PARTY TIME!

Máxima - - Para Começar - Por Ma­ria Wal­lis

Em jei­to de cró­ni­ca de cos­tu­mes, ten­ta­mos de­ci­frar os dress co­des do mo­men­to e pro­va­mos que a rou­pa de fes­ta po­de ser um bo­ost na au­to-es­ti­ma.

As pe­ças mais ex­tra­va­gan­tes so­bre­põem-se à dis­cri­ção do cin­zen­to e do pre­to nu­ma de­man­da por bri­lho e gla­mour, nes­ta al­tu­ra do ano. Mas se­rá que a ROU­PA DE FES­TA tem (mes­mo) de ser uma lu­ta im­pos­sí­vel en­tre aqui­lo de que gos­ta­mos e o que man­da o dress co­de?

Lis­boa, No­vem­bro de 2018. O ca­len­dá­rio su­ge­re uma apro­xi­ma­ção vo­raz à qua­dra fes­ti­va e nes­ta ave­ni­da, uma das mais po­pu­la­res da ci­da­de, sen­te-se a an­te­câ­ma­ra das gran­des ce­le­bra­ções: as lu­zes de Na­tal es­tão mon­ta­das, o trân­si­to es­tá caó­ti­co (ape­sar de ser quar­ta-fei­ra à noi­te), as pes­so­as pas­sei­am, des­con­traí­das, alhei­as à chu­va e ao ven­to. E, no en­tan­to, ape­sar de to­dos es­tes in­di­ca­do­res nos sus­sur­ra­rem que es­ta­mos em vés­pe­ras do mês mais bri­lhan­te do ano, só qu­an­do che­ga­mos ao úl­ti­mo pi­so de um dos ho­téis da­que­la ar­té­ria é que nos aper­ce­be­mos que o cli­ma de fes­ta es­tá, de­fi­ni­ti­va­men­te, ins­ta­la­do. Por de­trás das cor­ti­nas de ve­lu­do que dão aces­so ao res­tau­ran­te com vis­ta pa­no­râ­mi­ca pa­ra a ci­da­de, a at­mos­fe­ra é elec­tri­zan­te. En­tre os pe­que­nos gru­pos que se jun­tam ao bal­cão, a meia-luz que dá o tom ao es­pa­ço e os pra­tos que “vo­am” de me­sa em me­sa, vai-se com­pon­do uma best dres­sed list ima­gi­ná­ria que não re­cu­sa­mos fa­zer: ape­sar da cal­ça­da amar­ga e da me­te­o­ro­lo­gia ad­ver­sa, as se­nho­ras es­tão de sti­let­tos – da­que­les que ain­da nos fa­zem acre­di­tar na ele­gân­cia des­com­pro­me­ti­da de um cru­zar de per­nas; as gran­des ca­mi­sas de la­ça­da su­ce­dem-se, mas ago­ra num tom me­ta­li­za­do que se sus­pei­ta com­bi­nar com a dis­cri­ção das cal­ças pre­tas, de cin­tu­ra ul­tra-su­bi­da; há um nú­me­ro in­con­tá­vel de lit­tle black dres­ses, nor­mal­men­te abai­xo do jo­e­lho, que se con­ju­gam com bla­zers de cor­te mas­cu­li­no e car­tei­ras mi­ni. Qual­quer se­me­lhan­ça en­tre o ce­ná­rio ac­tu­al e os ban­que­tes que se avi­zi­nham nas úl­ti­mas se­ma­nas de De­zem­bro não é pu­ra coin­ci­dên­cia.

SE DÚ­VI­DAS HOU­VES­SE,

elas são anu­la­das por uma rá­pi­da bus­ca pe­los prin­ci­pais si­tes de e-com­mer­ce fe­mi­ni­nos. De­pois de, nos úl­ti­mos me­ses, ter apos­ta­do nu­ma sé­rie de edi­to­ri­ais so­bre lan­te­jou­las, ce­tins and all that jazz, o si­te Net-apor­ter cri­ou uma sec­ção es­pe­ci­fi­ca­men­te de­di­ca­da à rou­pa de fes­ta, “What to we­ar for party se­a­son” (li­te­ral­men­te, o que ves­tir na qua­dra fes­ti­va), com uma se­lec­ção de mais de 1.700 pe­ças. Os ves­ti­dos ul­tra-lu­mi­no­sos da in­gle­sa Gal­van com­pe­tem com as sai­as e os tops da di­na­mar­que­sa Gan­ni, mar­ca de cul­to de in­flu­en­cers e de edi­to­ras de mo­da. Pa­ra as car­tei­ras mais ex­tra­va­gan­tes, há obras de ar­te ver­me­lho-san­gue de Gi­am­bat­tis­ta Val­li e de Os­car de la Ren­ta, mi­ni-ves­ti­dos em pe­le Ale­xan­dre Vauthi­er, blu­sas em chif­fon Saint Lau­rent e cal­ças de se­da Bot­te­ga Ve­ne­ta. No gi­gan­te si­te alemão Mythe­re­sa há uma “ho­li­day shop” on­de nos po­de­mos per­der em noi­tes de in­só­nia: di­vi­di­da em oi­to seg­men­tos, guia-nos nas me­lho­res es­co­lhas de “eve­ning bags”, “party lo­oks” ou “stan­dout sho­es”. E se al­gu­ma de nós achas­se, por mo­men­tos, que os sa­pa­tos são o me­nos im­por­tan­te por­que, co­mo ga­ran­tem vá­ri­as ami­gas em noi­te de ne­ga­ção, “Nin­guém olha pa­ra os pés”, as per­to de 400 op­ções des­ta lo­ja de lu­xo vir­tu­al in­di­cam-nos que es­ta é a al­tu­ra cer­ta pa­ra ar­ris­car – há pumps ver­ti­gi­no­sos Gi­an­vi­to Ros­si, san­dá­li­as Jimmy Choo que se con­fun­dem com po­ei­ra das es­tre­las, mu­les em ren­da Ma­lo­ne Sou­li­ers que pe­dem o re­gres­so das al­ca­ti­fas, bo­tins em glit­ter Miu Miu que re­a­li­zam os nos­sos so­nhos de cri­an­ça.

A ce­na re­pe­te-se no si­te Mat­ches Fashi­on, on­de é de re­al­çar a im­por­tân­cia da­da aos “eve­ning jac­kets”, es­sa su­bes­pé­cie de ca­sa­co for­mal que re­sol­ve (qua­se) to­dos os pro­ble­mas de um dress co­de – bla­zers de ve­lu­do, smo­kings, kaf­tans, lon­gas ca­pas com bro­ca­dos e apli­ca­ções… E se o or­ça­men­to não es­tá pa­ra gran­des vi­a­gens, e nun­ca es­tá, a Zara, que nas úl­ti­mas dé­ca­das des­tro­nou os di­a­man­tes co­mo me­lhor ami­ga das mu­lhe­res, tem as so­lu­ções mais ape­te­cí­veis pa­ra qual­quer jan­tar de Na­tal ou fes­ta de pas­sa­gem de ano. Dos so­bre­tu­dos em pê­lo sin­té­ti­co que re­pli­cam as pe­les ver­da­dei­ras com mui­to mais “pin­ta” e con­si­de­ra­ção (e que se des­co­brem tan­to nas fi­las do Lux co­mo nos ca­dei­rões do JNCQUOI) às cal­ças bo­ca-de-si­no com lan­te­jou­las (uma ideia que Mi­cha­el Hal­pern impôs na Lon­don Fashi­on We­ek e que se vê um pou­co por to­do o la­do) e aos ves­ti­dos me­ta­li­za­dos, a Zara é uma fá­bri­ca de so­nhos ao nos­so dis­por, aber­ta 24/24 ho­ras.

E QU­AN­DO OS COM­PRO­MIS­SOS

se pa­re­cem so­bre­por aos di­as?

“É tu­do uma ques­tão de bom sen­so”, ten­tei ati­rar pa­ra uma ami­ga que nem de pro­pó­si­to ti­nha um ca­sa­men­to daí a uns di­as. “Sa­bes-me di­zer o que é que se ves­te com um frio des­tes?

Po­mos col­lants? E qu­em é que usa ago­ra as san­dá­li­as de ti­ras da pra­xe?”, res­mun­ga­va. Não sa­bia. Es­prei­tá­mos al­guns per­fis de Ins­ta­gram que nun­ca fa­lham, fi­ze­mos con­tas ao bom sen­so, ob­ser­vá­mos com aten­ção o ar­má­rio das cau­sas per­di­das e no fi­nal con­si­de­rá­mos que o me­lhor era um ves­ti­do de ve­lu­do es­tam­pa­do com co­res ou­to­nais. “É por coi­sas des­tas que às ve­zes pre­fi­ro não ir.” Eis o man­tra re­pe­ti­do uma e ou­tra vez por cen­te­nas de mu­lhe­res um pou­co por to­do o mun­do. “Não te­nho na­da pa­ra ves­tir” é o sin­to­ma mais cla­ro de uma do­en­ça que jun­ta stress, ca­be­lo por cor­tar/pin­tar, mãos e pés por ar­ran­jar, ma­qui­lha­do­ra pro­fis­si­o­nal ao do­mi­cí­lio por mar­car, tra­ta­men­tos fa­ci­ais por fa­zer (des­de sem­pre), pla­no de ema­gre­ci­men­to de emer­gên­cia por con­cluir (idem), au­las de yo­ga e me­di­ta­ção por co­me­çar, ele­va­das so­mas de car­tão de cré­di­to por pa­gar, de­ma­si­a­das idas às com­pras por evi­tar. Em su­ma, um cock­tail ver­ti­gi­no­so que só nós, mu­lhe­res, es­ta­mos ha­bi­tu­a­das a ex­pe­ri­men­tar – mes­mo que se­jam eles a tra­zer a ban­de­ja. No fun­do, a me­lhor pre­pa­ra­ção pa­ra o der­ra­dei­ro mês do ano, es­se que car­re­ga as amar­gu­ras e as ci­ca­tri­zes do pas­sa­do e a es­pe­ran­ça e a ilu­são do fu­tu­ro, se­ria a fu­ga pa­ra um Spa ou pa­ra uma ilha de­ser­ta, lon­ge dos lan­ça­men­tos es­pe­ci­ais da Cha­nel (a pa­let­te de ba­tons é ma­ra­vi­lho­sa) e da edi­ção li­mi­ta­da do cre­me de cor­po da Ki­ehl’s. Ou, em al­ter­na­ti­va, uma as­sis­ten­te pes­so­al que en­fren­tas­se con­nos­co, pa­ra apoio mo­ral, as fi­las in­fi­ni­tas no shop­ping, no su­per­mer­ca­do, na lo­ji­nha da es­qui­na. Pa­ra quê pre­o­cu­par­mo-nos com to­dos es­ses de­ta­lhes se as fes­tas são, ape­nas, um ri­to de pas­sa­gem? Por­que são elas que nos lem­bram, de vez em qu­an­do, que é um pri­vi­lé­gio es­tar­mos vi­vos. E is­so me­re­ce que tra­je­mos a ri­gor.

NO FUN­DO, NEM É PRE­CI­SO GRAN­DE SHOW OFF.

Uma das coi­sas bo­as do sé­cu­lo XXI foi ter sim­pli­fi­ca­do a for­ma co­mo brin­ca­mos com os aces­só­ri­os. E co­mo eles se tor­na­ram o cen­tro das aten­ções de um lo­ok de fes­ta. Ac­tu­al­men­te, um be­lo par de brin­cos po­de fa­zer (to­da) a di­fe­ren­ça, prin­ci­pal­men­te se fo­rem ge­ne­ro­sos em ta­ma­nho e lu­mi­no­sos em tom. A ita­li­a­na Ales­san­dra Ri­ch tem os mais co­bi­ça­dos do mo­men­to, mas to­das as lo­jas de fast fashi­on fa­zem mo­de­los de cor­tar a res­pi­ra­ção. O mes­mo ser­ve pa­ra aque­les anéis gi­gan­tes que du­ran­te anos olhá­mos com des­con­fi­an­ça, os cock­tail rings. Ago­ra, quan­to mais ex­tra­va­gan­tes, me­lhor – e ain­da va­mos a tem­po de pe­dir ao Pai Na­tal um exem­plar de Ales­san­dro Mi­chel­le pa­ra a Guc­ci. E o que di­zer dos la­ços, gan­chos e ban­do­le­tes que, de um mo­men­to pa­ra o ou­tro, se tor­na­ram in­dis­pen­sá­veis em qual­quer saí­da noc­tur­na, um lu­xo ne­ces­sá­rio rein­ven­ta­do por Tom Ford e por Si­mo­ne Ro­cha? Se na­da dis­to a con­ven­ce e quer fi­car pe­la ele­gân­cia des­com­pro­me­ti­da de um ves­ti­di­nho pre­to, sai­ba que pou­cas coi­sas são tão cer­tei­ras co­mo um ba­tom ver­me­lho. “Pos­so não sa­ber o que ves­tir, mas sei que vou usar o meu Ruby Woo, da M.A.C. Nun­ca fa­lha”, con­fes­sa­va-me uma ami­ga a pro­pó­si­to des­tas ques­tões de dress co­de fes­ti­vo. É ca­so pa­ra pen­sar: o que é que re­sul­ta sem­pre ou qua­se sem­pre con­nos­co? São os ves­ti­dos de lan­te­jou­las, que se mul­ti­pli­cam em gé­ne­ro e ta­ma­nho, trans­ver­sais a to­das as ida­des? São os fa­tos de du­as pe­ças em lã fria? São as cal­ças lar­gas de ce­tim, ul­tra-bri­lhan­tes? Ou se­rá que, lon­ge dis­so, há no nos­so ar­má­rio coi­sas que nos pro­te­gem do frio e, ao mes­mo tem­po, ac­tu­am co­mo os nos­sos uni­for­mes de gla­mour? Sim! Se nos afas­tar­mos da po­lui­ção vi­su­al que nos ro­deia, to­das te­mos pe­ças es­pe­ci­ais que nos fa­zem sen­tir a nos­sa me­lhor ver­são de nós pró­pri­as – po­de ser al­go tão sim­ples co­mo um lit­tle black dress que já usá­mos ve­zes sem con­ta.

Na noi­te em que eu com­ple­ta­va 37 anos re­gres­sei à ave­ni­da mais ba­da­la­da da ci­da­de, ago­ra ain­da mais caó­ti­ca, e per­di-me nu­ma over­do­se de sa­pa­tos com ta­chas Va­len­ti­no, mi­ni-car­tei­ras Cha­nel, ves­ti­dos ul­tra-jus­tos Her­vé Lé­ger, bi­kers Bal­main e um nú­me­ro pa­ra lá de nor­mal de Lou­bou­tins, pre­tos e nu­de, nor­mal­men­te com­pen­sa­dos. No meio da­que­le fre­ne­sim fashi­on, os meus Mary Ja­ne de ver­niz e as mi­nhas cal­ças de gan­ga pre­tas pas­sa­vam to­tal­men­te des­per­ce­bi­dos. Nem o meu bla­zer de ve­lu­do me fa­ria so­bres­sair na­que­la mul­ti­dão. Foi aí que che­gou a mi­nha com­pa­nhei­ra de sem­pre, tão ou mais alhe­a­da que eu, num lo­ok que em tu­do se as­se­me­lha­va ao meu ca­su­al chic sem fins lu­cra­ti­vos. “De pre­to e iguais, co­mo sem­pre!”, ri­mos. “So­mos uns ali­ens.” Uns ali­ens chei­os de per­so­na­li­da­de. Bo­as fes­tas.

Uma das coi­sas bo­as do sé­cu­lo XXI foi ter sim­pli­fi­ca­do a for­ma co­mo brin­ca­mos com os aces­só­ri­os. E co­mo eles se tor­na­ram o cen­tro das aten­ções de um lo­ok de fes­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.