Da es­ta­bi­li­da­de pa­ra a es­tra­da

O tra­ba­lho cor­ria so­bre ro­das. A vi­da tam­bém. Mas, qua­se do na­da, tu­do fi­cou di­fe­ren­te. Ou­vir as his­tó­ri­as de Re­na­to, Mar­ta, Jo­a­na e Ti­a­go é co­nhe­cer as mil e uma ex­pe­ri­ên­ci­as de qua­tro aven­tu­rei­ros que dei­xa­ram a ca­sa, a fa­mí­lia e o país pa­ra, de mo­chi­la

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário#1388 - TEX­TO Cé­lia So­a­res

Jo­a­na e Ti­a­go (na fo­to) ce­le­bra­ram a lua-de-mel vi­a­jan­do à bo­leia até à Chi­na. Mar­ta cru­zou a Eu­ro­pa so­zi­nha, com a aju­da de es­tra­nhos. Re­na­to usou o mes­mo mé­to­do, mas do Al­gar­ve ao Irão. Con­clu­são? “Há gen­te mui­to boa em qual­quer par­te do Mun­do.” Aven­tu­rei­ros por­tu­gue­ses es­cu­ta­dos pe­la jor­na­lis­ta Cé­lia So­a­res.

Ode­sa­fio era gran­de. Mas a von­ta­de de vi­ver “mo­men­tos úni­cos” tam­bém. Por is­so, mes­mo ten­do pre­ci­sa­do de três me­ses pa­ra con­se­gui­rem par­tir, Jo­a­na Oli­vei­ra e Ti­a­go Fi­dal­go apa­nha­ram a pri­mei­ra bo­leia de sor­ri­so ras­ga­do. An­tes de co­nhe­cer o ma­ri­do, Jo­a­na ga­ran­te que “não era pes­soa de vi­a­jar”. Con­tu­do, Ti­a­go ti­nha um so­nho. E Jo­a­na fa­zia par­te de­le. Em vez de uma lua-de-mel num re­sort, Ti­a­go que­ria dar a vol­ta ao Mun­do à bo­leia. Jo­a­na acei­tou.

Mas, “cus­tou mui­to” dei­xar a vi­da que ti­nha. “Era um de­sa­fio mui­to am­bi­ci­o­so e sair da nos­sa zo­na de con-

for­to cus­ta mui­to”, ob­ser­va a psi­co­mo­tri­cis­ta, que an­tes de par­tir se or­gu­lha­va de ter “uma es­ta­bi­li­da­de que a mai­or par­te dos co­le­gas não ti­nha al­can­ça­do”. Dei­xar o em­pre­go e a fa­mí­lia não foi fá­cil. E pro­va dis­so é que o ca­sal aca­bou por se des­pe­dir três ve­zes das mes­mas pes­so­as. Com uma gar­ga­lha­da, Ti­a­go ex­pli­ca a de­mo­ra: “É co­mo fa­zer jog­ging. Por mais que gos­te­mos mes­mo de cor­rer, se es­ta­mos quen­ti­nhos no so­fá, qu­e­re­mos sem­pre fi­car mais um bo­ca­do”. Tal co­mo Jo­a­na, Ti­a­go é na­tu­ral das Cal­das da Rai­nha, e foi lá que o ca­sal apa­nhou a pri­mei­ra bo­leia. De ca­sa fo­ram até Lis­boa. E foi na vi­a­gem até El­vas que acon­te­ceu “um epi­só­dio mui­to mar­can­te”. O con­du­tor que pa­rou pa­ra lhes dar bo­leia ques­ti­o­nou-os: “En­tão vão até El­vas?” Ti­a­go res­pon­deu: “Não, nós va­mos dar a vol­ta ao Mun­do!” E, ao ou­vir is­so, Jo­a­na as­se­gu­ra que “o se­nhor re­a­giu com o olhar”, co­mo quem pen­sa­va: “Es­tes só po­dem ser ma­lu­cos”. Es­se foi o pri­mei­ro de mui­tos mo­men­tos sur­pre­en­den­tes. Mas, por mais im­pre­vi­sí­vel que fos­se a vi­a­gem, Jo­a­na e Ti­a­go ti­nham bem pre­sen­tes as re­gras que ha­vi­am com-

bi­na­do an­tes de par­tir. Em pri­mei­ro lu­gar, a vi­a­gem ti­nha de ser fei­ta por ter­ra e sem­pre à bo­leia. E o ca­sal nun­ca se po­de­ria se­pa­rar. “Is­so nem se­quer era hi­pó­te­se, até por­que se tra­ta­va da nos­sa lua-de-mel”, sa­li­en­ta Jo­a­na. Além dis­so, sen­do ve­ge­ta­ri­a­nos, tam­bém ten­ci­o­na­vam “pro­var que é pos­sí­vel cor­rer o Mun­do sem co­mer car­ne nem pei­xe”. Mas, ha­via mais uma re­gra. “De­ci­di­mos que nun­ca iría­mos pa­gar pa­ra dor­mir”, acres­cen­ta Jo­a­na. À pri­mei­ra vis­ta,

o de­sa­fio pa­re­cia qua­se im­pos­sí­vel. Con­tu­do, to­das as re­gras fo­ram cum­pri­das. Re­la­ti­va­men­te à es­ta­dia, Jo­a­na e Ti­a­go so­cor­ri­am-se, em pri­mei­ro lu­gar, de al­guns ami­gos que es­ta­vam a vi­ver nos paí­ses por on­de pas­sa­vam. Mas, ca­so não hou­ves­se es­sa pos­si­bi­li­da­de, re­cor­ri­am à “Cou­chSur­fing”, uma co­nhe­ci­da pla­ta­for­ma de tro­ca de so­fá em que, na ver­da­de, “se tro­ca mui­to mais do que is­so, por­que per­mi­te par­ti­lhar ex­pe­ri­ên­ci­as e co­nhe­cer as cul­tu­ras de uma for­ma in­crí­vel”. E mes­mo nos mo­men­tos em que a pla­ta­for­ma não era so­lu­ção o ca­sal ti­nha ou­tro trun­fo. “Se ne­nhu­ma des­sas hi­pó­te­ses re­sul­tas­se, pro­cu­rá­va­mos

por­tu­gue­ses a vi­ver na­que­la ci­da­de. O que tam­bém era mui­to fá­cil por­que há por­tu­gue­ses em to­do o la­do”, co­men­ta a vi­a­jan­te. Só de­pois de to­das es­sas ten­ta­ti­vas es­go­ta­das é que Jo­a­na e Ti­a­go re­cor­ri­am, en­tão, à ten­da que tra­zi­am às cos­tas. “E a pro­va de que há pes­so­as mui­to bo­as em to­do o Mun­do é que con­se­gui­mos ir até à Chi­na sem pre­ci­sar de mon­tar a ten­da”, par­ti­lha Jo­a­na, con­fes­san­do que, mes­mo nas noi­tes em que pen­sa­vam que iam ter de dor­mir na ten­da, pa­ra­va al­guém que, ao ob­ser­vá-los, lhes ofe­re­cia es­ta­dia.

MO­CHI­LA “LEVEZINHA”

Ao lon­go da vi­a­gem, a ge­ne­ro­si­da­de das pes­so­as foi sem­pre de­no­mi­na­dor co­mum. Al­go que o ca­sal guar­da, até ho­je, com “um ca­ri­nho mui­to es­pe­ci­al”. Mes­mo que nun­ca mais te­nham fa­la­do com mui­tos dos que os aco­lhe­ram, Jo­a­na e Ti­a­go não es­que­cem a aju­da que ti­ve­ram. E, tal co­mo eles, Mar­ta Du­rán, de 23 anos, fa­la, com sau­da­de, das “pes­so­as in­crí­veis” que co­nhe­ceu quan­do se ar­ris­cou a dei­xar Por­tu­gal pa­ra vi­a­jar à bo­leia pe­la Eu­ro­pa. So­zi­nha e de­ter­mi­na­da. A lis­bo­e­ta con­ta que te­ve a pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia de po­le­gar em ris­te, “há três anos, por ne­ces­si­da­de”. E a ver­da­de é que “cor­reu tão bem que fi­cou aque­le bi­chi­nho de an­dar à bo­leia”. Na al­tu­ra, Mar­ta es­ta­va a es­tu­dar em Ma­cau e não ti­nha di­nhei­ro pa­ra ir até ao ae­ro­por­to. Por is­so, co­mo es­ta­va com uma amiga, de­ci­diu ex­pe­ri­men­tar. “Já ti­nha co­nhe­ci­men­to de al­gu­mas his­tó­ri­as de quem an­dou à bo­leia e achei que era uma boa al­tu­ra pa­ra o fa­zer”, es­cla­re­ce a jo­vem. En­tre­tan­to, re­gres­sou a Por­tu­gal pa­ra ter­mi­nar a li­cen­ci­a­tu­ra. Mas, de­pois dis­so, não he­si­tou: ti­nha che­ga­do o mo­men­to pa­ra “vi­a­jar a sé­rio à bo­leia”. Os pais sa­bi­am que ia pa­ra fo­ra, mas não sa­bi­am tu­do. Mar­ta ex­pli­ca: “Só quan­do che­guei à Ale­ma­nha é que con­tei à mi­nha mãe que ti­nha fei­to aque­le ca­mi­nho to­do à bo­leia” (ri­sos). Do ou­tro la­do da li­nha, a re­a­ção foi ime­di­a­ta. “Dis­se-me pa­ra vol­tar pa­ra ca­sa por­que era mui­to pe­ri­go­so vi­a­jar com des­co­nhe­ci­dos e que até po­dia ser rap­ta­da.” Mas Mar­ta não vol­tou. E mes­mo que a mãe re­pe­tis­se “mil ve­zes” que era pre­ci­so ter

cui­da­do, a jo­vem que­ria co­nhe­cer mais pes­so­as e vi­si­tar mais paí­ses. Na ba­ga­gem, le­va­va “o es­sen­ci­al”. Uma mo­chi­la “levezinha”, mas que ti­nha de ser su­fi­ci­en­te­men­te “pe­sa­da” pa­ra aguen­tar o frio dos úl­ti­mos três me­ses do ano. “Sim, ti­ve a in­fe­liz ideia de fa­zer a vi­a­gem nes­se pe­río­do”, re­co­nhe­ce, enu­me­ran­do o que não po­dia fal­tar na mo­chi­la. “Ti­nha o es­sen­ci­al pa­ra a mi­nha hi­gi­e­ne, o te­le­mó­vel, a má­qui­na fo­to­grá­fi­ca e a rou­pa. Por ca­ma­das, cla­ro.” Ho­je, quem vê as fo­to­gra­fi­as fa­cil­men­te per­ce­be que Mar­ta não es­ta­va a vi­a­jar co­mo tu­ris­ta. “As fo­tos nun­ca fi­ca­vam mui­to ‘ins­ta­gra­má­veis’”, com­ple­ta. E o ca­sa­co, cla­ro, “era sem­pre o mí­ti­co ca­sa­co ver­de – o mais quen­te”.

Na rua, Mar­ta pe­dia bo­leia a tre­mer de frio, mas nem is­so a de­mo­via. E a re­a­ção da­que­les que a aco­lhi­am em ca­da país era sem­pre mui­to ca­lo­ro­sa. O mes­mo po­de di­zer Re­na­to Vas­ques. O jo­vem al­gar­vio já se ti­nha aven­tu­ra­do à bo­leia em 2016, quan­do es­ta­va em Fran­ça, e, ao re­gres­sar a Por­tu­gal, che­gou com uma cer­te­za. “Que­ria mais!” Por is­so, em ja­nei­ro do ano pas­sa­do,

me­teu pés ao ca­mi­nho. Do Al­gar­ve até ao Irão. E não foi so­zi­nho. Re­na­to ti­nha re­ce­bi­do em ca­sa uns ami­gos que lhe de­ram bo­leia em Fran­ça, “nu­ma car­ri­nha mui­to en­gra­ça­da”, e fo­ram eles – que pre­ten­di­am ir até Fran­ça no iní­cio do ano – que lhe de­ram a pri­mei­ra bo­leia. “Foi in­crí­vel, mas dei­xa­ram-me em Bar­ce­lo­na, por­que eu ex­pli­quei-lhes que a vi­a­gem ti­nha de ser fei­ta com a adre­na­li­na de es­tar a pe­dir bo­leia na rua.” As­sim foi. Che­ga­do a Fran­ça, ar­ran­jou di­ver­sos tra­ba­lhos. “Pri­mei­ro, a apa­nhar mo­ran­gos. De­pois, a ven­der piz­zas nu­ma al­deia.” Des­sa for­ma, mais do que um tra­ba­lho, Re­na­to con­se­guia um sí­tio pa­ra fi­car. Com fa­mí­li­as que

o tra­ta­vam, as­se­gu­ra, “co­mo se fos­se fi­lho de­les”. Tal co­mo Mar­ta, Jo­a­na e Ti­a­go, tam­bém re­cor­reu à pla­ta­for­ma do “Cou­chSur­fing”. “E cor­reu sem­pre mui­to bem.” De Fran­ça, se­guiu por Suí­ça, Itá­lia e Es­lo­vé­nia. Sem­pre à bo­leia. E foi na Ro­mé­nia que o jo­vem te­ve “o úni­co mo­men­to ne­ga­ti­vo” da ex­pe­ri­ên­cia. Lá, vol­tou a en­con­trar-se com os ami­gos fran­ce­ses, que lhe de­ram a pri­mei­ra bo­leia, e dei­xou o te­le­mó­vel na car­ri­nha. “Mas hou­ve um as­sal­to e rou­ba­ram-mo”, lem­bra, ga­ran­tin­do que, “mais do que fi­car sem o te­le­mó­vel, foi di­fí­cil fi­car sem os con­tac­tos e as mú­si­cas”. Is­to por­que o al­gar­vio vi­veu a ex­pe­ri­ên­cia à bo­leia de uma for­ma mui­to es­pe­ci­al. “Des­de o iní­cio, fiz ques­tão de guar­dar não só os con­tac­tos das pes­so­as que en­con­tra­va e me da­vam bo­leia, mas, tam­bém, as mú­si­cas que mais gos­ta­vam. Era uma coi­sa mi­nha e com mui­to sig­ni­fi­ca­do.” Con­tu­do, de­pois dis­so, te­ve, no­va­men­te, mui­tos mo­ti­vos pa­ra sor­rir.

“Fi­quei um mês e meio sem te­le­mó­vel e is­so aca­bou por ser uma ex­pe­ri­ên­cia boa”. Pa­ra fa­lar com os pais, re­cor­ria a quem lhe da­va bo­leia ou, en­tão, àque­les com quem se cru­za­va na rua. “E nun­ca me dis­se­ram que não. Pe­lo con­trá­rio.” Mui­tas pes­so­as não só acei­ta­vam, de bom gra­do, em­pres­tar-lhe o te­le­mó­vel co­mo lhe di­zi­am “pa­ra pas­sar lá em ca­sa e fa­zer cha­ma­da de ví­deo pe­lo com­pu­ta­dor”. Ho­je, ao re­cor­dar es­ses ges­tos, Re­na­to não se can­sa de di­zer que “foi tu­do in­crí­vel” por­que as pes­so­as que­ri­am, ge­nui­na­men­te, aju­dar. “Era mes­mo as­sim. Aque­les a quem eu pe­dia o te­le­mó­vel di­zi­am-me que fi­ca­vam mais des­can­sa­dos se sou­bes­sem que a mi­nha fa­mí­lia tam­bém me pu­des­se ver. Pa­ra sa­be­rem que eu es­ta­va, de fac­to, bem e fe­liz.” Por is­so, o jo­vem rei­te­ra: “Há gen­te mui­to boa em qual­quer par­te do Mun­do”.

UM JO­GO DE SOR­TE E AZAR

Ao lon­go da vi­a­gem, mui­tas fo­ram as his­tó­ri­as “me­mo­rá­veis”. Re­na­to diz que per­cor­rer tan­tos paí­ses à bo­leia e aca­bar a aven­tu­ra com uma mão cheia de coi­sas bo­as tam­bém foi, em par­te, “uma sor­te”. Jo­a­na e Ti­a­go subs­cre­vem, su­bli­nhan­do que “há al­guns ris­cos”. Con­tu­do, o ca­sal sou­be sem­pre que “mais va­le re­cu­sar uma bo­leia cer­ta do que acei­tar uma er­ra­da”. E, por is­so, não bai­xa­ram a guar­da. Sor­te ou não, Jo­a­na diz que, de­pois da aven­tu­ra, “o que fi­ca é, so­bre­tu­do, uma cer­te­za mui­to ge­nuí­na de que a bon­da­de hu­ma­na é trans­ver­sal a to­das as cul­tu­ras e a to­dos os lu­ga­res”. E o que é pre­ci­so pa­ra dei­xar uma vi­da es­tá­vel e par­tir à des­co­ber­ta é “a von­ta­de de que­brar a ro­ti­na” e, aci­ma de tu­do, “lutar por um so­nho”. A vol­ta ao Mun­do à bo­leia foi, ju­ram, uma lua-de-mel mui­to en­ri­que­ce­do­ra.

O mo­te era sem­pre o mes­mo: “Em Ro­ma, sê Ro­ma­no”. Ti­a­go fa­zia ques­tão de co­mu­ni­car com as pes­so­as

fa­lan­do a mes­ma lín­gua. Mes­mo que pa­ra is­so fos­se pre­ci­so ir à in­ter­net ver co­mo se di­zi­am as pa­la­vras mais bá­si­cas. “No fun­do, o mais im­por­tan­te era fa­zer­mos nos ou­tros paí­ses to­das as coi­sas de bem que nos ha­bi­tu­a­mos a fa­zer em Por­tu­gal”, ex­pli­ca Ti­a­go. Tão im­por­tan­te co­mo is­so era res­pei­tar e va­lo­ri­zar a cul­tu­ra que os ro­de­a­va. “Que­ría­mos que as pes­so­as no­tas­sem o me­nos pos­sí­vel que éra­mos tu­ris­tas e is­so era al­go que se con­se­guia pe­la nos­sa rou­pa e pe­la abor­da­gem que fa­zía­mos na co­mu­ni­ca­ção com os lo­cais.” Jo­a­na exem­pli­fi­ca: “Se na In­do­né­sia, por exem­plo, não ha­via chu­vei­ros, en­tão nós não ía­mos to­mar ba­nho de chu­vei­ro, mes­mo que con­se­guís­se­mos ar­ran­jar for­ma de o fa­zer. Por­que, pa­ra nós, a ver­da­dei­ra ex­pe­ri­ên­cia de es­tar na In­do­né­sia só era pos­sí­vel com uma apro­xi­ma­ção mui­to gran­de aos cos­tu­mes e à cul­tu­ra da­que­le lo­cal”. E co­nhe­cer as tra­di­ções de ca­da país foi al­go que o ca­sal nun­ca pôs de la­do. Mes­mo que es­ti­ves­sem – por­que tam­bém es­ti­ve­ram – em al­gu­mas das ci­da­des mais vi­si­ta­das pe­los tu­ris­tas. O que fez sem­pre a di­fe­ren­ça foi, as­se­gu­ram, a for­ma co­mo en­ca­ra­vam ca­da um des­ses mo­men­tos e se re­la­ci­o­na­vam com as pes­so­as. E uma re­la­ção de pro­xi­mi­da­de com as pes­so­as foi al­go que Mar­ta sem­pre va­lo­ri­zou. In­con­for­ma­da com as vi­das ro­ti­nei­ras das so­ci­e­da­des mo­der­nas, a jo­vem não tem dú­vi­das: “An­dar de mo­chi­la às cos­tas e à bo­leia é uma das for­mas mais bo­ni­tas de co­nhe­cer as ou­tras cul­tu­ras”. Du­ran­te a vi­a­gem, a lis­bo­e­ta ten­tou sem­pre “fu­gir dos pon­tos mais tu­rís­ti­cos”. Pre­ci­sa­men­te por­que o que mais lhe in­te­res­sa­va era “as pes­so­as, as su­as his­tó­ri­as e a sua cul­tu­ra”. Tu­do era uma apren­di­za­gem. Des­de a lín­gua, às cren­ças e às tra­di­ções, pas­san­do, tam­bém, pe­la mú­si­ca. “É que, quan­do a lín­gua é um obs­tá­cu­lo, a mú­si­ca mos­tra o seu ca­rá­ter uni­ver­sal.” Mais do que qual­quer ou­tra pes­soa, Re­na­to co­nhe­ce bem o po­der de união da mú­si­ca, res­pon­sá­vel por uma das his­tó­ri­as mais bo­ni­tas que guar­da com sau­da­de. “Uma vez, na Tur­quia, co­nhe­ci uma fa­mí­lia in­crí­vel. Um ca­sal com dois fi­lhos que, mes­mo não ten­do qua­se na­da e a vi­ver nu­ma ca­sa que nem ti­nha mo­bí­lia, quis dar-me tu­do, com um ca­ri­nho tão, mas tão gran­de...e sem con­se­gui­rem di­zer uma úni­ca pa­la­vra.” Atra­vés de “uma mí­mi­ca im­pres­si­o­nan­te”, Re­na­to per­ce­beu que es­ta­vam a con­vi­dá-lo pa­ra jan­tar. E acei­tou. “Não ti­nham fo­gão e fi­ze­ram o jan­tar à mo­da an­ti­ga, com meia dú­zia de paus e uma fo­guei­ra. Mas, es­ta­va de­li­ci­o­so”, re­cor­da. No fi­nal da re­fei­ção, “o se­nhor foi bus­car uma flau­ta e co­me­çou a to­car... Foi um mo­men­to lin­do”. Vi­a­gens que o fa­zem so­nhar com mais vi­a­gens.

Ho­je, Mar­ta es­tá a vi­ver na Gui­né e é à bo­leia que, to­dos os di­as, par­te pa­ra o es­tá­gio que es­tá a de­sen­vol­ver na UNICEF. Mas am­bi­ci­o­na bem mais do que is­so: “Que­ro co­nhe­cer o con­ti­nen­te afri­ca­no à bo­leia”. Pais de uma be­bé de cin­co me­ses, é com o “Cou­chSur­fing” que Jo­a­na e Ti­a­go ma­tam sau­da­des do tempo em que car­re­ga­vam a ten­da às cos­tas. Na ca­sa on­de mo­ram, aco­lhem ou­tros vi­a­jan­tes. E, cla­ro, sem­pre que al­guém pe­de bo­leia, fa­zem ques­tão de aju­dar. Es­sa é a for­ma que os dois es­co­lhe­ram pa­ra re­cor­dar o tempo em que an­da­vam de po­le­gar em ris­te na ber­ma da es­tra­da. “Uma ex­pe­ri­ên­cia des­tas dá mui­ta, mui­ta sau­da­de.” Ago­ra, apru­mem-se as ve­las. Mar­ta, tal co­mo Jo­a­na, Ti­a­go e Re­na­to, con­ti­nua a so­nhar. E tem uma cer­te­za: “Um dia, vou atra­ves­sar o Atlân­ti­co à bo­leia de um ve­lei­ro”. ●m

Pa­ra o ca­sal, pas­sa­ge pe­la Chi­na foi um dos mo­men­tos mais mar­can­tes da vi­a­gem

Mes­mo com o frio o ca­sal guar­da bons mo­men­tos da pas­sa­gem pe­la No­va Ze­lân­dia

M Jo­a­na Oli­vei­ra e Ti­a­go Fi­dal­go apro­vei­ta­ram a lua-de-mel pa­ra co­nhe­cer me­lhor ou­tros con­ti­nen­tes, co­mo a Aus­trá­lia

RUI MI­GUEL PEDROSA/GLO­BAL IMA­GEM

Pais de uma be­bé de cin­co me­ses, Jo­a­na e Ti­a­go es­tão ago­ra nas Cal­das da Rai­nha. Sem­pre que al­guem pe­de bo­leia, fa­zem ques­tão de aju­dra, ma­tan­do sau­da­des da aven­tu­ra

M Jo­a­na e Ti­a­go fo­ram tu­ris­tas “à sua ma­nei­ra”. No Ha­vai, apro­vei­ta­ram pa­ra fa­zer praia

a Em Var­za­ne, no Irão, o al­gar­vio an­dou à bo­leia com dois ami­gos fran­ce­ses.

6 Na Tur­quia, em 2017, an­dou na ne­ve e co­nhe­ceu uma “fa­mí­lia mui­to es­pe­ci­al”

6 Pôr-do-sol em Ko­tor, Mon­te­ne­gro, nu­ma noi­te em que Re­na­to dor­miu ao re­len­to

a Em Mon­te­ne­gro, Re­na­to Vas­ques co­nhe­ceu al­gu­mas mon­ta­nhas, co­mo o pi­co de Pru­tas

M Foi quan­do che­gou à Ale­ma­nha que a jo­vem lis­bo­e­ta dis­se aos pais que es­ta­va a vi­a­jar à bo­leia

6 De­pois da aven­tu­ra, Mar­ta en­trou em Por­tu­gal à bo­leia de um ca­mi­o­nis­ta

a Es­pa­nha foi um dos 11 paí­ses que Mar­ta Du­rán per­cor­reu à bo­leia. Aqui, uma bo­leia em Al­ge­ci­ras

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.