PA­LA­VRAS DE AU­TO­RA

Máxima - - Conto - Por Ri­ta Lú­cio Mar­tins

Jor­na­lis­ta fre­e­lan­cer, mas tam­bém es­cri­to­ra e ar­gu­men­tis­ta. Fi­li­pa Mar­tins é uma mu­lher de pa­la­vras e de ar­re­ba­ta­men­tos. É dis­so que nos fa­la mas tam­bém do seu per­cur­so, do qual já cons­tam qua­tro ro­man­ces e vá­ri­os pré­mi­os.

Nas­ci­da em Lis­boa, em 1983, foi dis­tin­gui­da com o Pré­mio Re­ve­la­ção na ca­te­go­ria Ficção, atri­buí­do pe­la As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Es­cri­to­res pe­lo seu pri­mei­ro ro­man­ce, Elo­gio do Pas­seio Pú­bli­co, em 2004. Um prin­cí­pio ful­gu­ran­te com uma con­ti­nu­a­ção in­te­res­san­te, em que se con­tam mais três li­vros, in­cluin­do o mais re­cen­te Na Me­mó­ria dos Rou­xi­nóis (2018).

A es­cri­ta é uma das pa­la­vras que me­lhor a de­fi­ne? Es­cri­ta tal­vez não se­ja a pa­la­vra que me­lhor me de­fi­ne, mas é cer­ta­men­te a es­cri­ta o ins­tru­men­to que uti­li­zo pa­ra en­con­trar res­pos­tas, pa­ra cri­ar or­dem, ou de­sas­sos­se­go – de on­de a cri­a­ção sur­ge. “Per­gun­ta” tal­vez se­ja a pa­la­vra que mais me de­fi­ne. A au­sên­cia de ques­tões traz uma pa­ci­fi­ca­ção que não se com­pa­de­ce com a es­cri­ta. Cla­ro que a in­ter­ro­ga­ção cons­tan­te é um pro­ces­so can­sa­ti­vo e uti­li­zar a es­cri­ta co­mo ins­tru­men­to de res­pos­ta é tão efi­caz, por ve­zes, co­mo que­rer de­vol­ver as fo­lhas mor­tas às ár­vo­res. Po­rém, é em si – a es­cri­ta – com­bus­tí­vel pa­ra no­vas ques­tões e aca­ba­mos por en­trar num mo­vi­men­to per­pé­tuo de cri­a­ção. As ou­tras pa­la­vras que me de­fi­nem? O ou­tro, sen­tir, vi­a­jar, diós­pi­ros. De­pois do lan­ça­men­to de A Me­mó­ria dos Rou­xi­nóis, no iní­cio des­te ano, que pro­jec­tos lhe têm ocu­pa­do os di­as? Es­tou, ac­tu­al­men­te, na fa­se de pes­qui­sa pa­ra a biografia da po­e­ta Na­tá­lia Cor­reia, cu­ja pu­bli­ca­ção es­tá pre­vis­ta pa­ra 2020. Tam­bém es­tou a es­cre­ver o ar­gu­men­to de uma no­va sé­rie e de uma lon­ga-me­tra­gem. Ain­da as­sim, e co­mo ro­man­cis­ta, a ideia do pró­xi­mo ro­man­ce re­ver­be­ra. É uma das ar­gu­men­tis­tas da sé­rie Três Mu­lhe­res. Co­mo é que, não ape­nas nes­te tra­ba­lho mas na sua

obra em ge­ral, se de­se­nha a pon­te en­tre ficção e re­a­li­da­de? Há uma fra­se do Ma­no­el de Bar­ros que cos­tu­mo ci­tar amiú­de: 90% do que es­cre­vo é in­ven­ção, ape­nas 10% é men­ti­ra. Se­ria mais fá­cil en­gar­ra­far a água do oce­a­no do que evi­tar que o es­cri­tor con­ta­mi­ne o seu ob­jec­to de cri­a­ção.

Qu­ais são os seus gran­des de­sas­sos­se­gos, co­mo cri­a­ti­va? Acho que sou ví­ti­ma da mi­nha vo­la­ti­li­da­de. Sou al­guém de fe­bres ob­ses­si­vas que sur­gem co­mo sur­tos. Ou, co­mo diz o po­vo, dá-me for­te, mas pas­sa-me de­pres­sa. Es­ta pos­tu­ra tem um po­ten­ci­al cri­a­ti­vo enor­me, mas per­de em con­sis­tên­cia. Es­tou a ten­tar dis­ci­pli­nar-me. Ven­cer pré­mi­os li­te­rá­ri­os tão ce­do, co­mo foi o seu ca­so, é um es­tí­mu­lo ou um pe­so? Tal­vez te­nha si­do co­me­çar pe­lo te­lha­do, co­mo diz. Te­nho-me de­di­ca­do a con­so­li­dar as fun­da­ções da mi­nha es­cri­ta, cri­ar uma iden­ti­da­de li­te­rá­ria, pa­ra que o te­lha­do se man­te­nha ro­bus­to. Tem ins­pi­ra­ções es­pe­cí­fi­cas ou ri­tu­ais es­tru­tu­ran­tes? Tru­ques que a aju­dam a pro­du­zir, a cri­ar, a res­pi­rar me­lhor? Te­nho al­guns san­ti­nhos – au­to­res que man­te­nho pró­xi­mos – que ro­dei­am o te­cla­do. Tal­vez quei­ra ser in­flu­en­ci­a­da por os­mo­se... Apre­sen­ta, to­das as se­ma­nas, o pro­gra­ma de rá­dio A Bi­bli­o­te­ca de… Qu­em se­ria o en­tre­vis­ta­do de so­nho? Deus, se exis­tir (eu sou ateia). Mas gos­ta­va mui­to de per­gun­tar a Deus o que an­da a ler. Le­vo a sé­rio o di­ta­do “diz-me o que lês e dir-te-ei qu­em és”. Ima­gi­no que, sa­ben­do o que Deus lê, con­se­gui­ria en­con­trar res­pos­tas pa­ra al­guns acon­te­ci­men­tos mun­di­ais que me en­tris­te­cem.

E qu­ais são os tí­tu­los mais pre­ci­o­sos da sua bi­bli­o­te­ca? Pre­ci­o­sos são aque­les que es­tão mais ris­ca­dos, su­bli­nha­dos, ano­ta­dos e de­te­ri­o­ra­dos. Não te­nho uma re­la­ção com o li­vro de sa­cra­li­za­ção. Não con­si­go es­co­lher en­tre pre­fe­ri­dos, ain­da mais por­que os pre­fe­ri­dos são vo­lá­teis. Bor­ges, Cal­vi­no, Bran­dão, Eu­gé­nio, Pes­soa, Her­ber­to Hel­der, Sophia, Kaf­ka, Proust, pa­ra ci­tar al­guns. Que li­vros se ali­nham na sua me­sa-de-ca­be­cei­ra?a mi­nha pai­xão do mo­men­to, sou vo­lú­vel. E que ou­tros pra­ze­res tem uma es­cri­to­ra, além da lei­tu­ra? Vi­a­jar, des­truir ta­pe­tes de fo­lhas se­cas, es­tar ho­ras a fa­lar de coi­sas apa­ren­te­men­te inú­teis, abrir gar­ra­fas de vi­nho, ver as co­vi­nhas nas fa­ces dos meus ami­gos, fa­zer os TPC com a Car­lo­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.