SPO aler­ta pa­ra os pe­ri­gos do olho se­co

OftalPro - - NOTÍCIAS -

A vul­gar­men­te co­nhe­ci­da do­en­ça do olho se­co po­de es­tar a ex­pan­dir-se, ten­do já afe­ta­do 20 por cen­to da po­pu­la­ção por­tu­gue­sa. O pre­si­den­te da So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Of­tal­mo­lo­gia (SPO), Pau­lo Tor­res, ex­pli­ca que es­ta do­en­ça é, em mui­tos ca­sos, con­sequên­cia “da di­mi­nui­ção da pro­du­ção de lá­gri­mas, da de­fi­ci­ên­cia de al­guns dos seus com­po­nen­tes e da mai­or eva­po­ra­ção da lá­gri­ma, es­ta úl­ti­ma re­la­ci­o­na­da com a di­mi­nui­ção do pes­ta­ne­jo re­fle­xo”. Con­si­de­ra ain­da que o “es­ta­do de aten­ção que se apli­ca nas ta­re­fas que se re­a­li­zam ao per­to, co­mo o tra­ba­lho com mo­ni­to­res de com­pu­ta­do­res ou ecrãs de jo­gos, fa­zem com que ha­ja uma di­mi­nui­ção do re­fle­xo do pes­ta­ne­jo, com uma mai­or eva­po­ra­ção da lá­gri­ma e um me­nor re­co­bri­men­to da su­per­fí­cie ocu­lar pe­lo fil­me la­cri­mal. As­sim, a su­per­fí­cie ocu­lar fi­ca mais ex­pos­ta e tor­na-se mais vul­ne­rá­vel à in­fla­ma­ção, le­van­do ao apa­re­ci­men­to das quei­xas tí­pi­cas aci­ma des­cri­tas. O olho se­co es­tá tam­bém re­la­ci­o­na­do com ou­tros fa­to­res, no­me­a­da­men­te o en­ve­lhe­ci­men­to na­tu­ral, al­te­ra­ções hor­mo­nais co­mo na me­no­pau­sa da mu­lher, ta­ba­gis­mo, al­co­o­lis­mo, ci­rur­gi­as ocu­la­res, uso pro­lon­ga­do de len­tes de con­tac­to e a ex­po- si­ção pro­lon­ga­da a mei­os am­bi­en­tes pes­so­ais e ou pro­fis­si­o­nais agres­si­vos (ven­tos, po­ei­ras, am­bi­en­tes se­cos e re­fri­ge­ra­dos)”. Po­de ser tam­bém ma­ni­fes­ta­ções de do­en­ças sis­té­mi­cas, co­mo as do fo­ro imu­no­ló­gi­co co­mo ar­tri­te, lú­pus, en­tre ou­tras, di­a­be­tes e me­di­ca­ção. O tra­ta­men­to con­sis­te no uso de lá­gri­mas ar­ti­fi­ci­ais, dis­po­ní­veis nas far­má­ci­as. Em qual­quer um dos ca­sos, é sem­pre re­co­men­dá­vel a vi­si­ta a um of­tal­mo­lo­gis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.