O MUN­DO NU­MA BO­LA­CHA MA­RIA

O mai­or fa­bri­can­te por­tu­guês de bo­la­chas e amên­do­as ul­tra­pas­sou os 75 anos. O se­gre­do es­tá, ain­da, na mas­sa. Vi­si­ta ao ber­ço da Vi­ei­ra de Cas­tro, em Fa­ma­li­cão.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Estilos / Consumo -

An­tó­nio Vi­ei­ra de Cas­tro, lem­bra qu­em

o co­nhe­ceu, te­ve ar­ro­jo e vi­são pa­ra pro­cu­rar os téc­ni­cos e as téc­ni­cas cer­tas pa­ra a in­dus­tri­a­li­za­ção da pro­du­ção de amên­do­as e bo­la­chas. Um es­for­ço que mar­cou a em­pre­sa e as ge­ra­ções se­guin­tes. Es­ta­va-se em 1943 qu­an­do a Vi­ei­ra de Cas­tro co­me­çou “a his­tó­ria” do seu sa­bor. Pri­mei­ro as amên­do­as, de­pois as bo­la­chas.

É um sa­bor que se sen­te qu­an­do se che­ga per­to das três uni­da­des in­dus­tri­ais lo­ca­li­za­das em Ga­vião, Vi­la No­va de Fa­ma­li­cão, on­de um aro­ma a bo­la­chas a sair do for­no nos trans­por­ta pa­ra me­mó­ri­as das bo­la­chas Ma­ria, Tor­ra­da, Água e Sal. E es­tas não são as úni­cas re­cor­da­ções des­per­ta­das pe­la Vi­ei­ra de Cas­tro: qu­em nun­ca co­meu um re­bu­ça­do Flo­co de Ne­ve ou uma dra­geia de cho­co­la­te?

Sen­do certo que as uni­da­des in­dus­tri­ais da em­pre­sa es­tão em Ga­vião, tu­do co­me­çou no cen­tro de Vi­la No­va de Fa­ma­li­cão, nu­ma con­fei­ta­ria à épo­ca de­di­ca­da a pro­du­tos tra­di­ci­o­nais e re­gi­o­nais, mais uma área de ca­te­ring. Mas An­tó­nio, o fun­da­dor, sem­pre quis “fa­zer mais e me­lhor”. Um le­ma que per­ma­ne­ce nos ge­nes de uma em­pre­sa ain­da ho­je fa­mi­li­ar.

“Ele [avô] en­ten­deu que ha­via um per­cur­so a fa­zer na área da in­dus­tri­a­li­za­ção, e foi qu­an­do se de­di­cou ao es­tu­do e ava­li­a­ção des­sa pos­si­bi­li­da­de”, as­si­na­la Ra­quel Vi­ei­ra de Cas­tro, que faz par­te da ter­cei­ra ge­ra­ção à fren­te da fá­bri­ca de bo­la­chas. O pai, Car­los Vi­ei­ra de Cas­tro, é o pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, do qual fa­zem par­te Ra­quel e Car­los, o ir­mão.

“A Vi­ei­ra de Cas­tro é uma em­pre­sa ex­tre­ma­men­te di­nâ­mi­ca, que es­tá a pre­pa­rar-se pa­ra o fu­tu­ro, que quer con­ti­nu­ar da for­ma saudável e com as raí­zes de sem­pre: que­re­mos ser sem­pre me­lho­res e ino­var, pri­vi­le­gi­an­do a re­la­ção hu­ma­na”, ca­rac­te­ri­za Ra­quel.

Pa­ra co­me­mo­rar os 75 anos, ce­le­bra­dos em 2018, a em­pre­sa le­vou os fun­ci­o­ná­ri­os à Ma­dei­ra du­ran­te três di­as. “Era um so­nho e uma pro­mes­sa do meu pai”, no­ta a ad­mi­nis­tra­do­ra. “Con­se­gui­mos con­cre­ti­zá-lo.”

E são os tra­ba­lha­do­res, mui­tos ali a tra­ba­lhar há dé­ca­das, que se en­tu­si­as­ma­ram com o “pro­ces­so in­ter­no de mu­dan­ça e de uti­li­za­ção de no­vas me­to­do­lo­gi­as” atu­al­men­te em cur­so nas fá­bri­cas do pro­du­tor de bo­la­chas. Uma mu­dan­ça nos pro­ces­sos in­dus­tri­ais, diz Ra-

quel Vi­ei­ra de Cas­tro, pa­ra “fa­zer me­lhor” e se­rem “ca­da vez mais com­pe­ti­ti­vos”. Uma com­pe­ti­ti­vi­da­de que pas­sa fun­da­men­tal­men­te pe­la ino­va­ção. “O sa­ber fa­zer e o que es­te­ve na ba­se da Vi­ei­ra de Cas­tro, que é a sua tra­di­ção, é um ali­cer­ce pa­ra nos ca­ta­pul­tar­mos pa­ra a ino­va­ção. O se­gre­do es­tá em per­ce­ber o que sa­be­mos fa­zer bem e o que po­de­mos acres­cen­tar. Po­de­mos ter uma Água e Sal, uma Ma­ria, Cláu­di­as, e adap­tá-las às mu­dan­ças dos con­su­mi­do­res.” Nes­se sen­ti­do, a em­pre­sa tem uma equi­pa de de­sen­vol­vi­men­to, com cer­ca de três de­ze­nas de pro­du­tos em mãos. No iní­cio des­te ano, um novo ti­po de bo­la­cha, a Cre­am Crac­ker pi­men­ta pre­ta, sai pa­ra o mer­ca­do.

Amên­do­as, cho­co­la­tes, re­bu­ça­dos

Na pro­du­ção é pos­sí­vel ob­ser­var to­dos os passos, des­de a jun­ção dos in­gre­di­en­tes pa­ra ca­da ti­po de bo­la­cha até ao mol­de da bo­la­cha e co­ze­du­ra. Nas uni­da­des fa­bris exis­tem li­nhas com 50 me­tros de for­nos.

Em 2018 foi lan­ça­da a Água e Sal azei­te e azei­to­na, pa­ra co­me­mo­rar os 75 anos, com pos­si­bi­li­da­de de tor­nar-se um pro­du­to per­ma­nen­te. “Po­de ser uma for­ma de con­se­guir­mos in­ter­na­ci­o­na­li­zar a Água e Sal, por­que é um pro­du­to que tem um va­lor enor­me pa­ra a em­pre­sa mas não sai mui­to das nos­sas fron­tei­ras”, ex­pli­ca Ra­quel.

Mas, já se dis­se, a em­pre­sa não vi­ve ape­nas de bo­la­chas. As amên­do­as são um pro­du­to com um mer­ca­do na­ci­o­nal sa­zo­nal. Lá fo­ra, pe­lo con­trá­rio, elas ven­dem-se o ano in­tei­ro. O Bra­sil é o mer­ca­do ex­te­ri­or que mais con­so­me amên­do­as.

De res­to, os cha­ma­dos “pro­du­tos di­fe­ren­ci­a­do­res” têm ti­do um “cres­ci­men­to in­te­res­san­te”. O úl­ti­mo si­nal veio da Bar­ry Cal­le­baut, um dos mai­o­res pro­du­to­res mun­di­ais de cho­co­la­te, que co­me­çou a in­ves­tir num novo ti­po de ca­cau, o ruby. A amên­doa com cho­co­la­te ruby es­ta­rá nas pra­te­lei­ras na Pás­coa.

Da Vi­ei­ra sa­em igual­men­te os em­ble­má­ti­cos Flo­cos de Ne­ve. Os re­bu­ça­dos que fa­zem par­te da me­mó­ria de vá­ri­as ge­ra­ções de por­tu­gue­ses con­ti­nu­am a ser os que “mai­or no­to­ri­e­da­de” têm no mer­ca­do, ape­sar das gran­des mu­dan­ças nes­te seg­men­to. “É uma área que te­mos es­ta­do a ob­ser­var pa­ra per­ce­ber co­mo de­sen­vol­ver no fu­tu­ro”, ga­ran­te Ra­quel Vi­ei­ra de Cas­tro.

A mar­ca re­gres­sou à ori­gem e apre­sen­ta-se ago­ra ape­nas co­mo Vi­ei­ra, já não ten­do em “re­fe­rên­ci­as ba­se” co­mo a Ma­ria e a Água e Sal os seus prin­ci­pais pro­du­tos. O Sor­ti­do Prin­ce­sa e as Di­ges­ti­ve es­tão por es­tes di­as nos lu­ga­res ci­mei­ros das pre­fe­rên­ci­as do mai­or fa­bri­can­te por­tu­guês de bo­la­chas e amên­do­as. E ape­sar da bo­la­cha Água e Sal ser con­su­mi­da ba­si­ca­men­te por por­tu­gue­ses, já a Ma­ria é mais con­su­mi­da lá fo­ra do que em Por­tu­gal, com des­ta­que pa­ra Ja­pão e Es­ta­dos Uni­dos. “É um pro­du­to icó­ni­co nos mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais”, as­se­gu­ra a ad­mi­nis­tra­do­ra. Com 300 co­la­bo­ra­do­res, a Vi­ei­ra tem em cur­so uma con­cen­tra­ção de in­ves­ti­men­tos. Além de es­tar a “oti­mi­zar” os pro­ces­sos in­dus­tri­ais, a em­pre­sa du­pli­ca­rá o ar­ma­zém e ins­ta­la­rá três no­vas li­nhas de pro­du­ção nas três fá­bri­cas que pos­sui. Até por­que, su­bli­nha Ra­quel, “ain­da te­mos mui­to pa­ra fa­zer”. ●m

FO­TOS: MI­GUEL PE­REI­RA/GLO­BAL IMA­GENS

a São pro­du­zi­das 600 to­ne­la­das de bo­la­chas por se­ma­na na Vi­ei­ra de Cas­tro. A mar­ca lan­çou o li­vro “A His­tó­ria do Nosso Sa­ber”, em que é con­ta­da a his­tó­ria dos 75 anos da em­pre­sa. Há já um se­gun­do li­vro a ser pre­pa­ra­do, que ana­li­sa a fir­ma sob as pers­pe­ti­vas eco­nó­mi­ca, ge­o­grá­fi­ca e ar­qui­te­tó­ni­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.