QUI­LÓ­ME­TROS DE BO­AS FES­TAS

Quan­do a fa­mí­lia é re­com­pos­ta, há pa­ren­tes se­pa­ra­dos por lon­gas vi­a­gens de car­ro ou vá­ri­as ho­ras de avião. Con­se­guir con­ju­gar to­das as reu­niões na­ta­lí­ci­as em dois ou três di­as é vi­ver a qua­dra em con­trar­re­ló­gio.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Quilometros De Boas Festas - TEXTO So­fia Tei­xei­ra

Mar­ta Mon­ca­cha, as­sis­ten­te so­ci­al e blog­ger, tem três fa­mí­li­as a qu­em acor­rer no Na­tal. A mãe vi­ve em Lis­boa e o pai tam­bém, mas não pas­sam o Na­tal jun­tos por­que es­tão di­vor­ci­a­dos. Os so­gros, pais de Rui Pin­to, o atu­al ma­ri­do, e avós do fi­lho mais no­vo, es­tão no Alen­te­jo. E os ex-so­gros, pais do ex-ma­ri­do e avós dos três fi­lhos mais ve­lhos tam­bém, mas qu­a­se na ou­tra pon­ta.

Quan­do che­ga 24 e 25 de de­zem­bro co­or­de­nar as ne­ces­si­da­des e de­se­jos de to­dos re­quer ca­pa­ci­da­des de es­tra­te­ga. “A lo­gís­ti­ca não é fá­cil”, ga­ran­te. “So­bre­tu­do por­que, quan­do saio de ca­sa com os qua­tro miú­dos, a ba­ga­gem é tan­ta que pa­re­ce que vou fu­gir.”

No ano pas­sa­do, a 24 de de­zem­bro, Mar­ta par­tiu de Lis­boa pa­ra Al­cá­cer do Sal com o ma­ri­do, os qua­tro fi­lhos e a mãe pa­ra pas­sar a consoada com os so­gros. No dia 25 de ma­nhã, ar­ran­ca­ram pa­ra Évo­ra, de for­ma a ir dei­xar os três fi­lhos mais ve­lhos com os avós pa­ter­nos e com o pai e, daí, se­gui­ram pa­ra Lis­boa, on­de dei­xou a mãe em ca­sa e se­guiu vi­a­gem – já só com o ma­ri­do e o fi­lho mais no­vo – pa­ra se jun­tar ao pai num lan­che-ajan­ta­ra­do na­ta­lí­cio.

“E, não sei se re­pa­rou, no meio dis­to tu­do, os meus três fi­lhos mais ve­lhos não es­ti­ve­ram com o avô, o meu pai, por­que fi­ca­ram em Évo­ra com os ou­tros avós”, ri Mar­ta. Se­ria im­pen­sá­vel di­vi­di-los por mais um sí­tio em ape­nas dois di­as. Por is­so, a fa­mí­lia re­sol­veu o as­sun­to com cri­a­ti­vi­da­de e cri­ou uma no­va tra­di­ção fa­mi­li­ar. “O meu pai tem o do­min­go de Pás­coa em ex­clu­si­vo: eu, o meu ma­ri­do e os qua­tro ne­tos al­mo­ça­mos com ele nes­se dia. E o meu pai tem sem­pre uns pre­sen­tes pa­ra os miú­dos. Eles cha­mam à Pás­coa ‘o Na­tal do avô Ze­ca’”, con­ta Mar­ta, ga­ran­tin­do que é pre­ci­so fle­xi­bi­li­da­de e boa von­ta­de de to­dos pa­ra ar­ran­jar es­tra­té­gi­as pa­ra cons­truir es­se in­trin­ca­do puzz­le. “Não po­de­mos es­tar em to­do o la­do ao mes­mo tem­po. São dois di­as de malas às cos­tas, mas eu en­ca­ro is­so com li­gei­re­za e os miú­dos ado­ram o Na­tal, o que me dei­xa fe­liz.”

Es­te ano há mais uma ques­tão a ge­rir: Du­ar­te, o fi­lho mais ve­lho, es­tá a vi­ver na Chi­na com o pai. Mar­ta quer ma­tar sau­da­des de­le, os dois fi­lhos que vi­vem com ela que­rem ma­tar sau­da­des do pai. “Ain­da va­mos fa­lar to­dos pa­ra ver co­mo fa­ze­mos. Mas, pa­ra mim, o ide­al era fa­zer a consoada em mi­nha ca­sa com a mi­nha mãe, os meus so­gros e os miú­dos e, no dia 25, o pai dos três mais ve­lhos pas­sa­va pa­ra os le­var pa­ra o Alen-

te­jo. E eu fi­ca­va sos­se­ga­da em Lis­boa e di­vi­dia-me só en­tre a mi­nha ca­sa e a do meu pai. Era tão bom!”. Tam­bém a blog­ger e con­sul­to­ra de co­mu­ni­ca­ção Jo­a­na Pai­xão Brás, o ma­ri­do Da­vid e as fi­lhas – Luí­sa, de dois anos, e Isa­bel, de qua­tro – têm de se di­vi­dir por vá­ri­os sí­ti­os na al­tu­ra do Na­tal. Quan­do acor­da no dia 24 de ma­nhã, Jo­a­na sa­be que só vai vol­tar a en­trar em ca­sa no dia se­guin­te, já à noi­te, tão ar­ra­sa­da de can­sa­ço que se es­for­ça por ig­no­rar os sa­cos por ar­ru­mar e as malas por des­fa­zer. Em cer­ca de 36 ho­ras, pas­sam por três ca­sas, em três ter­ras di­fe­ren­tes. No dia 24 co­me­çam a fa­zer malas – que fi­cam qu­a­se sem­pre pa­ra a úl­ti­ma ho­ra – e ar­ran­cam de Car­na­xi­de, on­de mo­ram, pa­ra o Ver­de­lho, uma pe­que­na al­deia no con­ce­lho de San­ta­rém. Pas­sam ali a consoada com a fa­mí­lia de Jo­a­na: a avó Ro­sel, a mãe, o pai, o ir­mão e a cu­nha­da, a tia, os pri­mos e ou­tros fa­mi­li­a­res. Cer­ca de 15, ao to­do. Há nes­ta consoada uma si­tu­a­ção pou­co co­mum, mas mui­to con­ve­ni­en­te pa­ra ela. “Os meus pais são di­vor­ci­a­dos, mas, ape­sar dis­so, pas­sam a consoada jun­tos. O que é uma sor­te imen­sa pa­ra nós. Ca­so con­trá­rio, se­ria mui­to di­fí­cil”, re­al­ça.

Dos Aço­res ao Alen­te­jo, pas­san­do por Bra­ga

Na ma­nhã do dia de Na­tal acor­dam ce­do, mas daí a pou­co já es­tão a olhar pa­ra o re­ló­gio e a fa­zer con­tas de ca­be­ça. Pe­las 11 ho­ras as malas têm de es­tar fei­tas e as miú­das des­pa­cha­das. “Ain­da cos­tu­ma­mos pas­sar em San­ta­rém pa­ra dar um bei­ji­nho e dei­xar um pre­sen­te a uma ami­ga mi­nha e se­gui­mos di­rei­tos a Al­fra­gi­de, on­de so­mos sem­pre os úl­ti­mos a che­gar, pa­ra al­mo­çar com a fa­mí­lia pa­ter­na do meu ma­ri­do.” A meio da tar­de é al­tu­ra de vol­tar a ves­tir ca­sa­cos às miú­das e sen­tá-las nas ca­dei­ras do car­ro pa­ra se­guir vi­a­gem pa­ra Sin­tra, on­de vão reu­nir-se to­dos com a fa­mí­lia ma­ter­na do ma­ri­do pa­ra jan­tar.

Che­gam sem­pre a ca­sa já tar­de, com­ple­ta­men­te der­re­a­dos, com as miú­das a dor­mir no ban­co de trás, mas com a sen­sa­ção de de­ver cum­pri­do e de te­rem es­ta­do, pe­lo me­nos um bo­ca­di­nho, com to­das as pes­so­as que são im­por­tan­tes. Mas Jo­a­na tem um so­nho de Na­tal por cum­prir: “O que mais gos­ta­ria era jun­tar to­da a gen­te, as vá­ri­as fa­mí­li­as, num só es­pa­ço du­ran­te os dois di­as. Num tu­ris­mo ru­ral, por exem­plo. Pa­ra ter­mos to­dos o con­for­to de não an­dar na es­tra­da, mui­tas ve­zes com chu­va e frio, num des­pe e ves­te de ca­sa­cos e pre­o­cu­pa­dos com o re­ló­gio. As­sim, po­día­mos pas­sar dois di­as des­can­sa­dos em fren­te à la­rei­ra, que é o que ape­te­ce nes­ta al­tu­ra”.

Pas­sar mui­to tem­po des­can­sa­da à la­rei­ra é coi­sa que Ana­be­la Gon­çal­ves, de 35 anos, as­sis­ten­te ju­rí­di­ca do Exér­ci­to Por­tu­guês, tam­bém não con­se­gue fa­zer

“O QUE MAIS GOS­TA­RIA ERA JUN­TAR TO­DA A GEN­TE, AS VÁ­RI­AS FA­MÍ­LI­AS, NUM SÓ ES­PA­ÇO” Jo­a­na Pai­xão Brás

“QUAN­DO SAIO DE CA­SA COM OS QUA­TRO MIÚ­DOS, A BA­GA­GEM É TAN­TA QUE PA­RE­CE QUE VOU FU­GIR” Mar­ta Mon­ca­cha

“EU JÁ NEM FA­ÇO AS CON­TAS EM QUI­LÓ­ME­TROS, PEN­SO SEM­PRE EM TEM­POS DE VI­A­GEM” Ana­be­la Gon­çal­ves

mui­to tem­po du­ran­te as fé­ri­as do Na­tal. A ela não bas­ta fa­zer qui­ló­me­tros de car­ro pa­ra es­tar com a fa­mí­lia nas fes­tas. Mo­ra em Pon­ta Del­ga­da, na ilha de São Mi­guel, com a fi­lha Ca­ro­li­na, de três anos, e com Fran­cis­co, o ma­ri­do. Mas os pais e a ir­mã mo­ram em Bra­ga; o ir­mão vi­ve em Ven­das No­vas, no Alen­te­jo; o pai da sua fi­lha é de São João da Ma­dei­ra; tem uma avó pa­ter­na em Ri­bei­ra de Pe­na, Trás-os-Mon­tes; e a fa­mí­lia do ma­ri­do é de Cas­te­lo de Vi­de, tam­bém Alen­te­jo. Po­de ima­gi­nar-se que o Na­tal é agi­ta­do. “Eu já nem fa­ço as con­tas em qui­ló­me­tros, pen­so sem­pre em tem­pos de vi­a­gem: uma ma­nhã, uma tar­de, um dia in­tei­ro.” De­pen­den­do dos anos, en­tre vo­os e tra­je­tos de car­ro, faz en­tre 4 000 e 4 500 qui­ló­me­tros em seis ou se­te di­as.

Por nor­ma ti­ra qua­tro ou cin­co di­as de fé­ri­as, que nes­te ano vão ser de 22 a 28 de de­zem­bro e que têm de ser pla­ne­a­dos com mui­ta an­te­ce­dên­cia, pa­ra con­se­guir bons pre­ços nos vo­os. Pri­mei­ro, há que cum­prir os cer­ca de 1 500 qui­ló­me­tros en­tre São Mi­guel e o Por­to, cer­ca de du­as ho­ras e meia de vi­a­gem, a que acres­cem os tem­pos de an­te­ce­dên­cia pa­ra check-in, a es­pe­ra pe­la che­ga­da da ba­ga­gem e, qu­a­se sem­pre, os ine­vi­tá­veis atra­sos – que po­dem ser de ho­ras. De­pois, são mais 45 mi­nu­tos de es­tra­da do Por­to a Bra­ga, on­de mo­ram os pais. No dia 23, por nor­mal, já es­tá na es­tra­da ou­tra vez pa­ra ir le­var a fi­lha a ca­sa do pai, em São João da Ma­dei­ra, e vol­tar de no­vo pa­ra Bra­ga.

As vol­tas que dá ao país e os sí­ti­os pe­los quais se di­vi­de va­ri­am de ano pa­ra ano. Às ve­zes, pas­sam par­te do tem­po com os pais de Ana­be­la e de­pois se­guem pa­ra Cas­te­lo de Vi­de pa­ra es­tar com a fa­mí­lia do ma­ri­do, cum­prin­do qu­a­se 800 qui­ló­me­tros por es­tra­da, con­si­de­ran­do a ida e a vol­ta. Es­te ano, co­mo Fran­cis­co não con­se­guiu fé­ri­as, Ana­be­la vem so­zi­nha com a fi­lha. Por is­so, não pas­sa em ca­sa dos so­gros, mas não lhe fal­tam ou­tros sí­ti­os on­de ir. “Che­ga­mos a 22 e a Ca­ro­li­na vai pa­ra o pai em São João da Ma­dei­ra, de 23 a 25. Nes­tes três di­as de­vo dar um sal­to a Trás-os-Mon­tes pa­ra al­mo­çar com a mi­nha avó pa­ter­na e ain­da não es­tá de­ci­di­do, mas, pro­va­vel­men­te, va­mos pas­sar o Na­tal com o meu ir­mão e com os meus so­bri­nhos a Ven­das No­vas [a 400 qui­ló­me­tros e cer­ca de qua­tro ho­ras de vi­a­gem de Bra­ga]. Va­mos ver, ain­da te­mos de con­ver­sar, tal­vez pos­sa o meu ir­mão vir a Bra­ga”, ri es­pe­ran­ço­sa, já que não lhe ape­te­cia fa­zer mais oi­to ho­ras de vi­a­gem em dois di­as.

Se­ja co­mo for, há uma coi­sa que sa­be: de­pois das fé­ri­as do Na­tal, quan­do che­ga de no­vo a Pon­ta Del­ga­da, após uma longa ma­ra­to­na per­cor­ri­da ao sprint, tu­do aqui­lo de que pre­ci­sa­va era de umas fé­ri­as. Da­que­las em que há tem­po pa­ra não fa­zer mes­mo na­da. ●m

a Ana­be­la, Ca­ro­li­na e Fran­cis­co mo­ram em Pon­ta Del­ga­da, nos Aço­res. Pre­pa­rar a lo­gís­ti­ca pa­ra o Na­tal, pas­sa­do no con­ti­nen­te, re­quer um gran­de pla­ne­a­men­to

q Mar­ta Mon­ca­cha, à por­ta de ca­sa, com Vi­cen­te e Rui Pin­to, o atu­al ma­ri­do, es­ten­de o Na­tal até à Pás­coa, de­di­can­do em ex­clu­si­vo es­se do­min­go ao pai, dia a que os qua­tro fi­lhos da as­sis­ten­te so­ci­al e blog­ger já cha­mam “o Na­tal do avô Ze­ca”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.