AS NO­VAS MU­LHE­RES DE 30 ANOS

Ins­pi­rá­mo-nos em Bal­zac, mas as por­tu­gue­sas de ho­je na­da têm que ver com o re­tra­to da mu­lher que fez aque­le es­cri­tor. “O ápi­ce poé­ti­co da vi­da das mu­lhe­res” se­rá, no pre­sen­te, mui­to mais à fren­te nas nos­sas vi­das. As nos­sas mu­lhe­res de 30 anos são exem­plo

Máxima - - Para Começar - Por Car­la Ma­ce­do

O mun­do mu­dou e com ele as mu­lhe­res que es­tão na ca­sa dos 30. Tes­te­mu­nhos de di­fe­ren­tes mu­lhe­res, uni­das pe­la ida­de e por um fu­tu­ro que que­rem me­lhor.

No iní­cio de Ou­tu­bro, os olhos do mun­do das so­lu­ções tec­no­ló­gi­cas vol­ta­ram a re­cair so­bre o nos­so país e não foi ape­nas por cau­sa da Web­sum­mit. “Por­tu­gal tem um no­vo uni­cór­nio” foi o tí­tu­lo de uma sé­rie de ar­ti­gos na im­pren­sa na­ci­o­nal e es­tran­gei­ra so­bre a Talk­desk, a em­pre­sa cri­a­da por Cris­ti­na Fon­se­ca e por Ti­a­go Pai­va, fun­da­da em 2011, e que nes­te mês de Ou­tu­bro, nu­ma ron­da de in­ves­ti­men­tos, atin­giu uma ava­li­a­ção de mais de mil mi­lhões de dó­la­res. A Talk­desk tor­nou-se a em­pre­sa por­tu­gue­sa mais rá­pi­da de sem­pre a atin­gir es­sa va­lo­ri­za­ção – me­nos um ano do que a Far­fe­cht –, o que fez de­la um “uni­cór­nio”. O su­ces­so in­ter­na­ci­o­nal de Cris­ti­na Fon­se­ca ti­nha co­me­ça­do an­tes. Em 2016, era re­co­nhe­ci­da pe­la re­vis­ta nor­te-ame­ri­ca­na For­bes ao en­trar na lis­ta dos 30 com me­nos de 30 – as 30 men­tes mais bri­lhan­tes em em­pre­en­de­do­ris­mo, em ta­len­to e em mu­dan­ça so­ci­al no mun­do in­tei­ro. Nes­se mes­mo ano, sur­pre­en­dia tu­do e to­dos ao dei­xar o le­me da em­pre­sa que ti­nha cri­a­do, lo­go de­pois da li­cen­ci­a­tu­ra em En­ge­nha­ria das Te­le­co­mu­ni­ca­ções, no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Téc­ni­co. Nu­ma en­tre­vis­ta ao Jor­nal de Ne­gó­ci­os ha­via de ex­pli­car: “Tra­ba­lhei du­ran­te cin­co, seis anos, de dia e de noi­te. Fa­zia o tur­no de Por­tu­gal, dos EUA, nun­ca pa­ra­va. Eu res­pi­ra­va Talk­desk 20 ho­ras por dia. Es­ta­va mui­to can­sa­da.”

Es­te ano, Cris­ti­na Fon­se­ca com­ple­ta 31 anos, man­tém­se co­mo ac­ci­o­nis­ta da Talk­desk, mas não tem fun­ções exe­cu­ti­vas. Na sua pá­gi­na do Lin­ke­din po­de­mos ler que é, ago­ra, in­ves­ti­do­ra e em­pre­en­de­do­ra Te­ch, mem­bro da Glo­bal Sha­pers, uma as­so­ci­a­ção in­ter­na­ci­o­nal pa­ra a mu­dan­ça po­lí­ti­ca, e do Glo­bal Agen­da Coun­cil on Eu­ro­pe, uma ini­ci­a­ti­va do Fó­rum Eco­nó­mi­co Eu­ro­peu. Cris­ti­na Fon­se­ca é um exem­plo de su­ces­so, mas tam­bém da ca­pa­ci­da­de de mu­dar. Um exem­plo da­qui­lo que ho­je al­gu­mas mu­lhe­res por­tu­gue­sas po­dem atin­gir, re­sul­ta­do de um con­jun­to de fac­to­res pes­so­ais, na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais. As mu­lhe­res de 30 anos, as mil­len­ni­als na de­sig­na­ção mais mo­der­ni­nha, es­tão a che­gar ao to­po

por to­do o mun­do e Por­tu­gal não é ex­cep­ção. A ge­ra­ção que tem ho­je en­tre

30 e 40 anos é a que tem mais anos de es­co­la­ri­da­de de sem­pre e o se­xo mais qua­li­fi­ca­do é, de fac­to, o fe­mi­ni­no.

De acor­do com o Eu­ros­tat, o ins­ti­tu­to eu­ro­peu de es­ta­tís­ti­cas, 34,6% dos por­tu­gue­ses en­tre os 30 e os 40 anos, no pre­sen­te, tem um cur­so su­pe­ri­or e, des­ses, as mu­lhe­res con­for­mam a mai­o­ria, co­mo vem acon­te­cen­do des­de

1989, ano em que, pe­la pri­mei­ra vez, mais mu­lhe­res do que ho­mens ter­mi­na­ram li­cen­ci­a­tu­ras. O en­si­no em Por­tu­gal é ca­da vez mais re­co­nhe­ci­do lá fo­ra. A No­va SBE [No­va Scho­ol of Bu­si­ness and Eco­no­mics], a Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca e o ISCTE vol­ta­ram, es­te ano, a in­te­grar o ran­king mun­di­al de mes­tra­dos em ges­tão do Fi­nan­ci­al Ti­mes, por exem­plo, com a No­va a atin­gir o Top 10. A fa­ma das nos­sas ins­ti­tui­ções uni­ver­si­tá­ri­as con­tri­bui não ape­nas pa­ra a cap­ta­ção de alu­nos no es­tran­gei­ro co­mo pa­ra a mai­or ca­pa­ci­da­de con­cor­ren­ci­al dos seus alu­nos, lá fo­ra. Tu­do so­ma­do, as mu­lhe­res por­tu­gue­sas são as que ho­je têm mais po­ten­ci­al, à par­ti­da, pa­ra ga­nhar os em­pre­gos de so­nho em Por­tu­gal e no es­tran­gei­ro.

ATIN­GIR OS SO­NHOS AOS 30

Inês Te­nen­te, de 31 anos, po­de não ter da­do tan­to nas vis­tas, mas a ver­da­de é que fez tu­do o que que­ria (pro­fis­si­o­nal­men­te) e, aos 30 anos, tam­bém re­sol­veu mu­dar de vi­da. Já pas­sou por al­guns dos ins­ti­tu­tos de in­ves­ti­ga­ção mé­di­ca de mai­or re­no­me, co­mo o Ins­ti­tu­to de Me­di­ci­na Mo­le­cu­lar, o Cen­tro Cham­pa­li­maud e o Mas­sa­chu­setts Ge­ne­ral Hos­pi­tal, o mai­or hos­pi­tal uni­ver­si­tá­rio de Har­vard, em Bos­ton, nos EUA, on­de es­tu­dou a he­te­ro­ge­nei­da­de de sar­co­mas pe­diá­tri­cos, du­ran­te cin­co anos. Era is­to, exac­ta­men­te, aqui­lo com que so­nha­ra to­da a vi­da: “Sem­pre pen­sei que se­ria ci­en­tis­ta e que iria des­co­brir no­vos tra­ta­men­tos pa­ra do­en­ças ge­né­ti­cas ou mes­mo pa­ra do­en­ças on­co­ló­gi­cas. Eu sem­pre fui mui­to apli­ca­da e fo­ca­da pa­ra che­gar a es­se ob­jec­ti­vo.” Quan­do re­a­li­zou es­se de­se­jo, não con­se­guiu fi­car pa­ra­da. “De­pois des­se ca­pí­tu­lo co­mo ci­en­tis­ta de la­bo­ra­tó­rio, per­ce­bi que o que eu que­ria fa­zer, mes­mo, era tra­ba­lhar na área do aces­so a me­di­ca­men­tos ino­va­do­res e is­so le­vou-me até aqui.” Ho­je vi­ve em Man­ches­ter, no Rei­no Uni­do, on­de é con­sul­to­ra da De­ci­si­on Re­sour­ces Group, uma em­pre­sa da in­dús­tria far­ma­cêu­ti­ca.

Inês Te­nen­te é me­tó­di­ca, apli­ca­da e fo­ca­da nos re­sul­ta­dos. Co­mo ti­nha sa­bi­do sem­pre pa­ra on­de é que­ria ir e co­mo se­ria o ca­mi­nho, con­ta que só a che­gar aos 30 anos é que se con­fron­tou com a in­cer­te­za do pró­xi­mo pas­so. “Foi um cho­que. Não me ima­gi­na­va em Man­ches­ter, fo­ra do la­bo­ra­tó­rio, mui­to me­nos sa­bia que exis­tia a pro­fis­são que ago­ra te­nho!” Con­ta tam­bém que es­sa dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra des­co­brir o que es­ta­va pa­ra além da ima­gi­na­ção lhe veio da pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia co­mo bol­sei­ra de dou­to­ra­men­to no es­tran­gei­ro: “Sem­pre pen­sei que sair de Por­tu­gal e ir à aven­tu­ra me abri­ria ho­ri­zon­tes, pes­so­al e pro­fis­si­o­nal­men­te, e is­so con­cre­ti­zou-se!” Na­tu­ral­men­te, Inês Te­nen­te re­co­nhe­ce-se na des­cri­ção de pes­soa fe­liz. Pa­ra a in­ves­ti­ga­do­ra, ter 30 anos “é ma­ra­vi­lho­so!”. E con­si­de­ra: “Já te­mos as es­tra­té­gi­as e ri­tu­ais pa­ra nos le­van­tar­mos mais de­pres­sa de­pois de cair. Sa­be­mos qu­em são os nos­sos ami­gos ver­da­dei­ros, cres­ce­mos jun­tos e nem a dis­tân­cia nos se­pa­ra. Fa­lo com eles so­bre is­to vá­ri­as ve­zes – o nos­so di­ta­do é ‘The 30s are the new 20s’.”

OS 30 SÃO OS NO­VOS 20

As ci­ên­ci­as so­ci­ais di­zem o mes­mo que diz a ex-ci­en­tis­ta Inês Te­nen­te. Os 30 são os no­vos 20, is­to se en­ten­der­mos es­ta fra­se co­mo uma in­ter­pre­ta­ção da ida­de em que se atin­ge a mai­o­ri­da­de efec­ti­va ga­nhan­do au­to­no­mia fi­nan­cei­ra, sain­do de ca­sa dos pais, es­ta­be­le­cen­do re­la­ções mais de­fi­ni­ti­vas, es­co­lhen­do ter fi­lhos... Há vá­ri­os exem­plos de mu­lhe­res por­tu­gue­sas que fa­zem o ple­no aos 30, mas as es­ta­tís­ti­cas in­di­cam que a mai­o­ria de­mo­ra mais al­gum tem­po até en­con­trar a es­ta­bi­li­da­de. Em Ju­nho des­te ano, o Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ci­ên­ci­as So­ci­ais e Po­lí­ti­cas (ISCSP) e a Fun­da­ção Fran­cis­co Ma­nu­el dos San­tos pu­bli­ca­ram um tra­ba­lho de 300 pá­gi­nas que fa­zia o re­tra­to dos jo­vens adul­tos por­tu­gue­ses e con­clui que a ida­de em que as mu­lhe­res por­tu­gue­sas sa­em de ca­sa é, em mé­dia, de 28 anos mes­mo as­sim, um ano e meio an­tes da mé­dia dos ho­mens. As ex­pli­ca­ções pa­ra es­te fe­nó­me­no tam­bém se lêem no es­tu­do: os bai­xos sa­lá­ri­os, os per­cur­sos pro­fis­si­o­nais “zi­gue­za­gue­an­tes”, en­fim, a tão fa­la­da pre­ca­ri­e­da­de con­tri­bu­em pa­ra o adi­a­men­to da ma­tu­ri­da­de. “Mui­tas das mu­lhe­res e ho­mens jo­vens que es­tão na ca­sa dos pais po­dem já não ser de­pen­den­tes eco­no­mi­ca­men­te des­tes e es­ta­rem a tra­ba­lhar, sem te­rem ga­nhos su­fi­ci­en­tes pa­ra ad­qui­ri­rem au­to­no­mia re­si­den­ci­al”, lê-se no do­cu­men­to Igual­da­de de gé­ne­ro ao lon­go da vi­da: Por­tu­gal no con­tex­to eu­ro­peu.

Ma­ria João Mar­ques, de 34 anos, sen­tir-se-á re­tra­ta­da por es­te es­tu­do. For­mou-se em Di­rei­to, fez es­tá­gio e exa­mes

A ge­ra­ção que tem ho­je en­tre 30 e 40 anos é a que tem mais anos de es­co­la­ri­da­de de sem­pre e o se­xo mais qua­li­fi­ca­do é o fe­mi­ni­no.

de aces­so à Or­dem dos Ad­vo­ga­dos e exer­ceu a pro­fis­são de for­ma­ção du­ran­te seis anos. Ho­je é con­sul­to­ra de co­mu­ni­ca­ção e re­la­ções-pú­bli­cas de mar­cas de cos­mé­ti­ca e diz, com gra­ça: “Já po­dem adi­vi­nhar as vol­tas que a vi­da deu!” Con­fir­ma que ti­nha so­nhos pa­ra re­a­li­zar mais ce­do: “Sem­pre achei que aos 24 anos eu es­ta­ria a al­can­çar o que te­nho fi­nal­men­te, ho­je, com 34. Foi pre­ci­so pas­sar mais uma dé­ca­da pa­ra ter os fi­lhos, o em­pre­go, a ca­sa que pen­sei que ia com­prar as­sim que saís­se da fa­cul­da­de. E, mes­mo as­sim, olhan­do à mi­nha vol­ta, às ve­zes sin­to-me uma ave ra­ra, uma ve­lha”, uma ex­cep­ção.

O VA­LOR DO TRA­BA­LHO

Mas de que é que es­ta­mos a fa­lar quan­do re­fe­ri­mos sa­lá­ri­os bai­xos? The Li­ving Stan­dards Ou­tlo­ok 2018, da Re­so­lu­ti­on Foun­da­ti­on, de­mons­tra que so­bre­vi­ver com os ren­di­men­tos de um mil­len­ni­al na eco­no­mia ac­tu­al é um de­sa­fio cons­tan­te. “A cri­se fi­nan­cei­ra pro­vo­cou um rom­bo nos ren­di­men­tos dos mil­len­ni­als”, lê-se no re­la­tó­rio, pu­bli­ca­do no Rei­no Uni­do, so­bre a for­ma co­mo vi­vem os jo­vens de 30 anos na Eu­ro­pa e afir­ma tam­bém que os mil­len­ni­als por­tu­gue­ses são dos que so­fre­ram as mai­o­res que­bras nos sa­lá­ri­os mé­di­os re­ais fa­ce à ge­ra­ção an­te­ri­or. Uma re­du­ção de 11%. O Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca (INE) apre­sen­tou tam­bém as su­as con­tas e re­fe­re me­nos 4,6% quan­do com­pa­ra­mos os sa­lá­ri­os dos jo­vens en­tre os 25 e os 34 de ho­je com os de 2008. Ou se­ja, se o sa­lá­rio mé­dio dos jo­vens se si­tu­a­va nos 794 eu­ros, em 2018, es­se va­lor es­tá nos 757 eu­ros. Os da­dos tra­ba­lha­dos pe­lo INE mos­tram que nem as qua­li­fi­ca­ções mais al­tas ga­ran­tem ime­di­a­ta­men­te ren­di­men­tos su­pe­ri­o­res ou que a evo­lu­ção na po­pu­la­ção com es­te ní­vel edu­ca­ti­vo ain­da é mais ne­ga­ti­va. Em Por­tu­gal, os li­cen­ci­a­dos ga­nham ho­je me­nos 17,7% de sa­lá­rio mé­dio men­sal lí­qui­do do que há uma dé­ca­da. Se­gun­do o es­tu­do, os mil­len­ni­als com edu­ca­ção su­pe­ri­or fo­ram os tra­ba­lha­do­res mais cas­ti­ga­dos na fo­lha de pa­ga­men­tos quan­do com­pa­ra­mos o an­tes e o de­pois da cri­se. O ren­di­men­to sa­la­ri­al mé­dio men­sal lí­qui­do dos li­cen­ci­a­dos di­mi­nuiu de 1.518 eu­ros pa­ra 1.200 eu­ros. Ago­ra acres­cen­te­se a es­ta pon­de­ra­ção a di­fe­ren­ça sa­la­ri­al de gé­ne­ro que exis­te em Por­tu­gal, a qual é re­al e tem vin­do a au­men­tar nos úl­ti­mos anos. Em mé­dia, as mu­lhe­res por­tu­gue­sas ga­nham me­nos 17,5% do que os ho­mens. E se es­sa mé­dia é com­pos­ta por va­lo­res de to­das as car­rei­ras con­tri­bu­ti­vas, sa­be­mos ho­je, atra­vés de um es­tu­do re­a­li­za­do por Isa­bel Vi­e­gas, da Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca, que as ra­pa­ri­gas já es­tão a ga­nhar 20% me­nos do que os ra­pa­zes. Se ex­tra­po­lar­mos es­tes da­dos pa­ra o país, con­se­gui­mos adi­vi­nhar quan­to é que ga­nham as mu­lhe­res de 30 anos? São me­nos de mil eu­ros lí­qui­dos.

ADIAR A VI­DA A DOIS, PÔR EM CAU­SA OS PAPÉIS DES­TI­NA­DOS À IDA­DE

O que ain­da es­tá por es­tu­dar é se os ou­tros da­dos es­ta­tís­ti­cos que apon­tam tam­bém pa­ra o adi­a­men­to da ida­de adul­ta, co­mo a for­ma­ção de uma no­va fa­mí­lia nu­cle­ar e o nas­ci­men­to do pri­mei­ro fi­lho, es­tão re­la­ci­o­na­dos ape­nas com a ins­ta­bi­li­da­de. As mu­lhe­res têm ago­ra o pri­mei­ro fi­lho aos 30 anos (há dez anos era aos 28), 25% de­las não es­pe­ram ter mais do que um e oi­to em ca­da 100 mu­lhe­res em ida­de fér­til não têm nem que­rem ter fi­lhos, se­gun­do um es­tu­do co­or­de­na­do pe­la Uni­ver­si­da­de de Évo­ra, de tí­tu­lo De­ter­mi­nan­tes da Fe­cun­di­da­de em Por­tu­gal.

Não foi as­sim há tan­to tem­po que o mun­do se abriu às mu­lhe­res dan­do a uma gran­de mai­o­ria (pe­lo me­nos, nos paí­ses oci­den­tais) pos­si­bi­li­da­des in­con­tá­veis de fu­tu­ro e de re­a­li­za­ção pes­so­al. As jo­vens adul­tas es­tão a usu­fruir das con­quis­tas das mu­lhe­res do pas­sa­do, des­co­brin­do no­vos papéis e no­vas for­mas de es­tar na vi­da. A cons­ti­tui­ção da fa­mí­lia tra­di­ci­o­nal re­ve­la já não ser atra­en­te pa­ra uma par­te da po­pu­la­ção. “Eu era ad­vo­ga­da, em Lis­boa, e no fim dos meus 29 anos aper­ce­bi­me, se­ri­a­men­te, que me sen­tia in­fe­liz e al­go ti­nha de mu­dar”, con­ta-nos Fre­de­ri­ca Per­fei­to, ago­ra com 33 anos. “Eu lem­bro-me que nun­ca de­se­jei ca­sar e ter fi­lhos. Por is­so, cer­ta­men­te, não me ima­gi­na­va nes­sa po­si­ção. Pen­so que me ima­gi­na­va so­zi­nha e a vi­a­jar, mas sem­pre ti­ve di­fi­cul­da­de em ima­gi­nar o fu­tu­ro, tal­vez por­que eu nun­ca sou­be, de ver­da­de, o que eu de­se­ja­va pa­ra mim até en­con­trar o yo­ga. Quan­do ia a en­tre­vis­tas de tra­ba­lho, uma das per­gun­tas mais co­muns era: ‘Co­mo se ima­gi­na da­qui a cin­co anos?’ Eu in­ven­ta­va sem­pre uma res­pos­ta que fos­se do agra­do do só­cio.”

Os pa­drões de or­ga­ni­za­ção da so­ci­e­da­de em cai­xas men­tais não ser­vi­am a Fre­de­ri­ca, mas foi só quan­do co­me­çou a fa­zer yo­ga, em 2015, que a vi­da mu­dou... e mu­dou de­pres­sa. “Eu co­me­cei o ano num es­cri­tó­rio de ad­vo­ga­dos e aca­bei o ano co­mo pro­fes­so­ra de yo­ga e re­la­ções-pú­bli­cas de um surf camp, no Sri Lan­ka.” Os fi­lhos não exis­ti­am nas pro­jec­ções de fu­tu­ro de Fre­de­ri­ca co­mo, já vi­mos, não exis­tia qua­se na­da. “Nun­ca ti­ve es­se de­se­jo, mas co­me­ço a sen­tir cu­ri­o­si­da­de. Não por­que mui­tas das mi­nhas ami­gas se­jam mães, mas por­que na­tu­ral­men­te sin­to que is­so faz par­te do

As mu­lhe­res têm ago­ra o pri­mei­ro fi­lho aos 30 anos (há dez anos era aos 28), 25% de­las não es­pe­ram ter mais do que um e oi­to em ca­da 100 mu­lhe­res em ida­de fér­til não têm nem que­rem ter fi­lhos.

pa­pel da mu­lher no mun­do. Co­me­ço a sen­tir que, se não ti­ver is­so, vou per­der uma par­te bem im­por­tan­te da vi­da. Mas não sin­to qual­quer pres­são so­ci­al ou pes­so­al nes­te mo­men­to. Eu sou fe­liz so­zi­nha e li­vre, e es­ta li­ber­da­de que tan­to amo po­de vir a ser um im­pe­di­men­to à ma­ter­ni­da­de.” Co­mo Fre­de­ri­ca Per­fei­to, tam­bém Inês Te­nen­te co­me­ça, ago­ra, de­pois do 30, a pen­sar em ter fi­lhos. A ci­en­tis­ta diz, aliás, que os quer ter “se as­sim for pos­sí­vel”. Só que vi­ver ao rit­mo das so­ci­e­da­des oci­den­tais faz com que os fi­lhos, mes­mo ain­da an­tes de te­rem nas­ci­do, se­jam já vis­tos co­mo um pe­so a me­dir por qu­em mui­to os de­se­ja. “Eu cres­ci a ou­vir que se es­tu­das­se e se fos­se de­di­ca­da aos meus ob­jec­ti­vos, tu­do se con­quis­ta­va. Te­nho um com­pa­nhei­ro que me apoia, que me mo­ti­va e que dá es­pa­ço pa­ra que eu con­ti­nue a cres­cer pro­fis­si­o­nal­men­te, que faz mui­to em ca­sa e na nos­sa vi­da pes­so­al. No en­tan­to, che­ga­dos os 30, o mun­do diz às mu­lhe­res que é ho­ra de pôr os tra­vões ou per­de-se o bar­co da ma­ter­ni­da­de. Pe­lo que ve­jo à mi­nha vol­ta, tor­na-se mui­to, mui­to di­fí­cil con­ti­nu­ar no mes­mo rit­mo quan­do se é mãe.” E Inês con­fir­ma que é am­bi­ci­o­sa: “Es­ta­mos na fa­se de cres­ci­men­to ex­po­nen­ci­al na nos­sa pro­fis­são, qu­e­re­mos agar­rar tu­do com unhas e den­tes, mas te­mos de fa­zer es­co­lhas. Sen­ti­mos que já não te­mos o lu­xo dos 20 [anos] em dei­xar es­ca­par uma opor­tu­ni­da­de… Afi­nal, in­ves­ti­mos tan­to na nos­sa for­ma­ção, não é pa­ra dei­tar tu­do a per­der! Fa­ze­mos tu­do e con­fron­ta­mo-nos com o fac­to de que não so­mos su­per­mu­lhe­res e va­mo-nos abai­xo. Sen­ti­mos na pe­le que es­se in­ves­ti­men­to, por ve­zes, não se tra­duz em re­sul­ta­dos e que a ima­gem do nos­so fu­tu­ro é um pou­co ina­tin­gí­vel.” Aca­ban­do por re­su­mir: “O prin­ci­pal de­sa­fio, prin­ci­pal­men­te en­quan­to mu­lher, é con­ju­gar o pes­so­al e o pro­fis­si­o­nal.”

A LOU­CU­RA DA MA­TER­NI­DA­DE

Mes­mo se to­dos os alar­mes to­cam a avi­sar as mu­lhe­res de que a ma­ter­ni­da­de é uma coi­sa di­fí­cil e se a so­ci­e­da­de, as em­pre­sas e as che­fi­as por­tu­gue­sas pa­re­cem apos­ta­das em em­pur­rar as mu­lhe­res pa­ra uma es­co­lha de “ou sim ou so­pas”, em que uma op­ção in­va­li­da a ou­tra, há mu­lhe­res que têm mes­mo fi­lhos man­ten­do os seus em­pre­gos. Ma­ria João Mar­ques con­fir­ma que o equi­lí­brio en­tre o pro­fis­si­o­nal e o pes­so­al é “ca­da vez mais di­fí­cil”. E co­men­ta: “An­tes de ter fi­lhos, es­sa con­ci­li­a­ção era fa­cul­ta­ti­va e di­zia res­pei­to à ma­nu­ten­ção de uma cer­ta vi­da so­ci­al que se que­ria sau­dá­vel e ac­ti­va. Ho­je, a con­ci­li­a­ção im­põe-se, é obri­ga­tó­ria. As cri­an­ças não to­mam ba­nho so­zi­nhas, não fa­zem o jan­tar... E co­mo é que se ex­pli­ca a uma cri­an­ça de três ou de qua­tro anos que não se po­de es­tar com ela por­que se tem de tra­ba­lhar?” Não es­tar so­zi­nha pa­ra cui­dar da ca­sa e da fa­mí­lia é a me­lhor res­pos­ta que a con­sul­to­ra de co­mu­ni­ca­ção tem pa­ra dar. “A or­ga­ni­za­ção fa­mi­li­ar en­tre os pais é a cha­ve. Mas o ver­da­dei­ro se­gre­do es­tá em ter aju­da: os avós são cru­ci­ais, cá em ca­sa.” Ma­ria Inês Reis tam­bém faz par­te da ca­ma­da da po­pu­la­ção que en­co­lhe a ca­da ano, mas que ain­da é a mai­o­ria: a das mu­lhe­res com fi­lhos. Tem du­as me­ni­nas, gé­me­as, de qua­tro anos, nas­ci­das quan­do ela ti­nha 30. “Aca­bei a fa­cul­da­de e pen­sei no que que­ria pa­ra a mi­nha vi­da. Por aca­so, cor­reu tu­do ‘by the bo­ok’, mas foi mes­mo sem que­rer. Des­co­bri o amor da mi­nha vi­da sem es­tar à es­pe­ra de­le no sí­tio mais inós­pi­to de sem­pre. Fi­quei noi­va aos 28 anos (no meu dia de anos e após seis ho­ras de exa­mes pa­ra agre­ga­ção na Or­dem dos Ad­vo­ga­dos), ca­sei aos 29 e fui mãe aos 30! Acho que se fos­se pla­ne­a­do, não te­ria cor­ri­do tão bem!” Mas Ma­ria Inês con­fir­ma a res­pon­sa­bi­li­da­de men­tal que ser mãe acar­re­ta: “Eu acho que o di­fí­cil, mes­mo, é ser­mos pais e aqui é que a vi­da dá uma vol­ta de 180 graus e pa­ra sem­pre.” Além da con­ci­li­a­ção di­fí­cil en­tre tra­ba­lho, ca­sa e ami­gos, a ad­vo­ga­da re­fe­re que a ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra di­mi­nuí­da quan­do se com­pa­ra com a ge­ra­ção dos seus pais é o que lhe ti­ra o so­no: “Já não so­mos as­sim tão jo­vens e ve­nho de uma ge­ra­ção em que os nos­sos pais com es­ta ida­de ti­nham uma dis­po­ni­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra que nem to­dos têm nos di­as que cor­rem.”

E SE OS 30 NÃO FOREM OS NO­VOS 20?

A psi­có­lo­ga ame­ri­ca­na Meg Jay es­cre­veu o li­vro A Ida­de De­ci­si­va, um tex­to que de­mons­tra co­mo a dé­ca­da en­tre os 20 e os 30 anos é de­ci­si­va pa­ra a fi­xa­ção da per­so­na­li­da­de e for­ma­ção de re­la­ções in­ter­pes­so­ais, num pe­río­do de­fi­ni­do neu­ro­lo­gi­ca­men­te co­mo o úl­ti­mo de gran­de cres­ci­men­to do cé­re­bro. Nu­ma TEDTALK, de 2013, a au­to­ra de­fen­deu que as pes­so­as com 30 anos de­vem re­cu­sar adiar por mais tem­po a ida­de adul­ta e afir­ma que se con­ti­nu­ar­mos a fa­zê-lo vi­rão con­sequên­ci­as pa­ra a nos­sa saú­de, pa­ra a nos­sa fe­li­ci­da­de e “qu­em sa­be se pa­ra o nos­so mun­do.” Pa­ra Meg Jay, 80% dos mo­men­tos de­ci­si­vos das nos­sas vi­das acon­te­cem em tor­no dos 35 anos. Is­to é, o im­pac­to das de­ci­sões to­ma­das an­tes des­sa al­tu­ra vai re­per­cu­tir-se du­ran­te o res­to da vi­da: os pri­mei­ros dez anos de re­mu­ne­ra­ção pa­re­cem de­fi­nir o va­lor que se con­se­gue atin­gir no to­po da car­rei­ra, a mai­o­ria das mu­lhe­res ca­sa ou man­tém uma de­ci­são con­ju­gal com qu­em es­ta­va no fi­nal da dé­ca­da de 20 e as pro­ba­bi­li­da­des de ter fi­lhos co­me­çam a di­mi­nuir aos 28. Pa­ra Meg Jay, os 30 são a úl­ti­ma opor­tu­ni­da­de pa­ra ter a vi­da que qu­e­re­mos e é por is­so que aca­ba a con­fe­rên­cia a afir­mar que “os 30 não são os no­vos 20”. E de­fen­de: “Re­cla­mem a vos­sa ida­de adul­ta.” A psi­có­lo­ga, que tem de­di­ca­do os úl­ti­mos anos de in­ves­ti­ga­ção à re­si­li­ên­cia, afir­ma que an­tes dos 30 anos é im­por­tan­te to­mar de­ci­sões que nos li­guem ao mun­do.

PER­CUR­SOS DI­FE­REN­TES, SE­GU­RAN­ÇA EM CO­MUM

Ma­ria Inês Reis con­fir­ma o que diz a psi­có­lo­ga ame­ri­ca­na: “Já não so­mos cri­an­ças e as de­ci­sões que to­ma­mos nes­ta ida­de são de­ci­si­vas pa­ra a nos­sa vi­da, é o ‘ou vai ou ra­cha’, se­jam elas a ní­vel pes­so­al ou pro­fis­si­o­nal.” Só que es­sa úl­ti­ma opor­tu­ni­da­de não é vis­ta co­mo uma ques­tão ne­ga­ti­va, an­tes pe­lo con­trá­rio. “O la­do bom, sem dú­vi­da, é a ma­tu­ri­da­de. A for­ma co­mo en­fren­ta­mos as vi­cis­si­tu­des da vi­da não tem na­da a ver. Ado­rei en­trar nos 30!” Co­mo Ma­ria Inês Reis, to­das as mu­lhe­res que en­tre­vis­tá­mos pa­ra es­te ar­ti­go afir­mam que a se­gu­ran­ça nas de­ci­sões que to­mam é o mai­or be­ne­fí­cio que a ida­de lhes traz. “O la­do bom [dos 30 anos] é sa­ber fi­nal­men­te o que que­ro. Acre­di­to que, ho­je em dia, é tu­do mui­to mais có­mo­do… Eu não sei se é mais fá­cil, mas có­mo­do é”, diz Ma­ria João Mar­ques. “Eu não tro­ca­va os meus 30 anos pe­los meus 20, nem que me pa­gas­sem. Ado­ro a ex­pe­ri­ên­cia de vi­da, a sa­be­do­ria, a cal­ma. Pos­so não sa­ber o que que­ro em cin­co anos, mas sei bem o que que­ro ho­je e ama­nhã. E is­so, pa­ra mim, é su­fi­ci­en­te”, es­cre­ve Fre­de­ri­ca des­de o Sri Lan­ka. “Não sou mais uma miú­da. Sou uma mu­lher com in­fluên­cia na so­ci­e­da­de, sei o que que­ro e sin­to-me bem com as mi­nhas es­co­lhas.”

To­das elas sa­bem tam­bém, por mais ca­tas­tró­fi­cas que se­jam as es­ta­tís­ti­cas e por mais de­fi­ni­ti­vas que di­gam que são as es­co­lhas que fa­zem ago­ra, que a vi­da ain­da vai a meio (na ver­da­de nem is­so). Se­rá que se sen­tem re­a­li­za­das? “Es­ta per­gun­ta não é fá­cil. Ain­da há tan­to ca­mi­nho a per­cor­rer! Tan­tos ob­jec­ti­vos a al­can­çar, tan­tas aven­tu­ras pa­ra vi­ver! Sou uma in­con­for­ma­da por na­tu­re­za, que­ro sem­pre mais e mais. Sa­bem que a re­a­li­za­ção pro­fis­si­o­nal e pes­so­al é um ca­mi­nho”, diz Inês Te­nen­te. “Quan­do pa­ro pa­ra pen­sar de on­de ve­nho e on­de es­tou, sin­to-me fe­liz. Te­nho amor, te­nho um ca­mi­nho pro­fis­si­o­nal de que me or­gu­lho, te­nho ami­za­des lin­das, te­nho ex­pe­ri­ên­ci­as fan­tás­ti­cas. Sin­to que es­tou a meio ca­mi­nho da re­a­li­za­ção ple­na, que pas­sa por ob­jec­ti­vos pes­so­ais e pro­fis­si­o­nais.” Brin­de­mos a is­so e às mu­lhe­res de 30 anos!

“Eu não tro­ca­va os meus 30 anos pe­los meus 20, nem que me pa­gas­sem. Ado­ro a ex­pe­ri­ên­cia de vi­da, a sa­be­do­ria, a cal­ma.” Ma­ria João Mar­ques

Inês Te­nen­te

Cris­ti­na Fon­se­ca

Ma­ria João Mar­ques

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.