O Jogo

“SE VENCEREM, O TÍTULO É DELES

À distância, Otávio torce e já pensa no“resgate” da I Liga, mas não quer tirar protagonis­mo aos ex-companheir­os. Os anos passam, as estrelas saem, mas os dragões “continuam a conquistar”

-

Falando numa contribuiç­ão “mínima”, reduzida à primeira jornada, o “Baixinho” vê no FC Porto a capacidade de “juntar o grupo” nas dificuldad­es e ser “mais forte do que tudo e todos”.

“Orgulhoso” por ter capitanead­o o FC Porto, Otávio assegura não ter saudades das polémicas do futebol luso.

Concorda com quem diz que há um antes de Otávio e um depois de Otávio no FC Porto?

—Não. Quando saí, disse ao míster que, em vários anos no FC Porto, ele perdeu sempre os melhores jogadores, mas conseguiu manter a equipa a lutar por títulos e a conquistá-los. Quando comecei a jogar no FC Porto não era o mesmo jogador que terminou essa etapa. Havia outros que brilhavam mais do que eu. E Conceição sempre manteve a regularida­de. Disse lhe :‘ Perdesteo Luis Díaza meio do campeonato e conquistám­os os títulos que conquistám­os. Perdeste Corona, Sérgio Oliveira, Alex Telles, Felipe, Danilo, Herrera, Brahimi e o FC Porto manteve-se sempre.’ Não é por causa de um jogador que tudo vai mudar. Eu era o único que esteve com ele nestes anos todos, é verdade, mas agora há outros. É ames ma equipa, tem tudo e aprova disso é que mesmo entre as dificuldad­es estão a ganhar e a brigar por tudo.

O que deixou mais saudades?

—Tudo. A cidade, o clube... Dá saudades, porque passei nove anos no Porto e senti-me em casa. Éaminhac asa. Fechava os olhos e sabia para onde ia. Agora é um novo clube, um novo país e uma nova cidade, tudo diferente. Até alcançar a adaptação ainda demora um bocadinho. Dentro de campo, consegui adaptar-me rapidament­e e estou feliz, mas no Porto era outra história. Já estava há muito tempo, gostava mesmo de estar lá. Fui sempre feliz. Há dias até estava a pensar que, quando me via como capitão no FC Porto, sentia o maior orgulho, porque nunca pensei ser capitão de um clube tão grande. Eu era mesmo brincalhão, e continuo a ser, mas dentro de campo era outra história. Tivemos grupos muito bons no FC Porto. Os primeiros com Sérgio Conceição, depois outros... Dava-me com muita gente e ainda hoje mantemos contacto. Todos os anos foram bons.

Olhando para a atual versão do FC Porto, que balanço faz da temporada até ao momento?

—O FC Porto começou com algumas dificuldad­es. Ainda estive no primeiro jogo, ganhámos em casa do Moreirense. Mas o FC Porto é assim. Nas maiores dificuldad­es, aparecem os jogadores de verdade e nestes últimos tempos estão a aparecer e ada ruma boa resposta. O FC Portoéo único clube português que passou aos “oitavos” da Champions. É nesses momentos que o FC Porto consegue juntar a equipa e o grupo e ser mais forte do que tudo e todos.

Considera que este FC Porto tem altas probabilid­ades de resgatar o título nacional?

—Acredito muito que sim. Nãoéà toa quen estes últimos anos falavam sempre no pior FC Porto de sempre e, após sete épocas na equipa principal, saí com dez títulos. Há que dar valor a isso. É aí que a equipa aparece. Tenho a certeza que vão lutar e, no final, vai ser mais uma época em que o pessoal diz que não acredita, mas o clube conquista o que quer.

Como olha para os crónicos candidatos ao título da I Liga?

—São sempre grandes equipas. O Braga tem um grande plantel, jogam juntos há muito tempo. Gosto do estilo deles. Criavam sempre dificuldad­es ao FC Porto, a verdade é essa. O Sporting tem aquele estilo de três centrais com o Rúben Amorim, que não muda nem por nada e o Benfica fez grandes contrataçõ­es. Têm um grande plantel, ainda que não estejam a passar um bom momento, após saírem daChampion­s.EoF CP ortoéo FC Porto, tem tudo paras er campeão. Depende de si mesmo, tem de manter esse espírito que Sérgio Conceição consegue passar e jogarem tranquilos.

Alan Varela, Gyokeres e Di María foram contrataçõ­es sonantes...

—Sim, contratara­m muito. Mesmo o Sporting foi buscar aquele médio com o nome difícil... O Hjulmand. O Benfica com o Kokçu, o Braga foi buscar o Moutinho e outros jogadores. Mesmo as equipas teoricamen­te pequenas contratam bons jogadores, estão a evoluir. O futebol português está cada vez melhor, mas sempre com aquelas polémicas não tão relacionad­as com o futebol. Sente-se mais aliviado sem

essas polémicas?

—Sim. Quando terminavam os jogos e queria ver alguma coisa, era sempre polémica de arbitragem, lances polémicos ... E era incrível, porque via-se um lance de uma forma num clube, mas se fosse por outro já era diferente. São coisas de fanatismo. Cada um quer que a sua equipa ganhe, defende o seu clube, por isso é que muitas vezes há essas polémicas.

Já tem viagem marcada para festejar o título nos Aliados em maio? A acontecer, também será campeão... —Joguei o primeiro jogo e espero que sejam campeões. Claro que não vou ter interferên­cia nenhuma nisso, porque foi só um jogo, mas vou torcer pelo FC Porto, claro.

Mas pode prometer que vai marcar presença?

—[Risos] Não sei, depende dos jogos aqui também, mas, se tiver essa possibilid­ade, com certeza irei apoiar a equipa e comemorar com eles. Mas o campeonato é deles, se vencerem. Não me quero meter. Só quero que sejam campeões e sejam felizes. Vou festeja ronde estiver,mas não posso garantir que estarei aí. Eles é que vão ser campeões, não fui eu que fiz a diferença. Eles é que têm de brilhar e festejar. Eu posso estar em casa, a falar com eles, e estarei muito feliz.

“Nunca pensei ser capitão num clube tão grande. Sentia o maior orgulho”

“Falavam sempre no pior FC Porto de sempre e, após sete épocas, saí com 10 títulos”

OTÁVIO DIZ “Dá saudades, porque passei nove anos no Porto e senti-me em casa. Fechava os olhos e sabia para onde ia, era a minha casa. Gostava mesmo de estar lá”

“Aliados? Irei apoiar, mas não me quero meter”

“Terminava os jogos, queria ver alguma coisa e era sempre polémica de arbitragem e lances”

“É difícil fazer o que Pepe faz. Eu, com 40 anos, vou estar aposentado”

“O Chico Conceição está a voar”

 ?? ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal