LEVANTE-SE O RÉU UMA HO­RA DE HERANÇA

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Contra -

No pri­mei­ro mi­nu­to da ses­são, com ra­pi­dez en­co­ra­ja­do­ra, já a pro­cu­ra­do­ra da Re­pú­bli­ca ti­nha pe­di­do a con­de­na­ção do ar­gui­do, acres­cen­tan­do que “o se­nhor de­ve ser con­de­na­do pe­la prática dos três cri­mes em ques­tão, sem­pre abai­xo do meio da me­di­da abs­trac­ta da pe­na pa­ra ca­da um dos cri­mes, sen­do que o se­nhor é uma pes­soa so­ci­al, fa­mi­li­ar e pro­fis­si­o­nal­men­te in­se­ri­da (...) e que des­te mo­do se faz jus­ti­ça”. To­dos fi­ca­ram des­can­sa­dos, até o ar­gui­do, um en­ge­nhei­ro ca­re­ca, pa­re­ceu con­for­ma­do. Ti­nha in­sul­ta­do a ve­lha viú­va do seu pai, sua ma­dras­ta, in­si­nu­an­do que ela, ago­ra com 80 anos, há mui­tos anos se ca­sa­ra por di­nhei­ro, es­cre­ven­do-lhe uma car­ta em que di­zia que só con­se­guia ver o pai (um ava­ren­to ri­co) cha­man­do a po­lí­cia, re­ben­tan­do a cai­xa do cor­reio da se­nho­ra e ar­rom­ban­do-lhe a ca­sa, ten­tan­do des­li­gar a água, a elec­tri­ci­da­de e o gás a uma re­cém-viú­va, en­fim, mais uma his­tó­ria de he­ran­ças que cor­ro­em a vi­da das fa­mí­li­as. De­pois do pe­di­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, o tra­ba­lho era fá­cil pa­ra o ad­vo­ga­do de acu­sa­ção. O ho­mem en­tra­ra na sa­la man­si­nho e man­so, de voz tré­mu­la, es­bran­qui­ça­do por re­cen­te do­en­ça e co­ber­to na to­ga ne­gra, pe­din­do des­cul­pa pe­lo cor­po con­va­les­cen­te, que to­dos lhe re­co­nhe­ce­ram com so­fri­da edu­ca­ção. Nos se­guin­tes três mi­nu­tos, a con­ver­sa foi dig­na das ve­lhas ar­cá­di­as e par­na­sos da ora­tó­ria ju­di­ci­al. Co­me­çou o ad­vo­ga­do:

— Com a de­vi­da vé­nia, vou ten­tar fa­zer as ale­ga­ções sen­ta­do...

— Com cer­te­za, sô­tor, e co­mo foi di­to, se pre­ci­sar de fa­zer al­gum in­ter­va­lo... nós sa­be­mos que o sô­tor es­tá a con­va­les­cer, ata­lhou a sim­pá­ti­ca juí­za na sua be­ca.

Nu­ma se­gun­da vé­nia, con­ti­nu­ou o ad­vo­ga­do: “Em pri­mei­ro lu­gar, que­ro cum­pri­men­tar a vos­sa ex­ce­lên­cia me­ri­tís­si­ma juiz com hu­mil­da­de e res­pei­to e tam­bém di­zer que não te­nho que fa­zer ne­nhu­ma apre­ci­a­ção em es­pe­ci­al, mas cum­pre-me mos­trar o apre­ço pe­la for­ma, pe­lo mo­do mag­nâ­ni­mo, com equi­lí­brio e co­ra­ção, pe­la sua to­le­rân­cia que bem ca­sam com o po­der, com a jus­ti­ça e o seu exer­cí­cio. Por is­so fa­ço es­te cum­pri­men­to, por­que creio que as­sim to­dos re­co­nhe­ce­mos que a fun­ção mag­ní­fi­ca que os tri­bu­nais têm na nos­sa so­ci­e­da­de é es­sen­ci­al. Cum­pri­men­to tam­bém a se­nho­ra ma­gis­tra­da do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e o meu ilus­tre co­le­ga por qu­em re­no­vo o agra­de­ci­men­to que já lhe fiz pes­so­al­men­te pe­la mag­na­ni­mi­da­de e pe­la bon­da­de que tam­bém te­ve na con­si­de­ra­ção da par­ti­cu­la­ri­da­de que me afli­giu. Cum­pri­men­to tam­bém a se­nho­ra fun­ci­o­ná­ria pe­lo apoio aos tra­ba­lhos. E en­tão cen­tro-me ago­ra no que diz res­pei­to à ale­ga­ção pro­pri­a­men­te di­ta so­bre o ca­so. Não se­rei tão sin­té­ti­co qu­an­to gos­ta­ria, e tal­vez fos­se bem con­ve­ni­en­te, co­mo o dig­no ma­gis­tra­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co que sin­te­ti­zou aqui­lo que é es­sen­ci­al no sen­ti­do de que os três cri­mes de que o ar­gui­do vem pro­nun­ci­a­do, por­que vou mais além de al­gu­ma ‘nu­an­ce’ que me pa­re­ceu se po­der in­fe­rir da com­pre­en­são dos com­por­ta­men­tos, e que eu di­ria que de fac­to os com­por­ta­men­tos do ar­gui­do são mui­to cen­su­rá­veis e de­vem ser efec­ti­va­men­te re­pro­va­dos e as­si­na­la­da­men­te re­pro­va­dos”.

Ha­ven­do pes­so­as no mun­do que ain­da fa­lam des­te mo­do, mes­mo do­en­ti­nhas, ima­gi­nem a ho­ra in­tei­ra que se se­guiu, sem­pre nes­tes ter­mos que aca­ba­ram de ler. O có­mi­co da si­tu­a­ção foi qu­an­do se per­ce­beu que a do­en­ça do ad­vo­ga­do de acu­sa­ção se cu­ra­va acu­san­do, por­que qu­an­to mais fa­la­va mais for­ças ele ga­nha­va, e ali­men­ta­va o dis­cur­so com la­men­tos, psi­co­lo­gi­as so­bre as in­ten­ções mo­ral­men­te re­pro­vá­veis do ar­gui­do (di­a­cho, já estou a es­cre­ver co­mo ele fa­la!...), is­to é, qu­an­to mais can­sa­dos es­tá­va­mos de ou­vir o abor­re­ci­do ad­vo­ga­do, mais saudável ele se sen­tia.

E re­pe­tia, re­pe­tia as ex­pres­sões “cru­el­da­de”, “mal­da­de”, “afron­ta” por par­te de al­guém que “tem o de­ver de con­tro­lar de­ter­mi­na­dos im­pul­sos e não os con­tro­la”, “des­fe­rir a es­to­ca­da fi­nal”, “uma pre­me­di­ta­ção de anos”, “uma es­tru­tu­ra­ção do mo­men­to em que ele faz coi­sas não só pa­ra pre­ju­di­car, mas pa­ra fe­rir, pa­ra fe­rir...”. Foi ao mi­nu­to 49 do so­li­tá­rio re­lam­bó­rio, qu­an­do já pa­re­cia pron­to a cor­rer a ma­ra­to­na de S. Sil­ves­tre, e a au­di­ên­cia se des­pe­nha­va no so­no, que a juí­za lhe cor­tou a pa­la­vra: — Se­nhor dou­tor, pe­ço des­cul­pa por o in­co­mo­dar, mas aler­to-o pa­ra o tem­po do ar­ti­go 360 do Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal, de que

o dou­tor tem uma ho­ra pa­ra as ale­ga­ções, o se­nhor dou­tor co­me­çou às 11 ho­ras e nes­te mo­men­to são dez pa­ra o meio-dia.

Dez mi­nu­tos de­pois ca­la­ram-no à força e o ad­vo­ga­do en­ve­lhe­ceu vin­te anos. Nas­ceu pa­ra a bar­ra, dêem-lhe tem­po.

JOÃO VASCO COR­REIA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.