O la­do B do de­sign A

FALÁMOS EM EX­CLU­SI­VO COM O DI­RE­TOR CRI­A­TI­VO DA AL­FA ROMEO, QUE NOS RE­VE­LOU CO­MO MAN­TÉM A ICONICIDADE DE UMA MAR­CA DU­RAN­TE TAN­TO TEM­PO. / POR JOÃO PARREIRA

Men's Health (Portugal) - - Mh 100% Útil -

Al­fa Romeo dis­pen­sa apre­sen­ta­ções, mas por de­trás do seu su­ces­so há um no­me que sal­ta à vista: Klaus Bus­se. É o res­pon­sá­vel má­xi­mo pe­lo de­sign cri­a­ti­vo da mar­ca (as­sim co­mo da Fi­at, Lan­cia, Ma­se­ra­ti e Abarth) na Eu­ro­pa. De sa­pa­ti­lhas, cal­ças de gan­ga e ca­sa­co des­por­ti­vo - um es­ti­lo mui­to Men’s Health, di­go eu -, sen­tá­mo-nos num so­fá pa­ra tro­car umas idei­as.

“DESENHAVA CAR­ROS NOS CA­DER­NOS DE MATEMÁTICA”

Ao cres­cer nu­ma nu­ma zo­na ru­ral na Ale­ma­nha, o úni­co mo­ti­vo de ex­ci­ta­ção que ti­nha na­que­la al­tu­ra era a ver sé­ri­es de TV que ti­nham car­ros (Mag­num PI, Mi­a­mi Vi­ce, etc.). “Sem­pre que via um car­ro co­ol ten­ta­va de­se­nhá-lo. De­via ter uns 17 anos e, co­mo acha­va as au­las de Matemática re­al­men­te cha­tas, apro­vei­ta­va pa­ra de­se­nhar car­ros no meu ca­der­no. Posso di­zer que apro­vei­tei as au­las de Matemática da for­ma mais efi­caz”. (ri­sos)

O pri­mei­ro car­ro que com­prou foi um Re­nault Twin­go - pri­mei­ra ge­ra­ção - to­tal­men­te ama­re­lo. “Era um car­ro di­ver­ti­do, mas mui­to pou­co se­gu­ro”. Atu­al­men­te, di­vi­de-se en­tre o Al­fa Romeo Stel­vio no dia a dia,o Ma­se­ra­ti pa­ra pas­se­ar com a fa­mí­lia e o Al­fa Romeo 4C pa­ra sair com ami­gos. Ele sa­be o que diz, pois es­te mo­de­lo tem um mo­tor a ron­dar os 300 cv.

“MEU DEUS. ON­DE É QUE ME FUI ME­TER?”

Quan­do acei­tou es­te car­go - há três anos -, re­ce­beu uma cha­ma­da de um fa­mi­li­ar:

“Ca­so não sai­bas, ago­ra va­mos todos es­tar aten­tos ao teu tra­ba­lho”. Co­mo as­sim? “Ami­go, o mun­do in­tei­ro vai ver o re­sul­ta­do do que vais fa­zer”. Foi aqui que Klaus per­ce­beu a tre­men­da res­pon­sa­bi­li­da­de que ti­nha em mãos. “Meu Deus, um Al­fa Romeo é o ti­po de car­ro que es­tá sem­pre pre­sen­te nu­ma co­le­ção pri­va­da e que po­de ga­nhar um pré­mio de de­sign ou de per­for­man­ce. Mui­tos de­les até es­tão em mu­seus. Te­nho de es­tar à al­tu­ra”. E a res­pos­ta ao de­sa­fio es­tá ser bem su­ce­di­da. De for­ma hu­mil­de, Klaus diz que não se­ria pos­sí­vel acom­pa­nhar o le­ga­do Al­fa Romeo sem tra­ba­lho de equi­pa. “Ao con­trá­rio do que pos­sam pen­sar, eu não sou o me­lhor de­sig­ner da equi­pa. Mas não sou mes­mo! Há pes­so­as bem mais ta­len­to­sas do que eu. O meu tra­ba­lho é abrir por­tas à cri­a­ti­vi­da­de. Ins­pi­rar e dar as fer­ra­men­tas cer­tas à equi­pa pa­ra po­de­rem de­se­nhar Al­fa Ro­me­os ca­da vez mais bo­ni­tos. Es­se é o meu tra­ba­lho”. “QUE­RO QUE AS PES­SO­AS PAREM PA­RA VER UM AL­FA ROMEO PAS­SAR” Os car­ros ita­li­a­nos pro­vêm qua­se todos dos icó­ni­cos car­ros de cor­ri­da. Fi­at, Ma­se­ra­ti, Al­fa Romeo e, cla­ro, Abarth con­quis­ta­ram o di­rei­to de usar a cor ver­me­lha, a cor ita­li­a­na por ex­ce­lên­cia. Todos eles ga­nha­ram pré­mi­os no des­por­to au­to­mó­vel. “Daí, a paixão, a emo­ção e a per­for­man­ce ita­li­a­na te­rem de es­tar pre­sen­tes no de­sign. Mas é pre­ci­so al­go mais. É pre­ci­so ter ca­rác­ter. É ne­ces­sá­rio acres­cen­tar per­so­na­li­da­de pa­ra se ter uma be­le­za in­tem­po­ral. Es­ta é a re­cei­ta. É mui­to di­fí­cil de al­can­çar, mas o ca­mi­nho é por aqui. Fa­zer al­go que obri­gue as pes­so­as a pa­rar pa­ra olhar. Me­lhor ain­da. Que fa­ça as pes­so­as olha­rem du­as ve­zes”.

“UM AL­FA ROMEO É CO­MO UMA BO­NI­TA MU­LHER BEM MAQUILHADA”. ATÉ HO­JE...

Se a Al­fa Romeo se des­ta­ca pe­la cor ver­me­lha, porquê lan­çar ago­ra a sé­rie B-Te­ch, on­de pre­do­mi­na o pre­to? “A mi­nha equi­pa é com­pos­ta por qua­se 200 cri­a­ti­vos e há mais de 15 na­ci­o­na­li­da­des di­fe­ren­tes. Um dia, vi­rei-me pa­ra a ge­ra­ção mais no­va, os mil­len­ni­als, e per­gun­tei o que pro­cu­ram num car­ro”. Es­ta­va da­do o pri­mei­ro pas­so pa­ra ino­var e acres­cen­tar o que fal­ta­va à mar­ca. “Nós olha­mos pa­ra os car­ros co­mo se fos­sem mu­lhe­res. Um Al­fa Romeo ver­me­lho é co­mo uma lin­da mu­lher com ma­qui­lha­gem per­fei­ta e joi­as. En­tão va­mos fa­zer al­go di­fe­ren­te. Va­mos re­ti­rar a ma­keup e as joi­as e fa­zer so­bres­sair na mes­ma a iden­ti­da­de úni­ca do Al­fa Romeo”. Foi uma de­ci­são ar­ro­ja­da. Mas tam­bém foi as­sim que sur­giu a ga­ma B-Te­ch. “Dis­se­mos adeus à cor ver­me­lha e aos cro­ma­dos e apos­tá­mos em aca­ba­men­tos pre­tos no car­ro to­do. O re­sul­ta­do? Um Al­fa Romeo pre­to que con­ti­nua lin­do sem ter de re­cor­rer à mí­ti­ca cor ver­me­lha”. De­sa­fio su­pe­ra­do.

O CAR­RO DO HO­MEM MEN’S HEALTH

No fi­nal des­ta con­ver­sa, já o jan­tar cha­ma­va por nós, de­sa­fiá­mos Klaus a es­co­lher o Al­fa Romeo per­fei­to pa­ra nós. “Um ho­mem Men’s

Health não pre­ci­sa de um car­ro ver­me­lho que diga ‘Olhem pa­ra mim, te­nho um car­ro ver­me­lho’. Um ho­mem MH já trans­mi­te con­fi­an­ça su­fi­ci­en­te. Acre­di­to que a es­co­lha per­fei­ta re­cai num des­tes no­vos mo­de­los pre­tos. Mas na ver­são com o mo­tor mais po­ten­te”. E é ver­da­de!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.