­pro­mis­sos pro­fis­si­o­nais. “Vou con­ti­go”, re­a­giu Sa­ra, de ime­di­a­to. A ti­ra­da não pas­sa­va de uma brin­ca­dei­ra, mas, apro­vei­tan­do o fac­to de a vi­a­gem coin­ci­dir com as fé­ri­as da fa­cul­da­de, o ami­go de­pres­sa a con­ven- ceu a fa­zer da­qui­lo coi­sa sé­ria. Mal ela sa­bia quan­to. Em Lon­dres, con­quis­tou a pri­mei­ra agên­cia a que foi (a Wo­men Di­rect) e o que era pa­ra ser uma vi­a­gem de uma se­ma­na de­pres­sa se tor­nou uma es­ta­dia de dois me­ses. Co­me­ça­va as­sim a car­rei­ra da ma­ne­quim Sa­ra Sam­paio. “No meu per­cur­so há uma sé­rie de pas­sos que me têm le­va­do na di­re­ção cer­ta. Mas, sem dú­vi­da, a de­ci­são de ir a Lon­dres mar­cou a gran­de mu­dan­ça da mi­nha vi­da”, ad­mi­tiu, em tem­pos, à “No­tí­ci­as Ma­ga­zi­ne”.

Ra­zões de so­bra pa­ra Luís Bor­ges ele­ger o epi­só­dio co­mo um dos mais mar­can­tes que vi­veu com a ami­ga. “Gu­ar­do to­dos os mo­men­tos ao la­do da Sa­ra com ca­ri­nho, mas es­tar ao la­do de­la na­que­la vi­a­gem foi mui­to im­por­tan­te. Na al­tu­ra, par­ti­lhá­mos

o quar­to de ho­tel e lem­bro-me que, quan­do sou­be que ia fa­zer a cam­pa­nha da Tommy a No­va Ior­que, co­me­çá­mos os dois aos sal­tos na ca­ma. Éra­mos miú­dos, cla­ro. Ago­ra, ela es­tá mais adul­ta e ma­du­ra, mas con­ti­nua a ser mes­ma miú­da que­ri­da que eu co­nhe-

ci”, as­se­gu­ra o ma­ne­quim, a qu­em Sa­ra Sam­paio não he­si­ta em cha­mar, pu­bli­ca­men­te, de “me­lhor ami­go”.

Aque­le dia, em que con­ven­ceu a Wo­men Di­rect num abrir e fe­char de olhos, ha­ve­ria de ser o pri­mei­ro do res­to da vi­da da mais bem-su­ce­di­da ma­ne­quim por­tu­gue­sa de to­dos os tem­pos. Pa­ra trás, fi­ca­va uma pas­sa­gem bre­ve por Lis­boa, pa­ra es­tu­dar Ma­te­má­ti­ca Apli­ca­da, e qu­a­se du­as dé­ca­das pas­sa­das en­tre Rio Tin­to e Le­ça da Pal­mei­ra. Pe­lo meio, Sa­ra Sam­paio, fi­lha de um mer­gu­lha­dor pro­fis­si­o­nal e de uma ad­mi­nis­tra­ti­va da So­nae, fre­quen­tou o Jar­dim-Es­co­la João de Deus, no Por­to, de on­de saiu já a ler. “Era uma me­ni­na ma­gri­nha, bo­ni­ta, sim­pá­ti­ca, mui­to edu­ca­da e mui­to ca­la­di­nha, que não se me­tia em con­fu­sões. Já foi há mui­tos anos. Mas lem­bro-me que ti­nha umas per­ni­nhas mui­to fi­ni­nhas. E lem­bro-me dos olhos mui­to bo­ni­tos da mãe.” O exer­cí­cio de me­mó­ria é fei­to por Ro­sa Saramago, a edu­ca­do­ra de 63 anos que a en­si­nou ler, atra­vés da “ve­lhi­nha” Car­ti­lha Ma­ter­nal. “Sem ser ne­nhu­ma so­bre­do­ta­da, apren­dia com fa­ci­li­da­de.”

Na al­tu­ra, era só meio me­tro de Sa­ra, ca­be­lo à ti­ge­la ir­re­co­nhe­cí­vel, lá­bi­os car­nu­dos (da mãe) e olhos ver­des (mei­os mãe, mei­os pai) que já se anun­ci­a­vam. Anos de­pois, a me­ni­na do­ce do João de Deus mu­da­va-se pa­ra Le­ça da Pal­mei­ra e, aos pou­cos, ia-se des­lum­bran­do com a mo­da. A pro­va é que, com 15 anos, já ten­ta­va a sor­te num con­cur­so pa­ra o cas­ting do con­cur­so Ca­be­los Pan­te­ne, no Por­to. Sem su­ces­so, a prin­cí­pio. Tó Ro­ma­no, o pa­trão da Cen­tral Mo­dels, dis­se-lhe que era mui­to no­va. Mas pe­diu-lhe que vol­tas­se no ano se­guin­te. Ela se­guiu o con­se­lho à ris­ca. E em boa ho­ra o fez. Um ano de­pois, a jo­vem por­tu­en­se vol­tou e ga­nhou o con­cur­so – um che­que de cin­co mil eu­ros e uma por­ta aber­ta pa­ra um mun­do que já a fas­ci­na­va. “Às ve­zes fa­la­va com a mãe e lem­bro-me de ela di­zer que a Sa­ra gos­ta­va de al­gu­ma coi­sa re­la­ci­o­na­da com a Ma­te­má­ti­ca, mas que já ti­nha aque­la ideia obs­ti­na­da de se­guir car­rei­ra na mo­da”, re­cor­da Jor­ge Frei­re, o pro­fes­sor de Ma­te­má­ti­ca que acom­pa­nhou a mo­de­lo du­ran­te gran­de par­te dos seis anos que pas­sou na Es­co­la Se­cun­dá­ria da Boa No­va, em Le­ça da Pal­mei­ra.

Cer­to é que, mes­mo com a ideia fi­xa das pas­sa­re­las, Sa­ra não des­cu­rou os es­tu­dos. Pe­lo con­trá­rio. Sem­pre pri­mou por ser uma alu­na es­for­ça­da e apli­ca­da. “Sen­ta­va-me nu­ma car­tei­ra mes­mo em fren­te ao qua­dro e nos tes­tes fi­ca­va sem­pre até fim do tem­po per­mi­ti­do. Quan­do não con­se­guia acabar fi­ca­va mui­to cha­te­a­da, por­que que­ria sem­pre ter um bom de­sem­pe­nho. Mas de­pois ti­ra­va de­zas­se­tes. Era uma alu­na tra­ba­lha­do­ra.” Tão tra­ba­lha­do­ra que no Se­cun­dá­rio se deu ao tra­ba­lho de ir à se­gun­da fa­se do exa­me na­ci­o­nal de Ma­te­má­ti­ca, mes­mo não pre­ci­san­do da no­ta (a mé­dia do cur­so que aca­ba­ria por es­co­lher era bai­xa). E mes­mo ten­do ti­do 17,6 na pri­mei­ra fa­se. A in­sis­tên­cia re­sul­tou: à se­gun­da, ti­rou 19,6.

E se ago­ra, tan­tos anos de­pois, é fá­cil ima­gi­nar que, na al­tu­ra, Sa­ra Sam­paio já era uma es­pé­cie de deu­sa da po­pu­la­ri­da­de da tur­ma, a su­po­si­ção não po­dia es­tar mais er­ra­da. “Em ter­mos de au­la era re­la­ti­va­men­te apa­ga­da e não se re­la­ci­o­na­va mui­to com os co­le­gas. Ti­nha já o fei­tio de­la. Na al­tu­ra, apa­re­ceu no anún­cio da Pan­te­ne pe­la pri­mei­ra vez e fi­cá­mos to­dos mui­to ad­mi­ra­dos, até por ela ser uma miú­da tão dis­cre­ta. Aliás, na tur­ma ha­via mais du­as co­le­gas que que­ri­am se­guir a car­rei­ra da mo­da e, cu­ri­o­sa­men­te, das três, ela era aque­la em que me­nos apos­tá­va­mos, por­que era mui­to ma­gri­nha e mui­to in­tro­ver­ti­da. As ou­tras du­as já gos­ta­vam mais de dar nas vis­tas”, lem­bra Jor­ge Frei­re. Tal­vez por­que, co­mo já con­tou, nun­ca se sen­tiu mui­to bo­ni­ta. “Nun­ca fui vai­do­sa. As pes­so­as di­zi­am-me

‘que olhos bo­ni­tos tens’ e eu di­zia ‘não te­nho na­da’. Não que­ria que as pes­so­as re­pa­ras­sem em mim. Não que­ria ter lá­bi­os car­nu­dos, que­ria ter olhos cas­ta­nhos. Aque­las coi­sas de miú­da”, par­ti­lhou Sa­ra Sam­paio, no pro­gra­ma “Al­ta De­fi­ni­ção”, da SIC.

En­tre a de­vo­ção à es­co­la e o so­nho de uma car­rei­ra na mo­da já bem pre­sen­te, a jo­vem es­tre­la da Pan­te­ne foi sem­pre ar­ran­jan­do tem­po pa­ra umas quan­tas ati­vi­da­des ex­tra­cur­ri­cu­la­res. Do ka­ra­té (é cin­to cas­ta­nho) ao vi­o­li­no, pas­san­do pe­lo des­por­to es­co­lar – “che­gou a par­ti­ci­par nos cam­pe­o­na­tos es­co­la­res, na mo­da­li­da­de de sal­to em com­pri­men­to”, des­ta­ca Jor­ge Frei­re – e pe­lo ba­lé. Já com 16 anos, ex­pe­ri­men­tou tam­bém o hip-hop, na Just Dan­ce Scho­ol, em Le­ça. “Foi na­que­la al­tu­ra em que, mui­to gra­ças aos ‘Mo­ran­gos com Açú­car’, hou­ve um bo­om do hip-hop. A Sa­ra gos­ta­va de dan­çar e era uma alu­na em­pe­nha­da. Uma coi­sa fun­da­men­tal nes­te ti­po de dan­ça é a co­or­de­na­ção mo­to­ra. E is­so ela ti­nha. Além de que era mui­to ex­pres­si­va. Lem­bro-me que, num es­pe­tá­cu­lo da ‘Ali­ce no País das Ma­ra­vi­lhas’, fez um bri­lha­re­te a to­car vi­o­li­no”, re­cor­da Fer­nan­do Lo­pes, o pro­fes­sor de dan­ça da al­tu­ra. Des­de en­tão, pou­co mu­dou, ga­ran­te: “Em 2017, fo­mos [a es­co­la] con­vi­da­dos pa­ra ir aos Es­ta­dos Uni­dos e man­dei-lhe uma men­sa­gem a per­gun­tar se po­dia par­ti­lhar a nos­sa pu­bli­ca­ção, vis-

to que ela tem tan­tos se­gui­do­res. Ela par­ti­lhou lo­go, a di­zer ‘or­gu­lho’. Con­ti­nua a mes­ma pes­soa”.

Sa­ra só dei­xa­ria a es­co­la já com 18 anos, quan­do ru­mou à ca­pi­tal pa­ra es­tu­dar Ma­te­má­ti­ca Apli­ca­da na Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa. A mu­dan­ça foi, no fun­do, uma for­ma de fa­zer a von­ta­de à mãe (pros­se­guin­do o en­si­no su­pe­ri­or), sem dei­xar de es­prei­tar uma car­rei­ra na mo­da. Até por­que, em Lis­boa, ha­ve­ria sem­pre mais opor­tu­ni­da­des. Mas a ex­pe­ri­ên­cia uni­ver­si­tá­ria du­rou só até àque­las fé­ri­as da Pás­coa em que, pri­mei­ro por brin­ca­dei­ra, de­pois pa­ra ten­tar a sor­te, de­ci­diu ir com o ami­go Luís Bor­ges pa­ra Lon­dres. A par­tir daí, foi sem­pre a su­bir. Em 2011, fez uma cam­pa­nha da Re­play, ao la­do de Iri­na Shayk. Em 2012, tor­nou-se ros­to da Cal­ze­do­nia, foi ca­pa da El­le e ga­nhou o pri­mei­ro Glo­bo de Ou­ro pa­ra me­lhor mo­de­lo fe­mi­ni­na por­tu­gue­sa (nos anos se­guin­tes ga­nha­ria mais qua­tro). Mas nem tu­do foi um mar de ro­sas: nes­se mes­mo ano, foi a um cas­ting pa­ra o des­fi­le da Vic­to­ria’s Se­cret e le­vou uma ne­ga, pe­lo que te­ve de es­pe­rar pe­lo ano se­guin­te pa­ra se es­tre­ar no des­fi­le mais co­bi­ça­do do mun­do da mo­da.

Por es­sa al­tu­ra, Sa­ra ti­nha já mos­tra­do atri­bu­tos nu­mas quan­tas cam­pa­nhas fo­to­grá­fi­cas. Pau­lo Gon­çal­ves, por­ta-voz e di­re­tor de co­mu­ni­ca­ção da As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa dos In­dus­tri­ais do Cal­ça­do, Com­po­nen­tes, Ar­ti­gos de Pe­le e seus Su­ce­dâ­ne­os (APPICAPS), lem­bra-se bem da es­tu­pe­fa­ção que sen­tiu quan­do, há qu­a­se dez anos, tra­ba­lhou pe­la pri­mei­ra vez com a pri­mei­ra top mo­del por­tu­gue­sa, num edi­to­ri­al de mo­da, e a viu trans­for­mar-se em fren­te à ob­je­ti­va. “Ela es­ta­va a dar os pri­mei­ros pas­sos. Fa­la­ram-me da Sa­ra co­mo uma miú­da com gran­de po­ten­ci­al. Na al­tu­ra, foi uma sur­pre­sa ab­so­lu­ta. Ela era (e é) uma me­ni­na do­ce, mas quan­do lhe põem uma câ­ma­ra à fren­te trans­for­ma-se com­ple­ta­men­te. Ti­nha uma li­ga­ção com as câ­ma­ras ab­so­lu­ta­men­te de­li­ci­o­sa”, sa­li­en­ta. Anos de­pois, a su­per­mo­de­lo ha­ve­ria de vol­tar a tra­ba­lhar com a APPICAPS, dan­do ros­to a uma cam­pa­nha ele­gan­te e so­fis­ti­ca­da. “A in­dús­tria mais sexy da Eu­ro­pa”, cha­ma­ram-lhe. A do­çu­ra con­ti­nu­a­va lá, o cres­ci­men­to pro­fis­si­o­nal era no­tó­rio. “Era já uma ma­ne­quim mui­to se­gu­ra de si, mui­to cu­ri­o­sa e mui­to exi­gen­te, que que­ria par­ti­ci­par no pro­ces­so cri­a­ti­vo e que fa­zia ques­tão de per­ce­ber to­da a di­nâ­mi­ca do tra­ba­lho”, apon­ta Pau­lo Gon­çal­ves, que ele­ge Sa­ra co­mo “uma pe­ça cha­ve na promoção do cal­ça­do por­tu­guês”.

Nes­se mes­mo ano (2012), a jo­vem por­tu­en­se mu­da­va-se pa­ra No­va Ior­que. Is­to de­pois das pas­sa­gens por Lon­dres e por Pa­ris. Na Ci­da­de Luz, vi­veu um ano nu­ma re­si­dên­cia pa­ra mo­de­los, em Saint-Ger­main. De­pois, nu­mas fé­ri­as, foi a No­va Ior­que pe­la pri­mei­ra vez e apro­vei­tou pa­ra fa­zer con­tac­tos.

Es­te­ve na Wo­men Di­rect ame­ri­ca­na e, pou­co de­pois, re­ce­beu um te­le­fo­ne­ma a di­zer que a Vic­to­ria’s Se­cret a que­ria ver pes­so­al­men­te. Um mês de­pois, es­ta­va a ser fo­to­gra­fa­da pa­ra a mar­ca. Se­guiu-se um sem nú­me­ro de cam­pa

nhas pa­ra al­gu­mas das mais pres­ti­gi­a­das mar­cas do Glo­bo (Axe, Ar­ma­ni e Dol­ce & Gab­ba­na, por exem­plo) e um le­que alar­ga­do de ca­pas e edi­to­ri­ais nas mais re­pu­ta­das re­vis­tas in­ter­na­ci­o­nais, co­mo a “Vo­gue”, a “Ma­rie Clai­re”, a “Ma­xim” ou a “GQ”. Pe­lo meio, foi sen­do brin­da­da com dis­tin­ções saí­das das mais dis­tin­tas pro­ve­ni­ên­ci­as: em 2013, foi elei­ta “mo­de­lo re­ve­la­ção” pe­la re­vis­ta “Ho­la”; em 2014, foi con­si­de­ra­da a “re­ve­la­ção do ano” pe­la “Sports Il­lus­tra­ted” e fi­cou no 28.º lu­gar na lis­ta das “mais sexy do mun­do”, ela­bo­ra­da pe­lo si­te mo­dels.com, tor­nan­do-se a pri­mei­ra por­tu­gue­sa a en­trar no ran­king – e ain­da ar­ran­jou tem­po pa­ra dar a ca­ra na cam­pa­nha so­li­dá­ria “So­mos Cá­ri­tas”, da Cá­ri­tas do Por­to.

Um su­ces­so que, ex­pli­ca qu­em a co­nhe­ce bem, tem mui­to que ver com o es­pí­ri­to lu­ta­dor que a ca­rac­te­ri­za. Is­so mes­mo ga­ran­te Di­o­go Mi­ran­da, um dos pri­mei­ros cri­a­do­res pa­ra qu­em Sa­ra Sam­paio des­fi­lou, ain­da em 2010. A pri­mei­ra ima­gem que te­ve da ma­ne­quim foi a de uma “miú­da su­per con­fi­an­te e con­quis­ta­do­ra”. Oi­to anos de­pois, o es­ti­lis­ta que con­ti­nua a me­re­cer con­si­de­ra­ção má­xi­ma de Sa­ra (em 2013, a ma­ne­quim des­lo­cou-se de pro-

pó­si­to de No­va Ior­que ao Por­to, pa­ra abrir o des­fi­le do cri­a­dor no Por­tu­gal Fashi­on) tem a cer­te­za de que não se en­ga­nou. “O que a dis­tin­gue das ou­tras ma­ne­quins é a for­ça e a per­se­ve­ran­ça que tem. O que­rer mui­to e nun­ca de­sis­tir”, su­bli­nha Di­o­go Mi­ran­da. Por is­so, quan­do, em 2015, Sa­ra Sam­paio foi anun­ci­a­da co­mo o mais re­cen­te an­jo da Vic­to­ria’s Se­cret, in­te­gran­do o res­tri­to le­que das ma­ne­quins ex­clu­si­vas da mar­ca, já pou­cos se sur­pre­en­de­ram. No fun­do, en­tre os co­nhe­ce­do­res do mun­do da mo­da e do tra­ba­lho da ma­ne­quim por­tu­gue­sa, há mui­to cir­cu­la­va a ideia de que che­gar ao to­po se­ria ape­nas uma ques­tão de tem­po. Mes­mo que a es­ta­tu­ra de Sa­ra (1,72 me­tros) não se­ja, em te­o­ria, a ide­al pa­ra os pa­drões de “high fashi­on”. “Não pos­so fa­zer na­da em re­la­ção à mi­nha al­tu­ra. Não vou cres­cer. Só te­nho de pro­var que pos­so fa­zer o tra­ba­lho tão bem ou me­lhor do que uma mo­de­lo mais al­ta”, di­zia em 2014 à NM. E pro­vou: nes­te ano, em No­va Ior­que, par­ti­ci­pou, pe­la sex­ta vez, no des­fi­le da Vic­to­ria’s Se­cret, o mai­or des­fi­le do mun­do da mo­da. Mas não há fa­ma que che­gue sem do- res de ca­be­ça à mis­tu­ra. No ca­so da

Sa­ra, a vi­da de top mo­del pro­vo­cou-lhe uns quan­tos ata­ques de an­si­e­da­de e até um trans­tor­no ob­ses­si­vo-com­pul­si­vo que a faz ar­ran­car os pe­los das so­bran­ce­lhas (tri­co­ti­lo­ma­nia). Am­bos os pro­ble­mas fo­ram já ad­mi­ti­dos pe­la mo­de­lo no Ins­ta­gram. As re­des so­ci­ais são ou­tro dos la­dos per­ver­sos da fa­ma. Se, por um la­do, lhe per­mi­tem ter um al­can­ce glo­bal – só no Ins­ta­gram, Sa­ra Sam­paio tem mais de se­te mi­lhões de se­gui­do­res –, por ou­tro, ex­põem-na a to­do o ti­po de crí­ti­cas. Tan­to que a mo­de­lo não se coí­be de usar uma op­ção que per­mi­te blo­que­ar co­men­tá­ri­os com de­ter­mi­na­das pa­la­vras... pou­co agra­dá­veis. Já com a ali­men­ta­ção, a mo­de­lo tem os cui­da­dos nor­mais: é cau­te­lo­sa, sem ser ob­ses­si­va, e até ad­mi­te ado­rar pi­zas e fast-fo­od. Is­to, cla­ro, sem ab­di­car de um exer­cí­cio fí­si­co in­ten­so e re­gra­do, que a aju­da a man­ter a li­nha. Cer­to é que nem o pres­tí­gio mun­di­al que ga­nhou nas pas­sa­re­las, nem o ní­vel de vi­da que atin­giu em No­va Ior­que (a im­pren­sa in­ter­na­ci­o­nal ga­ran­te que tem uma ca­sa ava­li­a­da em três mi­lhões de eu­ros) a fa­zem es­que­cer-se das ori­gens. Não só faz ques­tão de vol­tar sem­pre, pa­ra ma­tar sau­da­des, co­mo não ab­di­ca de ir aos sí­ti­os de sem­pre e de vi­si­tar ve­lhos ami­gos. Se­ja o res­tau­ran­te em Le­ça da Pal­mei­ra a que vai com os pais des­de pe­que­na – e on­de até já le­vou o na­mo­ra­do, o em­pre­sá­rio bri­tâ­ni­co Oli­ver Ri­pley – ou o ca­be­lei­rei­ro que a acom­pa­nha des­de os pri­mei­ros tem­pos na mo­da. “Co­mo ela vem a Por­tu­gal pas­sar o Na­tal com a fa­mí­lia, aca­ba­mos sem­pre por es­tar jun­tos. Faz ques­tão de vir ao meu sa­lão cor­tar o ca­be­lo e dar aque­le bei­ji­nho da pra­xe”, sa­li­en­ta Vas­co Frei­tas, que só vê em Sa­ra Sam­paio mu­dan­ças pe­la po­si­ti­va. “Pas­sou a ser uma das pes­so­as que co­nhe­ço que mais sa­be de ca­be­los. Com a ex­pe­ri­ên­cia que ela tem, en­si­na-me mui­to, pois sa­be o que fun­ci­o­na ou não. Mas há uma coi­sa que ad­mi­ro ne­la: por mais que se­ja fa­mo­sa, não es­que­ce qu­em é e de on­de veio.”

Por fa­lar em fa­ma, Sa­ra Sam­paio co­me­ça tam­bém a gran­je­ar pres­tí­gio fo­ra da mo­da. De­pois de uma pe­que­na par­ti­ci­pa­ção no fil­me “The Clap­per” (“O Fi­gu­ran­te”), a mo­de­lo apa­re­ce ago­ra com um pa­pel pe­sa­do em “Car­ga”, de Bru­no Gas­con, in­ter­pre­tan­do a per­so­na­gem de uma ví­ti­ma de trá­fi­co hu­ma­no. Uma no­va va­lên­cia que não caiu do céu. Afi­nal, con­ta a mo­de­lo, o bi­chi­nho da re­pre­sen­ta­ção já lá es­ta­va des­de que se lem­bra de exis­tir. Ao pon­to de ter pon­de­ra­do se­guir re­pre­sen­ta­ção, an­tes de en­trar pa­ra a fa­cul­da­de. En­tre­tan­to, a mo­da dei­xou-lhe o so­nho em “standby”, mas, aos 27 anos, o de­se­jo de ser atriz es­tá mais vi­vo do que nun­ca. E, por cer­to, fa­rá par­te da lis­ta de re­so­lu­ções do no­vo ano, quan­do vol­tar a Por­tu­gal e se jun­tar aos ami­gos de sem­pre pa­ra ce­le­brar o Na­tal. ●m * COM SA­RA DI­AS OLI­VEI­RA E SA­RA OLI­VEI­RA

M Sa­ra Sam­paio vi­veu até aos dez anos em Rio Tin­to, mu­dan­do-se de­pois pa­ra Le­ça da Pal­mei­ra. Nas fo­tos de in­fân­cia, sur­ge ao la­do do ir­mão, An­dré, e ao co­lo da mãe, de qu­em her­dou os olhos ver­des e os lá­bi­os car­nu­dos

6 O pri­mei­ro an­jo por­tu­guês da Vic­to­ria’s Se­cret dá tan­to va­lor ao Na­tal que não pres­cin­de de pas­sar a qua­dra fes­ti­va em ca­sa

a Na es­co­la, ce­do de­mons­trou ape­tên­cia pa­ra os nú­me­ros, tan­to que fa­zia par­te do Clu­be de Ma­te­má­ti­ca da Es­co­la Se­cun­dá­ria da Boa No­va, em Le­ça da Pal­mei­ra

Sa­ra fre­quen­tou, du­ran­te dois anos, uma es­co­la de hip-hop, em Le­ça da Pal­mei­ra. Par­ti­ci­pou em vá­ri­os es­pe­tá­cu­los, en­tre os quais um de “Ali­ce no País das Ma­ra­vi­lhas”, em que to­cou vi­o­li­no

a Com du­as cam­pa­nhas fei­tas pa­ra a APPICAPS, Sa­ra foi uma pe­ça im­por­tan­te na promoção do cal­ça­do por­tu­guês

6 Re­cen­te­men­te, a top mo­del por­tu­gue­sa foi ros­to de uma cam­pa­nha de Na­tal da Phi­lo­sophy Di Lo­ren­zo Se­ra­fi­ni

a Em 2014, deu a ca­ra por uma cam­pa­nha so­li­dá­ria da Cá­ri­tas do Por­to

q Aos 27 anos, e de­pois de ter che­ga­do ao to­po do mun­do da mo­da, Sa­ra Sam­paio apon­ta ago­ra a uma car­rei­ra no ci­ne­ma

q A mo­de­lo por­tu­gue­sa é já um dos ros­tos in­con­tor­ná­veis das cam­pa­nhas de Na­tal da Vic­to­ria’s Se­cret

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.