A ci­en­tis­ta dos te­ci­dos

In­ves­ti­ga as men­sa­gens que as cé­lu­las tro­cam en­tre si, pa­ra re­ge­ne­rar os­sos e ar­ti­cu­la­ções, e es­tá na equi­pa que cri­ou um tes­te úni­co no Mun­do que aju­da a di­ag­nos­ti­car a de­pres­são com uma amos­tra de san­gue.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Almanaque -

Em cri­an­ça, ar­re­ga­la­va os olhos qu­an­do co­lo­ca­va pa­tas de in­se­tos, ca­be­los, fo­lhas ou cas­ca de ce­bo­la no mi­cros­có­pio que era do pai con­ta­bi­lis­ta. O fas­cí­nio pe­los mis­té­ri­os da na­tu­re­za des­per­tou ce­do. Não en­trou em Me­di­ci­na por três dé­ci­mas; es­tu­dou Bi­o­lo­gia; é in­ves­ti­ga­do­ra au­xi­li­ar no i3S – Ins­ti­tu­to de In­ves­ti­ga­ção e Ino­va­ção em Saú­de, no Por­to; mes­tre em Mi­cro­bi­o­lo­gia Mo­le­cu­lar; dou­to­ra­da em Ci­ên­ci­as Bi­o­mé­di­cas, na área da Imu­no­lo­gia. O fas­cí­nio man­tém-se. “Ver em pri­mei­ra mão aqui­lo que ain­da nin­guém viu. Tra­ba­lhar com coi­sas que ain­da nin­guém sa­be e ten­tar per­ce­ber o sig­ni­fi­ca­do dos fe­nó­me­nos que ob­ser­va­mos.”

Su­sa­na San­tos, 42 anos, de Oli­vei­ra de Fra­des, a vi­ver em Gaia, ado­ra des­co­brir. Co­mo a in­ves­ti­ga­ção em equi­pa, com Ma­ria Inês Al­mei­da e Inês Alen­cas­tre, que re­sul­tou num tes­te que aju­da a di­ag­nos­ti­car a de­pres­são com uma amos­tra de san­gue. Um sis­te­ma úni­co no Mun­do, nun­ca an­tes apli­ca­do na ro­ti­na clí­ni­ca na área das do­en­ças men­tais. Um pai­nel de bi­o­mar­ca­do­res que, con­ju­ga­dos en­tre si, dá uma me­di­da de ris­co e de es­tra­ti­fi­ca­ção da de­pres­são. Os re­sul­ta­dos são re­ve­la­dos 24 a 48 ho­ras após a co­lhei­ta. “O mé­di­co faz uma en­tre­vis­ta clí­ni­ca, com a sub­je­ti­vi­da­de de uma en­tre­vis­ta clí­ni­ca, e pas­sa a ter um exa­me bi­o­ló­gi­co no qual se po­de ba­se­ar qu­an­do tem de de­ci­dir se vai ou não re­cei- tar me­di­ca­ção ou ou­tro ti­po de acom­pa­nha­men­to.” Além de um au­xi­li­ar de di­ag­nós­ti­co, per­mi­te mo­ni­to­ri­zar o cur­so de do­en­ça. Uma com­bi­na­ção que con­quis­tou o Pré­mio da Agên­cia Na­ci­o­nal de Ino­va­ção em 2017 e o pré­mio “Os Me­lho­res do Por­tu­gal Tec­no­ló­gi­co”, na ca­te­go­ria Ino­va­ção, em 2018, da re­vis­ta “Exa­me In­for­má­ti­ca”. O tes­te ain­da não es­tá no

mer­ca­do, mas o trio de in­ves­ti­ga­do­ras es­tá a tra­tar da pa­ten­te e a ten­tar en­con­trar fi­nan­ci­a­men­to pa­ra va­li­dar o mar­ca­dor bi­o­ló­gi­co.

Nes­te mo­men­to, Su­sa­na in­ves­ti­ga a for­ma co­mo as cé­lu­las do sis­te­ma imu­ni­tá­rio co­mu­ni­cam com as dos te­ci­dos e as men­sa­gens que tro­cam en­tre si após uma fra­tu­ra ós­sea. No in­ter­fa­ce en­tre o sis­te­ma imu­ne e a re­ge­ne­ra­ção de te­ci­dos. “Se a res­pos­ta imu­ne se des­con­tro­lar, vai ser pre­ju­di­ci­al ao pro­ces­so de re­ge­ne­ra­ção. Se con­se­guir­mos mo­de­lar es­sa men­sa­gem, tal­vez con­si­ga­mos con­ven­cer o or­ga­nis­mo a re­sol­ver uma res­pos­ta in­fla­ma­tó­ria.” Em su­ma, “gos­ta­va de con­tri­buir, de al­gu­ma for­ma, pa­ra a me­lho­ria dos cui­da­dos dos pa­ci­en­tes”.

Lê mui­to, es­cre­ve ar­ti­gos ci­en­tí­fi­cos, an­da pe­lo Mun­do a fa­lar do seu tra­ba­lho ci­en­tí­fi­co e o seu dia-a-dia tem sem­pre mais per­gun­tas do que res­pos­tas. Acre­di­ta que evo­lu­ção ace­le­ra qu­an­do há par­ce­ri­as. “Pa­ra que a ci­ên­cia avan­ce te­mos de con­ver­sar uns com os ou­tros. Na ci­ên­cia nin­guém con­se­gue tra­ba­lhar so­zi­nho.” Dá au­las nas du­as fa­cul­da­des de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de do Por­to e, to­dos os anos, du­ran­te uma se­ma­na, re­ce­be alunos do se­cun­dá­rio do Pro­gra­ma Ci­ên­cia Vi­va. “Têm uma vi­são fres­ca e tra­zem per­gun­tas em que nós, que es­ta­mos tão em­bre­nha­dos no tra­ba­lho, não pen­sa­mos. Gos­to mui­to des­sa in­te­ra­ção.” ●m

POR Sa­ra Di­as Oli­vei­ra FO­TO Pe­dro Cor­reia/Glo­bal Ima­gens

M Ti­rou o dou­to­ra­men­to e tra­ba­lhou co­mo in­ves­ti­ga­do­ra na Es­có­cia. Vol­tou há dez anos. Tem dois fi­lhos pe­que­nos, cor­re e pra­ti­ca io­ga

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.