PA­RA CONFIAR DE NOVO NA NA­TU­RE­ZA

Ler im­pli­ca fo­co, si­lên­cio, um tem­po len­to. Ou se­ja, o con­trá­rio dos há­bi­tos dos na­ti­vos di­gi­tais. Mais do que sa­ber se cum­prem as lei­tu­ras es­co­la­res, im­por­ta des­co­brir o que é que os jo­vens le­em por pu­ro pra­zer e co­mo é que es­se gos­to se po­de es­ti­mu­lar.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário #1389e - POR So­fia Tei­xei­ra

Cha­ma-se par­to po­si­ti­vo e tem di­rei­to a va­ga de fun­do, com no­me em in­glês (Po­si­ti­ve Birth Mo­ve­ment) e gru­pos es­pa­lha­dos pe­lo mun­do. A jor­na­lis­ta Cláu­dia Pin­to co­nhe­ceu mu­lhe­res que pro­cu­ra­ram al­ter­na­ti­vas afas­ta­das dos fár­ma­cos pa­ra tra­zer os fi­lhos ao mun­do. Res­pos­tas pa­ra o re­ceio mai­or? A dor é “uma ali­a­da”. E o cor­po é sá­bio.

Fran­cis­co Fer­rei­ra tra­ta os li­vros com es­ti­ma, mas tam­bém com fa­mi­li­a­ri­da­de su­fi­ci­en­te pa­ra não re­ce­ar do­brar os can­tos das pá­gi­nas em vez de usar mar­ca­dor. É um lei­tor eclé­ti­co co­mo mos­tram os três li­vros que traz na mão: “Diá­rio de um Ado­les­cen­te na Lis­boa de 1910” de Ali­ce Vi­ei­ra, que con­ta a his­tó­ria de um ra­paz à épo­ca da que­da da mo­nar­quia; “An Ad­ven­tu­re on Ma­dei­ra Is­land”, tra­du­ção in­gle­sa da fa­mo­sa co­le­ção “Uma Aven­tu­ra” de Ana Ma­ria Ma­ga­lhães e Isa­bel Al­ça­da; e “Lit­tle Hou­se on the Prai­rie”, uma no­ve­la de 1935, da ame­ri­ca­na Lau­ra In­galls Wil­der, so­bre as su­as ex­pe­ri­ên­ci­as en­quan­to cri­an­ça no cen­tro oes­te do país. “Gos­to de ler em in­glês por­que ga­nho mais vocabulário”, ex­pli­ca o ado­les­cen­te de 15 anos, que fre­quen­ta o 9. ano.

Usa vá­ri­as ve­zes a ex­pres­são “estou a tra­ba­lhar um li­vro” qu­an­do se re­fe­re às lei­tu­ras da es­co­la mas, por opo­si­ção, con­si­de­ra as su­as pró­pri­as lei­tu­ras, que faz so­bre­tu­do qu­an­do es­tá de fé­ri­as, co­mo mo­men­tos de des­can­so, dei­xan­do mui­to cla­ra a fron­tei­ra en­tre a lei­tu- ra por obri­ga­ção e por pra­zer. Pra­zer pa­ra o qual tem pou­co tem­po du­ran­te a épo­ca de es­co­la, com as au­las, os tra­ba­lhos de ca­sa e os tes­tes, mas nas fé­ri­as de ve­rão cos­tu­ma avi­ar oi­to ou no­ve li­vros. Ape­sar de fa­zer es­ta dis­tin­ção en­tres os dois ti­pos de lei­tu­ras, is­so não quer di­zer que não apre­cie al­gu­mas das obras que tem de es­tu­dar. “Es­te ano já dei o ‘Au­to da Bar­ca do In­fer­no’ e gos­tei, é uma his­tó­ria in­te­res­san­te e di­ver­ti­da. O ano pas­sa­do ti­ve de ler o ‘Hob­bit’ de J. R. R. Tol­ki­en e o ‘Que Fa­rei com Es­te Li­vro’ de Jo­sé Sa­ra­ma­go, e não gos­tei de ne­nhum dos dois: o vocabulário era pou­co aces­sí­vel.”

Os três li­vros que traz con­si­go têm his­tó­ri­as mui­to di­fe­ren­tes, mas uma coi­sa em co­mum: as per­so­na­gens são ado­les­cen­tes, co­mo ele pró­prio. Não há gran­de mis­té­rio nes­ta pre­fe­rên­cia: os ado­les­cen­tes gos­tam de ler obras com pro­ta­go­nis­tas da mes­ma ida­de por­que con­se­guem re­la­ci­o­nar-se com a his­tó­ria sob uma pers­pe­ti­va mais pes­so­al.

“Nós só con­se­gui­mos ler aqui­lo pa­ra que es­ta­mos pre­pa­ra­dos”, ex­pli­ca a me­di­a­do­ra de lei­tu­ra An­dreia Bri­tes. “Po­de­mos ler um li­vro di­fí­cil do pon­to de vis­ta da lin­gua­gem se o te­ma nos for pró- xi­mo e o in­ver­so tam­bém é pos­sí­vel: ler al­go cu­jo te­ma nos é es­tra­nho e so­bre o qual não te­mos um co­nhe­ci­men­to pré­vio es­tru­tu­ra­do, se for nu­ma lin­gua­gem sim­ples que nos per­mi­ta com­pre­en­der.” Pa­ra An­dreia, que tra­ba­lha des­de 2005 nas bi­bli­o­te­cas de to­do o país, so­bre­tu­do com jo­vens, es­ta ade­qua­ção é mui­to im­por­tan­te: pô-los pe­ran­te coi­sas pa­ra as quais não es­tão pre­pa­ra­dos é “ma­tar” lei­to­res. “Se lhes da­mos um ti­po de li­vro pa­ra o qual ain­da não tem com­pe­tên­ci­as, ele não só vai re­jei­tar aque­le li­vro co­mo mui­tos se­me­lhan­tes.”

A me­di­a­do­ra acre­di­ta que re­co­men­dar-lhes lei­tu­ras pas­sa so­bre­tu­do por co­nhe­cê-los. “Gos­tam de ani­mais, de car­ros ou de um des­por­to? São mais ima­gi­na­ti­vos ou mais prag­má­ti­cos? Há al­gum fil­me ou jo­go de com­pu­ta­dor de que gos­tem e que pos­sa in­flu­en­ci­ar na lei­tu­ra de um li­vro? Tu­do é vá­li­do. O mais im­por­tan­te é co­nhe­cê-los.” Ape­sar dis­so, ga­ran­te que há te­mas e gé­ne­ros que, por nor­ma, lhes são ca­ros. “Os ado­les­cen­tes, ti­pi­ca­men­te, têm uma gran­de ne­ces­si­da­de de ter, por um la­do, con­tac­to com as tra­gé­di­as e com a re­a­li­da­de mais du­ra e, por ou­tro, com a fan­ta­sia e a aven­tu­ra.”

Is­so aju­da a ex­pli­car os gran­des fe­nó­me­nos edi­to­ri­ais en­tre ado­les­cen­tes: na ca­te­go­ria de “re­a­lis­mo ve­rí­di­co” es­tão vo­lu­mes co­mo “Os Fi­lhos da Dro­ga”, “O Diá­rio de An­ne Frank” e tra­ba­lhos so­bre

o Ho­lo­caus­to co­mo “O Ra­paz do Pi­ja­ma às Ris­cas”; no de­par­ta­men­to da fan­ta­sia e aven­tu­ra, o su­ces­so são co­le­ções co­mo

o Har­ry Pot­ter, que ex­plo­ra o mun­do da ma­gia, e o Che­rub, so­bre uma di­vi­são ima­gi­ná­ria dos Ser­vi­ços Se­cre­tos Bri­tâ­ni­cos que re­cru­ta agen­tes até aos 17 anos.

Pra­zer ver­sus obri­ga­ção

“Acho que o pri­mei­ro da co­le­ção li num fim de se­ma­na”, diz Ma­nu­el Mou­ti­nho, 17 anos, em re­la­ção à co­le­ção Che­rub, con­fir­man­do a ten­dên­cia. Tam­bém não por aca­so, um dos li­vros que mais gos­tou foi “Os Fi­lhos da Dro­ga”. Co­mo mui­tos ou­tros ado­les­cen­tes, Ma­nu­el gos­ta de es­tar com os ami­gos, na­ve­gar na net e jo­gar com­pu­ta­dor. Tam­bém apre­cia des­por­to e pra­ti­ca kick­bo­xing des­de os 14. Ler es­tá fo­ra das su­as pre­fe­rên­ci­as, pe­ga ape­nas em um ou dois li­vros por ano, ape­sar de es­tar sen­si­bi­li­za­do pa­ra a im­por­tân­cia da lei­tu­ra. Man­ter o fo­co não lhe é fá­cil. “Se for um li­vro de que eu gos­te mes­mo, con-

si­go es­tar a ler sem me dis­trair com o te­le­fo­ne, mas se for, por exem­plo, um li­vro pa­ra a es­co­la, que estou a ler obri­ga­do e do qual não gos­to mui­to, é mais di­fí­cil e um bo­ca­do frus­tran­te.” Te­re­sa Cal­ça­da, Co­mis­sá­ria do Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Lei­tu­ra (PNL2027), con­ce­de que en­tre as mui­tas cau­sas da que­bra de lei­tu­ra por pra­zer en­tre os mais jo­vens es­tá “o pe­so des­pro­por­ci­o­na­do da lei­tu­ra es­co­lar e obri­ga­tó­ria im­pos­ta por pro­gra­mas, me­tas e ava­li­a­ções cur­ri­cu­la­res, fa­ce a ou­tras lei­tu­ras”. Ou se­ja, há mui­tas lei­tu­ras a fa­zer por obri­ga­ção e pou­co in­ves­ti­men­to na pro­mo­ção da lei­tu­ra por pra­zer.

Não que al­guém se­ja con­tra as lei­tu­ras li­te­rá­ri­as no âm­bi­to dos pro­gra­mas cur­ri­cu­la­res: “Mes­mo as que pos­sam ser mais abor­re­ci­das de­vem, na mi­nha óti­ca, con­ti­nu­ar a exis­tir. É uma for­ma de os alunos te­rem bo­as re­fe­rên­ci­as li­te­rá­ri­as e cul­tu­rais”, de­fen­de Re­na­to Pai­va, di­re­tor da Clí­ni­ca da Edu­ca­ção/Aca­de­mia de Al­to Ren­di­men­to Es­co­lar WOW STUDY e au­tor de vá­ri­os li­vros so­bre o es­tu­do dos mais no­vos. A ques­tão pas­sa por in­ves­tir, mo­ti­var e dar tem­po pa­ra as lei­tu­ras au­tó­no­mas, den­tro do gos­to e in­te­res­se de ca­da um,

e sem uma ava­li­a­ção for­mal as­so­ci­a­da. “A cri­an­ça tem de apren­der a di­fe­ren­ça en­tre o ato de apren­der e o pra­zer de ler”, de­fen­de Te­re­sa Sil­vei­ra, in­ves­ti­ga­do­ra e au­to­ra do li­vro “O Cé­re­bro e a Lei­tu­ra”. Por is­so, faz um ape­lo: “Se a cri­an­ça não es­tá em apren­di­za­gem e a ideia é pro­mo­ver a lei­tu­ra e o pra­zer de ler, não fa­çam fi­chas com per­gun­tas de­pois”, de­fen­de. “Ima­gi­ne que nos obri­ga­vam a res­pon­der a uma fi­cha com per­gun­tas so­bre

o fil­me de ca­da vez que va­mos ao ci­ne­ma. Se ca­lhar dei­xá­va­mos de ir tan­to.” An­dreia Bri­tes ga­ran­te que es­ta ne­ces­si­da­de de tra­ba­lho as­so­ci­a­da a tu­do ma­ta mes­mo ou­tros gos­tos que lhes po­di­am ser pró­xi­mos: “Se há coi­sa que po­dia en­trar mui­to bem na ro­ti­na dos ado­les­cen­tes é a po­e­sia: é cur­ta, rá­pi­da, es­tá pró­xi­ma da com­po­si­ção mu­si­cal e fa­la de coi­sas que nor­mal­men­te lhes são pró­xi­mas. Aca­ba por não lhes in­te­res­sar por­que vem sem­pre acom­pa­nha­da de um pe­di­do de in­ter­pre­ta­ção do que foi li­do”. Mas se­rá que va­le a pe­na “obri­gá-los” a pe­gar num li­vro uns mi­nu­tos por dia? “A mai­o­ria dos miú­dos não lê em ca­sa por­que os pais tam­bém não le­em”, con­si­de­ra An­dreia Bri­tes. O exem­plo não é tu­do mas é mui­to, por is­so a me­di­a­do­ra

en­ten­de que pe­dir-lhes pa­ra le­rem 15 ou 20 mi­nu­tos, mes­mo meio con­tra­ri­a­dos, não é ne­ces­sa­ri­a­men­te mau se (e es­te (“se” é de gran­de im­por­tân­cia) os pais se sen­ta­rem ao la­do de­les a fa­zer o mes­mo. Ou se­ja, “cri­ar am­bi­en­tes pro­pí­ci­os à lei­tu­ra, não só dei­xá-los so­zi­nhos e em si­lên­cio. Às ve­zes é um am­bi­en­te afe­ti­vo: por­que é que os miú­dos gos­tam tan­to que lhes lei­am his­tó­ri­as em pe­que­nos?”.

O cé­re­bro dos na­ti­vos di­gi­tais

Sa­ber ler e gos­tar de ler são du­as coi­sas mui­to di­fe­ren­tes. Apren­der a ler, ho­je, já qua­se to­da gen­te apren­de mas, ape­sar dis­so, pou­cos apren­dem a gos­tar de ler. Te­re­sa Sil­vei­ra ga­ran­te que a apren­di­za­gem des­se gos­to pas­sa por dois fa­to­res es­sen­ci­ais: es­ti­mu­lar-lhes a cu­ri­o­si­da­de, mos­tran­do até on­de aque­le con­jun­to de sím­bo­los po­de trans­por­tar qu­em os des­co­di­fi­ca; e tra­ba­lhar a aten­ção se­le­ti­va, por­que sem ela é im­pos­sí­vel o ti­po de con­cen­tra­ção exi­gi­da pe­la lei­tu­ra.

As no­vas tec­no­lo­gi­as acres­cen­ta­ram di­fi­cul­da­des à ca­pa­ci­da­de de fo­co dos na­ti­vos di­gi­tais. Fran­cis­co Fer­rei­ra é uma ex­ce­ção: fi­ca com um ar sur­pre­en­di­do qu­an­do ques­ti­o­na­do so­bre se não se dei-

xa dis­trair pe­lo te­le­mó­vel qu­an­do es­tá a ler, co­mo tan­tas ve­zes acon­te­ce não só a ado­les­cen­tes co­mo a adul­tos. “Qu­an­do estou a ler, não estou com te­le­mó­vel; não é pos­sí­vel es­tar a fa­zer as du­as coi­sas ao mes­mo tem­po”, sus­ten­ta.

Não é pos­sí­vel mas é o que mui­ta gen­te faz. E é por is­so que, pa­ra Te­re­sa Sil­vei­ra, a per­gun­ta es­sen­ci­al não é “o que se lê” mas an­tes “co­mo se lê”. “Es­ta­mos a fi­car ‘lei­to­res-bor­bo­le­ta’: le­mos um pa­rá­gra­fo e in­ter­rom­pe­mos, le­mos ou­tro e va­mos ver o te­le­mó­vel. Sem­pre que há uma in­ter­rup­ção, o cé­re­bro tem de fa­zer um es­for­ço pa­ra re­to­mar o sen­ti­do do tex­to, aca­ba por per­der o fio à me­a­da e, con­se­quen­te­men­te, o in­te­res­se.” Mas, cla­ro, a lei­tu­ra não se po­de re­du­zir aos li­vros em pa­pel. A In­ter­net é um mun­do que per­mi­te aces­so a mui­tas pa­la­vras. A ques­tão é sa­ber se os jo­vens usam es­sa po­ten­ci­a­li­da­de. O es­tu­do “La­zer, Em­pre­go, Mo­bi­li­da­de e Po­lí­ti­ca”, pu­bli­ca­do em 2015, diz que não.

Ape­sar de 86,9% dos jo­vens en­tre os 15 e os 24 anos ace­de­rem à net to­dos os di­as, usam-na so­bre­tu­do pa­ra con­sul­tar as re­des so­ci­ais, con­ver­sar em tem­po re­al, pro­cu­rar in­for­ma­ções re­la­ci­o­na­das com even­tos, pro­du­tos e ser­vi­ços, ver ví­de­os e ou­vir mú­si­ca. Ape­nas 34,2% dos jo­vens por­tu­gue­ses, por exem­plo, ace­de a ar­ti­gos de jor­nais. E ain­da que lei­am al­gu­ma coi­sa, são ge­ral­men­te tex­tos com ca­rac­te­rís­ti­cas que agra­vam o pro­ble­ma. “As tec­no­lo­gi­as di­gi­tais fa­zem com que os alunos lei­am tex­tos ge­ral­men­te mais cur­tos, mais con­ci­sos, mais re­su­mi­dos, me­nos ri­cos gra­ma­ti­cal­men­te, se­man­ti­ca­men­te e lin­guis­ti­ca­men­te”, opi­na Re­na­to Pai­va. “Es­se há­bi­to de ler tex­tos pe­que­nos faz com que olhem pa­ra os li­vros mais den­sos co­mo uma se­ca des­co­mu­nal de 300 pá­gi­nas es­tá­ti­cas, a mai­o­ria de­les sem uma ima­gem.” E sem me­no­ri­zar es­tas lei­tu­ras mais rá­pi­das, é pre­ci­so con­si­de­rar que o lei­tor li­te­rá­rio tem uma re­la­ção com o mun­do de mai­or li­ber­da­de, acres­cen­ta An­dreia Bri­tes. “Por­que con­se­gue des­co­di­fi­cá-lo com mais fa­ci­li­da­de, pen­sar so­bre ele e ter sen­ti­do crí­ti­co. E is­so, ho­je, é qua­se uma ur­gên­cia so­ci­al.” ●m

M Ma­nu­el Mou­ti­nho tem 17 anos e pre­fe­re ler sem a pres­são e obri­ga­to­ri­e­da­de as­so­ci­a­das aos tra­ba­lhos es­co­la­res

M Te­re­sa Cal­ça­da, Co­mis­sá­ria do Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Lei­tu­ra (PNL2027): “Há mui­tas lei­tu­ras a fa­zer por obri­ga­ção e pou­co in­ves­ti­men­to na pro­mo­ção da lei­tu­ra por pra­zer” PAU­LO SPRAN­GER/GLO­BAL IMA­GENS

M Fran­cis­co Fer­rei­ra, 15 anos: “Qu­an­do estou a ler, não estou com te­le­mó­vel. Não é pos­sí­vel es­tar a fa­zer as du­as coi­sas ao mes­mo tem­po” ÁL­VA­RO ISIDORO/GLO­BAL IMA­GENS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.