CA­MA­DAS DE ES­TI­LO

Acu­mu­la­ção de vo­lu­mes XXL, so­bre­po­si­ção de ca­sa­cos… A ten­dên­cia é le­var o LAYERING ao ex­tre­mo, nu­ma com­po­si­ção ma­xi­ma­lis­ta e or­ga­ni­za­da que mis­tu­ra os có­di­gos e ques­ti­o­na a épo­ca em que vi­ve­mos.

Máxima - - Para Começar - Por Jus­ti­ne Fos­ca­ri

Nem sem­pre fá­ceis de con­cre­ti­zar, as so­bre­po­si­ções são uma das pa­la­vras-cha­ve pa­ra des­co­di­fi­car aque­la que é uma das ten­dên­ci­as mais ex­pres­si­vas da tem­po­ra­da.

Es­ta es­ta­ção, a mo­da pa­re­ce com­pos­ta por ca­ma­das: não uma ou du­as, nem se­quer três, mas mui­tas mais. O pro­ces­so unis­se­xo de so­bre­po­si­ção tem um no­me: ex­tre­me layering. E é as­sim que em­pi­lho a mi­nha par­ka XXL so­bre o meu ca­sa­co de pe­nas gi­gan­te, ele pró­prio so­bre­pos­to ao meu blu­são for­ra­do, à mi­nha ga­bar­di­na com­pri­da e à mi­nha ca­mi­sa de le­nha­dor. Na sua ver­são mais es­pec­ta­cu­lar, es­te jogo de Le­go têx­til in­clui um ca­sa­co trom­pe-l’oeil de Ba­len­ci­a­ga, me­re­ce­dor de gran­de des­ta­que no des­fi­le de Ou­to­no/in­ver­no 2018/2019. Não com­por­ta me­nos de no­ve es­tra­tos he­te­ro­gé­ne­os… E al­guns in­ter­nau­tas brin­ca­lhões já lhe as­so­ci­a­ram uma ce­na de Fri­ends, em que Jo­ey ves­te to­das as rou­pas de Chan­dler.

CO­MO DO­MI­NAR O LO­OK MULTICAMADAS

Ago­ra sem sar­cas­mos, es­ta ten­dên­cia mil-fo­lhas en­con­tra-se em pro­pos­tas da Ve­te­ments, da Cha­nel, da Pra­da, da Bur­ber­ry, da Hou­se of Hol­land, da Guc­ci e da Sport­max, co­mo se less já não fos­se mo­re e uma só pe­ça de rou­pa não fos­se su­fi­ci­en­te pa­ra com­por um lo­ok ele­gan­te. E che­ga a do­mi­nar as co­lec­ções de pron­to-a-ves­tir de Ou­to­no/in­ver­no, sen­do vi­sí­vel em Com­me des Gar­çons ou Za­dig & Vol­tai­re. “No sé­cu­lo XVIII já se so­bre­pu­nham pe­ças de rou­pa”, re­cor­da Ben­ja­min Sim­me­nau­er, fi­ló­so­fo e pro­fes­sor do Ins­ti­tu­to Fran­cês da Mo­da (IFM). “É es­ta ve­lha tra­di­ção aris­to­crá­ti­ca que con­sis­te em em­pi­lhar sai­o­tes, cor­pe­tes e ves­ti­dos que en­con­tra­mos em Va­len­ti­no ou Cha­nel. Na­que­la épo­ca, po­rém, a for­ma do cor­po hu­ma­no per­ma­ne­cia dis­cer­ní­vel. Em Ba­len­ci­a­ga e na Ve­te­ments, di­ri­gi­das

pe­lo mes­mo cri­a­dor, Dem­na Gva­sa­lia, es­te pro­ces­so de ex­tre­me layering, no qual to­das as pro­por­ções mu­dam, faz com que o cor­po fi­que es­con­di­do, de­for­ma­do, até se tor­nar in­tan­gí­vel.” Po­de ser mul­ti­ta­re­fas e to­do-o-ter­re­no, mas o que diz so­bre a nos­sa épo­ca es­ta acu­mu­la­ção pa­re­ci­da com uma club sandwi­ch, em to­tal con­tra­di­ção com o aque­ci­men­to cli­má­ti­co? Que ves­tir mais rou­pa é mais fres­co? Que não es­co­lher é uma es­co­lha por si só? “Diz, so­bre­tu­do, que vi­ve­mos num mun­do do­mi­na­do pe­la an­si­e­da­de, no qual se cri­am mo­vi­men­tos pro­tec­ci­o­nis­tas em re­la­ção aos imi­gran­tes, por exem­plo, ou às tem­pe­ra­tu­ras ex­tre­mas”, ana­li­sa Clai­re Remy, res­pon­sá­vel pe­lo ga­bi­ne­te de es­ti­lo da Car­lin, em­pre­sa es­pe­ci­a­li­za­da em ten­dên­ci­as. “Es­ta es­tra­té­gia de acu­mu­la­ção re­ve­la o nos­so ins­tin­to de pro­tec­ção fa­ce ao mun­do ex­te­ri­or e re­flec­te, igual­men­te, a sua ori­gem na ali­an­ça en­tre o stre­etwe­ar e o tai­lo­ring (fa­tos de al­fai­a­te), o es­ti­lo des­por­ti­vo e o hip-hop, que são cor­ren­tes mui­to for­tes ho­je em dia. Ex­pri­me uma ideia de du­ra­bi­li­da­de e de upcy­cling, uma vez que po­de­mos com­por di­ver­sos lo­oks com as mes­mas pe­ças. Por fim, as­so­cia-a tam­bém a um ou­tro fe­nó­me­no: a von­ta­de de usar a mes­ma rou­pa pa­ra ir tra­ba­lhar e pa­ra sair à noi­te, pa­ra po­der ‘des­cas­car’ ou ‘em­pi­lhar’ ca­ma­das con­so­an­te a ne­ces­si­da­de.” Vo­lu­mes over­si­zed mui­to ao es­ti­lo dos anos 90, acu­mu­la­ção de ca­ma­das tec­no­ló­gi­cas e out­do­ors, bol­sas de cin­tu­ra fun­ci­o­nais, ces­tos vo­lu­mo­sos, lo­gó­ti­pos enor­mes: a nó­ma­da ur­ba­na com es­ti­lo, na qual to­das nos trans­for­má­mos ou es­ta­mos em vi­as de nos trans­for­mar, se­rá multicamadas por­que se­rá mul­ti­ta­re­fas e to­do-o-ter­re­no, sus­cep­tí­vel de tran­si­tar, de um mo­men­to pa­ra o ou­tro, de um open spa­ce aglu­ti­na­dor pa­ra uma fes­ta elec­tro-dis­co nu­ma cur­ta vi­a­gem de sco­o­ter eléc­tri­ca.

PRO­TEC­ÇÃO CON­TRA OS PERIGOS

O ex­tre­me layering é co­mo um sin­to­ma, se­gun­do Ben­ja­min Sim­me­nau­er. “Pa­ra mim, es­te cor­po com uma no­va for­ma, ha­bi­ta­do por pro­tu­be­rân­ci­as e tu­mo­res têx­tis, co­mo vi­mos no des­fi­le de Pri­ma­ve­ra/ve­rão de Rei Kawa­ku­bo pa­ra a Com­me des Gar­çons, é a ex­pres­são de uma do­en­ça da nos­sa so­ci­e­da­de. Uma dor que diz que o cor­po se sen­te agre­di­do por vi­o­lên­ci­as de to­dos os ti­pos, que o es­pa­ço pú­bli­co se tor­nou ater­ro­ri­za­dor e que o seu pró­prio am­bi­en­te tam­bém se en­con­tra ame­a­ça­do.” Res­ta-nos a op­ção es­co­lhi­da por Ales­san­dro Mi­che­le pa­ra o des­fi­le de Ou­to­no/in­ver­no de 2018/2019 da Guc­ci: multicamadas em ver­são mul­ti-es­ti­lo, mul­ti-épo­cas e mul­ti-paí­ses. Uma in­com­pa­ti­bi­li­da­de es­ton­te­an­te e ver­ti­gi­no­sa de aces­só­ri­os, ves­ti­men­tas e sig­nos que ba­ra­lha as pis­tas e ofe­re­ce um tram­po­lim per­fei­to pa­ra a ima­gi­na­ção, uma for­ma de se mos­trar sem se mos­trar, de dar ao cor­po uma in­ti­mi­da­de ca­lo­ro­sa (pro­te­gi­da por to­das aque­las di­fe­ren­tes ca­ma­das, tal co­mo uma ten­da de cam­pis­mo), de fa­zer so­nhar ou de afir­mar o seu mal-es­tar? Em qual­quer um dos ca­sos, o ex­tre­me layering faz tu­do o que po­de pa­ra se fa­zer no­tar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.