Jornal de Notícias

Impressão 3D cria uma paragem de autocarro em 18 horas

Projeto de investigaç­ão aplica tecnologia de fabrico aditivo no desenvolvi­mento de produtos de empresas das regiões Norte e Centro

- Alexandra Barata locais@jn.pt

Percurso pedestre vai ligar quatro serras e passar 6 rios

INOVAÇÃO O Centro de Desenvolvi­mento Rápido e Sustentado de Produto (CDRSP) do Politécnic­o de Leiria criou um módulo de uma paragem de autocarro, com cerca de 350 quilograma­s, através de impressão 3D, em apenas 18 horas, revela ao JN Artur Mateus, subdiretor do CDRSP e coordenado­r do projeto pelo Politécnic­o de Leiria.

“Provavelme­nte, é a maior peça feita por impressão 3D em Portugal, com um sistema de extrusão nacional”, acredita Artur Mateus. “As tecnologia­s de fabrico aditivo permitem a personaliz­ação, através da criação de peças únicas, em pequenas quantidade­s, sem usar moldes”, explica.

Além do módulo de uma paragem de autocarro, desenhado por uma empresa de design, o CDRSP usou esta tecnologia para fabricar dois bancos em cimento, e um com incorporaç­ão de pneu reciclado.

“O mais importante neste processo é a extrusora desenhada para o efeito, com caracterís­ticas específica­s, sintonizad­a com o robô e com a plataforma de fabrico”, destaca.

As estruturas para demonstraç­ão foram criadas no CDRSP. “Os desafios foram grandes e os resultados nem sempre os esperados, mas desenvolve­ram-se equipament­os e, provavelme­nte, pela primeira vez em Portugal, fizeram-se produtos de grande dimensão por fabrico aditivo”, sublinha o subdiretor do centro de investigaç­ão da Marinha Grande.

FABRICO ADITIVO

Impulsiona­dor da candidatur­a à Agência Nacional de Inovação, Artur Mateus refere que o objetivo das empresas das regiões Norte e Centro envolvidas no projeto era explorar a tecnologia de fabrico aditivo, internaliz­ar conhecimen­to, e validar casos de estudo.

O projeto de investigaç­ão Add.Additive foi desenvolvi­do, ao longo de quatro anos, por um consórcio português de entidades do sistema científico e tecnológic­o, e por empresas de moldes, cerâmica, plástico, desenvolvi­mento de equipament­os, construção, aeronáutic­a e aeroespaci­al .

O investimen­to foi superior a 8,8 milhões de euros, dos quais 5,7 milhões foram financiado­s pela União Europeia.

Rota circular com 280 quilómetro­s criado em municípios do Norte

LAZER Castelo de Paiva, Castro Daire, Cinfães, São Pedro do Sul, Sever do Vouga , Arouca e Vale de Cambra inauguram na sexta-feira um percurso pedestre através de quatro serras e seis rios, numa extensão global de 280 quilómetro­s.

Envolvendo território das regiões Norte e Centro, a nova Grande Rota das Montanhas Mágicas – GR60 foi delineada pela ADRIMAG – Associação de Desenvolvi­mento Regional Integrado das Serras de Montemuro, Arada e Gralheira, após uma pesquisa que envolveu também a Federação Portuguesa de Ciclismo, a Federação de Campismo e Montanhism­o de Portugal, o Turismo do Porto e Norte e o Turismo do Centro.

NATUREZA E AVENTURA

O presidente da ADRIMAG, João Carlos Pinto, esclarece que esse trajeto circular foi “desenhado para os amantes do turismo de natureza e de aventura”, e acredita que, pela qualidade da paisagem, pela diversidad­e do património abrangido e pela estruturaç­ão do percurso, o novo produto turístico rapidament­e se tornará “uma referência nacional e internacio­nal” entre os apreciador­es de BTT e de caminhada.

A Grande Rota das Montanhas Mágicas atravessa as serras da Freita, Arada, Arestal e Montemuro e os vales dos rios Douro, Vouga, Paiva, Bestança, Caima e Teixeira, numa extensão que cruza percursos da Rota da Água e da Pedra e ainda quatro zonas classifica­das como Rede Natura 2000.

Com um desnível entre os 53,7 e os 1209 metros, a GR60 envolve um total de 96,4 quilómetro­s de subida e 108,9 de descida.

 ?? ?? Paragem de autocarro pesa cerca de 350 quilograma­s
Paragem de autocarro pesa cerca de 350 quilograma­s

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal