AO VO­LAN­TE DO FU­TU­RO

Uma no­va ge­ra­ção de MU­LHE­RES SAU­DI­TAS po­de tra­ba­lhar, di­ver­tir-se e, ago­ra, até con­du­zir. Mas se­rá es­ta li­ber­da­de re­cém-des­co­ber­ta tu­do o que pa­re­ce?

Máxima - - Contents - Por Loui­se Cal­laghan

Há si­nais de uma no­va li­ber­da­de pa­ra as mu­lhe­res na Ará­bia Sau­di­ta, que re­cen­te­men­te con­quis­ta­ram o di­rei­to a con­du­zir. O que é que ain­da fal­ta mu­dar?

DES­DE QUE ATIN­GIU A PU­BER­DA­DE, e mui­tas ve­zes an­tes dis­so, que os ho­mens sem­pre dis­se­ram a Naj­laa o que fa­zer. Os ir­mãos, o pai e os dois ma­ri­dos su­ces­si­vos de­ci­di­ram o que era me­lhor pa­ra ela. Man­da­ram-na co­brir o ros­to com o niqab, um pa­no de chif­fon ne­gro com uma fi­ta pa­ra co­brir a tes­ta e dois fi­os pa­ra o atar atrás da ca­be­ça. Quan­do que­ria vi­a­jar, di­zi­am-lhe que sim ou que não e acom­pa­nha­vam-na pa­ra o ca­so de acon­te­cer qual­quer coi­sa. Um dia, na pas­sa­da Pri­ma­ve­ra, ela de­ci­diu que as coi­sas iri­am ser di­fe­ren­tes. Aos 39 anos, iria sair à rua e mos­trar o seu ros­to em pú­bli­co.

Tu­do co­me­çou com a fi­lha Ra­ma. Ra­ma tem 14 anos e, nes­se dia, ti­nha ves­ti­da uma T-shirt com o no­me da re­vis­ta ca­li­for­ni­a­na de ska­te­bo­ar­ding Th­rasher, im­pres­so com le­tras bem gran­des, ver­me­lhas e cor de la­ran­ja. O ca­be­lo che­ga­va-lhe às an­cas em on­das fri­sa­das so­bre a sua abaya (um ca­sa­co com­pri­do e lar­go usa­do pe­las mu­lhe­res sau­di­tas) be­ge, que es­ta­va aber­ta. Os seus ócu­los ti­nham ar­ma­ções cir­cu­la­res em me­tal. Ra­ma dis­se à mãe que que­ria ir à Co­mic Con, um fes­ti­val on­de as pes­so­as se mas­ca­ram de per­so­na­gens da ban­da de­se­nha­da ou de li­vros de fan­ta­sia, que iria ocor­rer na ci­da­de de Ji­dá, um aflo­ra­men­to cin­ti­lan­te na re­gião de He­jaz, on­de o Mar Ver­me­lho se en­con­tra com o de­ser­to. Iri­am so­zi­nhas, sem acom­pa­nhan­tes mas­cu­li­nos. Ra­ma dis­se­ra-lhe que ha­via uma sec­ção re­ser­va­da a mu­lhe­res. Ha­via, de fac­to, mas elas não fi­ca­ram lá. Fo­ram pa­ra a zo­na mis­ta, aguar­dan­do pa­ci­en­te­men­te em fi­las pa­ra can­tar ka­ra­o­ke. À sua vol­ta, pas­se­a­vam ra­pa­ri­gas ves­ti­das de Har­ry Pot­ter (“o man­to é a úni­ca coi­sa que fun­ci­o­na co­mo abaya, em ter­mos de ves­tuá­rio”, dis­se uma) e vá­ri­as ex­tra­ter­res­tres. Al­gu­mas ti­nham ma­qui­lha­gem es­bor­ra­ta­da no ros­to, pois os guar­das ti­nham-lhes pe­di­do que a re­mo­ves­sem. Es­ta­vam to­das a di­ver­tir-se imen­so. Ra­pa­ri­gas guin­cha­vam en­quan­to pas­sa­vam a cor­rer pe­las ban­cas, agar­ran­do-se umas às ou­tras e sor­rin­do pa­ra os ra­pa­zes que usa­vam más­ca­ras de Hal­lowe­en co­ber­tas de san­gue. Mú­si­ca to­ca­va. Ho­mens e mu­lhe­res ca­mi­nha­vam la­do a la­do, co­men­do ge­la­dos. Naj­laa sor­ria. Tam­bém es­ta­va mui­to ner­vo­sa. Ves­tin­do uma abaya ne­gra com­pri­da e um len­ço ne­gro na ca­be­ça, sen­tia-se nua sem o seu niqab. “Ela fez-me vir cá sem ele”, dis­se Naj­laa, ace­nan­do com a ca­be­ça na di­rec­ção de Ra­ma, e le­van­do no­va­men­te a mão à bo­ca. “Es­tão to­dos a olhar pa­ra mim? Eu acho que es­tão to­dos a olhar pa­ra mim.” “Es­tá tu­do bem”, dis­se Ra­ma, sor­rin­do. “Nin­guém es­tá a olhar pa­ra ti.” E Naj­laa su­biu pa­ra o pal­co do ka­ra­o­ke.

O ABIS­MO QUE SE­PA­RA NAJ­LAA E RA­MA é o abis­mo que se­pa­ra o pre­sen­te e o fu­tu­ro na Ará­bia Sau­di­ta. Ain­da há pou­cos anos, a me­ra ideia de uma mu­lher poder an­dar na rua sem os seus pa­ren­tes do se­xo mas­cu­li­no, com o ros­to e a ca­be­ça des­co­ber­tos, ves­ti­da de fei­ti­cei­ro (a ma­gia é ile­gal), ou­vin­do mú­si­ca, há mui­to con­si­de­ra­da ha­ram (proi­bi­da), e so­bre­tu­do can­tan­do em pú­bli­co na Ará­bia Sau­di­ta te­ria si­do con­si­de­ra­da ri­dí­cu­la – tal co­mo su­ge­rir que o rei­no es­ta­va pres­tes a abrir uma su­cur­sal da Wethers­po­ons [ca­deia de pubs]. Du­ran­te gran­de par­te do sé­cu­lo pas­sa­do, a Ará­bia Sau­di­ta tem si­do um dos paí­ses mais iso­la­dos do mun­do. Ob­ses­si­va­men­te vi­ra­do pa­ra den­tro e fa­bu­lo­sa­men­te ri­co, os seus di­ri­gen­tes im­pu­se­ram uma in­ter­pre­ta­ção ex­tre­ma­men­te ri­go­ro­sa do Is­lão que obri­ga à re­pres­são e se­gre­ga­ção das mu­lhe­res. To­das as mu­lhe­res, te­nham cin­co ou 50 anos, se­jam es­tu­dan­tes ou mé­di­cas, têm um guar­dião que po­de im­pe­di-las de vi­a­jar pa­ra o es­tran­gei­ro ou de re­ce­ber de­ter­mi­na­dos ti­pos de tra­ta­men­to clí­ni­co. To­das as mu­lhe­res usam a abaya, mui­tas usam o niqab e a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria, ex­cep­to al­gu­mas re­bel­des, co­brem o ca­be­lo. As re­gras fo­ram ali­gei­ra­das nos úl­ti­mos anos: sob o go­ver­no do rei Ab­dul­lah, que mor­reu em 2015, as mu­lhe­res co­me­ça­ram a tra­ba­lhar em lo­jas de lin­ge­rie e as leis de gu­ar­da tor­na­ram-se gra­du­al­men­te mais des­con­traí­das. Des­de o Ve­rão pas­sa­do, po­rém, a mu­dan­ça tem ocor­ri­do a um rit­mo nun­ca an­tes vis­to no rei­no, de uma for­ma que nin­guém pre­vi­ra.

Quan­do o re­ló­gio atin­giu a meia-noi­te no dia 23 de Ju­nho des­te ano, vi as lu­zes de câ­ma­ras ilu­mi­na­rem os ros­tos de mu­lhe­res re­lu­zen­tes de fe­li­ci­da­de en­quan­to se sen­ta­vam atrás do vo­lan­te dos seus veí­cu­los 4x4 e ini­ci­a­vam len­ta­men­te a mar­cha. As fi­lhas e ami­gos aplau­di­am en­quan­to elas con­du­zi­am pe­la noi­te den­tro, em Ji­dá. Uma mu­lher exi­giu um ca­fé grá­tis num res­tau­ran­te dri­ve-th­rough, com o car­ro cheio de pa­ren­tes su­as, to­das a ri­rem-se pe­ran­te a te­me­ri­da­de da si­tu­a­ção. O ho­mem que es­ta­va atrás do bal­cão ti­rou-lhes uma fo­to­gra­fia pa­ra en­vi­ar à mu­lher. Al­guns con­ser­va­do­res ti­nham pre­vis­to que pôr fim à proi­bi­ção que im­pe­dia as mu­lhe­res de con­du­zir iria cri­ar o ca­os nas es­tra­das do rei­no. Pa­re­ci­am ig­no­rar, por com­ple­to, o fac­to de as au­to-es­tra­das sau­di­tas já se­rem al­ta­men­te pe­ri­go­sas de­vi­do aos con­du­to­res in­com­pe­ten­tes do se­xo mas­cu­li­no. Em vez dis­so, tal co­mo acon­te­ce­ra em to­das as ou­tras oca­siões em que os con­ser­va­do­res afir­ma­ram que a mo­der­ni­za­ção re­sul­ta­ria num co­lap­so da so­ci­e­da­de (“Acon­te­ceu a mes­ma coi­sa com os te­le­fo­nes com câ­ma­ra”, sus­pi­rou um ami­go), cor­reu tu­do bem. Tão bem que até foi li­gei­ra­men­te abor­re­ci­do.

As mudanças de­vem-se, es­sen­ci­al­men­te, a um ho­mem: Moham­med bin Sal­man, o prín­ci­pe her­dei­ro, de 32 anos, que ini­ci­ou um pro­jec­to pa­ra re­mo­de­lar o país. O mo­nar­ca bar­ba­do ani­qui­lou a opo­si­ção, apri­si­o­nan­do cer­ca de 200 dos ci­da­dãos mais in­flu­en­tes da Ará­bia Sau­di­ta, mui­tos de­les seus pa­ren­tes, num ho­tel de lu­xo, em Ri­a­de, an­tes de ale­ga­da­men­te exi­gir so­mas ele­va­das

em tro­ca da sua li­ber­da­de. Até 2030, pro­me­teu, irá re­vi­ta­li­zar a eco­no­mia de­pen­den­te do pe­tró­leo da Ará­bia Sau­di­ta, cons­truin­do ci­da­des de al­ta tec­no­lo­gia no de­ser­to pa­ra atrair in­ves­ti­men­to e apro­vei­tan­do a ener­gia so­lar pa­ra man­ter ace­sas as lu­zes do país. Em Se­tem­bro do ano pas­sa­do, MBS, al­cu­nha pe­la qual é co­nhe­ci­do, anun­ci­ou que as mu­lhe­res se­ri­am au­to­ri­za­das a con­du­zir. Em Maio, po­rém, se­ma­nas an­tes de a proi­bi­ção ser anu­la­da, o go­ver­no or­de­nou a de­ten­ção das ac­ti­vis­tas fe­mi­ni­nas mais co­nhe­ci­das do rei­no, al­gu­mas das quais par­ti­ci­pa­vam, há dé­ca­das, em cam­pa­nhas de­fen­den­do o di­rei­to das mu­lhe­res a con­du­zir. Pa­ra os ob­ser­va­do­res aten­tos à Ará­bia Sau­di­ta, as de­ten­ções não sur­pre­en­de­ram. MBS es­cla­re­ceu, re­pe­ti­da­men­te, que não tem qual­quer de­se­jo de li­be­ra­li­zar a are­na po­lí­ti­ca sau­di­ta. Bem pe­lo con­trá­rio: com a sua su­bi­da em pro­e­mi­nên­cia, di­zem os ob­ser­va­do­res, o rei­no es­tá a per­der a go­ver­nan­ça de for­ma con­sen­su­al. As de­ci­sões que cos­tu­ma­vam ser to­ma­das após ne­go­ci­a­ções de­mo­ra­das com vá­ri­os ra­mos da fa­mí­lia são ago­ra re­sol­vi­das atra­vés de uma con­ver­sa te­le­fó­ni­ca com MBS. Um ho­mem, uma de­ci­são. Ele po­de ter-se reu­ni­do com Mark Zuc­ker­berg, aber­to sa­las de cinema e di­ta­do que as mu­lhe­res não são obri­ga­das a usar a abaya, mas a li­be­ra­li­za­ção ocor­re­rá a seu tem­po. O en­tre­te­ni­men­to e as pe­que­nas li­ber­da­des man­te­rão a po­pu­la­ção fe­liz en­quan­to os pre­ços do pe­tró­leo bai­xam, mas as de­ten­ções das ac­ti­vis­tas pe­lo di­rei­to a con­du­zir tor­na­ram bas­tan­te cla­ro que qual­quer pes­soa que es­pe­re re­sul­ta­dos das po­lí­ti­cas de opo­si­ção do go­ver­no aca­ba­rá atrás das bar­ras.

Quan­do o pai, o rei Sal­man, no­me­ou MBS prín­ci­pe her­dei­ro, em Ju­nho de 2017, a Ará­bia Sau­di­ta já es­ta­va a mu­dar. Nos úl­ti­mos anos, as ru­as de Ji­dá e, em me­nor grau, de Ri­a­de, as­sis­ti­ram a uma ex­plo­são de tons de ro­sa e azul quan­do as mu­lhe­res pen­du­ra­ram as su­as abayas pre­tas nos ca­bi­des, op­tan­do por ver­sões pas­tel. Ago­ra, mui­tas usam as abayas aber­tas, mos­tran­do sai­as com­pri­das ou cal­ças de gan­ga skinny por bai­xo. Al­guns es­tão a ti­rar os len­ços da ca­be­ça. No en­tan­to, o prín­ci­pe foi ain­da mais lon­ge. Nu­ma en­tre­vis­ta con­ce­di­da a um ca­nal de te­le­vi­são nor­te-ame­ri­ca­no, es­te ano, ele dis­se que as mu­lhe­res eram iguais aos ho­mens. Se Moham­med bin Sal­man for bem-su­ce­di­do, re­for­mu­la­rá o Mé­dio Ori­en­te. Se fra­cas­sar, to­da a re­gião fi­ca­rá de­ses­ta­bi­li­za­da. No de­cor­rer de vá­ri­as vi­si­tas que fiz ao rei­no, es­te ano, fa­lei com de­ze­nas de sau­di­tas – no­vos e ve­lhos, ho­mens e mu­lhe­res – so­bre o que irá acon­te­cer. Exis­tem mui­tas dú­vi­das e crí­ti­cas em re­la­ção às re­for­mas. Mas hou­ve uma coi­sa que se des­ta­cou aci­ma das ou­tras: es­pe­ran­ça.

O CEN­TRO CO­MER­CI­AL DE HAI­FA, em Ji­dá, é um com­ple­xo ilu­mi­na­do com cen­te­nas de me­tros de com­pri­men­to, com uma at­mos­fe­ra tão fria que con­ge­la o su­or nos nos­sos bra­ços. Tem lo­jas da Marks & Spen­cer, da New Lo­ok e da Star­bucks. As mu­lhe­res fa­zem fi­la de um la­do e os ho­mens de ou­tro pa­ra evi­tar qual­quer com­por­ta­men­to imo­ral en­quan­to sa­bo­rei­am be­bi­das. É o pon­to de en­con­tro mais po­pu­lar da zo­na, cheio de gru­pos de ra­pa­ri­gas ri­so­nhas com niqabs, ex­pe­ri­men­tan­do co­ro­as de flo­res e ti­ran­do sel­fi­es de gru­po, e ra­pa­zes a pa­vo­ne­ar-se co­mo aves­tru­zes. Mais de 70 por cen­to da po­pu­la­ção da Ará­bia Sau­di­ta tem me­nos de 30 anos e qua­se to­dos es­tão mor­tos de té­dio. Du­ran­te a mai­or par­te do ano, es­tá de­ma­si­a­do ca­lor pa­ra se pas­sar mui­to tem­po na rua. Até es­te ano, não ha­via ci­ne­mas. Pra­ti­ca-se se­gre­ga­ção de gé­ne­ro nos ca­fés e nos res­tau­ran­tes. Lo­gis­ti­ca­men­te, é mui­to di­fí­cil co­nhe­cer pes­so­as do se­xo opos­to. Pe­ran­te a au­sên­cia de par­ques, de con­cer­tos ou de clubes, vão pa­ra os cen­tros co­mer­ci­ais: há sem­pre um pre­tex­to pa­ra lá ir e evi­ta-se o ca­lor. Ao pas­se­a­rem pe­lo cen­tro co­mer­ci­al de Hai­fa, os ra­pa­zes e as ra­pa­ri­gas sor­ri­em uns aos ou­tros e, por ve­zes, pa­ram pa­ra tro­car números de te­le­fo­ne ou per­fis de Fa­ce­bo­ok. Ou­tros re­cor­rem a abor­da­gens mais cri­a­ti­vas. “Eu ti­nha um ami­go que se tor­nou mo­to­ris­ta da Uber pa­ra poder co­nhe­cer ra­pa­ri­gas”, dis­se-me um re­pre­sen­tan­te de Re­la­ções Pú­bli­cas com vin­te e tal anos. “Uma vez, ele es­ta­va a con­ver­sar com uma pas­sa­gei­ra e ela per­gun­tou-lhe: ‘Qu­e­res ir cur­tir pa­ra qual­quer la­do fo­ra da ci­da­de?’ E fo­ram.” Aci­ma de tu­do, po­rém, os jo­vens sau­di­tas vi­vem on­li­ne. A In­ter­net mu­dou as su­as vi­das pa­ra além do que é pos­sí­vel ima­gi­nar. Nos seus te­le­fo­nes, con­ver­sam até al­tas ho­ras da noi­te, co­mo qual­quer ou­tro ado­les­cen­te. Des­co­brem as ten­dên­ci­as de mo­da, as ban­das mu­si­cais e os fil­mes ao mes­mo tem­po que o res­to do mun­do. E o mais im­por­tan­te de tu­do: po­dem ser eles pró­pri­os. “Eu não sei o que fa­zia an­tes de ter um te­le­fo­ne com In­ter­net”, dis­se-me uma alu­na de mes­tra­do, com 27 anos. “Eu fi­ca­va sen­ta­da num sí­tio com ar con­di­ci­o­na­do e co­mia. Era ba­si­ca­men­te is­so. Não ti­nha ami­gos ho­mens. Não sa­bia na­da. Era tão es­tu­pi­da­men­te abor­re­ci­do.”

On­li­ne, al­gu­mas ra­pa­ri­gas que co­brem o ros­to em pú­bli­co par­ti­lham fo­to­gra­fi­as su­as ves­tin­do cal­ções e T-shirts. Ex­pe­ri­men­tam téc­ni­cas so­fis­ti­ca­das de con­tou­ring com

ma­qui­lha­gem que apren­de­ram em tu­to­rais do You­tu­be e cri­am ál­buns in­tei­ros de sel­fi­es. O seu ca­be­lo é com­pri­do co­mo o das prin­ce­sas da Dis­ney. Nem aque­las que per­ma­ne­ce­ram co­ber­tas re­sis­tem aos en­can­tos das re­des so­ci­ais. Al­gu­mas pu­bli­cam fo­to­gra­fi­as com o ros­to com­ple­ta­men­te obs­cu­re­ci­do com um emo­ji so­bre­pos­to. Pa­ra es­tas pes­so­as, as mudanças in­tro­du­zi­das por MBS sal­va­ram-lhes a vi­da. Pe­lo me­nos, pu­de­ram co­me­çar a ir ao cinema, on­de exis­te opor­tu­ni­da­de pa­ra mis­tu­ras de gé­ne­ro fur­ti­vas, nas úl­ti­mas fi­las. Aci­ma de tu­do, po­dem con­vi­ver em pú­bli­co sem te­mer a po­lí­cia re­li­gi­o­sa que cos­tu­ma­va man­dar dis­per­sar gru­pos de ho­mens e de mu­lhe­res sol­tei­ros, e, por ve­zes, até se­pa­rar os ca­sais que ca­mi­nha­vam jun­tos na rua, in­ter­ro­gan­do-os in­di­vi­du­al­men­te so­bre on­de se ti­nham co­nhe­ci­do, quan­do se ti­nham ca­sa­do e qual era a cor dos seus len­çóis. Des­de Abril de 2016, quan­do MBS lhes re­ti­rou o poder pa­ra de­ter pes­so­as, os agen­tes po­li­ci­ais têm-se re­sig­na­do a an­dar pe­las ci­da­des, man­dan­do oca­si­o­nal­men­te uma mu­lher co­brir o ca­be­lo. Fre­quen­te­men­te, são ig­no­ra­dos. No en­tan­to, por mais ri­go­ro­sas que as leis per­ma­ne­çam, os jo­vens en­con­tram sem­pre uma ma­nei­ra de as con­tor­nar. En­quan­to a mú­si­ca de rit­mo la­ti­no to­ca no sis­te­ma de som, Ah­med, de 26 anos, dá mais um go­lo no seu vi­nho de tâ­ma­ra ca­sei­ro. Es­ta sa­la, no apar­ta­men­to de um ami­go, é usa­da por ele e pe­los seus com­pa­nhei­ros pa­ra dar fes­tas. Uma bo­la de es­pe­lhos sal­pi­ca­va de luz os sa­cos de ba­ta­tas fri­tas, a te­le­vi­são de ecrã pla­no e a gar­ra­fa de vi­nho so­li­tá­ria. “Exis­te tan­ta von­ta­de de ir a fes­tas”, dis­se Ah­med. “As pes­so­as vão a fes­tas du­ran­te o dia pa­ra as fa­mí­li­as não re­pa­ra­rem. Cos­tu­ma­mos aca­bar por vol­ta das 11 ho­ras. É pouquís­si­mo tem­po quan­do es­ta­mos a ten­tar co­nhe­cer ra­pa­ri­gas.” A sa­la é com­ple­ta­men­te à pro­va de som pa­ra os vi­zi­nhos não se quei­xa­rem. Pa­ra Ah­med e os ami­gos, a mai­o­ria dos quais es­tu­dou nos EUA com bol­sas de es­tu­do do go­ver­no sau­di­ta, ir a fes­tas é uma for­ma de ali­vi­ar o té­dio do re­gres­so a ca­sa. Mas co­nhe­cer ra­pa­ri­gas ain­da po­de ser di­fí­cil. Por mais li­be­rais que mui­tos jo­vens sau­di­tas se­jam, as ve­lhas con­ven­ções so­ci­ais ain­da con­ser­vam a sua for­ça. “Nos EUA há re­gras, sa­bes? Ti­po, se co­nhe­ce­res uma ra­pa­ri­ga e gos­ta­res de­la, tal­vez dur­mas com ela e nun­ca mais vol­tes a vê-la ou tal­vez ve­nha a ser tua na­mo­ra­da”, dis­se Ah­med, ba­ten­do, ao de le­ve, com o pé no chão ao rit­mo da mú­si­ca. “Aqui há tan­ta ver­go­nha. As pes­so­as não sa­bem o que que­rem. Se dor­mi­res com uma miú­da, ela po­de nun­ca mais te fa­lar só por­que tem ver­go­nha.”

Na Ará­bia Sau­di­ta, a re­pu­ta­ção é im­por­tan­te. A ma­nei­ra co­mo as pes­so­as fa­lam so­bre ra­pa­ri­gas que fi­ze­ram coi­sas “ver­go­nho­sas”, co­mo fa­lar com um ra­paz que não é seu pa­ren­te, faz-me lem­brar a mi­nha avó bri­tâ­ni­ca. Pa­ra ela, a vir­tu­de era al­go a man­ter e as “me­ni­nas co­mo de­ve ser” eram pu­di­cas e fa­la­vam bai­xo e de­li­ca­da­men­te. O niqab é a der­ra­dei­ra ite­ra­ção des­ta ati­tu­de. Pa­ra mui­tas fa­mí­li­as sau­di­tas, co­brir o ros­to é con­si­de­ra­do uma for­ma de evi­tar a ver­go­nha e pre­ser­var a re­pu­ta­ção, e não um me­ro sinal de pi­e­da­de re­li­gi­o­sa. O mes­mo se apli­ca aos ma­ri­dos que que­rem man­ter a “in­te­gri­da­de” da fa­mí­lia pe­din­do às mu­lhe­res que cu­bram o ros­to.

Nem sem­pre foi as­sim. Al­guns He­ja­zis, que eram go­ver­na­dos pe­lo im­pé­rio oto­ma­no até à Re­vol­ta Ára­be, ocor­ri­da na Pri­mei­ra Guer­ra Mun­di­al, gos­tam de afir­mar que o niqab é ori­gi­ná­rio de Najd, a re­gião cen­tral da Ará­bia Sau­di­ta, o lar e se­de de poder da fa­mí­lia al-saud. No en­tan­to, du­ran­te o seu go­ver­no, uma nor­ma so­bre ves­tuá­rio que fo­ra em tem­pos re­ser­va­do à cul­tu­ra be­duí­na ul­tra-ri­go­ro­sa ge­ne­ra­li­zou-se pe­lo Gol­fo e gran­de par­te do mun­do. Con­ver­sei com mais de 30 mu­lhe­res, em Ri­a­de e em Ji­dá, em zo­nas ri­cas e po­bres, so­bre as ra­zões pe­las quais usa­vam o niqab. Três dis­se­ram-me que era por cau­sa da sua re­li­gião – em­bo­ra, evi­den­te­men­te, a re­ac­ção pu­des­se ser di­fe­ren­te se eu ti­ves­se fa­la­do com mu­lhe­res que vi­ves­sem em al­dei­as. A gran­de mai­o­ria dis­se a mes­ma coi­sa: por­que os ir­mãos (ou o pai) as man­da­ram.

NU­MA NOI­TE HÚ­MI­DA EM JI­DÁ, na Pri­ma­ve­ra pas­sa­da, Hai­fa, de 25 anos, e as ami­gas es­ta­vam a ca­mi­nhar no pas­seio jun­to à cos­ta. Ti­nham vin­do até à ci­da­de pa­ra um ca­sa­men­to e sa­bi­am que os ir­mãos só as dei­xa­ri­am dar uma vol­ta pa­ra co­nhe­cer a ci­da­de se usas­sem o niqab. Ten­do em con­ta as cir­cuns­tân­ci­as, fi­ze­ram o que po­di­am com aqui­lo que ti­nham. Os olhos de Hai­fa es­ta­vam for­te­men­te de­li­ne­a­dos com eye­li­ner. To­das as ami­gas ti­nham lan­te­jou­las sub­til­men­te co­zi­das às bai­nhas das su­as abayas.

Du­ran­te al­guns di­as, em Ri­a­de e Ji­dá, usei um niqab. Não foi tão mau co­mo is­so. Quan­do olha­mos pa­ra as pes­so­as que o usam, elas pa­re­cem mar­gi­na­li­za­das. Con­tu­do, quan­do es­ta­mos a usá-lo, sen­ti­mo-nos pro­te­gi­das. As pes­so­as não olham pa­ra nós. Ain­da ali es­ta­mos, mas es­ta­mos a es­con­der al­go do res­to do mun­do. Nes­se sen­ti­do, eu com­pre­en­do que uma mu­lher se pos­sa sen­tir po­de­ro­sa. No­ra, de 34 anos, usou es­se poder pa­ra ga­nhar um pou­co mais de li­ber­da­de. De­pois de ter vi­vi­do no Ca­na­dá, on­de usa­va um len­ço na ca­be­ça e cal­ças de gan­ga, mu­dou-se de vol­ta pa­ra a Ará­bia Sau­di­ta. Que­ria tra­ba­lhar, mas es­ta­va pre­o­cu­pa­da com o fa­la­tó­rio en­tre as pes­so­as da sua co­mu­ni­da­de e com o as­sé­dio mas­cu­li­no. “Eu só uso o niqab no tra­ba­lho”, dis­se, en­quan­to ar­ru­ma­va o bal­cão de ma­qui­lha­gem de on­de es­ta­va a dar for­ma­ção às fun­ci­o­ná­ri­as. “Nin­guém sa­be quem eu sou, nin­guém po­de di­zer na­da e nin­guém ten­ta in­co­mo­dar-me.” Ou­tra ami­ga dis­se-me que só usa o niqab quan­do vai às com­pras so­zi­nha e pa­ra evi­tar os pa­ren­tes do ma­ri­do. “Po­de­mos pas­sar mes­mo à fren­te de­les e eles não fa­zem ideia”, dis­se, rin­do-se. Com ou sem niqabs, é nos cen­tros co­mer­ci­ais e nos edi­fí­ci­os de es­cri­tó­ri­os do rei­no que re­si­dem as me­lho­res es­pe­ran­ças pa­ra as mu­lhe­res sau­di­tas. Quan­do o país ti­nha uma ri­que­za in­co­men­su­rá­vel em pe­tró­leo ha­via

Se o pai ou ir­mão fo­rem bo­as pes­so­as, dei­xam-nas fa­zer o que qui­se­rem. Mas se não fo­rem, po­dem fa­zer-lhes a vi­da num in­fer­no, sem re­per­cus­sões.

pou­cas ra­zões pa­ra as mu­lhe­res tra­ba­lha­rem. Con­tu­do, em

2015, quan­do o pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo des­ceu pa­ra 50 dó­la­res o bar­ril, quan­do os sau­di­tas ti­nham pre­vis­to que se man­te­ria a 100 dó­la­res, os di­ri­gen­tes do rei­no co­me­ça­ram a per­ce­ber que o ou­ro ne­gro, que com­pu­nha 90 por cen­to das ex­por­ta­ções sau­di­tas, não iria sus­ten­tá-los pa­ra sem­pre.

Ago­ra, as mu­lhe­res es­tão a ser em­pur­ra­das pa­ra fo­ra de ca­sa, pa­ra a vi­da pú­bli­ca, por ne­ces­si­da­des eco­nó­mi­cas – es­pe­ran­do que o mer­ca­do li­vre as li­ber­te.

“To­da a gen­te pre­ci­sa de tra­ba­lhar”, dis­se La­mia Alei­sa, de 23 anos, do­na de me­ta­de da Lamb & Lu, um pop

-up spa­ce e lo­ja de jói­as se­di­a­da em Ri­a­de. “O es­ti­lo de vi­da com que fui cri­a­da só é sus­ten­tá­vel nu­ma ca­sa com dois ren­di­men­tos. Es­tá­va­mos a ‘vi­ver na Lua’. Era ri­dí­cu­lo vi­ver com aque­le ti­po de sub­sí­dio go­ver­na­men­tal. Nes­te mo­men­to nós não so­mos uma so­ci­e­da­de pro­du­ti­va e is­so tem de mu­dar. Ba­si­ca­men­te, nós fo­mos cha­ma­dos à re­a­li­da­de e es­ta­mos a per­ce­ber is­so.” Tor­nou-se mui­to mais bem acei­te en­tre as fa­mí­li­as sau­di­tas que as mu­lhe­res de­vem tra­ba­lhar. No en­tan­to, em­bo­ra as mu­lhe­res cons­ti­tu­am mais de me­ta­de dos li­cen­ci­a­dos sau­di­tas, um ter­ço das mu­lhe­res em ida­de ac­ti­va es­tão de­sem­pre­ga­das – um va­lor cin­co ve­zes su­pe­ri­or ao dos ho­mens. É um de­sa­fio gi­gan­tes­co pa­ra qual­quer go­ver­no, quan­to mais pa­ra um que per­mi­te aos ho­mens exer­cer con­tro­lo le­gal so­bre as mu­lhe­res. Ape­sar de to­da a re­tó­ri­ca es­pe­ran­ço­sa e de to­das as mudanças, a Ará­bia Sau­di­ta ain­da não é um bom sí­tio pa­ra se ser mu­lher. A sua vi­da de­pen­de da sor­te: se o pai ou ir­mão fo­rem bo­as pes­so­as, dei­xam-nas fa­zer o que qui­se­rem: po­dem tra­ba­lhar, vi­a­jar e, ago­ra, con­du­zir. Mas se não fo­rem, po­dem fa­zer a sua vi­da num in­fer­no, sem quais­quer re­per­cus­sões.

Mes­mo que as leis de gu­ar­da ve­nham a de­sa­pa­re­cer – e os bo­a­tos de bas­ti­do­res in­di­cam que is­so vai mes­mo acon­te­cer –, a cul­tu­ra ul­tra­pa­tri­ar­cal sau­di­ta con­ti­nu­a­rá na mes­ma. A pa­la­vra de uma mu­lher con­ti­nu­a­rá a va­ler me­nos do que a de um ho­mem. De­vi­do ao ex­tra­or­di­ná­rio poder de­ti­do pe­las fa­mí­li­as na Ará­bia Sau­di­ta, os pa­ren­tes do se­xo mas­cu­li­no con­ti­nu­a­rão a con­tro­lar as “su­as” mu­lhe­res. “Se es­ti­ve­res a ser es­pan­ca­da pe­lo teu ma­ri­do e te­le­fo­na­res pa­ra a po­lí­cia, di­zem-te que não po­dem fa­zer na­da”, afir­mou-me uma mu­lher de meia-ida­de, em Ri­a­de. “Ou o teu ma­ri­do po­de di­zer que es­tás a men­tir por­que és ma­lu­ca. Mes­mo que pos­sas le­gal­men­te sair de ca­sa ou ca­sar-te, a tua fa­mí­lia con­ti­nua, na prá­ti­ca, a con­tro­lar a tua vi­da. O meu guar­dião é o meu fi­lho. Ele tem 19 anos. Se um dia ele de­ci­dir que es­tá zan­ga­do co­mi­go, ou se eu não lhe der di­nhei­ro ou se acon­te­cer ou­tra coi­sa qual­quer, ele po­de, sim­ples­men­te, im­pe­dir-me de vi­a­jar. É o meu pró­prio fi­lho­te. Não é de lou­cos?” Pa­ra uma pro­por­ção da so­ci­e­da­de sau­di­ta – é di­fí­cil ava­li­ar a sua di­men­são – es­ta é a or­dem na­tu­ral das coi­sas. A mu­dan­ça, na sua opi­nião, não de­ve acon­te­cer à cus­ta dos va­lo­res tra­di­ci­o­nais. “Eu não acho que se­ja boa ideia as mu­lhe­res con­du­zi­rem”, dis­se Da­lal Ha­za­zi, de 38 anos, do­na de ca­sa num bair­ro de clas­se ope­rá­ria, em Ri­a­de. “Elas nun­ca o fi­ze­ram e vai ser di­fí­cil co­me­çar. Tal­vez se­ja bom pa­ra os não-mu­çul­ma­nos, mas nós não de­ve­ría­mos mu­dar.”

AS INSTRUÇÕES IM­PRES­SAS no bi­lhe­te do con­cer­to eram cla­ras: era es­tri­ta­men­te proi­bi­do dan­çar ou aba­nar o cor­po. Jun­to às ban­ca­das, guar­das do se­xo fe­mi­ni­no ves­ti­das com abayas gre­nás exa­mi­na­vam o pú­bli­co, co­mo nu­ma ver­são mu­çul­ma­na do Hand­maid’s Ta­le, pro­cu­ran­do al­guém que aplau­dis­se de for­ma de­ma­si­a­do rit­ma­da. To­da­via, os or­ga­ni­za­do­res do even­to não ti­nham ava­li­a­do bem quão ex­ci­ta­das seis mil sau­di­tas po­de­ri­am fi­car quan­do Ta­mer Hosny su­bis­se ao pal­co. O can­tor egíp­cio, ves­ti­do com um fa­to pre­to, per­cor­reu o pal­co e apon­tou pa­ra o pú­bli­co: “Olá, Ará­bia Sau­di­ta!”, gri­tou, an­tes de co­me­çar a can­tar uma das su­as – re­la­ti­va­men­te atre­vi­das – can­ções pop. En­quan­to os ho­mens pre­sen­tes no es­pa­ço se­gre­ga­do es­ta­vam qua­se to­dos sen­ta­dos em si­lên­cio, fil­man­do-se a si pró­pri­os ou a Hosny, as mu­lhe­res di­ver­ti­ram-se co­mo se fos­se o fim do mun­do. O ar da noi­te fi­cou sal­pi­ca­do de luz quan­do le­van­ta­ram os te­le­fo­nes e co­me­ça­ram a aba­nar o cor­po. As lan­te­jou­las das abayas, cui­da­do­sa­men­te es­co­lhi­das pa­ra es­sa noi­te ra­ra, re­lu­zi­am. Os seus olhos es­ta­vam car­re­ga­dos de pes­ta­nas fal­sas. Pen­sos apli­ca­dos so­bre na­ri­zes re­cen­te­men­te ope­ra­dos [pa­ra atri­buir tra­ços fi­si­o­nó­mi­cos mais oci­den­tais] es­ta­vam ex­pos­tos com or­gu­lho. Quan­do Hosny fa­zia pau­sas bre­ves du­ran­te um co­ro, mi­lha­res de mu­lhe­res gri­ta­vam a le­tra da mú­si­ca e des­man­cha­vam-se a rir. Uma a uma, co­me­ça­ram a aplau­dir, le­van­tan­do-se oca­si­o­nal­men­te dos seus lu­ga­res – fa­zen­do as guar­das cor­re­rem de um la­do pa­ra o ou­tro pa­ra as man­da­rem sen­tar-se. Tam­bém elas sor­ri­am. Na Ará­bia Sau­di­ta, pou­co mu­dou, de fac­to, pa­ra as mu­lhe­res. O go­ver­no per­mi­tiu al­gum en­tre­te­ni­men­to, pôs fim a al­gu­mas res­tri­ções e dei­xou as mu­lhe­res sen­ta­rem-se atrás do vo­lan­te, mas per­ma­ne­ceu au­to­crá­ti­co e ex­tra­or­di­na­ri­a­men­te re­pres­si­vo. Pa­ra al­gu­mas mu­lhe­res, po­rém, tu­do mu­dou. Pe­la pri­mei­ra vez, em mui­to tem­po, há es­pe­ran­ça. Eu não sei se es­tas mudanças se­rão pa­ra sem­pre ou se tu­do vai vol­tar a ser co­mo era an­tes”, dis­se Nou­ra, de 22 anos, en­quan­to os aplau­sos au­men­ta­vam. “Mas eu vou apro­vei­tar. Vou apro­vei­tar mui­to o que es­tá a acon­te­cer ago­ra.”

A com­pra e o uso de lin­ge­rie já são per­mi­ti­dos, tal co­mo con­du­zir. Mas a im­po­si­ção da abaya é con­tor­na­da usan­do-a com uma aber­tu­ra fron­tal pa­ra re­ve­lar a rou­pa oci­den­tal que é usa­da por bai­xo.

Mu­lhe­res sau­di­tas no es­pec­tá­cu­lo do can­tor pop egíp­cio Ta­mer Hosny, em sa­las de cinema e em jo­gos de fu­te­bol, mas em áre­as só pa­ra o se­xo fe­mi­ni­no. Is­so te­ria si­do im­pos­sí­vel num pas­sa­do mui­to re­cen­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.