“EU TE­NHO UM DES­PER­TA­DOR NO SAN­GUE”

A rai­nha das ma­nhãs te­le­vi­si­vas em Por­tu­gal pre­pa­ra uma es­treia de ar­rom­ba na SIC em ja­nei­ro. E há de tu­do, bi­dé in­cluí­do. Eis Cris­ti­na Fer­rei­ra, di­ver­ti­da e dis­pos­ta a pro­var que não ga­nha as­sim tan­to di­nhei­ro.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Alma- Naque -

Es­ta se­ma­na nas nos­sas en­tre­vis­tas que nun­ca fiz te­nho, su­pos­ta­men­te, co­mi­go, Cris­ti­na Fer­rei­ra. Foi a mai­or trans­fe­rên­cia do ano. A ida da Cris­ti­na Fer­rei­ra pa­ra a SIC dei­xou Gou­cha sem mu­lher e mui­ta gen­te com dor de co­to­ve­lo. Se­gun­do ou­vi di­zer, até o Me­xia fi­cou cha­te­a­do com o que a Cris­ti­na vai ga­nhar.

QUE EXAGERO, TAM­BÉM NÃO É AS­SIM TAN­TO. O CRIS­TI­A­NO RO­NAL­DO PA­GOU MAIS À KATHRYN MAYORGA POR UMA NOI­TE DO QUE O DOU­TOR BALSEMÃO ME PA­GA A MIM POR UMA MA­NHÃ. AH, AH, AH!

Pronto, lá se foi o meu tím­pa­no es­quer­do, que era o meu pre­fe­ri­do. Se­rá pos­sí­vel bai­xar li­gei­ra­men­te o vo­lu­me?

VOU ten­tar...

Agra­de­cia. Eu te­nho a sen­sa­ção que a Cris­ti­na não tem pul­mões, tem dois acor­deões.

Seu ma­lan­dro...

Não es­ta­va a fa­lar dis­so. O que eu acho é que di­zer “ago­ra a Cris­ti­na Fer­rei­ra es­tá na SIC” é re­du­tor. Por­que a Cris­ti­na fa­la tão al­to, e ri-se tão al­to, que es­tá em to­dos os ca­nais ao mes­mo tempo. Ex­pe­ri­men­te a es­sa ho­ra mu­dar pa­ra a RTP2, ou pa­ra o Eu­ros­port, que vai ver que se ou­ve a voz da Cris­ti­na, de fun­do. Mes­mo que es­te­ja a dar au­to­mo­bi­lis­mo, dá pa­ra a ou­vir a rir-se.

AHAHAHAHA! EU SOU MUI­TO DI­VER­TI­DA !!!!

Pronto, lá se foi a mi­nha cris­ta­lei­ra. Sa­be que eu sou da opinião que a Cris­ti­na Fer­rei­ra é o que o his­te­ris­mo que­ria ser quan­do for gran­de. Acho que is­so de tra­ba­lhar de ma­nhã, não sei não. Dá-me a sen­sa­ção que a se­nho­ra ma­ma pa­ra ci­ma de um hec­ta­re de bi­cas cur­tas só até às dez.

EU ADO­RO...des­cul­pe, vou bai­xar cem de­ci­béis. Eu ado­ro a ma­nhã. Na­da co­mo acor­dar as pes­so­as. Eu te­nho um des­per­ta­dor no san­gue.

Is­so não pos­so ne­gar. Mas dei­xe-me di­zer-lhe que a Cris­ti­na es­tá di­fe­ren­te. Pa­re­ce que le­vou um up­gra­de. Co­mo fa­zem com os iPho­ne. Ago­ra não pa­re­ce sa­loia, pa­re­ce que nas­ceu em Cas­cais. Pe­na, eu pre­fe­ria aque­le ar mais cam­pes­tre.

Mas eu sou a mes­ma pes­soa que sem­pre fui. Es­tar na SIC ou na TVI é igual.

Pois, re­al­men­te, ho­je em dia é qua­se im­pos­sí­vel dis­tin­guir a SIC da TVI. Ti­ran­do o lo­gó­ti­po não se no­ta a di­fe­ren­ça.

E vou es­tre­ar “O Pro­gra­ma da Cris­ti­na” NO PRÓ­XI­MO DIA 7!!!

Ui! Aca­bou de me ra­char a pla­ca de vi­tro­ce­râ­mi­ca. Uma coi­sa que me fez con­fu­são foi ter vis­to nu­ma re­por­ta­gem so­bre o seu no­vo pro­gra­ma que “O Pro­gra­ma da Cris­ti­na” até vai ter um bi­dé... De­pois de ter vis­to as ca­pas da sua re­vis­ta “Cris­ti­na”, com o Qu­a­res­ma, etc., tan­ta gen­te nua, te­mo o pi­or. Re­ceio que em vez do ha­bi­tu­al “clap, clap, clap” das pal­mas dos pro­gra­mas da ma­nhã, te­nha­mos que ou­vir “che­lap, che­lap, che­lap”!

ILUS­TRA­ÇÃO: MAR­CO MEN­DES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.