RE­FE­RÊN­CIA AR­TÍS­TI­CA

MA­RI­NA ABRA­MO­VIĆ jo­ga ro­le­ta rus­sa, ati­ra-se pa­ra o meio de cha­mas ou, en­tão, per­ma­ne­ce imó­vel du­ran­te três me­ses no MO­MA, em No­va Ior­que. Aos 71 anos, a xa­mã da arte con­cep­tu­al é uma su­pe­res­tre­la e a líder de uma obra tão ra­di­cal co­mo uni­ver­sal. Aqui, re

Máxima - - Contents - Por Shi­ri­ne Sa­ad. Fo­to­gra­fia de Jes­se Froh­man

No­me in­con­tor­ná­vel da per­for­man­ce, Ma­ri­na Abra­mo­vić de­bru­ça-se so­bre te­mas co­mo os li­mi­tes do cor­po e as pos­si­bi­li­da­des da men­te.

Ma­ri­na Abra­mo­vić [Bel­gra­do, 1946] es­tá im­pe­ri­al­men­te sen­ta­da no ca­ma­rim do es­tú­dio fo­to­grá­fi­co, em­bru­lha­da num xai­le em mohair pre­to, im­pas­sí­vel sob os gol­pes de pin­cel de ma­qui­lha­gem e do fer­ro de fri­sar. Uma ho­ra e meia mais tar­de, to­tal­men­te ma­qui­lha­da, com a sua im­pres­si­o­nan­te ca­be­lei­ra me­ti­cu­lo­sa­men­te de­sor­de­na­da e as unhas co­ber­tas de ver­niz ver­me­lho, be­be­ri­ca um ca­fé. Ama­nhã, a ar­tis­ta vol­ta­rá a par­tir em vi­a­gem. “Não te­nho mais do que 50 anos de vi­da! Não te­nho tem­po pa­ra es­tar can­sa­da!” Aos 71 anos, Ma­ri­na, a guer­rei­ra, a re­bel­de, a xa­mã, con­ti­nua a re­vi­rar o mun­do da Arte. Ela con­ta-nos o seu ex­tra­or­di­ná­rio per­cur­so, de Bel­gra­do a No­va Ior­que, nu­ma au­to­bi­o­gra­fia con­ce­bi­da à sua ima­gem: ra­di­cal, pu­ra, re­ple­ta de co­ra­gem e de se­de de li­ber­da­de. As per­for­man­ces un­der­ground, na Eu­ro­pa mu­ti­la­da do pós-guer­ra, as noi­tes na ca­mi­o­ne­ta con­du­zi­da por Ulay, seu com­pa­nhei­ro no amor e na arte, as aven­tu­ras es­pi­ri­tu­ais vi­vi­das no Ti­be­te, no in­te­ri­or da Aus­trá­lia, no Bra­sil ou na Ín­dia. Ma­ri­na pos­sui uma enor­me sa­be­do­ria e alegria de vi­ver e um hu­mor lú­gu­bre. A sua as­cen­são ful­gu­ran­te no mun­do da Arte cer­cou-a de um gran­de pú­bli­co aquan­do da sua ex­tra­or­di­ná­ria per­for­man­ce The Ar­tist Is Pre­sent, em 2010, no MO­MA, em No­va Ior­que. Du­ran­te três me­ses, sen­ta­da fren­te a uma sim­ples me­sa de ma­dei­ra, ela mer­gu­lhou o olhar em qual­quer pes­soa que se sen­tas­se di­an­te de­la. Mais de mil pes­so­as, aguar­dan­do, pa­ci­en­te­men­te, ho­ras pe­la sua vez, en­ca­ra­ram a ar­tis­ta e par­ti­ram fre­quen­te­men­te em lá­gri­mas.

Sob os pro­jec­to­res do es­tú­dio, com um ves­ti­do ca­mi­sei­ro pre­to e san­dá­li­as em plás­ti­co Fuck Ne­ga­ti­vity, a ar­tis­ta li­ber­ta-se. Sa­co­de o ca­be­lo, pre­pa­ra-se e lan­ça olha­res fu­ri­o­sos à ob­jec­ti­va. Se­gu­ra na mão um cris­tal gi­gan­tes­co pa­ra que o seu na­riz pa­re­ça me­nos enor­me, diz em tom de brin­ca­dei­ra. En­tre dois cli­ques, a equi­pa ajus­ta-lhe uma me­cha de ca­be­lo, apli­ca-lhe mais um pou­co de pó. Ra­di­o­sa, ela pro­fe­re uma pa­la­vra gen­til. Uma pi­a­da ma­li­ci­o­sa. Ma­jes­to­sa e dra­má­ti­ca, es­ta di­va da vi­da é a Cal­las da arte con­cep­tu­al. Exa­mi­ne­mos os seus pon­tos for­tes.

A PER­FOR­MAN­CE

“A per­for­man­ce nun­ca mor­re. Re­nas­ce sem­pre, so­bre­tu­do nos mo­men­tos de cri­se. Quan­do o mer­ca­do da arte so­be, a per­for­man­ce so­fre, por­que é uma arte viva. É por is­so que te­nho um pú­bli­co tão jo­vem: atra­vés da per­for­man­ce, eles sen­tem um in­ter­câm­bio de ener­gia que não en­con­tram em mais par­te al­gu­ma, ex­cep­to na mú­si­ca. O ma­te­ri­a­lis­mo da per­for­man­ce pre­ser­va, ain­da, o as­pec­to vi­tal do ins­tan­te, por­que não exis­te qual­quer ob­jec­to en­tre o ar­tis­ta e o pú­bli­co: é uma ener­gia di­rec­ta. Nu­ma so­ci­e­da­de em cri­se, a Arte é ne­ces­sá­ria. Se tu­do es­ti­ver bem, não é. Na Na­tu­re­za, por exem­plo, tu­do é per­fei­to. Mas na so­ci­e­da­de, a Arte é co­mo o oxi­gé­nio. A Cul­tu­ra é uma ne­ces­si­da­de, não um lu­xo. Exis­te mui­ta gen­te de tal for­ma ma­te­ri­a­lis­ta que se es­que­ceu da Cul­tu­ra. Ou, en­tão, abre-nos os es­pí­ri­tos e per­mi­te-nos com­pre­en­der pon­tos de vis­ta di­fe­ren­tes do nos­so: a Arte mu­da as cons­ci­ên­ci­as. Ho­je em dia, to­da a gen­te de­ve­ria ler a bi­bli­o­gra­fia de Gandhi que pro­mo­veu, ver­da­dei­ra­men­te, a não-vi­o­lên­cia e trans­for­mou as cons­ci­ên­ci­as. Vi­ve­mos no ca­os ge­ne­ra­li­za­do: há uma for­ça na na­tu­re­za hu­ma­na, uma ne­ces­si­da­de de des­truir, de ma­tar. A úni­ca for­ma de mu­dar o mun­do é mu­dan­do-nos a nós pró­pri­os – de­pois po­de­re­mos mu­dar mi­lha­res. É is­so que eu fa­ço com o meu tra­ba­lho.”

TRANS­MI­TIR

“De mo­men­to, an­do pe­los ate­li­ers e dou con­fe­rên­ci­as. Acho que eu sou boa en­si­na­do­ra. Ado­ro en­si­nar a mi­nha ex­pe­ri­ên­cia e par­ti­lhá-la com a no­va ge­ra­ção de ar­tis­tas. Já fa­ço arte há tan­to tem­po… Nin­guém da mi­nha ida­de du­rou tan­to co­mo eu. Os ou­tros an­dam to­dos com dis­po­si­ti­vos car­día­cos ou es­tão mor­tos!”

A EMO­ÇÃO

“Que­ro che­gar às en­tra­nhas, não ao in­te­lec­to. To­do o meu tra­ba­lho é emo­ci­o­nal. Pre­ci­so de ter uma gran­de mo­ti­va­ção, uma gran­de for­ça de von­ta­de pa­ra fa­zer aqui­lo que fa­ço. Que­ro trans­mi­tir uma men­sa­gem e pro­vo­car um im­pac­to emo­ci­o­nal no pú­bli­co, de mo­do a sen­si­bi­li­zá-lo. Por que ra­zão, em The Ar­tist Is Pre­sent, as pes­so­as se sen­ti­ram ex­pos­tas pe­ran­te mim e cho­ra­ram? Por­que eu me mos­trei vul­ne­rá­vel e is­so per­mi­tiu-lhes sê-lo, tam­bém. Quan­do ac­tuo, não es­tou em mais la­do al­gum. Apren­di a im­por­tân­cia da pre­sen­ça com os sá­bi­os. Exis­te ape­nas o pre­sen­te e is­so é um mi­la­gre. Es­te sen­ti­men­to de tem­po­ra­li­da­de é mui­to po­de­ro­so.”

A CAU­SA

“O Co­mu­nis­mo e o So­ci­a­lis­mo que co­nhe­ci du­ran­te a mi­nha in­fân­cia, na an­ti­ga Ju­gos­lá­via, en­si­na­ram-me a im­por­tân­cia da par­ti­ci­pa­ção so­ci­al. Pa­ra nós, a cau­sa e a men­sa­gem são mais im­por­tan­tes do que a vi­da pri­va­da e o con­for­to. Cres­cer na Ju­gos­lá­via foi co­mo vi­ver nu­ma pon­te en­tre o Ori­en­te e o Oci­den­te, on­de ha­via sem­pre imen­so ven­to. Era pre­ci­so apren­der a en­con­trar a cal­ma no meio dos tor­na­dos e de­sen­vol­ver um pon­to de vis­ta cla­ro. Na mi­nha vi­da, eu vou sem­pre pa­ra o Ori­en­te pa­ra apren­der com os mon­ges e os xa­mãs, pa­ra apren­der a con­tro­lar o meu cor­po e o meu es­pí­ri­to. E de­pois par­ti­lho as li­ções que apren­di com o Oci­den­te.”

A PAI­XÃO

“Es­tou cons­tan­te­men­te de­sa­pon­ta­da e de­si­lu­di­da, mas te­nho sem­pre con­fi­an­ça na vi­da. Con­fio nos ou­tros. Amo a vi­da co­mo uma cri­an­ça. Vi­vo a cem por cen­to, sem me pre­ser­var. Is­so faz mal. Ado­ro a loucura, so­frer com a loucura. Vi­ver sem emo­ções não é vi­ver. Sou mui­to dra­má­ti­ca. Ado­ro sen­sa­ções for­tes. Sin­to or­gu­lho nas ci­ca­tri­zes que tra­go no cor­po. Quan­do cri­ei a obra Balkan baroque, mos­trei uma cul­tu­ra on­de to­das as emo­ções con­vi­vem, em si­mul­tâ­neo. O se­xo, a mor­te, a sor­te, a tra­gé­dia, a tris­te­za. É es­sa a al­ma dos Bal­cãs. Nós so­fre­mos cons­tan­te­men­te, não pe­lo nos­so des­ti­no mas pe­lo do uni­ver­so in­tei­ro.”

A VER­DA­DE

“Cres­ci nu­ma fa­mí­lia on­de tu­do era se­gre­do. Es­co­lhi di­zer sem­pre a ver­da­de e fa­zer as mi­nhas es­co­lhas – co­mo, por exem­plo, não ter fi­lhos. É por is­so que mui­tas mu­lhe­res me cri­ti­cam. O meu tra­ba­lho é a ver­da­de. Nós te­mos ape­nas uma ener­gia no nos­so cor­po, a ener­gia se­xu­al, que po­de­mos trans­for­mar em ódio, em amor, em cri­a­ção to­tal. Sou ago­ra mais fe­liz do que nun­ca. So­fri tan­to du­ran­te a mi­nha ju­ven­tu­de… Te­nho sa­be­do­ria e uma boa saú­de. Tra­ba­lhei, ar­du­a­men­te, pa­ra con­quis­tar a mi­nha li­ber­da­de. Fu­gi da Ju­gos­lá­via com uma úni­ca ideia de per­for­man­ce. Era mui­to or­gu­lho­sa. Na dé­ca­da de 1970, o meu pú­bli­co re­su­mia-se a dez pes­so­as. Ho­je, são mi­lha­res. Os ou­tros ar­tis­tas da mi­nha ge­ra­ção dei­xa­ram de fa­zer as su­as per­for­man­ces, na dé­ca­da de 1980. Eu con­ti­nu­ei.”

A SUA AU­TO­BI­O­GRA­FIA

“Eu quis es­cre­ver pa­ra al­can­çar um pú­bli­co mais vas­to do que o mun­do da arte. A mi­nha vi­da é co­mo um fil­me – até pa­ra mim – cheio de mis­ti­cis­mo e de hu­mor. Eu quis li­ber­tar es­sas me­mó­ri­as e ins­pi­rar ou­tras pes­so­as. Se eu ti­ve su­ces­so na vi­da, os ou­tros tam­bém po­dem tê-lo. De­di­quei es­te li­vro aos meus ami­gos e ini­mi­gos, por­que mui­tos dos meus ami­gos tor­na­ram-se meus ini­mi­gos e vi­ce-ver­sa. Ago­ra que com­pre­en­dem que o meu tra­ba­lho é sin­ce­ro, os meus ini­mi­gos mu­dam. Po­de­mos fin­gir du­ran­te um mi­nu­to, mas não du­ran­te três me­ses.”

O SO­FRI­MEN­TO

“En­ce­no mo­men­tos do­lo­ro­sos, com san­gue, fe­ri­das aber­tas e ar­mas, pa­ra ex­por os li­mi­tes do cor­po e mos­trar que po­de­mos li­vrar-nos do me­do de so­frer. O so­fri­men­to é a por­ta da cons­ci­ên­cia. A dor faz par­te dos ri­tu­ais xa­mâ­ni­cos da In­do­né­sia. É uma pas­sa­gem pa­ra com­pre­en­der que es­ta­mos li­ber­tos da dor. A dor, a tem­po­ra­li­da­de e o so­fri­men­to são os três ele­men­tos que os se­res hu­ma­nos te­mem. Ac­tu­al­men­te, eu já não uso o meu cor­po em ce­na por­que já me sin­to li­ber­ta. Tes­tar os li­mi­tes do cor­po é um ac­to sim­ples. Ago­ra, eu que­ro trans­for­mar o es­pí­ri­to, o que é mui­to mais com­pli­ca­do – é por is­so que as mi­nhas no­vas obras são es­tá­ti­cas. O es­sen­ci­al é al­can­çar o es­ta­do de não-pen­sa­men­to, o es­ta­do mais ele­va­do da me­di­ta­ção.”

A SO­LI­DÃO

“Exis­te uma gran­de di­fe­ren­ça en­tre a so­li­dão e o iso­la­men­to. Eu ado­ro a so­li­dão – quan­do fa­ço um re­ti­ro, na Ín­dia, ou num mos­tei­ro, por exem­plo. É mui­to im­por­tan­te es­tar­mos sós pa­ra pro­gre­dir­mos no co­nhe­ci­men­to de nós pró­pri­os. Mas o iso­la­men­to é co­mo es­tar­mos so­zi­nhos num qu­ar­to de ho­tel, sem amor. Quan­do es­ta­mos apai­xo­na­dos, o iso­la­men­to não exis­te. Eu es­tou apai­xo­na­da pe­lo meu pú­bli­co, mas pre­ci­so do amor de um ho­mem. Ago­ra, eu es­tou no­va­men­te apai­xo­na­da: caiu-me do céu. No en­tan­to, cri­ei as mi­nhas me­lho­res obras [Rhythm 0, Balkan baroque, The Ar­tist Is Pre­sent, Great Wall of Chi­na] quan­do es­ta­va in­fe­liz. O ar­tis­ta cria sem­pre a par­tir de um es­ta­do de in­fe­li­ci­da­de. Re­pa­re na his­tó­ria da Arte…”

*Tra­ver­ser les murs (edi­ções Fayard), de Ma­ri­na Abra­mo­vić, com Ja­mes Ka­plan. Tra­du­zi­do por Odi­le De­man­ge. Dis­po­ní­vel, na ver­são ori­gi­nal, em ber­trand.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.