ALUNOS DA IMA­GI­NA­ÇÃO

Por­tu­gue­ses que, dia sim dia não, vão a Es­pa­nha às com­pras. Ou ao ca­be­lei­rei­ro. Ou ao mé­di­co. Es­pa­nhóis que cru­zam a fron­tei­ra só pa­ra to­mar ca­fé. E co­mer ba­ca­lhau. Pa­ra dar du­as de le­tra tam­bém. Ami­gos de na­ci­o­na­li­da­des dis­tin­tas que são co­mo ir­mãos e se

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário #1389e - TEX­TO Ana Tu­lha FO­TO­GRA­FIA Ar­tur Ma­cha­do/Glo­bal Ima­gens

A au­to­no­mia cur­ri­cu­lar tem pro­du­zi­do uma va­ri­e­da­de iné­di­ta de mé­to­dos de en­si­no. A jor­na­lis­ta Fi­lo­me­na Abreu e o fo­to­jor­na­lis­ta Ar­tur Ma­cha­do mos­tram a ex­plo­são da cri­a­ti­vi­da­de em seis es­co­las pú­bli­cas e pri­va­das, de nor­te a sul do país.

Tou­rém é um re­tra­to lím­pi­do do in­te­ri­or pro­fun­do. São pou­co mais de 16 qui­ló­me­tros qua­dra­dos que en­tram pe­la fron­tei­ra aden­tro e che­gam e so­bram pa­ra as gen­tes da ter­ra – ca­da vez me­nos, ca­da vez mais ver­ga­das pe­la ida­de. Nu­ma cen­te­na de ha­bi­tan­tes, há ape­nas três cri­an­ças. Gran­de par­te já pas­sou a bar­rei­ra dos 70 anos. Vi­vem so­bre­tu­do do ga­do. Vol­ta e meia, uma ma­na­da cir­cu­la por en­tre as ca­sas, pa­ra ras­gar os di­as de qui­e­tu­de pu­ra. Tou­rém é uma al­deia de cal­ça­da por­tu­gue­sa e ca­sas fei­tas de pe­dra de gra­ni­to. Há du­as lo­jas, um ca­fé, um úni­co trans­por­te pú­bli­co e um tá­xi. Pou­co mais. No in­ver­no, até

o li­xo é re­co­lhi­do ape­nas uma vez por se­ma­na. A ci­da­de de Mon­ta­le­gre fi­ca a 30 qui­ló­me­tros, Cha­ves a mais de 60, Vi­la Re­al a 120. É a vi­da no Por­tu­gal que, de tão es­con­di­do no ma­pa, res­va­lou pa­ra o es­que­ci­men­to pro­fun­do. Pi­tões das Jú­ni­as, a al­deia por­tu­gue­sa mais pró­xi­ma, es­tá a 12 qui­ló­me­tros. Há ou­tras, sim. To­das es­pa­nho­las: Cal­vos de Ran­dín fi­ca a cin­co qui­ló­me­tros, Re­quiás a qua­tro, Gun­tu­mil a três, Ran­dín a dois, mais coi­sa me­nos coi­sa. “So­mos co­mo ir­mãos.”

O ve­re­di­to sai de uma con­ver­sa de ca­fé que acon­te­ce do la­do por­tu­guês mas en­vol­ve as du­as abas da fron­tei­ra. Adri­a­no di-lo, Fran­cis­co Cid cor­ro­bo­ra. Um é “tu­ga” de ge­ma e do­no do úni­co ca­fé de Tou­rém. O ou­tro é es­pa­nhol de Ou­ren­se e mu­dou-se pa­ra Ran­dín há um ano, apro­vei­tan­do o fac­to de es­tar nu­ma es­pé­cie de li­cen­ça sa­bá­ti­ca. Ele e a mu­lher, Ol­ga Cor­ral. Des­de en­tão, são ra­ros os di­as em que não dão um sal­to ao la­do por­tu­guês. “Se não é de ma­nhã é à noi­te”, ga­ran­te a com­pa­nhei­ra de Fran­cis­co, com uma chu­va de elo­gi­os à mis­tu­ra. “Os por­tu­gue­ses são mui­to sim­pá­ti­cos. Sem­pre que vi­mos aqui, en­con­tra­mos pes­so­as agra­dá­veis e aco­lhe­do­ras. Fa­zem-nos sen­tir con­for­tá­veis.” A pro­pó­si­to, Fran­cis­co re­cor­da um epi­só­dio re­cen­te: “No ou­tro dia, fo­mos a Ca­bril [al­deia do con­ce­lho de Mon­ta­le­gre] e às tan­tas per­gun­tá­mos a uma se­nho­ra de ida­de on­de po­día­mos en­con­trar um sí­tio pa­ra co­mer. Ela con­vi­dou-nos lo­go pa­ra ir­mos a ca­sa de­la. Es­ti­ve­mos lá a co­mer pre­sun­to e a be­ber vi­nho. Em Es­pa­nha, is­to não exis­te”. Por is­so, Ol­ga cons­ta­ta com cer­te­za que o me­lhor dos por­tu­gue­ses é o tra­to. Mas o ca­sal tam­bém guar­da elo­gi­os pa­ra a co­mi­da. So­bre­tu­do pa­ra o ba­ca­lhau e o ar­roz de ma­ris­co, ex­pli­cam, en­tre go­la­das de Su­per Bock. “A cer­ve­ja é mais ba­ra­ta aqui. E o ta­ba­co tam­bém”, apon­ta Fran­cis­co. Só não se dá ao tra­ba­lho de fa­zer com­pras do la­do por­tu­guês por­que, as­se­gu­ra, o pre­ço é o mes­mo.

Mas em Tou­rém não fal­ta qu­em an­de cá e lá pa­ra pou­par al­gum. “Va­mos nós mais ve­zes a Es­pa­nha, com­prar gás ou me­ter ga­so­li­na. A bo­ti­ja de gás lá é a 14 eu­ros. Aqui cus­ta 25”, jus­ti­fi­ca Na­tá­lia, mu­lher de Adri­a­no, sen­ta­da à me­sa do ca­fé que tam­bém é de­la. E qu­em diz com­prar gás diz ir ao ca­be­lei­rei­ro. Ou até a uma con­sul­ta. “Há um mé­di­co em Cal­vos que, por 120 eu­ros, faz tu­do. Aná­li­ses, rai­os X, ele­tro­car­di­o­gra­mas. Tem lá as má­qui­nas to­das”, con­ta Pre­ci­o­sa, sen­ta­da à me­sa com Na­tá­lia, ca­be­los bem cin­zen­tos a ates­tar o en­ve­lhe­ci­men­to da al­deia. “Aqui te­mos de es­pe­rar dois me­ses. Mor­re­mos pri­mei­ro e só de­pois é que con­se­gui­mos ir à con­sul­ta”, iro­ni­zam. Es­te jei­to de vi­ver cá e lá, al­mo­ço em Por­tu­gal, ca­fé em Es­pa­nha, com­pras lá, ca­sa cá, ami­gos sem olhar à na­ci­o­na­li­da­de, há mui­to se fez mo­do de vi­da em Tou­rém. “É igual, co­mo se fos­sem por­tu­gue­ses”, as­si­na­la Na­tá­lia. “Só que lá os or­de­na­dos vão su­bir [o sa­lá­rio mí­ni­mo vai pas­sar pa­ra os 900 eu­ros] e nós aqui... coi­ta­di­nhos. Nes­se as­pe­to, da­va jei­to ser­mos es­pa­nhóis.” E não só. “É só pas­sar a fron­tei­ra e já se no­ta a di­fe­ren­ça na es­tra­da. Aqui, se rou­bas­sem me­nos, tam­bém es­tá­va­mos me­lhor”, ati­ra, com uma pi­ta­da de re­vol­ta a con­di­men­tar o dis­cur­so.

A dis­pa­ri­da­de no ní­vel de vi­da é apon­ta­da por to­dos. Pre­si­den­te da Jun­ta de Fre­gue­sia de Tou­rém in­cluí­do. “Eles são mais ri­cos, pre­ser­vam mais a cul­tu­ra, têm as tra­di­ções mais ar­rei­ga­das. Mas não te­mos ra­zão de quei­xa. A úni­ca coi­sa que lhes po­de­mos apon­tar é que nos es­for­ça­mos mais pa­ra que eles nos en­ten­dam. Eles não fa­zem es­se es­for­ço”, as­sen­te Jai­me Bar­ro­so, 64 anos. Na­da que be­lis­que a re­la­ção fra­ter­nal ali­cer­ça­da na His­tó­ria. “Na dé­ca­da de 1960, era ra­ra a ca­sa de Tou­rém que não ti­nha um ou dois ga­le­gos es­con­di­dos. Ou eram re­pu­bli­ca­nos ou ten­ta­vam fu­gir da tro­pa. Sem­pre hou­ve es­tes in­ter­câm­bi­os sau­dá­veis”, sa­li­en­ta o lí­der da Jun­ta, em tem­pos pro­ta­go­nis­ta de um ou­tro “in­ter­câm­bio” cha­ma­do... con­tra­ban­do. “Ele­tro­do­més­ti­cos, col­chões, tu­do o que se com­pra­va de um la­do e não se con­se­guia le­var pa­ra o ou­tro sem pa­gar. Só te­le­vi­sões, le­vei mais de qui­nhen­tas. O con­tra­ban­do sem­pre exis­tiu aqui. Só aca­bou qu­an­do abri­ram as fron­tei­ras.”

Em boa ho­ra o fi­ze­ram, ga­ran­tem os mais ve­lhos. Jo­sé Ro­dri­gues Al­ves, 72 anos, que o di­ga. Es­tá em ca­sa, de por­ta aber­ta, meio a “ar-

“É só pas­sar a fron­tei­ra e já se no­ta a di­fe­ren­ça na es­tra­da. Aqui, se rou­bas­sem me­nos, tam­bém es­tá­va­mos me­lhor” NA­TÁ­LIA ha­bi­tan­te de Tou­rém

ran­jar umas coi­sas”, meio de olho na rua, aten­to ao pou­co mo­vi­men­to. Tam­bém ele fez vi­da do con­tra­ban­do. “Car­re­guei mui­to ca­fé. O meu pai mor­reu qu­an­do eu ti­nha 11 anos. Era du­ro. Ía­mos com 62 qui­los às cos­tas pe­lo meio do mon­te. De noi­te, por­que de dia ha­via os ca­ra­bi­nei­ros. Às ve­zes fa­zía­mos aos 30 qui­ló­me­tros com va­cas e bois pe­ri­go­sos atrás de nós.” De­pois, can­sou-se dos sa­cri­fí­ci­os e da po­bre­za. Foi pa­ra Fran­ça. Pas­sou qua­tro anos no Bra­sil. Daí pa­ra Lis-

boa. E, co­mo se diz dos bons fi­lhos, à ca­sa tor­nou. Por is­so, tam­bém ele es­tá mais do que ha­bi­tu­a­do à con­vi­vên­cia com os es­pa­nhóis.

“An­tes, a gen­te não gos­ta­va dos ga­le­gos. O por­tu­guês às ve­zes tem a ma­nia que é bom. Ía­mos pa­ra fes­tas de­les e me­tía­mo-nos com as ra­pa­ri­gas ga­le­gas de pro­pó­si­to. Ha­via ri­xas com frequên­cia”, re­cor­da. “Uma par­voí­ce”, con­clui. Nem de pro­pó­si­to, a fi­lha, ho­je pro­fes­so­ra em Pon­te da Bar­ca, aca­bou ca­sa­da com um es­pa­nhol. “Uma vez trou­xe-o cá a ca­sa, pa­ra fa­lar co­mi­go, e eu dis­se lo­go. ‘Co­mi­go? Pois que vá à vi­da de­le.’ Mas o ra­paz in­sis­tiu e dis­se que gos­ta­va mui­to da mi­nha ‘hi­ja’ [fi­lha]. Eu ain­da ten­tei pôr-lhe os de­fei­tos to­dos, di­zer que ela não sa­bia co­zi­nhar nem fa­zer na­da. Mas não adi­an­tou. E a ver­da­de é que ele é mui­to tra­ba­lha­dor e ho­je es­tão bem na vi­da”, con­ta, com um sor­ri­so en­ver­go­nha­do de qu­em aca­bou ren­di­do às evi­dên­ci­as: “São gen­te boa”.

A fi­lha de Jo­sé é só uma das pro­ta­go­nis­tas dos vá­ri­os ca­sa­men­tos que jun­tam por­tu­gue­ses e es­pa­nhóis. Só na úl­ti­ma dé­ca­da, fo­ram meia dú­zia de ca­sos. “As es­pa­nho­las são mais mei­gas”, brin­ca-se na al­deia. Mas es­tes ma­tri­mó­ni­os in­ter­fron­tei­ri­ços são mais uma pro­va sé­ria da pro­xi­mi­da­de que exis­te en­tre po­vos acos­tu­ma­dos a ser ben­ga­la um do ou­tro. “Fo­mos ha­bi­tu­a­dos as­sim: a ir­mos às al­dei­as vi­zi­nhas e eles a vi­rem cá. Da­mo-nos to­dos mui­to bem”, ga­ran­te Ma­ria Eli­sa, 51 anos, pro­pri­e­tá­ria do úni­co es­pa­ço de tu­ris­mo de ha­bi­ta­ção da al­deia. “Re­ce­be­mos aqui mui­tos es­tran­gei­ros. Cu­ri­o­sa-

men­te, es­pa­nhóis nem tan­to.” Mas es­tá mais do que ha­bi­tu­a­da a sen­tir o pul­so ao país vi­zi­nho. É que, além do tu­ris­mo de ha­bi­ta­ção, Eli­sa e o ma­ri­do tam­bém pos­su­em um au­to­car­ro de trans­por­te es­co­lar, o úni­co que per­mi­te fu­gir à so­li­dão de Tou­rém. To­dos os di­as, no tra­je­to de 30 qui­ló­me­tros até Mon­ta­le­gre, fa­zem 14 por Es­pa­nha. De­pois, ain­da têm um tá­xi, es­pé­cie de pron­to-so­cor­ro de uma al­deia que, nos mo­men­tos de afli­ção, se sen­te ain­da mais dis­tan­te de tu­do. “Já trans­por­tá­mos pes­so­as com apen­di­ci­tes agu­das e com ata­ques car­día­cos. Além de mu­lhe­res que es­tão pres­tes a dar à luz. Eu e o meu ma­ri­do até so­mos pa­dri­nhos de ba­tis­mo de uma des­sas cri­an­ças. E sou eu que tra­go os me­di­ca­men­tos pa­ra as pes­so­as da al­deia. Man­dam-me fo­tos e eu com­pro, em Mon­ta­le­gre. Às ve­zes até vou por eles às con­sul­tas, pe­dir re­cei­tas pa­ra os me­di­ca­men­tos”, or­gu­lha-se Eli­sa. Dos es­pa­nhóis, diz que são mais pa­tri­o­tas e mais frios. Mas fri­sa que a re­la­ção en­tre uns e ou­tros é “ex­tra­or­di­ná­ria”.

A tra­di­ção tam­bém aju­da a is­so. A festa do En­con­tro, por exem­plo. To­dos os anos, em agos­to, sai uma pro­cis­são de Tou­rém, ou­tra de Ran­dín, tu­do ao mes­mo tem­po. En­con­tram-se a meio, no exa­to lo­cal em que Por­tu­gal se fun­de com Es­pa­nha. Num cen­tí­me­tro é so­lo na­ci­o­nal, no se­guin­te ter­ri­tó­rio es­tran­gei­ro. A meio, um mar­co as­si­na­la o pon­to de en­con­tro, com du­as mãos da­das es­cul­pi­das na pe­dra. Ali per­to, uma con­ver­sa de ca­fé que acon­te­ce do la­do por­tu­guês mas que en­vol­ve os dois la­dos da fron­tei­ra, mos­tra que as mãos não es­tão ali só pa­ra es­pa­nhol ver. Adri­a­no di-lo, Fran­cis­co cor­ro­bo­ra: “So­mos co­mo ir­mãos”.

UM “CAL­DO CUL­TU­RAL” QUE TEM BARBAS

É ho­ra de al­mo­ço em Bar­ran­cos. Num dos prin­ci­pais res­tau­ran­tes da vi­la alen­te­ja­na, plan­ta­da em ci­ma da fron­tei­ra es­te, o entra-e-sai dos cli­en­tes di­ta a azá­fa­ma. Atrás do bal­cão há uns quan­tos pre­sun­tos ao al­to. As fun­ci­o­ná­ri­as são por­tu­gue­sas, os cli­en­tes têm di­as: ao fim de se­ma­na, por exem­plo, o es­pa­ço en­che-se de fre­gue­ses vin­dos do país vi­zi­nho. A mú­si­ca de fun­do, es­sa, é es­pa­nho­la o tem­po to­do. “Gos­ta­mos mais da mú­si­ca de­les”, con­fes­sa uma jo­vem fun­ci­o­ná­ria. A par­ti­lha de gos­tos – e de tra­di­ções, e de cul­tu­ra, até de iden­ti­da­de – não sur­pre­en­de, da­da a pro­xi­mi­da­de à vi­zi­nha Es­pa­nha. Bar­ran­cos, vi­la alen­te­ja­na, dis­ta ape­nas oi­to qui­ló- me­tros da lo­ca­li­da­de es­pa­nho­la de En­ci­na­so­la. A al­deia por­tu­gue­sa mais pró­xi­ma, San­to Alei­xo da Res­tau­ra­ção, fi­ca a 20 qui­ló­me­tros. A li­ga­ção adi­vi­nha-se. Jo­a­quim Lo­pes, 69 anos, gran­de par­te de­les pas­sa­dos em Bar­ran­cos, con­fir­ma-a. “Eles vêm cá to­dos os di­as. E nós lá. Ain­da ho­je lá es­ti­ve a to­mar ca­fé. E há mui­ta gen­te da­qui que vai lá às com­pras. A carne e os en­chi­dos são mais ba­ra­tos lá. Os com­bus­tí­veis nem se fa­la.”

Tam­bém aqui, no ex­tre­mo su­des­te por­tu­guês, a li­ga­ção en­tre por­tu­gue­ses e es­pa­nhóis as­sen­ta em raí­zes que a His­tó­ria aju­dou a cons­truir. Des­de lo­go por­que, du­ran­te a Gu­er­ra Ci­vil do país vi­zi­nho (1936-1939), Bar­ran­cos foi um abri­go se­gu­ro pa­ra qu­em pre­ten­dia fu­gir. Mui­to gra­ças a um ho­mem cha­ma­do An­tó­nio Au­gus­to Sei­xas, es­pé­cie de Aris­ti­des de Sou­sa Men­des da re­gião. “Deu gua­ri­da a mais de mil re­pu­bli­ca­nos que fu­gi­ram de Es­pa­nha por­que iam ser fu­zi­la­dos. Tu­do con­tra a von­ta­de de Sa­la­zar, que ti­nha da­do in­di­ca­ções ex­pres­sas pa­ra não dei­xar en­trar a nin­guém”, lem­bra João Ser­ra­ni­to, pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Bar­ran­cos. À cus­ta dis­so, aca­bou con­de­na­do a 60 di­as de pri­são na For­ta­le­za de El­vas. Mas se­lou uma dí­vi­da de gra­ti­dão que re­sis­tiu ao tem­po. “Ain­da es­te ano me con­vi­da­ram pa­ra ir a Je­réz de los Ca­bal­le­ros inau­gu­rar a pla­ca de uma rua com o no­me do Te­nen­te Sei­xas”, re­al­ça o au­tar­ca.

De­pois, hou­ve o con­tra­ban­do, qual con­di­ção “si­ne qua non” das zo­nas rai­a­nas, a aju­dar a fir­mar la­ços pa­ra a vi­da. “An­dá­va­mos sem­pre cá e lá. Tan­to ho­mens co­mo mu­lhe­res. Mui­ta gen­te ia bus­car coi­sas pa­ra ven­der cá. Tou­ci­nho, chou­ri­ço, tu­do. Na­que­la al­tu­ra, a mi­sé­ria unia. Só com o 25 de Abril a coi­sa co­me­çou a mu­dar. Ago­ra, já não é co­mo era. Já não há aque­la re­la­ção por ne­ces­si­da­de que ha­via na al­tu­ra. Mas con­ti­nua a ha­ver uma li­ga­ção for­te”, re­fe­re Jo­a­quim Lo­pes, ho­mem que co­nhe­ce Bar­ran­cos co­mo a pal­ma das mãos.

Tan­to que há uma sé­rie de tra­di­ções que se cru­zam e mis­tu­ram, ao pon­to de, a da­da al­tu­ra, já nin­guém sa­ber mui­to bem qu­em co­me­çou o quê. “A li­ga­ção a Es­pa­nha é ime­mo­ri­al. Sem­pre es­te­ve mui­to pre­sen­te. Até por­que são re­giões que têm uma cons­ti­tui­ção re­la­ci­o­na­da. Aca­bou por se for­mar aqui um cal­do cul­tu­ral en­tre por­tu­gue­ses e es­pa­nhóis. Is­so per­ce­be-se tam­bém pe­lo di­a­le­to bar­ran­que­nho, que exis­te aqui des­de sem­pre”, fri­sa o lí­der da au­tar­quia. Aliás, es­tá em pre­pa­ra­ção uma can­di­da­tu­ra pa­ra que o bar­ran­que-

nho, que mis­tu­ra por­tu­guês, es­pa­nhol e pa­la­vras pró­pri­as do di­a­le­to, pos­sa ser de­sig­na­do Pa­tri­mó­nio Lin­guís­ti­co Na­ci­o­nal – e as­sim re­co­nhe­ci­do co­mo lín­gua ofi­ci­al, à ima­gem do mi­ran­dês, e en­si­na­do nas es­co­las de Bar­ran­cos.

Mas es­sa é ape­nas uma das mui­tas tra­di­ções par­ti­lha­das com a vi­zi­nha Es­pa­nha. Ou­tra, uma das mais im­por­tan­tes, é a dos tou­ros de mor­te, que, gra­ças a um re­gi­me de ex­ce­ção apro­va­do em 2002, so­bre­vi­ve ao tem­po. Mes­mo nas fes­tas da ter­ra, on­de “ago­ra já vai ha­ven­do mú­si­cos por­tu­gue­ses”, os con­jun­tos es­pa­nhóis con­ti­nu­am a es­tar em mai­o­ria. A ates­tar a sim­bi­o­se, Bar­ran­cos tem ain­da um gru­po de se­vi­lha­nas, cla­ra in­fluên­cia da pro­xi­mi­da­de da An­da­lu­zia. O gru­po, com­pos­to por 25 mu­lhe­res, dis­tri­buí­das por três es­ca­lões etá­ri­os e ori­en­ta­do por uma uma pro­fes­so­ra es­pa­nho­la, en­saia uma vez por se­ma­na nas ins­ta­la­ções da Jun­ta de Fre­gue­sia, sain­do fre­quen­te­men­te de Bar­ran­cos pa­ra atu­a­ções. “Atu­a­mos mais em Es­pa­nha, mas tam­bém va­mos a lo­ca­li­da­des por­tu­gue­sas pró­xi­mas da­qui”, ex­pli­ca Le­o­nor, 13 anos. En­trou pa­ra o gru­po aos cin­co, por in­fluên­cia da mãe, que sem­pre gos­tou e a in­cen­ti­vou a ex­pe­ri­men­tar. Ela gos­tou, ren­deu-se, foi fi­can­do, nis­to já lá vão oi­to anos e con­ti­nua a ser fã. Dos es­pa­nhóis nem tan­to. “Não são bem a mi­nha praia”, diz, nu­ma gar­ga­lha­da en­ver­go­nha­da. Car­men, da mes­ma ida­de, vai mais lon­ge. Soa as­sim: “Ós-de­té­to.” Que é co­mo qu­em diz, em di­a­le­to bar­ran­que­nho, que não po­de com eles nem por na­da. A ti­ra­da soa a brin­ca­dei­ra. Até por­que a li­ga­ção ao ou­tro la­do é fo­men­ta­da mes­mo a ní­vel ins­ti­tu­ci­o­nal.

O mai­or pro­du­tor de pre­sun­tos de Bar­ran­cos, por exem­plo, é uma em­pre­sa es­pa­nho­la. Mas a fá­bri­ca es­tá em Por­tu­gal e os tra­ba­lha­do­res são por­tu­gue­ses. Bar­ran­cos vi­ve mui­to des­tes in­ter­câm­bi­os trans­fron­tei­ri­ços. “Há um mé­di­co es­pa­nhol que, aos fins de se­ma­na, tra­ba­lha no cen­tro de saú­de de cá. E co­mo eles [em En­ci­na­so­la] têm um cen­tro de saú­de aber­to 24 ho­ras, há mui­ta gen­te que vai lá. Aten­dem-nos sem­pre. Cla­ro que nós tam­bém lhes pres­ta­mos ou­tros ser­vi­ços”, es­cla­re­ce João Ser­ra­ni­to, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra.

Um de­les es­tá re­la­ci­o­na­do com o com­ba­te aos fo­gos ur­ba­nos e aci­den­tes ro­do­viá­ri­os e re­sul­ta de um pro­to­co­lo as­si­na­do en­tre os Bom­bei­ros Vo­lun­tá­ri­os de Bar­ran­cos e o Con­sór­cio dos Bom­bei­ros de Hu­el­va em 2007. “Há es­ta co­o­pe­ra­ção em que, sem­pre que há ocor­rên­ci­as em En­ci­na­so­la, são os bom­bei­ros de Bar­ran­cos os pri­mei­ros a che­gar”, ex­pli­ca o co­man­dan­te do la­do por­tu­guês. “Es­te ano, por exem­plo, hou­ve um ci­da­dão es­pa­nhol que te­ve um aci­den­te ro­do­viá­rio do la­do de lá da fron­tei­ra. Li­gou aos ser­vi­ços de emer­gên­cia es­pa­nhóis, que trans­fe­ri­ram pa­ra o Con­sór­cio dos Bom­bei­ros de Hu­el­va. Por sua vez, eles re­en­ca­mi­nha­ram pa­ra nós. Fo­mos mo­bi­li­za­dos e en­tre­gá­mos a ví­ti­ma na uni­da­de hos­pi­ta­lar de­les”, es­pe­ci­fi­ca Car­los Pi­ca, co­man­dan­te dos Bom­bei­ros de Bar­ran­cos, que ga­ran­te es­tar pa­ra bre­ve a ofi­ci­a­li­za­ção de um novo pro­to­co­lo, ago­ra res­pei­tan­te aos in­cên­di­os ru­rais e flo­res­tais.

A pro­xi­mi­da­de, pes­so­al e ins­ti­tu­ci­o­nal, aju­da a com­ba­ter o es­que­ci­men­to a que a vi­la es­tá vo­ta­da. Qu­em aqui mo­ra, apon­ta o de­do ao Es­ta­do. Qu­ei­xam-se que nin­guém olha pa­ra eles. E que na­da acon­te­ce se não fo­rem as pes­so­as da ter­ra a to­mar a ini­ci­a­ti­va. Tan­to que, to­dos os anos, se jun­tam pa­ra, com as pró­pri­as mãos, pin­ta­rem as ca­sas. Bran­cas, com por­me­no­res ama­re­los, co­mo é ima­gem de mar­ca do ter­ri­tó­rio alen­te­ja­no. Mas é só um de vá­ri­os pro­ble­mas tí­pi­cos da in­te­ri­o­ri­da­de pro­fun­da. Es­co­la, por exem­plo, só há até ao 9.º ano. Qu­em qui­ser pros­se­guir tem de ir pa­ra Mou­ra, pas­sar lá a se­ma­na ou su­jei­tar-se a fa­zer 100 qui­ló­me­tros por dia. “Mui­tos de­les já não vol­tam. O que vão fa­zer aqui?”, la­men­ta Jo­a­quim Lo­pes.

Ain­da as­sim, com to­dos os atra­ti­vos que Es­pa­nha pos­sa ter e to­dos os pro­ble­mas que a vi­da do la­do de cá da fron­tei­ra pos­sa agu­di­zar, es­te bar­ran­que­nho de ge­ma não po­dia dis­cor­dar mais de An­tó­nio Lo­bo An­tu­nes, o es­cri­tor por­tu­guês que ain­da re­cen­te­men­te dis­se que Por­tu­gal e Es­pa­nha de­ve­ri­am ser o mes­mo país. “Sin­ce­ra­men­te não con­cor­do. Nós te­mos raí­zes por­tu­gue­sas e o que eu sin­to não tem na­da a ver com os es­pa­nhóis. Não é por eles se­rem me­lho­res que va­mos lar­gar a nos­sa ter­ra.”

A li­ga­ção, es­sa, é pa­ra man­ter por mui­tos anos. “Nas fes­tas, con­ti­nu­a­mos sem­pre a ir lá. E eles cá. Qu­an­do há fes­tas lá, vai tan­ta gen­te da­qui que cos­tu­ma­mos di­zer que a da­da al­tu­ra já nem sa­be­mos se es­ta­mos cá ou se es­ta­mos lá”, con­ta, di­ver­ti­do. “E tam­bém va­mos aos fu­ne­rais uns dos ou­tros, até por­que as pes­so­as mais ve­lhas é que têm a li­ga­ção mais for­te.” Na ale­gria e na tris­te­za, por­tan­to.

À boa ma­nei­ra de um ca­sa­men­to. ●

“Eles vêm cá to­dos os di­as. E nós lá. Ain­da ho­je lá es­ti­ve a to­mar ca­fé. E há mui­ta gen­te da­qui que vai lá às com­pras” JO­A­QUIM LO­PES Bar­ran­cos

a Mar­co que as­si­na­la o pon­to de união en­tre ter­ras por­tu­gue­sas e es­pa­nho­las a Jo­sé Ro­dri­gues Al­ves, 72 anos, à por­ta de ca­sa, em Tou­rém

M São ra­ros os di­as em que Fran­cis­co Cid e Ol­ga Cor­ral não vêm a Por­tu­gal. So­bre­tu­do pe­la co­mi­da e pe­la cer­ve­ja

a Jai­me Bar­ro­so, 64 anos, pre­si­den­te da Jun­ta de Fre­gue­sia de Tou­rém

6 Cri­an­ças da es­co­la de Bar­ran­cos cum­prem a tra­di­ção de le­var le­nha pa­ra a fo­guei­ra de Na­tal

a Ma­ria Eli­sa, 51 anos, pro­pri­e­tá­ria da Ca­sa dos Bra­gan­ças, úni­co es­pa­ço de tu­ris­mo de ha­bi­ta­ção em Tou­rém

6 Co­man­dan­te Car­los Pi­ca (den­tro do vei­cu­lo) com ele­men­tos dos Bom­bei­ros Vo­lun­tá­ri­os de Bar­ran­cos

q Le­o­nor, Car­men e Ca­ro­li­na in­te­gram um gru­po de dan­ças se­vi­lha­nas com se­de nes­ta lo­ca­li­da­de no Bai­xo Alen­te­jo

M João Ser­ra­ni­to é o pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Bar­ran­cos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.