COPHy pe­la pri­mei­ra vez em Por­tu­gal

OftalPro - - REPORTAGEM -

De 20 a 23 de mar­ço, de­cor­re em Lis­boa a quin­ta edi­ção do COPHy – Con­gres­so Mun­di­al so­bre Con­tro­vér­si­as em Of­tal­mo­lo­gia, even­to ba­si­lar a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal que to­dos os anos ocu­pa lu­gar de destaque na agen­da dos of­tal­mo­lo­gis­tas. A ca­pi­tal por­tu­gue­sa foi es­co­lhi­da pa­ra re­ce­ber os mi­lha­res de pro­fis­si­o­nais, atraí­dos pe­los tí­pi­cos de­ba­tes com os pa­les­tran­tes lí­de­res de in­ves­ti­ga­ções.

Em­bo­ra es­te­jam qua­tro di­as re­ser­va­dos pa­ra o even­to, ape­nas os di­as 21 e 22 se­rão com­ple­ta­men­te ocu­pa­dos com o pro­gra­ma ci­en­tí­fi­co. O dia 20 se­rá a ce­ri­mó­nia de aber­tu­ra, pa­ra o fi­nal da tar­de, e o dia 23 se­rá o cha­ma­do “dia de viagem”. O Sa­na Epic Ho­tel, em Lis­boa, pre­pa­ra-se pa­ra re­ce­ber mi­lha­res de pes­so­as, ten­do em con­ta os 2600 par­ti­ci­pan­tes de 60 paí­ses do ano pas­sa­do em Bu­da­pes­te, a mai­or par­te da Eu­ro­pa Oci­den­tal, nú­me­ro que por si só já foi bem su­pe­ri­or à edi­ção an­te­ri­or (du­as mil pes­so­as em Is­tam­bul, de 58 paí­ses). Es­te é um con­gres­so edu­ca­ci­o­nal, com apre­sen­ta­ção de tra­ba­lhos, ‘pos­ters’, pa­les­tras, fó­runs e dis­cus­sões ci­en­tí­fi­cas, com um en­fo­que na re­la­ção en­tre pa­les­tran­tes e au­di­ên­cia, tor­nan­do-se as­sim num con­gres­so mais in­ti­mis­ta en­tre quem pa­les­tra e quem ou­ve.

Pro­gra­ma ci­en­tí­fi­co

De­pois de Pra­ga, Bar­ce­lo­na, Is­tam­bul e Bu­da­pes­te, é a vez da ca­pi­tal por­tu­gue­sa al­ber­gar es­te even­to. Co­mo te­mas prin­ci­pais, fa­lar-se-á de Glau­co­ma, Re­ti­na e Seg­men­to An­te­ri­or, mas ou­tros as­sun­tos se­rão tam­bém dis­cu­ti­dos, co­mo no­vos fár­ma­cos, es­ta­do da ar­te da área e dis­ci­pli­nas re­cen­tes co­mo a Neu­ro-Of­tal­mo­lo­gia. A gran­de ên­fa­se do con­gres­so é, des­de a sua cri­a­ção em 2010, a par­ti­ci­pa­ção de pa­les­tran­tes oriun­dos dos qua­tro can­tos do mun­do. Nes­te ca­so em par­ti­cu­lar, te­mos co­mo exem­plos Jor­ge Alio, of­tal­mo­lo­gis­ta es­pa­nhol que abor­da­rá o Seg­men­to An­te­ri­or, Jo­seph Mois­sei­ev, is­ra­e­li­ta es­pe­ci­a­lis­ta em Re­ti­na (te­ma que tam­bém in­clui abor­da­gens à uveí­tes, tu­mo­res e trau­mas), Anders Heijl, es­pe­ci­a­lis­ta da Sué­cia em Glau­co­ma, e Wil­li­am Mil­ler, es­pe­ci­a­lis­ta ame­ri­ca­no em Neu­ro-Of­tal­mo­lo­gia. A re­pre­sen­tar Por­tu­gal, es­ta­rão os es­pe­ci­a­lis­tas An­tó­nio Ma­ri­nho, Ân­ge­la Car­nei­ro, Jo­a­quim Mur­ta, Jo­sé Cu­nha-Vaz, Ma­ria da Luz Freitas, Pedro Fon­se­ca, Ru­fi­no Sil­va e Edu­ar­do Sil­va. O even­to se­rá pre­si­di­do pe­la mé­di­ca Anat Lo­ewens­tein, de Is­ra­el, e Neil Bres­s­ler, dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, am­bos pro­fis­si­o­nais de re­fe­rên­cia mun­di­al. Ain­da, as­sen­te no su­ces­so das edi­ções an­te­ri­o­res, a ba­se da re­la­ção en­tre vi­si­tan­tes e pa­les­tran­tes es­tá no diá­lo­go, não fos­se o mo­te do con­gres­so a “dis­cus­são”, a pro­mul­ga­ção da éti­ca nas cha­ma­das “ba­ses ci­en­tí­fi­cas”, tu­do ide­ais pa­ra tor­nar pos­sí­vel o acom­pa­nha­men­to mais in­ti­mis­ta dos pro­fis­si­o­nais fa­ce aos no­vos avan­ços na Of­tal­mo­lo­gia e for­ma­rem, por eles, uma opi­nião es­tru­tu­ra­da.

Con­gres­so con­tro­ver­so

O COPHy é o even­to que se tem afir­ma­do co­mo o úni­co a abor­dar qua­se ex­clu­si­va­men­te te­mas con­tro­ver­sos. Segundo Jo­sé Cu­nha-Vaz, lí­der do con­gres­so em Por­tu­gal, “pro­cu­rou-se fun­da­men­tal­men­te com o 5º Con­gres­so Mun­di­al so­bre Con­tro­vér­si­as em Of­tal­mo­lo­gia a atu­a­li­za­ção dos mé­di­cos of­tal­mo­lo­gis­tas so­bre os no­vos de­sen­vol­vi­men­tos na área, pro­mo­ver o de­ba­te en­tre lí­de­res da in­ves­ti­ga­ção clí­ni­ca em Of­tal­mo­lo­gia e per­mi­tir que to­dos os par­ti­ci­pan­tes se pos­sam en­vol­ver nes­se pro­ces­so. As ques­tões prin­ci­pais são abor­da­das atra­vés de ex­po­si­ções que de­fen­dem pon­tos de vis­ta di­fe­ren­tes e, por ve­zes, opos­tos, per­mi­tin­do aos as­sis­ten­tes par­ti­ci­pa­rem no pro­ces­so e sair do con­gres­so com op­ções mais fun­da­men­ta­das”. Es­tas con­tro­vér­si­as são “ques­tões em aber­to, par­ti­cu­lar­men­te em áre­as de gran­de ino­va­ção e es­pe­ci­al­men­te na­que­las em

que sur­gi­ram no­vos tra­ta­men­tos mé­di­cos”, daí a ne­ces­si­da­de de dis­cus­são e es­cla­re­ci­men­to. É uma “oca­sião úni­ca pa­ra os par­ti­ci­pan­tes as­sis­ti­rem a de­ba­tes aber­tos so­bre ques­tões da prá­ti­ca clí­ni­ca que im­por­ta ana­li­sar e es­cla­re­cer”, con­si­de­rou Jo­sé Cu­nha-Vaz. Não há dú­vi­da de que as ex­pe­ta­ti­vas são gran­des, es­pe­ci­al­men­te qu­an­do “os ora­do­res con­vi­da­dos são ex­ce­len­tes e os te­mas atu­ais”, is­to é, tem to­dos os “in­gre­di­en­tes pa­ra o su­ces­so”. O even­to re­pre­sen­ta tam­bém pa­ra os por­tu­gue­ses um de­sa­fio em “as­su­mir a in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção da Of­tal­mo­lo­gia por­tu­gue­sa. Há com­pe­tên­cia, há re­co­nhe­ci­men­to in­ter­na­ci­o­nal”, daí o gran­de en­fo­que nos con­fe­ren- cis­tas na­ci­o­nais, uma opor­tu­ni­da­de pa­ra se mos­tra­rem a mi­lha­res de vi­si­tan­tes num úni­co lo­cal. Ain­da, Coimbra as­su­me-se co­mo “um dos prin­ci­pais cen­tros de in­ves­ti­ga­ção de trans­la­ção e in­ves­ti­ga­ção clí­ni­ca da Eu­ro­pa em Of­tal­mo­lo­gia”, daí que a es­co­lha de Por­tu­gal te­nha si­do a ide­al. “Há que as­su­mir que a Of­tal­mo­lo­gia por­tu­gue­sa es­tá na van­guar­da do que me­lhor se faz na Eu­ro­pa”, de­sa­fi­ou Jo­sé Cu­nha-Vaz. É, por tu­do is­to, le­gí­ti­mo afir­mar que es­ta quin­ta edi­ção do COPHy é um mar­co im­por­tan­te na ca­len­da­ri­za­ção dos even­tos em Of­tal­mo­lo­gia, pe­lo que é um gran­de or­gu­lho po­der con­tar com a sua or­ga­ni­za­ção em Por­tu­gal.

Jo­sé Cu­nha-Vaz é lí­der do 5º COPHy em Por­tu­gal.

Jo­sé Cu­nha-Vaz

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.