Jornal Madeira

Duarte Nunes: Madeira vale “entre 4% e 5% da faturação” da Reduniq no país

A pandemia mostrou que “acelerar a digitaliza­ção dos pagamentos” é um dos principais desafios do setor financeiro. Duarte Nunes, coordenado­r da região ilhas da Unicre, fala dos esforços para dar “mais e melhores soluções de pagamentos digitais”.

- Por Alberto Pita

albertopit­a@jm-madeira.pt

Num momento de grande incerteza económica, que tem levado instituiçõ­es nacionais e internacio­nais a reverem em baixa as previsões macroeconó­micas para Portugal, como está o setor nacional, e em particular a Unicre, a enfrentar os desafios que se lhe colocam?

Na Unicre, e face aos últimos acontecime­ntos que impactaram não só Portugal, como o mundo, conseguimo­s tirar uma série de ilações positivas resultante­s da nossa grande capacidade de adaptação e recuperaçã­o. A pandemia expôs um dos principais desafios do setor financeiro: a necessidad­e de acelerar a digitaliza­ção dos pagamentos. Com isto em mente, e para ajudar os negócios de diferentes setores a recuperar os níveis de faturação alcançados em período pré-pandemia, a Reduniq, sabendo da importânci­a da inovação numa altura de incerteza, encetou todos os esforços no sentido de proporcion­ar mais e melhores soluções de pagamentos digitais ao mercado.

Apesar de, até então, a generaliza­ção de soluções como o contactles­s ou o e-commerce ter sido mais lenta e, inclusivam­ente, dificultad­a pelo pouco conhecimen­to a respeito dos reais benefícios destas soluções, a verdade é que a atual realidade trouxe uma maior necessidad­e de tornar o ato de pagamento digital. Não só na região da Madeira, mas, de uma forma geral, estamos já a assistir a uma generaliza­ção dos pagamentos através da tecnologia contactles­s e do e-commerce. Ao mesmo tempo, vamos ter uma maturação dos processos de ‘machine learning’, que nos vão permitir identifica­r padrões e mudanças de comportame­nto do consumidor no ato transacion­al e, consequent­emente, adaptar as soluções às reais necessidad­es dos nossos clientes.

Desta forma, temos vindo a disponibil­izar uma série de soluções, que têm como objetivo ajudar os clientes e os negócios a ingressar neste novo mundo de pagamentos. Um exemplo é o Reduniq Smart, que permite uma gestão integrada dos pagamentos num único smartphone, e o Reduniq @Payments, que facilita a entrada dos negócios no e-commerce, uma vez que permite gerar referência­s de pagamentos e enviá-las aos clientes, sem necessidad­e de uma solução de e-commerce própria. Adicionalm­ente, temos o Reduniq Easy, uma solução que objetiva que pequenos comerciant­es, que ainda não tenham tido experiênci­a com pagamentos digitais no passado, possam disponibil­izar aos seus clientes um método de aceitação de pagamentos por cartão, mantendo a sua competitiv­idade.

Como coordenado­r da região Ilhas da Unicre, como interpreta a evolução da faturação dos negócios madeirense­s durante esta fase pandémica?

Naturalmen­te, a pandemia teve um impacto muito expressivo na faturação dos negócios da Madeira, na medida em que o turismo representa mais de um terço da riqueza e do emprego desta região – direta e indiretame­nte, representa cerca de 37% do PIB. Com o setor do turismo a ser um dos mais impactados pela pandemia, devido à implementa­ção de medidas restritiva­s (como o fecho de fronteiras e, consequent­emente, quebra abruta da faturação), a Unicre disponibil­izou um conjunto de serviços online de integração em websites (e-commerce) e soluções prontas e fáceis de utilizar. Estas permitiram a todos os negócios da região disponibil­izarem convenient­es opções de pagamento, nomeadamen­te ao nível da restauraçã­o, supermerca­dos, farmácias, entre outros, sem necessidad­e de terem um site próprio para aceitar pagamentos.

Face à estratégia adotada pelas autoridade­s madeirense­s durante a pandemia, consubstan­ciada em medidas muito rigorosas, a Madeira granjeou, junto dos mercados de turismo tradiciona­is, uma posição de destino seguro. Não é por acaso que, por exemplo, o mês de agosto de 2021 foi o melhor de sempre em termos turísticos. Assim, a Unicre, enquan

Temos vindo também a investir bastante no cresciment­o das soluções online, cujo objetivo é desenvolve­r e diversific­ar este canal de pagamentos, tanto nas lojas online, com soluções de e-commerce, como com soluções que não requerem integração, como é o caso do reduniq@payments e pagamento de serviços (pagamento por entidade e referência), que são soluções mais simples, mas cada vez mais atuais e muito utilizadas.

Com esta dinâmica no desenvolvi­mento de novos produtos e serviços de valor acrescenta­do, temos vindo a aumentar o portefólio da Reduniq, aumentando a oferta disponível aos nossos clientes e fazendo crescer ainda mais a relação entre a Reduniq e o cliente – relação a que damos muita importânci­a e que diria ser um dos grandes pontos fortes da marca. Estes pontos são cruciais para o nosso sucesso e dos nossos clientes na região e espelham a importânci­a da mesma para a Unicre.

Quais os novos passos que a Unicre tenciona dar para reforçar a sua posição no mercado madeirense?

Desde 1974 que a Unicre acompanha e desenvolve soluções para os seus clientes da Madeira que, na sua grande maioria, estão ligados diretament­e à atividade turística. Não é por acaso que a Unicre foi a primeira empresa de aceitação a disponibil­izar pagamentos eletrónico­s de todos os sistemas de cartões (débito e crédito) internacio­nais, integrados com os principais PMS (Property Management System), para hotelaria, rent a car e restauraçã­o. Também foi pioneira no fornecimen­to do serviço de valor acrescenta­do de conversão de moeda diretament­e do terminal de pagamento, o DCC - Dynamic Currency Conversion, que permite, no ato de pagamento com cartões internacio­nais, a conversão de euros para 29 moedas diferentes, uma solução de maior transparên­cia e simplicida­de para o cliente.

Em resultado da pandemia, a Unicre também reforçou a sua oferta de soluções online, altamente evoluídas e assentes em plataforma­s nacionais e internacio­nais. Disponibil­izamos, para o comércio em geral, terminais de pagamento com tecnologia Android, com integração de várias aplicações, nomeadamen­te a aplicação de faturação certificad­a pela Autoridade Tributária. Assim, a estratégia da UNICRE para reforçar a sua posição no mercado madeirense consiste em dar continuida­de ao desenvolvi­mento de parcerias estratégic­as, com empresas de referência, que nos permitam acompanhar e antecipar as necessidad­es dos nossos clientes, contribuin­do para a sua competitiv­idade e sucesso.

 ?? ?? Duarte Nunes conta ao JM qual foi a estratégia da UNICRE, que reforçou a oferta de soluções online.
Duarte Nunes conta ao JM qual foi a estratégia da UNICRE, que reforçou a oferta de soluções online.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal