PE­LA PO­SI­TI­VA

Máxima - - Correio - Jo­a­na Bi­zar­ro

Há já mui­to tem­po que não lia a MÁ­XI­MA. Na­da me­lhor que Agos­to e al­gum tem­po ex­tra pa­ra o fa­zer e eis que ado­rei es­te mi­mo a que me pre­dis­pus. Ago­ra che­ga Se­tem­bro e é co­mo o Ano No­vo. Po­de­mos vol­tar de­pri­mi­das pe­lo fim das fé­ri­as ou re­vi­ta­li­za­das e dis­pos­tas a ten­tar ver tu­do de uma for­ma mais po­si­ti­va e tam­bém com al­gu­ma eti­que­ta, aque­la que, in­fe­liz­men­te, co­mo nos dis­se a Ma­ria Wal­lis, es­tá qu­e­bra­da. Es­ta eti­que­ta que nos faz, en­tre tan­tas coi­sas, não apro­vei­tar o que te­mos ao nos­so dis­por. Por is­so, agra­de­ço à Má­xi­ma o tem­po que me faz ga­nhar ao lê-la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.