FRONT ROW

Diz-me on­de te sen­tas e eu di­go-te quem és no mun­do da mo­da. Nos des­fi­les, o lu­gar on­de nos sen­ta­mos é uma de­cla­ra­ção de es­ta­tu­to, de ran­king, de in­fluên­cia. E tam­bém de vai­da­de, de dis­pu­ta, de in­ve­ja e nem sem­pre de mé­ri­to. Quan­to mais im­por­tan­te se é, m

Máxima - - Contents - Por Ma­ri­na Sam­paio

Des­co­di­fi­ca­mos as re­gras su­bli­mi­na­res das pri­mei­ras fi­las e de­se­nha­mos um pe­que­no ma­nu­al de so­bre­vi­vên­cia pa­ra quem as­sis­te a um des­fi­le.

Um en­ve­lo­pe de le­tra bem de­se­nha­da ater­ra na mi­nha se­cre­tá­ria. E num ins­tan­te fi­co num êx­ta­se qua­se re­li­gi­o­so, pa­ra ra­pi­da­men­te ser atin­gi­da por um cho­que eléc­tri­co e pas­sar ao pâ­ni­co: “Con­vi­te pa­ra a Se­ma­na da Mo­da de No­va Ior­que” (que to­dos os in­si­ders co­nhe­cem pe­la si­gla NYFW). É o mo­men­to em que se co­me­ça a ver pas­sar a vi­da em flashes. Ha­ve­rá luz ao fun­do do tú­nel?! So­bre­vi­ver à Fashi­on We­ek – sim, por­que aqui­lo pa­re­ce ser um ver­da­dei­ro cam­po de ba­ta­lha – pa­re­ce ser o tí­tu­lo de to­da a im­pren­sa de mo­da e a lis­ta de afa­ze­res e de pro­vi­dên­ci­as a to­mar pe­las ce­le­bri­da­des pa­ra en­trar no es­pí­ri­to do even­to é qua­se in­fin­dá­vel. Vai des­de con­se­guir ali­nha­var um nú­me­ro obs­ce­no de out­fits, de sa­pa­tos e de car­tei­ras até à mar­ca­ção de ma­qui­lha­do­ras e de ca­be­lei­rei­ros e, se pos­sí­vel, a con­tra­ta­ção de um mo­to­ris­ta ex-mi­li­tar trei­na­do na Rús­sia que fa­ça tam­bém as ve­zes de gu­ar­da-cos­tas. E, cla­ro, pa­ra re­ma­tar há que be­ber um co­po de su­mo ver­de de­tox. Pa­re­ce que fi­ca bem com qual­quer in­du­men­tá­ria… Pa­ra o co­mum dos mor­tais se­rá bas­tan­te mais sim­ples, mas, mes­mo as­sim, é uma dor de ca­be­ça. Há que che­gar lá sem má­cu­la e, pro­e­za das pro­e­zas, fi­car-se sen­ta­da na pri­mei­ra fi­la. Na NYFW ou em qual­quer ou­tro even­to do gé­ne­ro. Além dis­so, o cha­ma­do front row ex­pli­ca quem é quem no mun­do da mo­da. É a li­nha que se­pa­ra dos de­mais mor­tais, os fa­mo­sos, os ri­cos, os po­de­ro­sos, os gran­des com­pra­do­res, os jor­na­lis­tas, os ver­da­dei­ros in­flu­en­tes e, pa­ra mal dos nos­sos pe­ca­dos, as “in­flu­en­cers” e os “in­flu­en­cers” e tam­bém o que res­ta das blog­gers e dos blog­gers de mo­da e do su­pos­to li­festy­le. So­mos on­de nos sen­ta­mos, por mais su­per­fi­ci­al que is­to pos­sa pa­re­cer. A hi­e­rar­quia é bem cla­ra e não tem na­da que en­ga­nar: ela é pro­por­ci­o­nal e de­cres­ce à me­di­da que au­men­ta o nú­me­ro da fi­la.

MAS NEM SEM­PRE FOI AS­SIM. Nu­ma ga­lá­xia dis­tan­te, num mun­do em que se vi­via sem te­le­mó­veis, sem re­des so­ci­ais, sem so­ci­a­li­tes e, aci­ma de tu­do, sem Kar­dashi­ans, o ob­jec­ti­vo era me­ra­men­te o de mos­trar e de ven­der a mer­ca­do­ria, por as­sim di­zer. No­va Ior­que foi a ci­da­de pi­o­nei­ra a or­ga­ni­zar os pri­mei­ros shows de mo­da sa­zo­nais. Se­gun­do Wil­li­am Le­a­ch, no li­vro Land of De­si­re, o pri­mei­ro “des­fi­le” te­ve lu­gar em 1903, na lo­ja Eh­ri­ch Brothers. E, por vol­ta de 1920, os shows já eram ha­bi­tu­ais em al­guns gran­des ar­ma­zéns e ho­téis. Eis se­não quan­do, em 1943, Ele­a­nor Lam­bert Berk­son, uma re­la­ções-pú­bli­cas de mo­da, tem uma ideia ge­ni­al e de­ci­de agru­par to­dos es­tes shows num de­ter­mi­na­do pe­río­do de tem­po e cha­mar-lhe Fashi­on Press We­eks e Press We­eks. Nas­ceu, as­sim, a New York Fashi­on We­ek e Lam­bert não se fi­ca por aí ten­do fi­ca­do co­nhe­ci­da por ter si­do a cri­a­do­ra da Lis­ta dos Mais Bem-ves­ti­dos. Con­tu­do, o con­cei­to ha­via nas­ci­do do la­do de cá do Oce­a­no Atlân­ti­co e, sem sur­pre­sas, em Fran­ça. Já no sé­cu­lo XVII, os me­lho­res ar­te­sãos de mo­da fran­ce­ses fa­zi­am des­fi­lar me­ni­nas bem-nas­ci­das com as su­as cri­a­ções pe­ran­te as com­pra­do­ras ri­cas que vi­vi­am em pa­lá­ci­os e em cas­te­los. A con­cep­ção mo­der­na de mo­da, no sen­ti­do de lu­xo que ne­ces­si­ta de re­gras cons­tan­tes e de rein­ven­ção, re­mon­ta a 1700 sob a ba­tu­ta de Luís XIV e que cul­mi­nou com Char­les Fre­de­rick Worth que fun­dou a pri­mei­ra ver­da­dei­ra Ca­sa de Al­ta-cos­tu­ra, em Pa­ris, em 1858. No fi­nal do sé­cu­lo XIX, mui­tos Cos­tu­rei­ros já em­pre­ga­vam mo­de­los pa­ra mos­trar as su­as cri­a­ções a uma eli­te en­di­nhei­ra­da em even­tos pri­va­dos, num re­gis­to que du­rou até aos fi­nais dos anos de 1960. Con­tu­do, é Paul Poi­ret o res­pon­sá­vel por dar iní­cio aos des­fi­les tal co­mo ho­je os co­nhe­ce­mos. Além das su­as cri­a­ções ge­ni­ais, Poi­ret era co­nhe­ci­do pe­las mon­tras ex­tra­va­gan­tes e pe­las fes­tas feé­ri­cas que or­ga­ni­za­va pa­ra pro­mo­ver a sua Mai­son. Além de­le, Lady Lucy Duff Gor­don foi uma pi­o­nei­ra ao trans­for­mar o mo­do co­mo co­mu­ni­ca­va a mo­da, en­vi­an­do

con­vi­tes pa­ra as su­as cli­en­tes fiéis e trans­for­man­do uma sim­ples ven­da de um ves­ti­do num acon­te­ci­men­to so­ci­al com mú­si­ca e com mo­de­los pro­fis­si­o­nais. Ce­ná­ri­os mo­nu­men­tais, mul­ti­dões em êx­ta­se, ba­ta­lhões de ca­be­lei­rei­ros, ma­qui­lha­do­res, VIP, ce­le­bri­da­des, tu­do se con­ju­ga pa­ra que as Se­ma­nas de Mo­da atrai­am não só os pro­fis­si­o­nais de­se­jo­sos de mos­trar as su­as téc­ni­cas, mas tam­bém cu­ri­o­sos e apai­xo­na­dos pe­la Mo­da. As­sim se ex­pli­ca ta­ma­nha agi­ta­ção. Mas co­mo trans­for­mar um ama­dor num pro­fis­si­o­nal? Tal co­mo num cam­po de ba­ta­lha, aqui há re­gras a adop­tar. Uma eti­que­ta a se­guir. Ora va­mos lá!

CO­MO DI­ZIA A MI­NHA AVÓ, “a ca­sa­men­tos e bap­ti­za­dos não se vai sem se ser con­vi­da­do” e, por is­so, não ten­te en­trar em shows pa­ra os quais não tem con­vi­te.

Os se­gu­ran­ças e os re­la­ções-pú­bli­cas de ca­da mar­ca têm in­cor­po­ra­do um de­tec­tor à pro­va de in­tru­são e um sex­to sen­ti­do apu­ra­dís­si­mo. Não é a pri­mei­ra vez que cum­prem es­sa fun­ção e são com­ple­ta­men­te imu­nes aos avan­ços de qual­quer pes­soa que ten­te en­trar à so­ca­pa com a tal des­cul­pa “Vou só ali di­zer uma coi­sa a uma ami­ga e vol­to já, sim?”. De­pois, na re­mo­ta even­tu­a­li­da­de de al­guém lhe di­ri­gir a pa­la­vra e de lhe per­gun­tar “De quem é es­se ves­ti­do, que­ri­da?”, não de­ve­rá res­pon­der “É meu”. Evi­te a res­pos­ta e dei­xe pa­ra a ou­tra pes­soa a me­di­ta­ção so­bre a mar­ca fa­mo­sa que es­tá a usar, mes­mo que o seu ves­ti­do se­ja um bo­ni­to low-cost. Ou­tra su­ges­tão: con­tro­le a ex­ci­ta­ção. Nun­ca gri­te “Olha a An­na Win­tour!

É mes­mo a An­na Win­tour! An­na­a­aa! An­na­aa!” por­que a pro­ba­bi­li­da­de de ser no­ta­da por um se­gu­ran­ça e ar­ras­ta­da até aos de­tec­to­res de me­tais é ele­va­dís­si­ma. Não, não de­ve usar ócu­los es­cu­ros. Mes­mo que ache que os flashes dos fo­tó­gra­fos lhe vão afec­tar a re­ti­na. A não ser que se­ja al­gum dos VIP ou que te­nha en­car­na­do mo­men­ta­ne­a­men­te na Kim Kar­dashi­an. Por is­so, guar­de os ócu­los. Ca­so con­trá­rio, se­rá vis­ta co­mo uma re­cém-che­ga­da ao mun­do da mo­da e da­rá um enor­me faux pas. Só An­na Win­tour é que tem li­cen­ça pa­ra os usar. Mes­mo que nun­ca os ti­re, co­mo fez na pre­sen­ça da rai­nha Isa­bel II. Os nor­te-ame­ri­ca­nos são pou­co da­dos a pro­to­co­los co­mo se vê por aque­le se­nhor com a pe­le ala­ran­ja­da e o ca­be­lo la­ca­do de ama­re­lo que es­tá na Ca­sa Bran­ca. Man­te­nha a dis­tân­cia das ce­le­bri­da­des, não fi­que em­bas­ba­ca­da a olhar pa­ra elas e, mui­to me­nos, pe­ça pa­ra ti­rar sel­fi­es. É taky, co­mo di­rão os in­gle­ses. Es­tar num des­fi­le (se con­se­guiu en­trar), é a gran­de opor­tu­ni­da­de de ob­ser­var as ce­le­bri­da­des no seu ha­bi­tat na­tu­ral. Mas stay away. Ou­tro con­se­lho: não em­pur­re! Não es­tá a fa­zer uma ma­ra­to­na e a vi­da não aca­ba se en­trar dois mi­lé­si­mos de se­gun­do de­pois. De re­pen­te, tu­do o que se apren­deu no jar­dim de in­fân­cia var­re-se da me­mó­ria? Em­pur­rar é mau! E na ho­ra da ver­da­de quan­do lhe per­gun­ta­rem “Qual é a sua fi­la”, fu­ja! Es­ta per­gun­ta faz tre­mer até as mais ha­bi­tuées, é a que to­das as fashi­o­nis­tas te­mem, a que põe a nu to­da a vul­ne­ra­bi­li­da­de e a que pro­vo­ca o tal “ar­re­pio na es­pi­nha” só com­pa­ra­do ao ques­ti­o­ná­rio fei­to pe­los se­gu­ran­ças do ser­vi­ço de fron­tei­ras no ae­ro­por­to JFK. Até por­que não se tra­ta bem de uma per­gun­ta por­que é uma de­cla­ra­ção de im­por­tân­cia que tra­du­zi­da à le­tra quer di­zer “Quão im­por­tan­te é que tu és?”. A não ser que se pos­sa res­pon­der al­to e bom som “Es­tou na pri­mei­ra fi­la, en­tre a Win­tour e a rai­nha Isa­bel II”, se­ja eva­si­va! O res­to é um “bu­ra­co ne­gro”! Só que um sim­ples lu­gar de­pois da se­gun­da fi­la é a mor­te so­ci­al! Sen­te-se, por fim, no seu le­gí­ti­mo lu­gar. É fá­cil sa­ber qual é, pois es­tá mar­ca­do com o seu no­me. Se lá es­ti­ver um car­tão a di­zer Ale­xa Chung, Pi­xie Gel­dof ou Ca­ri­ne Roit­feld, te­mo que não lhe se­ja des­ti­na­do.

Nu­ma re­mo­ta even­tu­a­li­da­de dos deu­ses te­rem in­ter­ce­di­do a seu fa­vor ou se hou­ver um ali­nha­men­to de pla­ne­tas e des­co­brir que vai fi­car sen­ta­da na pri­mei­ra fi­la, não di­ga adeus aos que es­tão sen­ta­dos de­fron­te. Vol­te a con­tro­lar os ní­veis de ex­ci­ta­ção e, re­gra mui­to im­por­tan­te, não cru­ze as per­nas. Is­so vai di­fi­cul­tar a vi­da dos fo­tó­gra­fos que não vão que­rer que, re­pe­ti­da­men­te, lhes apa­re­ça um pé es­ti­ca­do com um par de san­dá­li­as a in­va­dir a fo­to.

Man­te­nha a dis­tân­cia das ce­le­bri­da­des, não fi­que em­bas­ba­ca­da a olhar pa­ra elas e, mui­to me­nos, pe­ça pa­ra ti­rar sel­fi­es.

TEM UMA CE­LE­BRI­DA­DE AO SEU LA­DO? Saiba que, tal co­mo nos aviões, o fac­to de es­tar sen­ta­da e bas­tan­te aper­ta­da (se­rá por is­so que as mu­lhe­res na pri­mei­ra fi­la têm de ser tão ma­gras?), a om­bre­ar com al­guém fa­mo­so, is­so não quer di­zer que quei­ram fa­lar con­si­go. Por is­so, é cum­pri­men­tar e an­dar. Se não quer ser ful­mi­na­da e re­du­zi­da a pó, o si­lên­cio é o me­lhor ami­go. A car­tei­ra de­ve ser pos­ta de la­do pa­ra não im­pe­dir pas­sa­gem, pa­ra, mais uma vez, não ser um ruí­do vi­su­al pa­ra os fo­tó­gra­fos. Por is­so es­que­ça o sa­co XXL da Ba­len­ci­a­ga. Es­que­ça tam­bém tu­do o que pos­sa di­fi­cul­tar a vis­ta de quem es­tá sen­ta­do nas fi­las atrás de si, co­mo por exem­plo cha­péus e de­mais aces­só­ri­os pa­ra os ca­be­los. Lem­bre-se: vai as­sis­tir a um des­fi­le, não vai par­ti­ci­par ne­le. Mais uma re­gra: con­te­nha a ex­ci­ta­ção, uma vez co­me­ça­do o es­pec­tá­cu­lo. O ves­ti­do que aca­ba de apa­re­cer na pas­se­rel­le é a coi­sa mais mag­ní­fi­ca em que al­gu­ma vez pôs a vis­ta? Con­te­nha as mãos. As pal­mi­nhas es­tão re­ser­va­das pa­ra o fi­nal. Os Oh! e os Ah! es­tão ab­so­lu­ta­men­te proi­bi­dos. Last but not le­ast, des­li­gue o te­le­mó­vel. Sim, to­dos es­tão agar­ra­dos aos seus te­le­fo­nes por­tá­teis a fil­mar o des­fi­le, mas des­li­gar sig­ni­fi­ca si­len­ci­ar. E lar­gue o ipad, por fa­vor. Pa­re­ce que se­gu­ra uma tá­bua de pas­sar a fer­ro. Afi­nal, foi só um des­fi­le de mo­da que du­rou mui­to me­nos de uma ho­ra. Tan­ta an­gús­tia pa­ra quê? Tu­do aca­bou bem. Se­guem-se as fes­tas pós-des­fi­le, igual­men­te con­cor­ri­das, igual­men­te stres­san­tes, mas is­so é ou­tra his­tó­ria. A não ser que quei­ra re­pe­tir tu­do. Mas quan­do tu­do aca­ba e nos per­gun­ta­mos se va­le a pe­na tu­do is­so, nem he­si­ta­mos na res­pos­ta: sim! Por­que, con­tas fei­tas, Mo­da é ma­gia e di­ver­ti­men­to (… mes­mo que te­nha­mos de vi­ver um pe­que­no “cal­vá­rio” pa­ra so­bre­vi­ver a um des­fi­le).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.