CON­DU­ZIR COM óCU­LOS DE SOL?

OftalPro - - SUMÁRIO -

É do co­nhe­ci­men­to co­mum que os ócu­los de sol pro­por­ci­o­nam pro­te­ção vi­su­al aos usuá­ri­os em va­ri­a­dís­si­mas si­tu­a­ções. Nes­ta re­por­ta­gem, o destaque vai pa­ra o seu uso du­ran­te a con­du­ção.

É do co­nhe­ci­men­to co­mum que os ócu­los de sol pro­por­ci­o­nam pro­te­ção vi­su­al aos usuá­ri­os em va­ri­a­dís­si­mas si­tu­a­ções. Nes­ta re­por­ta­gem, o destaque vai pa­ra o seu uso du­ran­te a con­du­ção. É uma ta­re­fa que exi­ge uma gran­de con­cen­tra­ção por par­te do con­du­tor, que de­po­si­ta qua­se to­da a res­pon­sa­bi­li­da­de da co­or­de­na­ção de re­fle­xos na vi­são. Nu­ma fra­ção de se­gun­dos, um fei­xe de luz po­de cau­sar um aci­den­te por o con­du­tor ter ino­cen­te­men­te pis­ca­do os olhos. No en­tan­to, nem to­dos os au­to­mo­bi­lis­tas têm es­ta cons­ci­ên­cia.

Os con­du­to­res en­con­tram-se mui­to ex­pos­tos à ra­di­a­ção so­lar, qu­an­do es­tão a con­du­zir na au­to­es­tra­da ou pa­ra­dos nas fi­las de trân­si­to, sem qual­quer pro­te­ção às in­ves­ti­das dos rai­os so­la­res. Os ócu­los de sol ofe­re­cem uma gran­de qua­li­da­de vi­su­al nes­ta ta­re­fa, pois in­cre­men­tam a sen­si­bi­li­da­de ao con­tras­te, re­du­zem o tem­po de adap­ta­ção às mu­dan­ças de luz e evi­tam o des­lum­bra­men­to. A lon­go pra­zo, evi­tam con­trair do­en­ças vi­su­ais co­mo as ca­ta­ra­tas, pte­rí­gio e carcinoma epi­der­moi­de da cór­nea ou da con­jun­ti­va, li­ga­das à ex­po­si­ção so­lar. Uns bons ócu­los de sol têm vá­ri­as ca­ma­das que pro­te­gem o uti­li­za­dor, com os fil­tros UVA, UVB ou UVC. Po­de­mos com­prar ócu­los de sol segundo as len­tes, co­mo por exem­plo as fo­to­cro­má­ti­cas, as po­la­ri­za­das, as re­fle­xi­vas e as co­lo­ri­das. Tor­na-se fun­da­men­tal aten­der a es­te as­pe­tos em es­pe­ci­al qu­an­do va­mos con­du­zir. In­de­pen­den­te­men­te da qua­li­da­de dos ócu­los, Ju­an

Car­los Mar­ti­nez, pre­si­den­te do Con­se­lho Ge­ral de Co­lé­gi­os de Óp­ti­cos-Op­to­me­tris­tas (CGCOO) de Es­pa­nha, acon­se­lha a opi­nião de um es­pe­ci­a­lis­ta, que co­nhe­ce in­ti­ma­men­te as ca­rac­te­rís­ti­cas dos ócu­los que mais se ade­quam. Pa­ra ele, os me­lho­res ócu­los de sol a uti­li­zar du­ran­te a con­du­ção são aque­les que têm len­tes po­la­ri­za­das. Há tam­bém uma cha­ma­da de aten­ção pa­ra o lo­cal de com­pra dos ócu­los vis­to que, segundo o CGCOO, 70 por cen­to dos ócu­los que se ven­de em Es­pa­nha não cum­pre a nor­ma sa­ni­tá­ria de se­gu­ran­ça e qua­li­da­de. O Con­se­lho Ge­ral de Co­lé­gi­os de Óp­ti­cos-Op­to­me­tris­tas pon­de­ra que 45 por cen­to dos con­du­to­res não se pro­te­ge ha­bi­tu­al­men­te com ócu­los de sol, dos quais 12 por cen­to nun­ca os uti­li­za e 33 por cen­to só o faz oca­si­o­nal­men­te. Ju­an Car­los Mar­ti­nez ex­pli­ca que 90 por cen­to da in­for­ma­ção que re­ce­be­mos ao con­du­zir pro­vém da vi­são, daí a im­por­tân­cia em pro­te­ger de­vi­da­men­te os olhos. No en­tan­to, nem to­dos os con­du­to­res têm es­ta cons­ci­ên­cia, pois “46 por cen­to dos au­to­mo­bi­lis­tas não faz re­vi­são à sua vi­são anu­al­men­te, au­men­tan­do por­tan­to o ris­co de aci­den­tes de trân­si­to. Re­cor­rer a re­vi­sões vi­su­ais, pe­lo me­nos uma vez por ano, ao in­vés de se es­pe­rar pe­la re­no­va­ção da car­ta de con­du­ção, cons­ti­tui uma me­di­da de pre­ven­ção de aci­den­tes”, con­clui o es­pe­ci­a­lis­ta.

Fa­to­res ex­ter­nos

A ida­de, o es­ta­do psi­co­fí­si­co e as do­en­ças ocu­la­res tam­bém têm a sua quo­ta par­te em di­fi­cul­tar a con­du­ção, mas exis­tem ou­tros fa­to­res que não de­pen­dem do con­du­tor, co­mo é o ca­so dos ex­ter­nos ou am­bi­en­tais, que in­ci­dem di­re­ta­men­te na vi­são. Du­ran­te a con­du­ção no­tur­na, a bai­xa lu­mi­no­si­da­de e o efei­to das lu­zes de ou­tros car­ros são exem­plos. Ju­an Car­los Mar­ti­nez cha­ma a aten­ção pa­ra o des­lum­bra­men­to, que é a ação de luz di­re­ta nos olhos do con­du­tor e o cau­sa­dor da mai­or par­te dos aci­den­tes des­ta na­tu­re­za. Con­du­zir com o sol de fren­te, com in­ci­dên­cia de luz no as­fal­to mo­lha­do ou com ‘flashes’ de luz de meio-dia que in­ci­dem no capô de ou­tros veí­cu­los pro­vo­cam, em mui­tos ca­sos, per­da tem­po­rá­ria de vi­são e as­sim aci­den­tes. Segundo o res­pon­sá­vel, cer­ca de 55 por cen­to dos con­du­to­res é que se pro­te­ge de­vi­da­men­te nes­te ti­po de si­tu­a­ções, on­de mais uma vez os ócu­los de sol re­pre­sen­tam a me­lhor so­lu­ção.

A opi­nião na­ci­o­nal

Os pro­fis­si­o­nais por­tu­gue­ses es­tão em sin­to­nia com a opi­nião es­pa­nho­la. Eli­za­be­te Pi­na, do Hos­pi­tal CUF, acon­se­lha a “usar sem­pre ócu­los de sol en­quan­to con­du­zi­mos. Co­mo so­fro de fo­to­fo­bia, é-me im­pres-

cin­dí­vel a sua uti­li­za­ção”. No ca­so de ne­ces­si­tar de gra­du­a­ção, es­ta de­ve tam­bém ser “co­lo­ca­da nos ócu­los de sol, pa­ra que se con­du­za em se­gu­ran­ça e com to­dos os re­fle­xos ati­vos, evi­tan­do as­sim o des­lum­bra­men­to es­pe­ci­al­men­te nas ho­ras de mai­or in­ci­dên­cia so­lar”. Já pa­ra a por­ta-voz do gru­po Er­go­vi­são, os ócu­los de sol são “im­por­tan­tes pa­ra pro­por­ci­o­nar ao con­du­tor uma vi­são con­for­tá­vel e ní­ti­da, po­den­do pre­ve­nir o efei­to de en­can­de­a­men­to sú­bi­to que, nu­ma ques­tão de se­gun­dos, po­de cau­sar per­da de vi­são tem­po­rá­ria e aci­den­tes de vi­a­ção”. As­sim, a con­du­ção é se­gu­ra com es­tes ócu­los des­de que não se uti­li­ze len­tes de ní­vel 4, pois são con­si­de­ra­das de­ma­si­a­do es­cu­ras pa­ra es­ta ati­vi­da­de, po­den­do re­du­zir a vi­são, ob­je­ti­vo com­ple­ta­men­te in­ver­so ao de­se­ja­do. “Os ócu­los de sol de boa qua­li­da­de blo­quei­am os rai­os UVA, UVB e UVC, que po­dem atin­gir os olhos e fa­vo­re­cem o

sur­gi­men­to de le­sões ou do­en­ças ocu­la­res co­mo a ca­ta­ra­ta, pte­ri­gium, pin­gue­cu­las e o en­ve­lhe­ci­men­to pre­ma­tu­ro”. Os ócu­los de sol de má qua­li­da­de po­dem cau­sar o efei­to in­ver­so, “não pro­te­gen­do con­tra os rai­os ul­tra­vi­o­le­ta e ain­da di­la­tan­do as pu­pi­las, fa­zen­do com que a ex­po­si­ção aos rai­os so­la­res se­ja ain­da mai­or”. A Óp­ti­ca da Sil­vei­ra, na voz de Nu­no Gon­çal­ves, re­lem­bra a im­por­tân­cia do óp­ti­co no acon­se­lha­men­to dos ócu­los. Pa­ra ele, a “con­du­ção du­ran­te o dia com ócu­los de sol é sem­pre re­co­men­dá­vel, des­de que acom­pa­nha­dos por len­tes de qua­li­da­de, acon­se­lha­das por um téc­ni­co de óp­ti­ca. Ca­da ca­so é um ca­so e só um téc­ni­co con­se­gue acon­se­lhar ade­qua­da­men­te os ócu­los cer­tos e as len­tes, ali­a­dos à mo­da”. Os des­lum­bra­men­tos são tam­bém re­co­nhe­ci­dos co­mo gran­des pro­ble­má­ti­cas em Por­tu­gal, tal co­mo Ana­be­la Ta­va­res, da Op­ti­cli­nik, ex­pli­ca ao afir­mar que “de­vem-se usar ócu­los de sol, não só pe­lo fac­to da pro­te­ção e con­for­to vi­su­al, bem co­mo pe­la re­du­ção de re­fle­xos e en­can­de­a­men­tos que são, mui­tas ve­zes, res­pon­sá­veis por aci­den­tes gra­ves”. Mi­guel Pereira, da Alain Af­fe­lou Cam­po de Ou­ri­que, acha que é “sem­pre im­por­tan­te o uso de ócu­los de sol, até mes­mo na con­du­ção. Fi­li­pe Bar­ros, da Ni­ti­dez Óp­ti­ca Mé­di­ca, com­ple­ta que “to­dos os con­du­to­res de­vem usar ócu­los de sol”, em es­pe­ci­al os pro­fis­si­o­nais, sen­do que acon­se­lha o uso de len­tes po­la­ri­za­das pa­ra a prá­ti­ca diá­ria. Já a Óp­ti­ca Gomes, nas pa­la­vras de Cá­tia Co­e­lho, de­fen­de que o uso de ócu­los de sol “em qual­quer al­tu­ra do dia” é sem­pre re­co­men­dá­vel pa­ra uma con­du­ção se­gu­ra. Ivo Sou­sa, da Óp­ti­ca Ma­cha­do, afir­ma ain­da que se de­vem usar ócu­los “es­pe­ci­al­men­te du­ran­te o dia e com len­tes fo­to­cro­má­ti­cas”, pois con­se­guem pro­te­ger até “70 por cen­to o uti­li­za­dor” To­das as opi­niões le­vam, de fac­to, a uma úni­ca con­clu­são: ócu­los de sol, sem­pre!

Eli­za­be­te Pi­na “Na ne­ces­si­da­de de gra­du­ar as len­tes, de­vem ser co­lo­ca­das nos ócu­los de sol pa­ra que se con­du­za em se­gu­ran­ça e com to­dos os re­fle­xos ati­vos, evi­tan­do as­sim o des­lum­bra­men­to, es­pe­ci­al­men­te nas ho­ras de mai­or in­ci­dên­cia so­lar”.

Ana­be­la Ta­va­res “Os ócu­los de sol não só dão pro­te­ção e con­for­to vi­su­al, co­mo tam­bém aju­dam a re­du­zir en­ca­de­a­men­tos, res­pon­sá­veis pe­la re­du­ção de re­fle­xos que mui­tas ve­zes são res­pon­sá­veis por aci­den­tes”.

Ivo Sou­sa “De­ve-se usar ócu­los de sol es­pe­ci­al­men­te du­ran­te o dia e com len­tes fo­to­cro­má­ti­cas, que pro­te­gem até 70 por cen­to o uti­li­za­dor”.

Nu­no Gon­çal­ves “A con­du­ção du­ran­te o dia com ócu­los de sol é sem­pre re­co­men­dá­vel des­de que acom­pa­nha­dos por len­tes de qua­li­da­de, e acon­se­lha­das por um téc­ni­co de óp­ti­ca”.

Cá­tia Co­e­lho “De­ve-se uti­li­zar ócu­los de sol em qual­quer al­tu­ra do dia”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.