CHO­CO­LA­TE, O PO­DE­RO­SO ALIADO DO CO­RA­ÇÃO

Sur­ge em to­do o la­do em tem­po de fes­tas. Mas, ape­sar dos be­ne­fí­ci­os co­nhe­ci­dos, nem sem­pre o que pa­re­ce é. Ver pa­ra lá das em­ba­la­gens de cho­co­la­te é fun­da­men­tal. Aí re­si­de o se­gre­do da saú­de.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Estilos -

Qu­em gos­ta de cho­co­la­te sa­be que não há sa­tis­fa­ção mai­or do que ter um pe­da­ço de céu a der­re­ter na bo­ca. O hu­mor mu­da – pa­ra me­lhor. O cé­re­bro en­con­tra o fio da con­cen­tra­ção. A an­si­e­da­de di­mi­nui.

Em su­ma, o Mun­do pa­re­ce ins­tan­ta­ne­a­men­te mais bo­ni­to. Sen­sa­ções re­ais. Mas nu­ma épo­ca do ano em que se tor­na di­fí­cil re­sis­tir-lhe, já que es­tá em to­do o la­do, de­ve­mos ter cuidado pa­ra que os em­bru­lhos bo­ni­tos do cho­co­la­te não se­jam pre­sen­tes en­ve­ne­na­dos pa­ra a saú­de.

Maria Te­re­sa Al­mei­da e Ce­les­ti­no Fon­se­ca co­me­ça­ram a ca­sa ao con­trá­rio, pe­la con­ce­ção das em­ba­la­gens, co­mu­ni­ca­ção, am­bi­en­te da lo­ja. De­fei­to de pro­fis­são. Em 2008, quan­do pen­sa­ram o con­cei­to da cho­co­la­ta­ria Equa­dor (com lo­jas no Por­to e em Lis­boa), ti­nham am­bos pro­fis­sões li­ga­das às ar­tes. Mas is­so não sig­ni­fi­cou des­cui­do com o res­to. Pe­lo con­trá­rio. São dos pou­cos no país que con­tro­lam

o pro­ces­so des­de a plan­ta­ção. “É o que nos per­mi­te sa­ber exa­ta­men­te que in­gre­di­en­tes têm os nos­sos pro­du­tos e é is­so que faz de­les cho­co­la­tes tão sau­dá­veis”, ex­pli­ca Maria Te­re­sa. Com o apro­xi­mar das épo­cas fes­ti­vas é pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel ver lo­jas co­mo as da Equa­dor va­zi­as. “Exis­te mui­ta com­pra pa­ra con­su­mo, mas tam­bém pa­ra ofer­ta. To­da a gen­te se lem­bra do cho­co­la­te, ain­da por ci­ma por­que es­tá frio e ape­te­ce mais.” Há pro­du­tos pa­ra to­dos os gos­tos e ida­des, dos bom­bons às tru­fas, pas­san­do pe­las ta­ble­tes.

Aten­ção aos ró­tu­los

O cho­co­la­te é fei­to a par­tir dos grãos de ca­cau. Quan­to mai­or a per­cen­ta­gem de ca­cau, mais sau­dá­vel o cho­co­la­te. E es­sa per­cen­ta­gem po­de che­gar aos 100. É pre­ci­sa­men­te aqui que mo­ra o se­gre­do, co­mo re­ve­la Maria Dul­ce Ma­cha­do, nu­tri­ci­o­nis­ta do Cen­tro Hos­pi­ta­lar e Uni­ver­si­tá­rio de Coim­bra. A es­pe­ci­a­lis­ta dá con­ta que, mui­to em­bo­ra a in­dús­tria es­te­ja mais sen­sí­vel ao va­lor nu­tri­ci­o­nal, com o apro­xi­mar da épo­ca na­ta­lí­cia, as pro­mo­ções as­so­ci­a­das, as co­res e a ten­ta­ção fa­zem com que o con­su­mi­dor se es­que­ça de ter uma ati­tu­de res­pon­sá­vel e aten­ta. “O mar­ke­ting e a pu­bli-

ci­da­de nem sem­pre são cla­ros nas de­sig­na­ções, e por ve­zes in­du­zem ao er­ro. Acon­te­ce as pes­so­as com­pra­rem cho­co­la­te pre­to a achar que es­tão a com­prar cho­co­la­te ne­gro, mas se le­rem a com­po­si­ção dos pro­du­tos, que es­tá sem­pre em or­dem de­cres­cen­te, per­ce­bem que po­dem es­tar a com­prar al­go com pou­co ca­cau e mais açú­car e gor­du­ras sa­tu­ra­das, e lá se vão os be- ne­fí­ci­os.” A le­gis­la­ção obri­ga a que os ró­tu­los se­jam bem cla­ros.

Os be­ne­fí­ci­os

O ca­cau, pros­se­gue a nu­tri­ci­o­nis­ta, “é um mun­do de subs­tân­ci­as quí­mi­cas, ca­da uma com os seus efei­tos e qu­a­se to­dos eles bons”. Vol­ta-se à ques­tão da pu­re­za: quan­to mais ca­cau ti­ver o cho­co­la­te que se co­me, mais be­ne­fí­ci­os sen­tir-se-ão. Por exem­plo, ele é um po­de­ro­so aliado do co­ra­ção, uma vez que me­lho­ra

o flu­xo do san­gue de­vi­do aos po­ten­tes an­ti­o­xi­dan­tes (fla­vo­noi­des). Tam­bém es­ti­mu­la o sis­te­ma ner­vo­so cen­tral e os mús­cu­los car­día­cos por­que con­tém te­o­bro­mi­na, uma subs­tân­cia com ação se­me­lhan­te à ca­feí­na. E dá uma sen­sa­ção de bem-es­tar por­que au­men­ta a se­ro­to­ni­na, co­nhe­ci­da co­mo a hor­mo­na da fe­li­ci­da­de. E es­tes são só al­guns exem­plos. Aten­ção: o cho­co­la­te bran­co não en­tra nes­tas con­tas. Ape­sar de lhe cha­ma­rem “cho­co­la­te” não é fei­to com ca­cau. Sen­do sen­so co­mum que so­mos to­dos di­fe­ren­tes, com ne­ces­si­da­des dis­tin­tas, é di­fí­cil di­zer a quan­ti­da­de ra­zoá­vel de con­su­mo diá­rio de cho­co­la­te. Is­so de­pen­de­rá de mui­tos fa­to­res, en­tre os quais as ne­ces­si­da­des ener­gé­ti­cas e nu­tri­ci­o­nais de ca­da um. “É im­por­tan­te que as pes­so­as sai­bam os seus li­mi­tes, e que en­qua­drem [o con­su­mo de cho­co­la­te] na sua saú­de,” ad­ver­te Maria Dul­ce Ma­cha­do. Mas por nor­ma, e se não hou­ver con­train­di­ca­ções, no­me­a­da­men­te obe­si­da­de, um qua­dra­do de cho­co­la­te ne­gro, com 70% de ca­cau, pou­ca gor­du­ra e açú­car, pro­por­ci­o­na­rá um dia me­lhor. ●m

FO­TOS: IGOR MAR­TINS/GLO­BAL IMA­GENS

M Pro­du­ção do pi­nhei­ro de Na­tal na fá­bri­ca da cho­co­la­ta­ria Equa­dor do Por­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.