COM MÚ­SI­CA É SÓ SAÚ­DE

En­ga­na-se quem pen­sa que a mú­si­ca tem uni­ca­men­te um de­síg­nio cul­tu­ral. Po­de ser mol­da­da por um mu­si­co­te­ra­peu­ta com um ob­je­ti­vo me­di­ci­nal ou uti­li­za­da pa­ra hu­ma­ni­zar o am­bi­en­te de uma uni­da­de de saú­de.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário#1388 -

A jor­na­lis­ta So­fia Filipe en­con­trou dois exem­plos de co­mo acor­des e me­lo­di­as me­xem com o nos­so bem-es­tar. A mu­si­co­te­ra­pia po­de mu­dar a vi­da das pes­so­as. O pro­je­to Mú­si­ca nos Hos­pi­tais ani­ma quem es­tá in­ter­na­do.

So­fia é de Fá­ti­ma e (con)vi­ve há dois anos com um can­cro que “não a quer lar­gar”, mas diz ser mais tei­mo­sa. “Não lhe te­nho fa­ci­li­ta­do a vi­da. Can­to e afas­ta-se com mú­si­cas que ex­pri­mem

o que não quer ou­vir”, co­men­ta a as­sis­ten­te téc­ni­ca nu­ma es­co­la se­cun­dá­ria, que te­ve con­tac­to com a do­en­ça on­co­ló­gi­ca aos 38 anos, du­ran­te a gra­vi­dez do ter­cei­ro fi­lho. As do­res sen­ti­das nas an­cas e na coluna ati­ra­ram-na pa­ra uma ca­dei­ra de ro­das du­ran­te cin­co me­ses, dei­xan­do-a de­pen­den­te do ma­ri­do. “Qual­quer mo­vi­men­to que fa­zia era uma gri­ta­ria sem me­di­da”, lem­bra, en­quan­to con­ta que o di­ag­nós­ti­co de can­cro da ma­ma, com me­tás­ta­ses nos os­sos, che­gou às 20 se­ma­nas de ges­ta­ção. Nes­sa al­tu­ra, fez se­te ses­sões de qui­mi­o­te­ra­pia e o San­ti­a­go nas­ceu às 36, sau­dá­vel. Co­mo So­fia não es­ta­va a con­se­guir li­dar com a si­tu­a­ção, por su­ges­tão da psi­có­lo­ga ini­ci­ou ses­sões de mu­si­co­te­ra­pia em fe­ve­rei­ro de 2017. “Con­tra­ri­a­da, por­que a mú­si­ca não fa­zia sen­ti­do pa­ra mim.”

Tra­ta-se de uma in­ter­ven­ção es­tru­tu­ra­da e sis­te­ma­ti­za­da, com ob­je­ti­vos te­ra­pêu­ti­cos, re­a­li­za­da por um pro­fis­si­o­nal com for­ma­ção aca­dé­mi­ca su­pe­ri­or, que uti­li­za co­mo re­cur­so mú­si­ca, sons e si­lên­cio. “Tem um po­ten­ci­al in­crí­vel e uma ação ho­lís­ti­ca no ser hu­ma­no atu­an­do nas di­men­sões mo­to­ra, cog­ni­ti­va, emo­ci­o­nal, so­ci­al e es­pi­ri­tu­al”, re­fe­re Ana Es­pe­ran­ça, mu­si­co­te­ra­peu­ta e pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Mu­si­co­te­ra­pia (APMT), su­bli­nhan­do que es­te ti­po de ati­vi­da­de clí­ni­ca po­de mu­dar a vi­da das pes­so­as. “Não é uma

te­ra­pia al­ter­na­ti­va, mas com­ple­men­tar, co­mo é a te­ra­pia da fa­la e a psi­co­lo­gia. Ain­da é pro­cu­ra­da co­mo úl­ti­mo re­cur­so, por­que a mú­si­ca es­tá mais as­so­ci­a­da ao la­zer, à cul­tu­ra e à per­for­man­ce do que a con­tex­tos te­ra­pêu­ti­cos.”

Hu­ma­ni­zar pe­lo bem-es­tar

Nu­no Ra­mos, de 35 anos, e Te­re­sa Nu­nes, de 39, per­ten­cem à equi­pa de 23 mú­si­cos in­ter­ve­ni­en­tes do pro­je­to Mú­si­ca nos Hos­pi­tais da As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Mú­si­ca nos Hos­pi­tais e Ins­ti­tui­ções de So­li­da­ri­e­da­de (APMHIS), pe­lo que in­ter­vêm sem­pre em du­plas se­ma­nal­men­te. Te­re­sa co­me­çou em ou­tu­bro de 2004, quan­do os pri­mei­ros mú­si­cos in­ter­ve­ni­en­tes em meio hos­pi­ta­lar ini­ci­a­ram os es­tá­gi­os. “Foi uma ex­pe­ri­ên-

cia que me mar­cou pro­fun­da­men­te”, as­si­na­la, e su­bli­nha “a ex­pe­ri­ên­cia de to­car olhos nos olhos, sem fil­tros, pa­ra al­guém que não co­nhe­ce, que es­tá nu­ma si­tu­a­ção de fra­gi­li­da­de fí­si­ca e emo­ci­o­nal”. Pa­ra Nu­no, re­pre­sen­ta mui­to ter in­te­gra­do o pro­je­to há cer­ca de um ano e meio. “É pos­sí­vel fa­zer com que as pes­so­as sai­am por mo­men­tos do cli­ma ne­ga­ti­vo on­de mui­tas ve­zes se en­con­tram nu­ma ins­ti­tui­ção de saú­de”, sus­ten­ta. E ob­ser­va que, aten­den­do ao fe­ed­back, pen­sa que o pro­je­to de­via che­gar a um mai­or nú­me­ro de lo­cais, pro­fis­si­o­nais e do­en­tes. Mú­si­ca nos Hos­pi­tais é um mo­de­lo adap­ta­do à re­a­li­da­de por­tu­gue­sa de um pro­je­to que a pe­di­a­tra Ana Jor­ge co­nhe­ceu em Es­tras­bur­go, Fran­ça. “Foi con­ce­bi­do na pers­pe­ti­va de pro-

por­ci­o­nar bem-es­tar, cri­an­do mo­men­tos de ro­tu­ra no am­bi­en­te ins­ti­tu­ci­o­nal, de for­ma or­ga­ni­za­da, con­tri­buin­do pa­ra que se tor­ne mais hu­ma­ni­za­do e pa­ra que pro­por­ci­o­ne a otimização da qua­li­da­de de vi­da do do­en­te, pro­cu­ran­do tam­bém che­gar a fa­mi­li­a­res e pro­fis­si­o­nais de saú­de. Tem por ba­se a for­ma­ção de mú­si­cos, du­ran­te cer­ca de 400 ho­ras, pa­ra po­de­rem ser in­ter­ve­ni­en­tes em am­bi­en­te de saú­de”, ex­pli­ca a pre­si­den­te da APMHIS e ex-mi­nis­tra da Saú­de.

A pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia em Por­tu­gal foi no ser­vi­ço de pe­di­a­tria do Hos­pi­tal Gar­cia de Or­ta, com mú­si­cos fran­ce­ses e ita­li­a­nos, du­ran­te um se­mi­ná­rio de di­vul­ga­ção do pro­je­to. De­pois, os por­tu­gue­ses in­te­res­sa­dos em ade­rir ao pro­je­to fi­ze­ram a for­ma­ção, en­tre 2004 e 2005, e, em 2006, foi for­mal­men­te cons­ti­tuí­da a as­so­ci­a­ção, que ho­je che­ga a se­te ins­ti­tui­ções (seis da Gran­de Lis­boa e uma no Por­to). Pa­ra exem­pli­fi­car os si­nais po­si­ti­vos em re­la­ção ao tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do, Ana Jor­ge acres­cen­ta: “Os pro­fis­si­o­nais que­rem sa­ber quan­do re­gres­sa­mos, se sus­pen­de­mos as in­ter­ven­ções e al­gu­mas cri­an­ças com pa­to­lo­gi­as cró­ni­cas que pe­dem pa­ra ir ao hos­pi­tal fa­zer os tra­ta­men­tos no dia das in­ter­ven­ções”. A an­ti­ga mi­nis­tra já pre­sen­ci­ou inú­me­ros mo­men­tos e re­cor­da um dos mais mar­can­tes: “Uma se­nho­ra de ori­gem go­e­sa es­ta­va in­ter­na­da há al­gum tempo sem co­mu­ni­car ver­bal­men­te. Com a en­tra­da dos mú­si­cos no quar­to, que can­ta­vam uma mú­si­ca tra­di­ci­o­nal go­e­sa, foi co­mo se des-

per­tas­se de um so­no e co­me­çou tam­bém a can­tar”.

Di­a­na Ma­tos é res­pon­sá­vel pe­la co­or­de­na­ção exe­cu­ti­va da APMHIS e faz par­te do gru­po de mú­si­cos que fun­da­ram a as­so­ci­a­ção em con­jun­to com Ana Jor­ge. Li­cen­ci­a­da em mú­si­ca, en­si­na alaú­de, acom­pa­nha co­ros, faz ani­ma­ções pa­ra di­ver­sos pú­bli­cos e, nes­te pro­je­to, tem tra­ba­lha­do em vá­ri­as ins­ti­tui­ções e ser­vi­ços de pe­di­a­tria, ge­ri­a­tria, obs­te­trí­cia, on­co­lo­gia e cui­da­dos con­ti­nu­a­dos e pa­li­a­ti­vos. Diz que a ca­ti­vou ali­ar a mú­si­ca a uma par­te mais so­ci­al, de con­tac­to mais pró­xi­mo com as pes­so­as, e con­gra­tu­la-se por sen­tir que faz a di­fe­ren­ça na vi­da do ou­tro. “Ain­da que por ins­tan­tes, pos­so con­tri­buir pa­ra que a pes­soa saia da es­fe­ra da do­en­ça, do so­fri­men­to, da ten­são, do té­dio ou da apa­tia e ga­nhe vi­da de qua­li­da­de”, des­ta­ca.

A men­to­ra da ini­ci­a­ti­va cha­ma a aten­ção pa­ra ou­tras in­ter­ven­ções com mú­si­ca, co­mo a mu­si­co­te­ra­pia, cu­jos ob­je­ti­vos são di­fe­ren­tes da Mú­si­ca nos Hos­pi­tais. “A du­pla de mú­si­cos to­ca e can­ta jun­to de ca­da cri­an­ça ou adul­to, pro­cu­ran­do es­ta­be­le­cer re­la­ção atra­vés da mú­si­ca e pro­por­ci­o­nan­do mo­men­tos de bem-es­tar, por­tan­to, sem fi­na­li­da­de te­ra­pêu­ti­ca ou de ani­ma­ção”, sus­ten­ta Ana Jor­ge.

De fac­to, a mu­si­co­te­ra­pia “é uma dis­ci­pli­na úni­ca e não o so­ma­tó­rio da psi­co­lo­gia com mú­si­ca”, fri­sa Ana Es­pe­ran­ça, que en­ca­ra com po­si­ti­vis­mo a exis­tên­cia de pro­je­tos que usem igual­men­te a mú­si­ca. Po­rém, in­di­ca que é pre­ci­so sa­ber a di­fe­ren­ça. Se­gun­do ex­pli­ca, “a mu­si­co­te­ra­pia não é mo­men­tâ­nea e con­tri­bui pa­ra a re­so­lu­ção de pro­ble­mas, até por­que o mu­si­co­te­ra­peu­ta ela­bo­ra pla­nos te­ra­pêu­ti­cos com ob­je­ti­vos de­li­ne­a­dos com ba­se nas ne­ces­si­da­des da pes­soa”.

Ho­je, So­fia re­co­nhe­ce que “es­ta­va en­ga­na­dís­si­ma”, pois, com a mu­si­co­te­ra­pia, cri­ou le­tras que lhe per­mi­ti­ram fa­lar de emo­ções, ne­ga­ti­vas e po­si­ti­vas. “Es­tou mui­to gra­ta por ter co­nhe­ci­do es­ta ver­ten­te da mú­si­ca, que me tem aju­da­do não só no can­cro, mas com ou­tras si­tu­a­ções que ti­nha di­fi­cul­da­de de ge­rir. A pri­mei­ra mú­si­ca cri­a­da fa­la so­bre os meus pais e foi com ela que fiz o luto, 11 anos de­pois de fa­le­ce­rem”, men­ci­o­na a mãe de San­ti­a­go, tam­bém cha­ma­do de Sal­va­dor, por ter mes­mo si­do “sal­va­dor”. “Aju­dou-me mui­to, lu­ta­mos os dois e es­ta­mos mui­to fe­li­zes”. ●

b Mú­si­ca nos Hos­pi­tais é um mo­de­lo adap­ta­do à re­a­li­da­de por­tu­gue­sa de um pro­je­to que a pe­di­a­tra e ex-mi­nis­tra Ana Jor­ge co­nhe­ceu em Es­tras­bur­go, Fran­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.