Par­ti­ci­pa­ção por­tu­gue­sa re­co­nhe­ci­da in­ter­na­ci­o­nal­men­te

OftalPro - - REPORTAGEM -

O ERVS Me­e­ting é um dos even­tos mais pres­ti­gi­a­dos a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal na área da Of­tal­mo­lo­gia. O que o dis­tin­gue de ou­tros se­me­lhan­tes é a pos­si­bi­li­da­de de qual­quer pro­fis­si­o­nal par­ti­ci­par, vis­to que é mais um fó­rum de dis­cus­são de gran­des di­men­sões, em que ca­da es­pe­ci­a­lis­ta apre­sen­ta um te­ma pa­ra dis­cus­são. De­pois de pas­sar pe­la Gré­cia, no ano pas­sa­do, o EVRS Me­e­ting che­ga pe­la pri­mei­ra vez a Por­tu­gal, mais con­cre­ta­men­te ao Edi­fí­cio da Al­fân­de­ga, na ci­da­de do Por­to. Fa­lá­mos com An­ge­li­na Meireles, o “ros­to” do even­to no nos­so país, pa­ra sa­ber­mos o que po­de­mos es­pe­rar des­te en­con­tro que pre­ten­de atrair, em se­tem­bro, cen­te­nas de pro­fis­si­o­nais da área.

Des­de a sua for­ma­ção que o en­con­tro or­ga­ni­za­do pe­lo Eu­ro­pe­an Vi­treo Re­ti­nal So­ci­ety (ERVS) op­tou por afas­tar con­vi­da­dos e pa­les­tras pa­gas. O cer­ne do even­to es­tá na sub­mis­são de tra­ba­lhos e apre­sen­ta­ções dos pró­pri­os par­ti­ci­pan­tes, que, me­di­an­te o te­ma es­co­lhi­do pa­ra a edi­ção, de­sen­vol­vem a pa­les­tra. O ob­je­ti­vo não é, por as­sim di­zer, dar mais im­por­tân­cia a cer­tos ora­do­res in­de­pen­den­te­men­te do que fa­çam pro­fis­si­o­nal­men­te, mas sim pro­mo­ver uma tro­ca de co­nhe­ci­men­tos mais pró­xi­ma, co­mo par­ti­lhar tru­ques ou di­cas. As­sim, é de es­pe­rar um olhar mais fron­tal à Of­tal­mo­lo­gia, com a apre­sen­ta­ção de pon­tos de vis­ta mais crí­ti­cos que vão per­mi­tir uma pon­te en­tre o que se faz de mais re­cen­te ou pou­co es­ta­be­le­ci­do e o que se faz mais clás­si­co e den­tro dos câ­no­nes da Of­tal­mo­lo­gia. A tí­tu­lo de exem­plo, é pe­di­do a to­dos os in­te­res­sa­dos que pas­sem pa­ra as par­ti­ci­pa­ções as su­as pre­fe­rên­ci­as re­la­ti­va­men­te aos mé­to­dos a usar nu­ma ci­rur­gia, se­jam es­tas con­ven­ci­o­nais ou não, mas sem­pre fun­da­men­ta­das. É es­cla­re­ci­do es­pe­ci­fi­ca­men­te que há pre­fe­rên­cia de tra­ta­men­to nas apre­sen­ta­ções que si­gam es­te es­pí­ri­to, ca­be de­pois ao ora­dor con­se­guir de­fen­der o te­ma du­ran­te a dis­cus­são. A pró­pria co­mis­são or­ga­ni­za­do­ra ape­li­da o EVRS Me­e­ting de ‘talk-show’, pa­ra evi­tar que as apre­sen­ta­ções in­di­vi­du­ais de even­tos di­tos “nor­mais” cai­am em re­pe­ti­ções e in­for­ma­ção re­dun­dan­te. As ses­sões ci­en­tí­fi­cas são or­ga­ni­za­das por te­mas na mes­ma, mas os pon­tos per­ti­nen­tes a dis­cu­tir são es­ta­be­le­ci­dos an­tes da apre­sen­ta­ção pe­los mo­de­ra­do­res, que fa­zem as­sim fó­runs co­re­o­gra­fa­dos ao por­me­nor, que per­mi­tem a to­dos os par­ti­ci­pan­tes na ses­são po­de­rem mos­trar o seu pon­to de vis­ta e en­ce­tar um diá­lo­go com o apre­sen­ta­dor. Pa­ra tal ri­gor, há um en­fo­que no uso de tec­no­lo­gia de pon­ta nas apre­sen­ta­ções, que per­mi­tem 12 com­pu­ta­do­res por­tá­teis li­ga­dos en­tre si e vá­ri­as câ­ma­ras de ví­deo a trans­mi­tir a apre­sen­ta­ção do pa­les­tran­te em di­re­to, pa­ra um gran­de ecrã. Os com­pu­ta­do­res per­mi­tem apre­sen­tar as ques­tões ou pon­tos de vis­ta ao pa­les­tran­te, mas tam­bém é pos­sí­vel fa­zer o mes­mo atra­vés de uma men­sa­gem de te­le­mó­vel.

Te­ma: My Way

Em to­dos os con­gres­sos há um te­ma ba­se que guia as apre­sen­ta­ções, que é sem­pre acor­da­do ime­di­a­ta­men­te após a edi­ção pré­via aca­bar. Es­te ano, o te­ma é My Way (à mi­nha ma­nei­ra), que já ha­via si­do usa­do em Pra­ga. A ideia é dar (mais) li­ber­da­de aos ora­do­res, on­de ca­da um faz a sua abor­da­gem a de­ter­mi­na­da pa­to­lo­gia. Com­ple­ta­men­te den­tro do

es­pí­ri­to da EVRS. “Es­te te­ma é sem­pre im­por­tan­te, dá a pos­si­bi­li­da­de de en­trar nou­tros e vol­tar a uma es­tru­tu­ra, que é de­fi­ni­da pe­lo ora­dor”. Ha­ve­rá, tam­bém, co­mo tem si­do apa­ná­gio nas úl­ti­mas qua­tro edi­ções, um es­tu­do clí­ni­co so­bre “abor­da­gem ci­rúr­gi­ca das com­pli­ca­ções ma­cu­la­res das fos­se­tas da pa­pi­la”. O es­tu­do re­sul­ta da re­co­lha das di­fe­ren­tes téc­ni­cas ci­rúr­gi­cas e seus re­sul­ta­dos, dos of­tal­mo­lo­gis­tas que quei­ram par­ti­ci­par, en­vi­an­do os seus ca­sos pa­ra uma ba­se de da­dos cen­tra­li­za­da que se­rá tra­ta­da por uma en­ti­da­de in­de­pen­den­te, sen­do os re­sul­ta­dos apre­sen­ta­dos du­ran­te o con­gres­so.

Por­to, uma ci­da­de per­fei­ta

De­pois da ilha de Rho­des, na Gré­cia, a ci­da­de do Por­to foi a es­co­lhi­da a de­do pe­la di­re­ção da So­ci­e­da­de pa­ra re­ce­ber a pró­xi­ma edi­ção do even­to. An­ge­li­na Meireles, mem­bro do co­mi­té éti­co da Eu­ro­pe­an Vi­treo Re­ti­nal So­ci­ety e re­pre­sen­tan­te na­ci­o­nal des­de o pri­mei­ro con­gres­so, le­vou Di­di­er Du­cour­nau, CEO da EVRS, a vi­si­tar “Lis­boa, pa­ra ver o am­bi­en­te e apu­rar se ti­nha con­di­ções” pa­ra se or­ga­ni­zar o en­con­tro. Con­cluiu que “não ti­nha con­di­ções lo­gís­ti­cas, segundo a fi­lo­so­fia do even­to. Tra­ta-se de um con­gres­so com uma sa­la úni­ca, que aco­lhe to­dos os te­mas e res­pe­ti­vos con­gres­sis­tas. Ain­da, o con­gres­so tem que ser num lo­cal com apoio lo­gís­ti­co ‘à por­ta’, ou se­ja, com fa­ci­li­da­des na des­lo­ca­ção a pé en­tre os ho­téis e o es­pa­ço do even­to, nes­te ca­so en­tre a Bai­xa do Por­to e a Al­fân­de­ga. Em Lis­boa, não con­se­gui­mos en­con­trar ne­nhum es­pa­ço que nos des­se es­tas con­di­ções”, ex­pli­cou. Di­di­er Du­cour­nau apro­vou a ‘In­vic­ta’ lo­go no pri­mei­ro dia de vi­si­ta, uma con­cre­ti­za­ção de um de­se­jo de An­ge­li­na Meireles que “sem­pre quis que o con­gres­so fos­se no Por­to”.

Or­ga­ni­zar em Por­tu­gal

Há 14 anos que a of­tal­mo­lo­gis­ta na­tu­ral de Fel­guei­ras es­tá li­ga­da à EVRS, não ten­do fa­lha­do a um úni­co even­to. Con­ta que a fi­lo­so­fia de uma So­ci­e­da­de mui­to in­for­mal é o que une os pro­fis­si­o­nais, que per­fa­zem de­pois uma So­ci­e­da­de ci­en­tí­fi­ca ali­cer­ça­da na ami­za­de. “Des­de a pri­mei­ra ho­ra que es­tou li­ga­da à EVRS”, con­ta An­ge­li­na Meireles. Foi tam­bém des­de o iní­cio que foi elei­ta a re­pre­sen­tan­te da So­ci­e­da­de em Por­tu­gal, que tem cer­ca de 15 por­tu­gue­ses, ten­do vin­do a ser re­e­lei­ta de dois em dois anos, ora não fos­se ela pró­pria uma re­fe­rên­cia na área da Ví­treo-Re­ti­na em Por­tu­gal. Des­ta for­ma, es­ta­va mais do que na ho­ra de se or­ga­ni­zar es­te even­to

em Por­tu­gal. Com o apoio da So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Of­tal­mo­lo­gia, o 14º EVRS Me­e­ting tem uma par­ti­cu­la­ri­da­de. “O pri­mei­ro dia des­ta edi­ção se­rá em si­mul­tâ­neo à Reu­nião Anu­al do Gru­po Por­tu­guês de Re­ti­na e Ví­treo (GPRV). O nos­so gran­de ob­je­ti­vo é cri­ar si­ner­gi­as e con­se­guir uma mai­or di­vul­ga­ção in­ter­na do even­to, pa­ra ga­ran­tir­mos que se­ja um su­ces­so e ele­var­mos a co­mu­ni­da­de of­tal­mo­ló­gi­ca por­tu­gue­sa ao ní­vel in­ter­na­ci­o­nal”. O pa­pel de An­ge­li­na Meireles é fun­da­men­tal, pois fa­rá a pon­te en­tre am­bas as or­ga­ni­za­ções. “Pe­lo ‘fe­ed­back’ que te­nho re­ce­bi­do, acho que as pes­so­as es­tão en­tu­si­as­ma­das”, con­fes­sou. Es­pe­ra tam­bém que es­te ano se con­si­ga gran­de par­ti­ci­pa­ção dos of­tal­mo­lo­gis­tas por­tu­gue­ses, por­que em to­dos os paí­ses on­de se re­a­li­za o even­to exis­te a pre­o­cu­pa­ção de se ter o má­xi­mo de pro­fis­si­o­nais lo­cais. No ano pas­sa­do, a par­ti­ci­pa­ção gre­ga foi, segundo a of­tal­mo­lo­gis­ta, aquém do es­pe­ra­do, pe­lo que um dos ob­je­ti­vos pa­ra es­te ano é ob­ter um me­lhor de­sem­pe­nho que os gre­gos, is­to é, mui­tos mais por­tu­gue­ses no Edi­fí­cio da Al­fân­de­ga.

Con­gres­so além fron­tei­ras

O tra­ba­lho ci­en­tí­fi­co abor­da­do no en­con­tro da EVRS trans­põe fron­tei­ras, in­clu­si­ve no mun­do da im­pren­sa es­pe­ci­a­li­za­da. “O con­gres­so con­ti­nua a ser al­go úni­co, pois tem exis­ti­do sem­pre a pre­o­cu­pa­ção de se jun­tar a ci­ên­cia à ci­rur­gia, o que não é fá­cil”, con­tou-nos An­ge­li­na Meireles. Com es­ta gran­de po­pu­la­ri­da­de, a es­co­lha da or­ga­ni­za­ção em Por­tu­gal abre no­vas portas a um sal­to na in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção. Con­gres­sos mun­di­ais em ter­ri­tó­rio lu­so não são no­vi­da­de, daí que o EVRS Me­e­ting se­ja mais “um re­co­nhe­ci­men­to da par­ti­ci­pa­ção por­tu­gue­sa” nos con­gres­sos pro­mo­vi­dos pe­la ins­ti­tui­ção. “A or­ga­ni­za­ção em Por­tu­gal aca­ba por ser uma ma­nei­ra de pre­mi­ar a par­ti­ci­pa­ção por­tu­gue­sa no even­to, ago­ra es­pe­ro que nós con­si­ga­mos cor­res­pon­der. Não es­ta­mos aquém do que se faz lá fo­ra”, sa­li­en­tou An­ge­li­na Meireles. A par­tir de abril, se­rão re­ve­la­dos mais por­me­no­res. Po­rém, pe­lo que já foi di­to à nos­sa re­por­ta­gem, é de es­pe­rar um even­to em gran­de na Of­tal­mo­lo­gia, com es­pe­ci­al ên­fa­se nos pro­fis­si­o­nais por­tu­gue­ses.<

An­ge­li­na Meireles, o “ros­to” do con­gres­so em Por­tu­gal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.