OB­JEC­TO DE DE­SE­JO

De­pois da fe­bre das IT BAGS, que atin­giu o mun­do da mo­da nos idos anos 90, ho­je quer-se mais en­con­trar o com­ple­men­to ide­al do que fa­zer des­te aces­só­rio o por­ta-es­tan­dar­te do gla­mour.

Máxima - - Contents - Por Ma­ri­na Sam­paio

Na car­tei­ra de uma mu­lher ca­be um mun­do se­cre­to. Mo­ti­vo mais do que su­fi­ci­en­te pa­ra que a sua es­co­lha jus­ti­fi­que to­da uma pro­sa.

Lem­bro-me co­mo se fos­se ho­je. Eu es­ta­va com uma ami­ga, em No­va Ior­que, em ple­na 5.ª Ave­ni­da, quan­do ela me ati­ra, à quei­ma-rou­pa: “Mas co­mo é que tu sa­bes que aque­la car­tei­ra é uma Ba­len­ci­a­ga?!” De­pois de es­tan­car e de di­ge­rir tu­do o que aque­la per­gun­ta con­ti­nha nas li­nhas e nas en­tre­li­nhas, e qua­se a hi­per­ven­ti­lar, eu ex­pli­quei-lhe co­mo é que eu sa­bia e que, da­do o ní­vel de de­se­jo e de ob­ses­são que aque­la des­per­ta­ra na­que­la es­ta­ção do ano, não a re­co­nhe­cer era qua­se um cri­me de le­sa-cul­tu­ra de mo­da! Pou­co da­da a mo­das e mui­to me­nos a it bags (o que só con­ta­va a seu fa­vor), a mi­nha ami­ga não en­ten­dia a ex­ci­ta­ção que ro­de­a­va as mes­mas. Em mi­nha de­fe­sa pos­so ar­gu­men­tar que es­tá­va­mos em ple­nos anos das it bags e das co­ol it girls (Ka­te Moss, Si­en­na Mil­ler, en­tre ou­tras) e que es­tas se pas­se­a­vam com os úl­ti­mos lan­ça­men­tos das gran­des mar­cas pe­lo bra­ço. As car­tei­ras ga­nha­ram um sta­tus de ob­jec­to de lu­xo quan­do, nos anos 30, a Louis Vuit­ton lan­çou a Spe­edy, a pri­mei­ra car­tei­ra de mão des­ta mar­ca de lu­xo. A par­tir daí, per­so­na­li­da­des das ar­tes e do cinema e ce­le­bri­da­des co­mo Jac­kie Onas­sis ou Gra­ce Kelly não só as usa­ram, co­mo ins­pi­ra­ram as mar­cas (a Guc­ci e a Hermès) a bap­ti­za­rem as mes­mas com os seus no­mes. Uma Jac­kie ou uma Kelly diz mui­to mais so­bre quem a tem. É uma es­pé­cie de se­nha pa­ra en­trar num res­tri­to clu­be pri­va­do. Não en­tra quem quer, en­tra quem po­de. Es­ta­vam cri­a­das as con­di­ções pa­ra a loucura com­ple­ta.

O CO­ME­ÇO DE UMA “LOUCURA”

Quem cri­ou o con­cei­to das it bags é um gé­nio do mar­ke­ting, pois, pe­las mãos das ce­le­bri­da­des que as exi­bi­am, mal so­a­va o úl­ti­mo acor­de de mú­si­ca dos des­fi­les de mo­da, um me­ro aces­só­rio que com­põe o lo­ok trans­for­ma­va-se, no tem­po de um es­pir­ro, num ob­jec­to de de­se­jo pe­lo qual sus­pi­ra­vam mu­lhe­res de to­do o mun­do. Era o iní­cio da cor­ri­da às lo­jas. Na­da se com­pa­ra à ex­ci­ta­ção e à re­com­pen­sa que uma com­pra emo­ci­o­nal traz as­so­ci­a­da. A “fe­bre” co­me­çou a su­bir nos anos 90 e atin­giu ní­veis de “loucura” com as mar­cas a lan­ça­rem,

es­ta­ção após es­ta­ção e ano após ano, uma car­tei­ra íco­ne. Cri­a­ção da es­ta­ção ou clás­si­co re­vi­si­ta­do, as quais fa­zi­am ques­tão de bap­ti­zar – Fen­di Ba­guet­te, Mul­ber­ry Ro­san­ne, Jac­kie, só pa­ra no­me­ar al­gu­mas – pa­ra tor­nar a sua bus­ca ain­da mais pes­so­al. Quan­do da­mos um no­me a um de­se­jo ou a um ob­jec­to, es­ta­mos a per­so­na­li­zar a es­co­lha e a apo­de­rar­mo-nos da sua es­sên­cia, pois além do in­ves­ti­men­to fi­nan­cei­ro, ha­via o in­ves­ti­men­to emo­ci­o­nal. Não era pre­ci­so en­trar em gran­des ex­pli­ca­ções quan­do se con­fes­sa­va “Eu já te­nho a mi­nha Ba­guet­te”, pois nin­guém bem in­for­ma­do dos me­an­dros da Mo­da iria pen­sar que es­tá­va­mos aco­me­ti­dos de ta­ma­nha ex­ci­ta­ção só por­que tí­nha­mos ido com­prar pão. Es­tes fo­ram os anos em que a cor­ri­da às lo­jas ul­tra­pas­sou to­dos os ní­veis do bom sen­so (e eu pe­ca­do­ra/con­su­mi­do­ra con­fes­so es­tar in­cluí­da). O Daily Mir­ror es­cre­veu, em 1999: “Por to­da a In­gla­ter­ra, cen­te­nas de mu­lhe­res, de to­dos os sec­to­res so­ci­ais, fa­rão qual­quer sa­cri­fí­cio pe­la car­tei­ra da mar­ca per­fei­ta.” Ho­je, de­pois dos anos da cri­se e de uma ra­di­cal mu­dan­ça de men­ta­li­da­des, pre­ten­de-se me­nos con­se­guir a car­tei­ra per­fei­ta e mais a car­tei­ra ide­al. E ape­sar das it bags, des­de o ano pas­sa­do, es­ta­rem a ten­tar re­cla­mar o seu lu­gar no pal­co da mo­da (a Di­or re­lan­çou es­ta es­ta­ção a sua Sad­dle Bag que é um dos gran­des su­ces­sos de ven­das des­ta tem­po­ra­da), o mer­ca­do es­tá a re­ce­ber de bra­ços aber­tos aque­las que vêm de de­sig­ners emer­gen­tes e de al­ter­na­ti­vas eco­ló­gi­cas e a acei­tar um re­vi­va­lis­mo sem ca­rim­bos bling-bling. E tu­do a pre­ços bem mais ra­zoá­veis.

RE­GRAS DA CAR­TEI­RA IDE­AL

As Ca­sas de mo­da es­tão a apos­tar em vol­tar a aten­ção pa­ra ou­tras cri­a­ções su­as, tais co­mo ca­sa­cos, blu­sões ou sa­pa­tos de té­nis, e me­nos pa­ra as car­tei­ras. Cla­ro que há sem­pre as car­tei­ras clás­si­cas que nun­ca pas­sam de mo­da e que atra­ves­sam ge­ra­ções se fo­rem bem cui­da­das e es­ti­ma­das. Uma Bir­kin, da Hermès, é ho­je um in­ves­ti­men­to mais ren­tá­vel (es­tá pro­va­do) que ou­ro. Tal co­mo uma 2.55, da Cha­nel, ven­di­da a pre­ços exor­bi­tan­tes em vá­ri­os si­tes de pro­du­tos vin­ta­ge. Quan­do uma ten­dên­cia pa­re­ce ser mais ve­lha que a ra­ça hu­ma­na, en­tão é por­que dei­xou de ser ten­dên­cia e pas­sou a ser al­go ób­vio e obri­ga­tó­rio. Se as car­tei­ras re­pre­sen­tam mui­to mais do que o sim­ples pa­pel pa­ra o qual fo­ram con­ce­bi­das, is­so sig­ni­fi­ca que as nos­sas es­co­lhas po­dem es­tar a en­vi­ar as men­sa­gens er­ra­das acer­ca do nos­so es­ti­lo a ves­tir e do nos­so es­ti­lo de vi­da. Pi­or ain­da, do nos­so dis­cer­ni­men­to pa­ra dis­tin­guir o que é um bom in­ves­ti­men­to e uma des­co­ber­ta ex­tra­or­di­ná­ria do (Deus nos sal­ve!) ró­tu­lo “car­tei­ra Ou­to­no/in­ver­no de 2017-2018 que me cus­tou uma for­tu­na e que já não me ser­ve pa­ra na­da”. As­sim sen­do, e pa­ra que o er­ro não se vol­te a re­pe­tir, es­te ano eu hei-de con­se­guir a car­tei­ra per­fei­ta, aque­la que me fa­rá atra­ves­sar to­da a es­ta­ção fria e, com sor­te, en­trar na Pri­ma­ve­ra do pró­xi­mo ano sem so­bres­sal­tos. Pri­mei­ro, há que en­con­trá-la e is­to re­pre­sen­ta uma pri­mei­ra fa­se su­jei­ta a al­gu­mas re­gras: a qua­li­da­de, a cor, o ta­ma­nho, a fun­ci­o­na­li­da­de e a ver­sa­ti­li­da­de… E, de­pois, ter de pas­sar o es­cru­tí­nio das ami­gas. E aqui fa­ze­mos um mo­men­to de si­lên­cio pe­lo im­pac­to de­vas­ta­dor que uma má es­co­lha pos­sa fa­zer. E con­tra mim es­cre­vo. Das car­tei­ras pe­sa­dís­si­mas, com fe­chos e fer­ra­gens que nem um do­ma­dor de leões es­co­lhe­ria, até às de co­res e fei­ti­os im­pro­vá­veis, pas­san­do pe­las com­pras por im­pul­so, lá es­tão elas, ati­ra­das ago­ra pa­ra o fun­do do ar­má­rio on­de se po­de ler “On­de é que es­ta­va com a ca­be­ça?!”, te­nho um pou­co de tu­do. Re­sul­ta­do? No dia-a-dia op­to sem­pre pe­la mes­ma, a mais ver­sá­til, aque­la que me le­va do pe­que­no-

-al­mo­ço até ao jan­tar, nu­ma fun­ci­o­na­li­da­de a to­da a pro­va que já du­ra há três anos. Já es­tá mais do que amor­ti­za­da. Nes­te mo­men­to, eu pro­cu­ro ou­tra car­tei­ra com as mes­mas ca­rac­te­rís­ti­cas. E adop­tei uma re­gra: o au­to­con­tro­lo de­ve pre­va­le­cer so­bre as ten­dên­ci­as. Os­car Wil­de es­cre­veu: “Um nó de gra­va­ta bem da­do é o pri­mei­ro pas­so sé­rio na vi­da.” O que nos le­va até às car­tei­ras que nun­ca pas­sam de mo­da das gran­des mar­cas co­mo Cha­nel, Fen­di, Hermès, YSL, etc., etc. Mas mes­mo aqui há que não cair nos de­va­nei­os e na es­qui­zo­fre­nia cri­a­ti­va dos res­pon­sá­veis das Ca­sas de mo­da que to­das as es­ta­ções lan­çam mo­de­los mui­to ape­la­ti­vos, mas, por ve­zes, pou­co ca­pa­zes de atra­ves­sa­rem uma es­ta­ção, quan­to mais du­rar a vi­da in­tei­ra.

A SO­LU­ÇÃO PER­FEI­TA

Sen­do as­sim, es­que­ça as car­tei­ras com apli­ca­ções des­ne­ces­sá­ri­as, se­jam elas com ta­chas, com fer­ra­gens ou com pê­lo. A eter­na mar­ca do es­ti­lo é clás­si­ca, sem es­tri­dên­ci­as. Há as que são ver­da­dei­ras “to­do-o-ter­re­no”. Eu pro­cu­ro uma car­tei­ra que se­ja es­tru­tu­ra­da, mas mo­der­na (não que­re­mos na­da que pa­re­ça ter vin­do di­rec­to da que­da do mu­ro de Ber­lim), ele­gan­te, mas ao mes­mo tem­po atre­vi­da. É pe­dir mui­to? Pa­re­ce que não. E ha­ja em vis­ta o vo­lu­me de ven­das de mar­cas co­mo Mansur Ga­vri­el, Cult Gaia, Staud, J.w.an­der­son ou Wan­dler a pre­ços não proi­bi­ti­vos e com as re­des so­ci­ais inun­da­das de fo­to­gra­fi­as das mes­mas. Is­to re­flec­te uma mu­dan­ça de men­ta­li­da­de no con­su­mo, uma exi­gên­cia pe­la qua­li­da­de e pe­lo lu­xo aces­sí­veis. Mais um exem­plo fla­gran­te dis­to é a lis­ta de es­pe­ra que as car­tei­ras da mar­ca Chy­lak têm e que já fo­ram des­co­ber­tas por Si­en­na Mil­ler e por Edie Camp­bell. O pre­ço? Uma agra­dá­vel sur­pre­sa, aten­den­do ao que cus­tam as de­mais, a co­me­çar em 180 eu­ros e a não ul­tra­pas­sa­rem os 350. Ou­tro no­me a re­ter se­rão as De­mel­li­er, mui­to prá­ti­cas e sem com­pro­me­te­rem o es­ti­lo pró­prio de ca­da mu­lher. A ce­re­ja no to­po do bo­lo? To­das as car­tei­ras da mar­ca Strath­ber­ry, em­pre­sa se­di­a­da em Edim­bur­go e que viu o es­tre­la­to che­gar pe­la mão da su­pe­res­ti­lo­sa Meghan Mar­kle. Se es­tá bem pa­ra ela, es­ta­rá bem pa­ra mim. Tam­bém as mo­chi­las se­rão uma op­ção. Elas es­tão de vol­ta e quem tem no ar­má­rio al­gum exem­plar da Louis Vuit­ton é tra­zê-lo pa­ra a luz do dia. Na lis­ta de pos­si­bi­li­da­des es­tão, do mes­mo mo­do, as car­tei­ras em ver­são mi­ni ou as de cin­to, as cha­ma­das belt bags. Es­tas du­as úl­ti­mas, eu vou dei­xá-las “cair”… Ape­sar de es­ta­rem por to­do o la­do, são pou­co ou na­da prá­ti­cas e le­vam pou­co mais do que um te­le­mó­vel. Uma ten­dên­cia bas­tan­te vin­ca­da que re­gres­sa são as buc­ket bags. Se é a mu­dan­ça na Mo­da que dá ori­gem ao fa­la­tó­rio, nes­te ca­so a mu­dan­ça não re­flec­te na­da de ver­da­dei­ra­men­te no­vo. Su­ces­so enor­me nos idos anos 70, es­te clás­si­co é ago­ra re­vi­si­ta­do por to­das as mar­cas e, das lo­jas de gran­de con­su­mo às gran­des mar­cas, to­das lan­ça­ram os seus mo­de­los. As da Staud são um ca­so a con­si­de­rar. Pa­ra fi­na­li­zar – e ape­sar de ser do sen­so co­mum afir­mar que a per­so­na­li­da­de é o que re­al­men­te in­te­res­sa –, não se es­que­ça que a apa­rên­cia é a fer­ra­men­ta de co­mu­ni­ca­ção não-ver­bal mais po­de­ro­sa. As­sim, há que ex­plo­rar as me­lho­res ma­nei­ras de fa­zer uso de­la, mes­mo quan­do tu­do se con­ju­ga pa­ra a des­gra­ça, pa­ra uma com­pra por im­pul­so, pa­ra dei­tar a mão ao úl­ti­mo “gri­to” da es­ta­ção e pa­ra su­cum­bir a um de­lí­rio de es­ti­lo. Por is­so, va­mos jun­tar uma coi­sa ou ou­tra, uma car­tei­ra ou uma mo­chi­la pa­ra que o lo­ok não aca­be de­se­qui­li­bra­do. Ar­re­pen­deu-se? Não se cul­pe. Pen­se que mo­da é tam­bém di­ver­ti­men­to! Pa­ra a pró­xi­ma es­ta­ção, nós cá es­ta­re­mos, ou­tra vez, chei­as de bo­as in­ten­ções. Co­mo uma ami­ga mi­nha diz e ape­sar dos er­ros de es­ti­lo: “O que im­por­ta é es­tar­mos sem­pre dig­nas.” Bo­as com­pras!

Car­tei­ra The Mi­di Ve­ni­ce em pe­le, €445, De­mel­li­er. Car­tei­ra em acrí­li­co, €395, Cult Gaia. Ja­ne Bir­kin a usar a car­tei­ra Bir­kin da Hermès. Jac­kie Onas­sis a usar a car­tei­ra Jac­kie da Guc­ci. Car­tei­ra Bis­set em pe­le en­ver­ni­za­da, €350, Staud. Car­tei­ra Hor­ten­sia em pe­le, €665, Wan­dler.

Gra­ce Kelly a usar a car­tei­ra Kelly da Hermès. Meghan Mar­kle a usar a car­tei­ra Mi­di To­te da Strath­ber­ry. Car­tei­ra em pe­le, €1.750, JW An­der­son. Car­tei­ra 2.55 em twe­ed, Cha­nel. Car­tei­ra em pe­le, €1.140, Mansur Ga­vri­el.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.