ÍCO­NE DE ES­TI­LO

Já pas­sa­ram mais de du­as dé­ca­das, mas a fi­gu­ra cen­tral de Se­xo e a Ci­da­de con­ti­nua a ins­pi­rar-nos tan­to co­mo em 1998, ano em que a sé­rie foi cri­a­da. Fa­la­mos de Car­rie, a per­so­na­gem que fi­cou co­la­da a SA­RAH JES­SI­CA PAR­KER. Fo­mos a Ve­ro­na co­nhe­cer a ac­triz

Máxima - - Segunda Pele -

Se, nos di­as que cor­rem, nos pe­di­rem pa­ra no­me­ar uma si­gla que re­me­ta pa­ra o mun­do da Mo­da e do Ci­ne­ma, SJP se­rá uma das mais ime­di­a­tas. Foi nu­ma sa­la de pa­re­des ala­ran­ja­das e bus­tos ro­ma­nos, no in­te­ri­or do his­tó­ri­co ho­tel Due Tor­ri Ho­tel Ve­ro­na, que es­pe­rá­mos an­si­o­sa­men­te pe­lo íco­ne, na esperança de, nem que ape­nas por meia ho­ra, pu­dés­se­mos co­nhe­cer tam­bém o la­do da mu­lher, da mãe e da it girl nas­ci­da a 25 de Mar­ço de 1965 em Nel­son­vil­le, Ohio, nos Es­ta­dos Uni­dos. Afi­nal, Sa­rah Jes­si­ca Par­ker é mui­to mais que a inspiradora Car­rie de lon­gos ca­be­los lou­ros e um sen­ti­do de hu­mor apu­ra­do. Es­ta­mos nu­ma das ci­da­des ita­li­a­nas mais en­can­ta­do­ras, num dia de Ve­rão quen­te, aben­ço­a­do pe­lo sol e pe­lo céu cla­ro, e há jor­na­lis­tas de to­da a par­te do mun­do an­si­o­sos pa­ra co­lo­car as su­as per­gun­tas a Par­ker, o no­vo ros­to da mar­ca de lin­ge­rie (ita­li­a­na, pois cla­ro) In­ti­mis­si­mi. Qu­em é, afi­nal, SJP que não Car­rie? De­ze­nas de per­so­na­gens, além de­la pró­pria. Par­ker pro­ta­go­ni­zou su­ces­si­vos papéis, mais ou me­nos re­le­van­tes, em sé­ri­es te­le­vi­si­vas e fil­mes, nos anos 80 e 90. Foi An­nie em 3-2-1 Con­tact (1980), Katy em My Body, My Child (1982), Lo­ri em So­mewhe­re, To­mor­row (1983), Ja­ney em Girls Just Want to Ha­ve Fun (1985), Sa­mantha em The Alan King Show (1986), Mandy em The Ro­om Ups­tairs (1987), Sa­rah em

Ho­cus Po­cus (1993) ou Gwyn em Mi­a­mi Rhap­sody (1995) e Shelly em The First Wi­ves Club (1996). E es­co­lhe­mos ape­nas al­guns exem­plos, por­que SJP tem mais de seis de­ze­nas de papéis no pe­que­no e no gran­de ecrã. En­tre 1998 e 2004 de­sen­ro­la­ram-se seis tem­po­ra­das da sé­rie Se­xo e a Ci­da­de em que, nu­ma No­va Ior­que dos anos 90, Car­rie, ao la­do de Sa­mantha (Kim Ca­trall), Mi­ran­da (Cynthia Ni­xon) e Char­lot­te (Kris­tin Da­vis) nar­ram as his­tó­ri­as tór­ri­das ou abor­re­ci­das da sua vi­da amo­ro­sa. A sé­rie é ba­se­a­da no li­vro de Can­da­ce Bush­nell, ori­gi­nal­men­te es­cri­to em 1996. Ape­sar de a sé­rie ser co­nhe­ci­da pe­las pres­ta­ções dis­tin­tas do qu­ar­te­to de mu­lhe­res, a de Car­rie Bradshaw va­leu a SJP qua­tro Glo­bos de Ou­ro de Me­lhor Ac­triz em Sé­rie Te­le­vi­si­va (em co­mé­dia ou mu­si­cal). Em­bai­xa­do­ra da UNICEF des­de 1997, SJP tem apoi­a­do cau­sas li­ga­das aos di­rei­tos hu­ma­nos e foi um dos ros­tos que fa­lou pu­bli­ca­men­te, no úl­ti­mo ano, pe­las mu­lhe­res que so­fre­ram de as­sé­dio se­xu­al no am­bi­en­te de Hollywo­od, apoi­an­do os mo­vi­men­tos que se se­gui­ram co­mo pro­tes­tos aos abu­sos. Pa­ra sem­pre li­ga­da ao uni­ver­so da Mo­da, é uma it girl pa­ra mui­tas ge­ra­ções, dos anos 90 à era mil­len­ni­al. Co­mo Car­rie an­da­va sem­pre em bus­ca dos “Ma­no­los” (sa­pa­tos da mar­ca Ma­no­lo Blah­nik) per­fei­tos, na sé­rie, em 2013 a ac­triz co­la­bo­rou com a mar­ca pa­ra uma co­lec­ção de sa­pa­tos fei­tos à sua me­di­da.

ES­TA É A SE­GUN­DA CAM­PA­NHA QUE SJP

faz pa­ra o Gru­po Cal­ze­do­nia. “Foi um per­cur­so ma­ra­vi­lho­so [tra­ba­lhar com o Gru­po Cal­ze­do­nia] por­que to­dos são cri­a­ti­vos, de­sa­fi­a­do­res, são em­pol­gan­tes e en­fren­tam as ad­ver­si­da­des que uma ci­da­de co­mo No­va Ior­que apre­sen­ta”, co­me­ça por di­zer Sa­rah Jes­si­ca Par­ker, di­an­te de um gru­po de im­pren­sa na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal, so­bre o ví­deo pro­mo­ci­o­nal que fez pa­ra a In­ti­mis­si­mi de for­ma a apre­sen­tar a es­tre­la de lin­ge­rie da no­va es­ta­ção Ou­to­no/ In­ver­no, o sou­ti­en Bal­co­net­te. Co­mo não po­de­ria dei­xar de ser, Par­ker sur­ge nas ru­as da ci­da­de “que nun­ca dor­me” e vê, mal sai de ca­sa, to­dos os olhos pos­tos em si por re­ve­lar o sou­ti­en, par­te cen­tral do seu lo­ok. São olha­res de es­pan­to, de cu­ri­o­si­da­de, ao som da mú­si­ca Nes­su­no Mi Puo Giu­di­ca­re (Nin­guém me po­de jul­gar, em por­tu­guês), da ita­li­a­na Ca­te­ri­na Ca­sel­li. Na ver­da­de, o sou­ti­en usa­do co­mo par­te do lo­ok era exac­ta­men­te uma das as­si­na­tu­ras do es­ti­lo de Car­rie em Se­xo e a Ci­da­de (re­cor­da-se de a per­so­na­gem usar es­ta pe­ça de lin­ge­rie com uma blu­sa em ma­lha ren­di­lha­da?). Ape­sar de a oca­sião ser pro­pí­cia pa­ra fa­lar de lin­ge­rie, o Ci­ne­ma não fi­cou fo­ra da con­ver­sa. No no­vo fil­me de Fa­bi­en Cons­tant (com es­treia mun­di­al mar­ca­da pa­ra 9 de No­vem­bro), SJP re­gres­sa a No­va Ior­que pa­ra ser Vi­vi­en­ne, mas não num am­bi­en­te tão gla­mo­ro­so co­mo o de Se­xo e a Ci­da­de. Em Blue Night, Vi­vi­en­ne Ca­ra­la é uma can­to­ra de blu­es que, de for­ma ines­pe­ra­da, re­ce­be um di­ag­nós­ti­co som­brio que po­de mu­dar a sua vi­da. O fil­me, exi­bi­do no Fes­ti­val de Ci­ne­ma de Tri­be­ca, não é um re­ma­ke mas sim uma rein­ter­pre­ta­ção do clás­si­co de Agnès Var­da, Du­as Ho­ras da Vi­da de Uma Mu­lher (Cléo de 5 à 7, de 1962). “Ele [Fa­bi­en] foi um dos re­a­li­za­do­res mais em­pol­gan­tes com qu­em tra­ba­lhei, o ar­gu­men­to foi es­cri­to por uma mu­lher [Lau­ra Ea­son] e o fil­me foi pro­du­zi­do por vá­ri­as mu­lhe­res.” É ver­da­de, e na li­nha da fren­te, no que res­pei­ta à re­pre­sen­ta­ção, ao la­do de SJP ve­mos ac­tri­zes de pe­so co­mo Re­née Zellwe­ger ou Jac­que­li­ne Bis­set.

NO ANO EM QUE HOLLYWO­OD

de­sa­tou e des­ta­pou te­mas co­mo o do as­sé­dio e da vi­o­la­ção se­xu­al, tam­bém es­te não po­de­ria ser um tó­pi­co dei­xa­do de la­do, na con­ver­sa com SJP. “Eu ex­pe­ri­en­ci­ei os mo­vi­men­tos Ti­me’s Up* e #Me­too, que se fo­cam em cri­ar am­bi­en­tes [pro­fis­si­o­nais] se­gu­ros on­de as mu­lhe­res pos­sam es­tar, cres­cer e de­sen­vol­ver o seu po­ten­ci­al (…). Es­tes mo­vi­men­tos im­por­tan­tes le­vam o seu tem­po, não nas­cem e che­gam a uma fi­na­li­da­de da noi­te pa­ra o dia. São de­sa­fi­a­do­res, di­fí­ceis, as pes­so­as têm de ser ou­vi­das e apren­der a ou­vir, a sa­ber quan­do fa­lar e de­nun­ci­ar – pa­ra al­gu­mas ge­ra­ções is­so foi di­fí­cil de acei­tar.”

Quan­do lhe per­gun­tam co­mo con­se­gue fa­zer tan­tas coi­sas, en­tre a vi­da pes­so­al e a pro­fis­si­o­nal, Sa­rah Jes­si­ca Par­ker to­ma uma po­si­ção que nos faz es­cu­tá-la (ain­da) mais aten­ta­men­te. “Não pen­so que se­ja mui­to ins­pi­ra­dor ou im­pres­si­o­nan­te que eu con­si­ga fa­zer es­sas coi­sas, por­que te­nho os re­cur­sos de que pre­ci­so pa­ra su­por­tar es­sas es­co­lhas (…). Tal­vez de­vês­se­mos di­ri­gir es­sas per­gun­tas pa­ra as mu­lhe­res que não têm re­cur­sos, que não têm apoi­os fi­nan­cei­ros pa­ra as su­as cri­an­ças, que não têm es­co­lha na pro­fis­são que exer­cem, que não têm po­der fi­nan­cei­ro pa­ra po­der ser qu­em que­rem. Co­mo é que eu con­si­go en­con­trar ba­lan­ço? Qu­em quer sa­ber?” A de­cla­ra­ção que im­por­ta, que mos­tra a mu­lher que Par­ker é, além da ac­triz, e da cons­ci­ên­cia que tem do mun­do. À fren­te de uma câ­ma­ra ou atrás de­la, há um tra­ço da per­so­na­li­da­de de Par­ker que se evi­den­cia ao lon­go de (qua­se) to­das as per­gun­tas fei­tas. É, sem dú­vi­da, um sen­ti­do de hu­mor bem apu­ra­do. “Há al­gu­ma coi­sa em par­ti­cu­lar que use pa­ra se sen­tir po­de­ro­sa quan­do tem de ser rá­pi­da a ves­tir-se?”, ques­ti­o­na uma jor­na­lis­ta com a con­vic­ção que vai re­ce­ber co­mo res­pos­ta, tal­vez, um ba­tom ver­me­lho. Pe­ran­te a per­gun­ta, SJP não he­si­ta. “Nem te­nho ne­nhum ba­tom. Eu não pro­cu­ro na­da em es­pe­ci­al pa­ra me sen­tir com po­der.” Pa­ra ali­gei­rar o cli­ma, res­pon­de, com a clas­se e a gra­ci­o­si­da­de que lhe são ine­ren­tes: “O sou­ti­en Bal­co­net­te, cla­ro!”

*Ti­me’s Up é um mo­vi­men­to con­tra o as­sé­dio e agres­são se­xu­al e foi lan­ça­do a 1 de Ja­nei­ro de 2018 por ce­le­bri­da­des de Hollywo­od em res­pos­ta ao ca­so Weins­tein.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.