Co­me­çar o ano em es­pí­ri­to de equi­pa

OftalPro - - REPORTAGEM -

No dia 24 de ja­nei­ro de­cor­reu o tra­di­ci­o­nal jan­tar de reis da Ibe­rof­tal, no Por­to. Nos se­te anos de exis­tên­cia da or­ga­ni­za­ção, es­te é já o sex­to mo­men­to de con­ví­vio dos pro­fis­si­o­nais do Ins­ti­tu­to/ Hos­pi­tal CUF do Por­to, Hos­pi­tal de Bra­ga e da Opor­to He­alth Tour, que apro­vei­tam a oca­sião pa­ra tam­bém fa­ze­rem um ba­lan­ço do ano tran­sa­to, apre­sen­tar no­vos pro­je­tos e en­ca­rar os de­sa­fi­os que ad­vi­rão. No en­tan­to, o fo­co des­te mo­men­to é o con­ví­vio en­tre os pro­fis­si­o­nais, as­sen­te na ami­za­de e no tra­ba­lho de equi­pa. Co­mo exem­plo des­ta união, hou­ve es­pa­ço pa­ra mo­men­tos mu­si­cais, cu­jos pro­ta­go­nis­tas fo­ram pre­ci­sa­men­te os mé­di­cos of­tal­mo­lo­gis­tas.

Há já se­te anos que o gru­po Ibe­rof­tal – Ser­vi­ços de Saú­de tem vin­do a con­so­li­dar-se co­mo um dos gru­pos mais dis­tin­tos de Of­tal­mo­lo­gia a ní­vel na­ci­o­nal. O ob­je­ti­vo da or­ga­ni­za­ção é jun­tar vá­ri­as es­pe­ci­a­li­da­des e su­bes­pe­ci­a­li­da­des mé­di­cas, de for­ma a au­men­tar a re­de de apoio aos cli­en­tes, se­ja de ins­ti­tui­ções pri­va­das ou pú­bli­cas. O jan­tar do dia 24 no Z-Club, em Gri­jó, abriu o ano pa­ra es­te gru­po de uma for­ma aco­lhe­do­ra, co­mo se fos­se uma fa­mí­lia. “Sem­pre ti­ve a ideia de po­der ter se­de pró­pria, pa­ra as pes­so­as sen­ti­rem que têm um ‘ni­nho’. Es­te es­pa­ço faz com que as pes­so­as sin­tam que há uma se­de on­de se po­dem en­con­trar e con­vi­ver. Não há as­so­ci­a­ções de of­tal­mo­lo­gis­tas as­sim com a nos­sa co­e­são, de sen­tir a fa­mí­lia”, ex­pli­cou Cas­tro Ne­ves, só­cio mai­o­ri­tá­rio da or­ga­ni­za­ção e um dos mem­bros da ad­mi­nis­tra­ção. Pa­ra além des­te jan­tar de reis, há ain­da o de S. João e ou­tro em Pon­te de Li­ma, que in­cluiu um pas­seio de bi­ci­cle­ta. Cas­tro Ne­ves ex­pli­ca ain­da que es­tes en­con­tros são “or­ga­ni­za­dos por con­vi­te, pes­soa a pes­soa, segundo o gru­po de es­pe­ci­a­li­da­de. É es­co­lhi­do um ‘pi­vot’ pa­ra ca­da su­bes­pe­ci­a­li­da­de de Of­tal­mo­lo­gia, que é con­vi­da­do a tra­ba­lhar com a equi­pa que mais gos­ta. To­das as su­bes­pe­ci­a­li­da­des es­tão re­pre­sen­ta­das na or­ga­ni­za­ção”. Es­ta con­fra­ter­ni­za­ção en­tre os pro­fis­si­o­nais, que já são mais de 50, tor­nou tam­bém pos­sí­vel a in­te­ra­ção en­tre a “es­co­la de S. João com

a es­co­la de San­to An­tó­nio, que au­men­tam o le­ga­do da nos­sa or­ga­ni­za­ção, in­cluin­do já o Hos­pi­tal de Bra­ga e pe­que­nas clí­ni­cas sa­té­li­te. Os of­tal­mo­lo­gis­tas em Por­tu­gal de­vem or­ga­ni­zar-se as­sim em gru­pos, por­que o con­cei­to es­tá as­sen­te na éti­ca e cul­tu­ra de tra­ba­lho pa­ra to­dos os pro­fis­si­o­nais”, ex­pli­cou Cas­tro Ne­ves.

Um gru­po di­fe­ren­te

Pa­ra Fer­nan­do Vaz, co­or­de­na­dor do De­par­ta­men­to de Of­tal­mo­lo­gia da CUF Por­to e di­re­tor do Ser­vi­ço de Of­tal­mo­lo­gia do Hos­pi­tal de Bra­ga, “o que di­fe­ren­cia a nos­sa or­ga­ni­za­ção de ou­tros gru­pos se­me­lhan­tes é o con­cei­to”. Ex­pli­ca que, “nor­mal­men­te, nes­ses gru­pos há uma li­de­ran­ça e há de­pois as fi­gu­ras que não são tão cin­ti­lan­tes, que dre­nam as ci­rur­gi­as e os ca­sos mais com­ple­xos pa­ra es­tas per­so­na­li­da­des de destaque. São es­tru­tu­ras em pi­râ­mi­de. O que nós fi­ze­mos foi apla­nar a pi­râ­mi­de e cons­truí­mos um gru­po pa­ra as di­fe­ren­tes áre­as da Of­tal­mo­lo­gia e su­bes­pe­ci­a­li­da­des, daí que te­nha­mos in­te­gra­do mais do que uma pes­soa de re­fe­rên­cia des­sas áre­as”. A tí­tu­lo de exem­plo, a Of­tal­mo­lo­gia Pe­diá­tri­ca tem no­ve pro­fis­si­o­nais, a de Glau­co­ma tem se­te e na de Re­ti­na o gru­po fez por ter “as me­lho­res re­fe­rên­ci­as da ci­da­de”. A ideia foi cri­ar uma fi­lo­so­fia de con­cen­trar num mes­mo sí­tio, com su­ces­so, as di­fe­ren­tes áre­as à se­me­lhan­ça da Via Con­dot­ti em Roma. “As se­nho­ras em Roma, qu­an­do que­rem com­prar uma car­tei­ra, umas ve­zes vão à Guc­ci, ou­tras à Pra­da ou à Fer­ra­ga­mo. Mas vão é sem­pre à Via Con­dot­ti, por­que sa­bem que é lá que es­tão to­das as me­lho­res mar­cas de car­tei­ras. E, pa­ra as mar­cas, o fac­to de te­rem as su­as re­fe­rên­ci­as na por­ta ao la­do não é mau, por­que to­das sa­bem que as se­nho­ras qu­an­do vão com­prar uma car­tei­ra vão sem­pre à Via Con­dot­ti”, ex­pli­cou o co­or­de­na­dor. Ou­tra das pre­o­cu­pa­ções do gru­po foi a de “pro­cu­rar sem­pre in­je­tar san­gue no­vo na equi­pa”, ten­tan­do atrair pa­ra o gru­po os me­lho­res jo­vens. “Ho­je em dia, nem te­mos de fa­zer mui­tos con­vi­tes, por­que são as pró­pri­as pes­so­as a que­rer co­la­bo­rar con­nos­co, da­do o pres­tí­gio do gru­po. Dá-nos um con­for­to mui­to gran­de”, ex­pli­cou Fer­nan­do Vaz”. Sem es­ta ba­se, o jan­tar se­ria com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te, com pro­fis­si­o­nais que não se co­nhe­ci­am. Se­ria um mo­men­to im­pes­so­al, que é com­ple­ta­men­te o con­trá­rio da fi­lo­so­fia da Ibe­rof­tal e dos en­con­tros. O gran­de destaque do jan­tar de reis foi o mo­men­to mu­si­cal, pro­ta­go­ni­za­do pe­los pró­pri­os pro­fis­si­o­nais. A ban­da de Ma­nu­el Do­min­gues, do Seg­men­to An­te­ri­or, Fi­li­pe Ro­cha, da En­fer­ma­ria, Fran­clim Pereira, ges­tor clí­ni­co, e Rodolfo Ne­ves e Cas­tro Ne­ves, co­mo tam­bém a atu­a­ção de Ri­ta Gen­til, pro­por­ci­o­na­ram um mo­men­to úni­co, que fi­xou o jan­tar na me­mó­ria dos par­ti­ci­pan­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.