7 tru­ques pa­ra evi­tar.

OCOR­REM TRÊS POR HO­RA EM POR­TU­GAL, MAS A MEN’S HE­ALTH DÁ-LHE SE­TE ES­TRA­TÉ­GI­AS PA­RA O EVI­TAR! /

Men's Health (Portugal) - - Este Mês - POR JOÃO PARREIRA

NÃO BRINQUE COM A SUA VI­DA!

Um aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral (AVC) é uma das emer­gên­ci­as mé­di­cas mais pe­ri­go­sas, pois apa­re­ce sem avi­sar. São inú­me­ros os ca­sos de AVC ful­mi­nan­tes, mas tam­bém exis­tem his­tó­ri­as de su­ces­so, umas por sor­te, mas mui­tas ou­tras por­que a pre­ven­ção foi a jo­ga­da cer­ta pa­ra evi­tar um dis­sa­bor. De acor­do com a dra. Ma­ri­a­na Carvalho Di­as, in­ter­na de Neu­ro­lo­gia do Hos­pi­tal de San­ta Ma­ria, em Lis­boa, “os prin­ci­pais me­ca­nis­mos que cau­sam AVC isqué­mi­cos são a de­po­si­ção de pla­cas de ate­ros­cle­ro­se (mais acen­tu­a­da em fu­ma­do­res, di­a­bé­ti­cos, hi­per­ten­sos e in­di­ví­du­os com dis­li­pi­de­mia) nas ar­té­ri­as res­pon­sá­veis pe­la cir­cu­la­ção ce­re­bral, pro­vo­can­do uma di­mi­nui­ção do flu­xo san­guí­neo pa­ra de­ter­mi­na­das re­giões ce­re­brais”. Mas um mal nun­ca vem só: tam­bém é pos­sí­vel que o AVC es­te­ja re­la­ci­o­na­do com “a oclu­são de ar­té­ri­as de me­nor ca­li­bre nas re­giões mais pro­fun­das do cé­re­bro (mais fre­quen­te­men­te em do­en­tes hi­per­ten­sos e di­a­bé­ti­cos) ou do­en­ças car­día­cas (co­mo a fi­bri­lha­ção au­ri­cu­lar) que po­dem le­var à for­ma­ção de trom­bos no co­ra­ção que se po­dem sol­tar e ocluir as ar­té­ri­as ce­re­brais”. Já no que diz res­pei­to aos AVC he­mor­rá­gi­cos, as cau­sas pren­dem-se com “a he­mor­ra­gia su­ba­rac­noi­deia, que ocor­re por ru­tu­ra de um aneu­ris­ma ce­re­bral (di­la­ta­ção num seg­men­to de uma ar­té­ria ce­re­bral), ou com a he­mor­ra­gia in­tra­ce­re­bral, pro­vo­ca­da por di­ver­sos mo­ti­vos, no­me­a­da­men­te hipertensão”, acres­cen­ta a es­pe­ci­a­lis­ta. Já cap­tá­mos a sua aten­ção? En­tão pres­te aten­ção às pró­xi­mas se­te es­tra­té­gi­as an­ti-AVC!

ES­TRA­TÉ­GIA #1 Pres­te aten­ção aos fa­to­res de ris­co

Uma di­e­ta des­cui­da­da po­de con­tri­buir pa­ra o apa­re­ci­men­to de vá­ri­os fa­to­res de ris­co de AVC. “O ex­ces­so de sal au­men­ta a pro­ba­bi­li­da­de de de­sen­vol­ver hipertensão ar­te­ri­al e uma ali­men­ta­ção ri­ca em açú­ca­res au­men­ta o ris­co de de­sen­vol­ver di­a­be­tes mel­li­tus. Por ou­tro la­do, uma ali­men­ta­ção ri­ca em gor­du­ras (so­bre­tu­do sa­tu­ra­das) au­men­ta o ris­co de de­sen­vol­ver dis­li­pi­de­mia”, aler­ta o dr. João Pe­dro Mar­to, in­ter­no de Neu­ro­lo­gia do Hos­pi­tal de Egas Mo­niz . Es­cu­sa­do se­rá di­zer que a fal­ta de exer­cí­cio fí­si­co e o se­den­ta­ris­mo são mais fa­to­res de ris­co pa­ra a ocor­rên­cia de um AVC. Já ago­ra, fu­ma ou be­be com frequên­cia? O ta­ba­gis­mo e o con­su­mo de be­bi­das al­coó­li­cas tam­bém es­tão as­so­ci­a­dos a um mai­or ris­co de AVC. Se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, “o con­su­mo su­pe­ri­or a dois co­pos de vi­nho por dia é con­si­de­ra­do um fa­tor de ris­co, as­sim co­mo o uso de dro­gas re­cre­a­ti­vas (ha­xi­xe/ ma­ri­ju­a­na) e co­caí­na, so­bre­tu­do no sub­gru­po dos jo­vens”.

ES­TRA­TÉ­GIA #2 Atue as­sim pe­ran­te um AVC

A ca­da mi­nu­to que pas­sa, a pes­soa que so­fre um AVC per­de 1,9 mi­lhões de neu­ró­ni­os e só uma ação rá­pi­da per­mi­te sal­var o cé­re­bro, re­du­zin­do as pro­ba­bi­li­da­des de fi­car in­ca­pa­ci­ta­do. As­sim que de­te­tar qual­quer sin­to­ma de AVC

– do pró­prio ou de quem es­te­ja por per­to -, “con­tac­te o mais de­pres­sa pos­sí­vel os ser­vi­ços de emer­gên­cia (112) pa­ra as­se­gu­rar ra­pi­da­men­te o trans­por­te em am­bu­lân­cia até ao hos­pi­tal. To­dos os mi­nu­tos con­tam no AVC e é im­por­tan­te agir ra­pi­da­men­te a par­tir do mo­men­to em que são de­te­ta­dos os sin­to­mas de al­te­ra­ção da fa­la, bo­ca ao la­do ou per­da de for­ça num bra­ço/ per­na”, aler­ta o dr. Ri­car­do So­a­res dos Reis, in­ter­no de Neu­ro­lo­gia do Cen­tro Hos­pi­ta­lar de São João. Já pas­sa­ram mais de seis ho­ras des­de o iní­cio do epi­só­dio? Vá na mes­ma ao hos­pi­tal, “pois os sin­to­mas po­dem agra­var-se nos pri­mei­ros di­as e ne­ces­si­tar de ou­tros tra­ta­men­tos”, acon­se­lha a dra. Li­li­a­na Pe­rei­ra, as­sis­ten­te hos­pi­ta­lar de Neu­ro­lo­gia no Hos­pi­tal Gar­cia de Or­ta. Em to­dos os ca­sos, no hos­pi­tal (ou cen­tro de saú­de), de­vem ser fei­tos exa­mes pa­ra pro­cu­rar a cau­sa do AVC, pois só as­sim o mé­di­co po­de dar a me­di­ca­ção mais ade­qua­da.

ES­TRA­TÉ­GIA #3 Aju­de quem es­ti­ver a ter um AVC

Pri­mei­ro que tu­do, man­te­nha a cal­ma e con­ver­se com a pes­soa afe­ta­da num tom de voz su­a­ve e re­con­for­tan­te, pois é na­tu­ral que ela es­te­ja as­sus­ta­da. De­pois, nun­ca a dei­xe so­zi­nha até à che­ga­da da am­bu­lân­cia pa­ra vi­gi­ar os sin­to­mas e evi­tar que­das ou ou­tras le­sões. “Se a pes­soa ti­ver di­fi­cul­da­de em res­pi­rar, ti­re ou de­sa­per­te as rou­pas que es­ti­ve­rem a in­ter­fe­rir. Se não es­ti­ver a res­pi­rar de to­do, ini­cie ra­pi­da­men­te as ma­no­bras de su­por­te bá­si­co de vi­da (SBV), se exis­ti­rem con­di­ções pa­ra tal”, acon­se­lha o dr. Ri­car­do So­a­res dos Reis. Po­de co­lo­car um co­ber­tor pa­ra a pes­soa fi­car mais con­for­tá­vel e, as­sim, mi­ni­mi­zar as per­das de ca­lor.

ES­TRA­TÉ­GIA #4 Dei­xe tra­ba­lhar os en­fer­mei­ros

Es­tá pe­ran­te a sus­pei­ta de um AVC? Já sa­be que de­ve li­gar pa­ra o 112. Se nes­sa cha­ma­da te­le­fó­ni­ca “re­fe­rir o iní­cio sú­bi­to de um dos 3 F: FA­CE des­vi­a­da, FOR­ÇA di­mi­nuí­da num bra­ço e/ou FA­LA al­te­ra­da, é ati­va­da a Via Ver­de do AVC e uma am­bu­lân­cia irá bus­car o do­en­te pa­ra o le­var pa­ra ao hos­pi­tal mais pró­xi­mo e ade­qua­do (que te­nha os cui­da­dos ne­ces­sá­ri­os)”, ex­pli­ca a prof. dra. El­sa Aze­ve­do, neu­ro­lo­gis­ta do Cen­tro Hos­pi­ta­lar de São João e mem­bro da di­re­ção da SPAVC e da Por­tu­gal AVC. Pe­lo ca­mi­nho, o do­en­te vai sen­do ava­li­a­do e o hos­pi­tal é avi­sa­do “pa­ra en­trar na Ur­gên­cia do hos­pi­tal com pri­o­ri­da­de, de ma­nei­ra a ser lo­go vis­to pe­la equi­pa mé­di­ca de AVC”. A che­ga­da do do­en­te atra­vés da li­ga­ção ao 112-INEM re­duz imen­so o tem­po en­tre o iní­cio dos sin­to­mas e o tra­ta­men­to, fa­ci­li­tan­do a re­cu­pe­ra­ção. “En­quan­to cer­ca de me­ta­de dos do­en­tes le­va­dos por am­bu­lân­cia aci­o­na­da pe­lo 112 con­se­guem fa­zer tra­ta­men­tos mais efi­ca­zes, ape­nas me­nos de um dé­ci­mo dos do­en­tes le­va­dos à Ur­gên­cia par­ti­cu­lar­men­te con­se­guem che­gar a tem­po”, in­for­ma a dra. El­sa Aze­ve­do. Dá que pen­sar, não dá?

ES­TRA­TÉ­GIA #5 Acre­di­te nos tra­ta­men­tos

As op­ções te­ra­pêu­ti­cas pa­ra AVC isqué­mi­co têm evo­luí­do de for­ma mui­to sig­ni­fi­ca­ti­va e, de uma for­ma simplista, po­der-se-ão re­su­mir os tra­ta­men­tos pa­ra AVC em fa­se agu­da e de pre­ven­ção vas­cu­lar. No que diz res­pei­to à fa­se agu­da, “o ob­je­ti­vo es­sen­ci­al pas­sa por re­sol­ver a oclu­são ar­te­ri­al. Es­te pro­ces­so po­de­rá ser re­a­li­za­do atra­vés da ad­mi­nis­tra­ção de um quí­mi­co (al­te­pla­se) e/ou da trom­bec­to­mia me­câ­ni­ca, uti­li­zan­do dis­po­si­ti­vos (ca­te­te­res que na­ve­gam den­tro das ar­té­ri­as) pa­ra re­mo­ver o trom­bo”, ex­pli­ca o dr. João Sar­gen­to Frei­tas, neu­ro­lo­gis­ta do Cen­tro Hos­pi­ta­lar e Uni­ver­si­tá­rio de Coim­bra. Mas há mais...

ES­TRA­TÉ­GIA #6 Apos­te na pre­ven­ção

É ver­da­de que a mor­ta­li­da­de pro­vo­ca­da pe­lo AVC tem vin­do a di­mi­nuir, mas o nú­me­ro de pes­so­as afe­ta­das (pe­la do­en­ça e su­as con­sequên­ci­as) con­ti­nua a au­men­tar. Pre­ve­nir a ocor­rên­cia de AVC é pre­ve­nir a in­ca­pa­ci­da­de fu­tu­ra, com per­da de qua­li­da­de de vi­da, ca­pa­ci­da­de la­bo­ral e par­ti­ci­pa­ção fa­mi­li­ar. E pre­ve­nir é fá­cil. De acor­do com o dr. Mi­guel Rodrigues, neu­ro­lo­gis­ta do Hos­pi­tal de Gar­cia de Or­ta, “no­ve em ca­da dez AVC po­dem ser evi­ta­dos qu­an­do se con­tro­lam fa­to­res de ris­co co­mo a hipertensão ar­te­ri­al, se­den­ta­ris­mo, dis­li­pi­de­mia, maus há­bi­tos ali­men­ta­res, obesidade, ta­ba­gis­mo, do­en­ças car­día­cas, con­su­mo de ál­co­ol e di­a­be­tes mel­li­tus”. Quer re­du­zir em 75% as con­sequên­ci­as do AVC? “En­tão só tem de se­guir uma ali­men­ta­ção equi­li­bra­da, não fu­mar e pra­ti­car exer­cí­cio fí­si­co”, acon­se­lha o neu­ro­lo­gis­ta.

Não é as­sim tão di­fí­cil se­guir es­ta es­tra­té­gia pa­ra vi­ver mais anos com qua­li­da­de, não con­cor­da?

ES­TRA­TÉ­GIA #7 Sai­ba li­dar com um pós-AVC

Além dos dé­fi­ces neu­ro­ló­gi­cos de­cor­ren­tes do even­to vas­cu­lar, po­dem sur­gir no pós-AVC sin­to­mas psi­quiá­tri­cos, quer da es­fe­ra afe­ti­va, cog­ni­ti­va e/ou com­por­ta­men­tal. Den­tro des­tes, os mais co­muns são os sin­to­mas de­pres­si­vos, de an­si­e­da­de, a apa­tia e a ins­ta­bi­li­da­de emo­ci­o­nal. A de­pres­são pós-AVC afe­ta cer­ca de 33% dos pa­ci­en­tes. “A pre­sen­ça de sin­to­mas de­pres­si­vos per­sis­ten­tes no sta­tus pós-AVC es­tá as­so­ci­a­da a um mai­or ris­co de mor­ta­li­da­de após o even­to e a mai­or de­te­ri­o­ra­ção do es­ta­do fí­si­co e men­tal do do­en­te a lon­go pra­zo, bem co­mo a au­men­to do ris­co de sui­cí­dio”, elu­ci­da a dra. Ana Ma­cha­do, psi­qui­a­tra da Uni­da­de Psi­quiá­tri­ca Pri­va­da de Coim­bra . Nes­ta po­pu­la­ção, “a de­te­ção de sin­to­mas de­pres­si­vos po­de tor­nar-se mais di­fí­cil, de­cor­ren­te dos dé­fi­ces neu­ro­ló­gi­cos sub­ja­cen­tes (por exem­plo, em si­tu­a­ções em que a ca­pa­ci­da­de de co­mu­ni­ca­ção ver­bal fi­cou com­pro­me­ti­da). É aqui que os fa­mi­li­a­res pró­xi­mos e ami­gos as­su­mem um pa­pel de gran­de im­por­tân­cia na de­te­ção pre­co­ce de sin­to­mas (per­da de ape­ti­te, di­mi­nui­ção da ener­gia e von­ta­de de par­ti­ci­par em ati­vi­da­des so­ci­ais, al­te­ra­ção do pa­drão de so­no, idei­as de des­va­lo­ri­za­ção pes­so­al) e pro­cu­ra de cui­da­dos es­pe­ci­a­li­za­dos de saú­de men­tal”, ex­pli­ca a psi­qui­a­tra. O tra­ta­men­to dos sin­to­mas psi­quiá­tri­cos após um AVC pas­sa pe­la “com­bi­na­ção de es­tra­té­gi­as far­ma­co­ló­gi­cas e psi­co­te­ra­pêu­ti­cas, sen­do que al­guns es­tu­dos re­ve­lam que a te­ra­pêu­ti­ca an­ti­de­pres­si­va po­de, in­clu­si­ve, ter um pa­pel nos sin­to­mas mo­to­res de for­ma in­de­pen­den­te”. Com o tra­ta­men­to ade­qua­do, a pes­soa po­de re­cu­pe­rar dos sin­to­mas neu­rop­si­quiá­tri­cos e au­men­tar o grau de in­de­pen­dên­cia nas ati­vi­da­des de vi­da diá­ria, con­tri­buin­do as­sim pa­ra a me­lho­ria do prog­nós­ti­co glo­bal.

CER­CA DE ME­TA­DE DOS DO­EN­TES LE­VA­DOS PE­LO 112 CON­SE­GUEM FA­ZER TRA­TA­MEN­TOS MAIS EFI­CA­ZES. ME­NOS DE 1/10 DOS DO­EN­TES LE­VA­DOS À UR­GÊN­CIA DE FOR­MA PAR­TI­CU­LAR CHE­GAM A TEM­PO!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.