O pro­ble­ma do “dei­xa an­dar”...

Des­lei­xo. Do­en­ça. Ig­no­rân­cia. A Men’s He­alth lu­ta há 17 anos con­tra es­te ris­co e não de­sis­ti­re­mos de aler­tar os lei­to­res pa­ra a ne­ces­si­da­de de ado­ta­rem há­bi­tos saudáveis.

Men's Health (Portugal) - - Este Mês - POR JOÃO PARREIRA

Co­me­ce­mos pe­lo ób­vio e mais im­por­tan­te: “Em Por­tu­gal, qua­se me­ta­de da po­pu­la­ção apre­sen­ta ex­ces­so de pe­so e per­to de um mi­lhão de adul­tos so­fre de obesidade”. Quem o diz é a Fun­da­ção Por­tu­gue­sa de Car­di­o­lo­gia. O fac­to ga­nha uma pre­o­cu­pa­ção pla­ne­tá­ria qu­an­do vi­mos que a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de (OMS) com­pa­ra a obesidade a uma epi­de­mia. É que já nem é do­en­ça. É mais gra­ve!

O PRO­BLE­MA DO “DEI­XA AN­DAR”

A ver­da­de é que nin­guém é to­tal­men­te ig­no­ran­te no que à obesidade diz res­pei­to. To­dos sa­be­mos que car­re­gar di­a­ri­a­men­te uns bons qui­los a mais em for­ma de gor­du­ra é meio ca­mi­nho an­da­do pa­ra apa­re­ce­rem pro­ble­mas de saú­de. Mas pa­re­ce que is­to não é o su­fi­ci­en­te pa­ra as pes­so­as se pre­o­cu­pa­rem a sé­rio. O ter­mo “obesidade” mais pa­re­ce um cha­vão do que uma do­en­ça gra­ve e as pes­so­as vi­vem bem com is­so. Em con­ver­sa com a dra. Mar­le­ne San­ches, nutricionista da Clí­ni­ca de San­to An­tó­nio – Lu­sía­das (cli­sa.pt), ain­da com mais cer­te­za se fi­ca de que “a obesidade é uma do­en­ça cró­ni­ca, com gé­ne­se mul­ti­fa­to­ri­al, e que é uma ver­da­dei­ra ame­a­ça pa­ra a saú­de, apre­sen­tan­do um im­por­tan­te fa­tor de ris­co pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to e agra­va­men­to de ou­tras do­en­ças”. Pa­ra ter uma no­ção dos pe­ri­gos que lhe po­dem apa­re­cer pe­la fren­te, a nutricionista lem­bra as do­en­ças mais as­so­ci­a­das à obesidade: “di­a­be­tes mel­li­tus ti­po 2 (DMT2), li­tía­se da ve­sí­cu­la bi­li­ar, dis­li­pi­de­mia, pro­ble­mas en­dó­cri­nos (hor­mo­nais), in­su­fi­ci­ên­cia res­pi­ra­tó­ria, ap­neia obs­tru­ti­va do so­no, do­en­ça car­día­ca co­ro­ná­ria, hipertensão ar­te­ri­al (HTA), aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral (AVC), pro­ble­mas os­te­o­ar­ti­cu­la­res, can­cro e pro­ble­mas psi­co­ló­gi­cos”. Até can­sa, não é ver­da­de?

AS DO­EN­ÇAS INE­REN­TES

“A obesidade apre­sen­ta con­sequên­ci­as psi­co­ló­gi­cas, tais co­mo de­pres­são, bai­xa au­to­es­ti­ma, bai­xa in­te­ra­ção so­ci­al, ver­go­nha, cul­pa e al­te­ra­ções do hu­mor com in­fluên­cia e di­mi­nui­ção de qua­li­da­de de vi­da”, in­di­ca Eli­sa­be­te Vi­ei­ra, psi­có­lo­ga da Clí­ni­ca de San­to An­tó­nio – Lu­sía­das (cli­sa. pt). A so­lu­ção pas­sa pe­la pre­ven­ção, pois “não é só qu­an­do se tem ex­ces­so de pe­so que os cui­da­dos de­vem exis­tir”, aler­ta. O se­gre­do es­tá em se­guir - e man­ter - uma ali­men­ta­ção sau­dá­vel, ter a ro­da dos ali­men­tos co­mo ba­se e nun­ca fa­ci­li­tar na in­ges­tão de água, di­mi­nuir o con­su­mo de açú­car e be­bi­das al­coó­li­cas e ado­tar um es­ti­lo de vi­da sau­dá­vel. “É pre­ci­so as­su­mir que são ne­ces­sá­ri­as mu­dan­ças de há­bi­tos/com­por­ta­men­tos que po­dem ser di­fí­ceis de im­ple­men­tar. Se for ne­ces­sá­rio, é bom re­cor­rer a aju­da pro­fis­si­o­nal”, in­di­ca

a psi­có­lo­ga. É o seu ca­so? Apos­te num acom­pa­nha­men­to mul­ti­dis­ci­pli­nar, que in­clua um en­do­cri­no­lo­gis­ta, nutricionista, fi­si­o­te­ra­peu­ta, psi­có­lo­go e personal trainer.

ES­TRA­TÉ­GI­AS PA­RA O DIA A DIA

Ao fa­lar com os nu­tri­ci­o­nis­tas foi pos­sí­vel de­te­tar um pa­drão co­mum a to­dos os obe­sos: co­mem mui­to, so­bre­tu­do nas re­fei­ções prin­ci­pais, por­que nun­ca fa­zem re­fei­ções in­ter­mé­di­as. Lo­go, ao che­ga­rem às re­fei­ções prin­ci­pais, so­bre­tu­do ao jan­tar, acu­mu­lam o can­sa­ço, an­si­e­da­de do dia e, ain­da por ci­ma, mui­ta fo­me, pois já não co­mem des­de a ho­ra de al­mo­ço. Pa­ra com­ba­ter is­to, a nutricionista Ága­ta Ro­que­te, au­to­ra do li­vro A Di­e­ta dos 31 Di­as, acon­se­lha fa­zer “sem­pre as três re­fei­ções prin­ci­pais em quan­ti­da­des ra­zoá­veis, mas não exa­ge­ra­das. Me­ta­de do pra­to de­ve ser sem­pre ocu­pa­do por ve­ge­tais/le­gu­mes, ¼ por pro­teí­nas (car­ne, pei­xe, ovo, ma­ris­co, pro­teí­nas ve­ge­tais) e ¼ por fon­tes de car­bo­no (ar­roz, mas­sa, fei­jão, grão, len­ti­lha, qui­noa, ba­ta­ta do­ce)”. Ou­tra boa es­tra­té­gia pas­sa por “le­var uma lan­chei­ra pa­ra o tra­ba­lho com snacks saudáveis e sa­ci­an­tes, mas que não fa­çam au­men­tar de pe­so, co­mo por exem­plo, 2-3 pe­ças de fru­ta, um io­gur­te, uma por­ção de qu­ei­jo (fres­co, tri­ân­gu­lo, bo­li­nha ou fa­tia) ou cer­ca de 20 g de fru­tos se­cos”. Na­que­les di­as de mai­or sa­ci­e­da­de, ou qu­an­do o seu che­fe não lhe dá des­can­so, “re­cor­ra a 2-3 qua­dra­di­nhos de cho­co­la­te pre­to ou um ovo co­zi­do pa­ra não che­gar es­fo­me­a­do ao jan­tar”.

UM MAL NUN­CA VEM SÓ

E se aos maus há­bi­tos ali­men­ta­res, as­so­ci­ar­mos a de­cres­cen­te prá­ti­ca de ati­vi­da­de fí­si­ca diá­ria? É ób­vio que o se­den­ta­ris­mo ex­tra­po­la pa­ra ní­veis pre­o­cu­pan­tes. Pa­ra dar um exem­plo mui­to prá­ti­co, a dra. Ri­ta San­tos Lou­rei­ro, nutricionista da As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa Con­tra a Obesidade In­fan­til (APCOI) re­al­ça que “as cri­an­ças em vez de se des­lo­ca­rem a pé pa­ra a es­co­la (de­vi­da­men­te acom­pa­nha­das por um adul­to) são trans­por­ta­das de car­ro. E mais: em vez de irem até ao par­que in­fan­til brin­car ou pra­ti­ca­rem al­gu­ma mo­da­li­da­de des­por­ti­va após as au­las, vão di­re­ta­men­te pa­ra ca­sa, on­de pas­sam o res­to do tem­po em fren­te a ecrãs”.

SE­JA UM EXEM­PLO SAU­DÁ­VEL PA­RA O SEU FI­LHO!

A mai­o­ria das cri­an­ças abai­xo dos 10 anos es­tá ain­da a de­fi­nir a sua per­so­na­li­da­de e, por is­so, es­tá mais dis­po­ní­vel pa­ra a mu­dan­ça de há­bi­tos ou pa­ra a apren­di­za­gem de no­vos com­por­ta­men­tos. Além dis­so, “se ad­qui­ri­rem há­bi­tos ali­men­ta­res saudáveis nes­ta fai­xa etá­ria, a pro­ba­bi­li­da­de de per­du­ra­rem por to­da a vi­da é mui­to mais ele­va­da”, re­al­ça a nutricionista da APCOI. E aten­ção aos pre­con­cei­tos: Evi­te sub­me­ter a cri­an­ça a cas­ti­gos, pu­ni­ções ou dietas for­ça­das, por­que ela não é a res­pon­sá­vel pe­lo seu pro­ble­ma de saú­de. Fo­que-se no la­do po­si­ti­vo do pro­ces­so de tra­ta­men­to, da re­e­du­ca­ção ali­men­tar e da ado­ção de um es­ti­lo de vi­da mais sau­dá­vel”, acon­se­lha. Os seus fi­lhos vão-lhe agra­de­cer.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.