Fa­lar de Ocu­lo­plás­ti­ca

OftalPro - - REPORTAGEM -

De 13 a 14 de mar­ço de­cor­re em Lis­boa, no Ho­tel Sa­na Ma­lhoa, o IV Con­gres­so Ibe­roa­me­ri­ca­no de Ocu­lo­plás­ti­ca e ór­bi­ta. Es­te é um even­to ba­si­lar na agen­da dos of­tal­mo­lo­gis­tas, não só dos ibé­ri­cos ou ame­ri­ca­nos, mas tam­bém de in­te­res­se mun­di­al.

Des­de 2008 que a So­ci­e­da­de Ibe­ro­a­me­ri­ca­na de Ocu­lo­plás­ti­ca (SIAO) or­ga­ni­za es­te con­gres­so de dois em dois anos, in­ter­ca­lan­do as edi­ções en­tre o con­ti­nen­te ame­ri­ca­no e o eu­ro­peu. Em to­dos os mo­men­tos, con­tou sem­pre com a pre­sen­ça de cen­te­nas de pro­fis­si­o­nais de am­bos os paí­ses ibé­ri­cos e de paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na, co­mo México (on­de foi or­ga­ni­za­da a pri­mei­ra edi­ção) e Bra­sil. De­pois de Buenos Aires, na Ar­gen­ti­na, é a vez de Lis­boa re­ce­ber es­ta quar­ta edi­ção, que pro­me­te ser a mais com­ple­ta. Em ca­da con­gres­so, há sem­pre um en­fo­que no tu­ris­mo da ci­da­de em que de­cor­re o en­con­tro, uma opor­tu­ni­da­de cul­tu­ral e eco­nó­mi­ca pa­ra o país que o re­ce­be. Es­te en­con­tro vi­sa es­sen­ci­al­men­te aju­dar os par­ti­ci­pan­tes a es­tar mais a par dos avan­ços ci­en­tí­fi­cos na área da Ocu­lo­plás­ti­ca, bas­tan­te es­pe­cí­fi­ca na Of­tal­mo­lo­gia. Da­da a rá­pi­da evo­lu­ção dos mei­os de co­mu­ni­ca­ção, a or­ga­ni­za­ção fo­cou-se es­sen­ci­al­men­te em jun­tar, num mes­mo mo­men­to, vá­ri­as opi­niões apoi­a­das nes­tas no­vas for­mas de co­mu­ni­ca­ção, co­mo o ví­deo, do qual pla­nei­am apro­vei­tar ao má­xi­mo em Lis­boa. Ao lon­go dos dois di­as, os te­mas se­rão di­vi­di­dos pe­las con­fe­rên­ci­as dos pa­les­tran­tes con­vi­da­dos, co­mo Ale­xan­dro Alvarez Lo­pes e An­gel Ar­te­a­ga Sán­chez, de Es­pa­nha, Adré Bor­ba e Ro­ber­to Mu­ril­lo Limongi, do Bra­sil, João Ca­bral e Ma­ra Fer­rei­ra (res­pon­sá­veis pe­la or­ga­ni­za­ção) de Por­tu­gal, Guil­ler­mo Sal­ce­do Ca­sil­las, do México, Mar­kus Pfei­fer, da Ale­ma­nha, Mi­chel Ta­zar­tes, de Fran­ça, e mui­tos mais. As aten­ções do even­to re­ca­em so­bre as me­sas re­don­das, on­de se dis­cu­ti­rão ca­sos clí­ni­cos que ge­ra­rão tro­cas de idei­as e opi­niões en­tre a au­di­ên­cia e os ora­do­res/mo­de­ra­do­res. Por nor­ma, é on­de se tra­ta­rá dos te­mas mais con­tro­ver­sos da prá­ti­ca clí­ni­ca diá­ria, daí a opor­tu­ni­da­de úni­ca de pôr em ques­tão co­nhe­ci­men­tos e, as­sim, apro­fun­dar as evidências ci­en­tí­fi­cas. Co­mo exem­plos, lo­go na tar­de do segundo dia tra­tar-se-á de “ci­rur­gia da pto­se e

com­pli­ca­ções” e “com­pli­ca­ções em ble­fa­ro­plas­ti­as”. Exis­ti­rão tam­bém ses­sões de­di­ca­das a in­ter­nos, co­mo a “apre­sen­ta­ção de se­mi­o­lo­gia”, da ma­nhã do dia 13, e apre­sen­ta­ções em su­por­te ví­deo, a tal apos­ta na tec­no­lo­gia.

De­ver pa­ra a Of­tal­mo­lo­gia

O ob­je­ti­vo do IV Con­gres­so Ibe­roa­me­ri­ca­no de Ocu­lo­plás­ti­ca e Ór­bi­ta é, pa­ra João Ca­bral, “po­der jun­tar mais uma vez um ex­ce­len­te con­jun­to de es­pe­ci­a­lis­tas nu­ma reu­nião em que são apre­sen­ta­dos e dis­cu­ti­dos ca­sos clí­ni­cos, ex­pos­tas no­vas al­ter­na­ti­vas te­ra­pêu­ti­cas pa­ra as pa­to­lo­gi­as da ór­bi­ta e ane­xos ocu­la­res” num mes­mo lo­cal. A par com Ma­ra Fer­rei­ra, es­tá a or­ga­ni­zar o con­gres­so em Por­tu­gal nu­ma al­tu­ra “mui­to opor­tu­na, pois a Ocu­lo­plás­ti­ca es­tá a des­per­tar um in­te­res­se cres­cen­te en­tre os of­tal­mo­lo­gis­tas por­tu­gue­ses”. É tam­bém nes­ta al­tu­ra que se­rão apre­sen­ta­das as “idei­as, téc­ni­cas e bons re­sul­ta­dos” dos pro­fis­si­o­nais ocu­lo­plás­ti­cos, in­clu­si­ve os maus re­sul­ta­dos, “pa­ra que to­dos pos­sa­mos apren­der e não ter de co­me­ter er­ros que são evi­tá­veis”.

Bem for­mar

É ime­di­a­ta­men­te evi­den­te que o pro­gra­ma ci­en­tí­fi­co foi pen­sa­do ao por­me­nor, com en­fo­que na com­po­nen­te for­ma­ção. “Pa­ra um con­gres­so in­ter­na­ci­o­nal co­mo es­te, a re­a­li­zar em Por­tu­gal, em que mui­tos te­mas po­dem ain­da ser de pou­co co­nhe­ci­men­to pa­ra os por­tu­gue­ses, há na­tu­ral­men­te uma com­po­nen­te de for­ma­ção bá­si­ca, es­pe­ci­al­men­te de­di­ca­da aos in­ter­nos da es­pe­ci­a­li­da­de e a to­dos

aque­les que es­tão a co­me­çar a in­te­res­sar-se por es­ta pa­to­lo­gia”, ex­pli­cou João Ca­bral à nos­sa re­por­ta­gem. Es­ta for­ma­ção bá­si­ca é cons­ti­tuí­da pe­lo cur­so de ba­ses em Ocu­lo­plás­ti­ca, que apre­sen­ta­rá mo­dos de ob­ser­va­ção dos do­en­tes com pa­to­lo­gia pal­pe­bral, la­cri­mal e or­bi­tá­ria, co­mo tam­bém os prin­cí­pi­os bá­si­cos de ci­rur­gia on­co­ló­gi­ca e os di­fe­ren­tes mo­dos de re­cons­tru­ção da pál­pe­bra. Qu­an­to aos te­mas ha­bi­tu­ais em pa­to­lo­gia ocu­lo­plás­ti­ca, de­ba­ter-se-á so­bre o tra­ta­men­to da pto­se pal­pe­bral, da obs­tru­ção das vi­as la­cri­mais, ma­ne­jo de ca­vi­da­des anof­tál­mi­cas, li­po­es­tru­tu­ra, ble­fa­ro­plas­ti­as e ou­tras téc­ni­cas de ci­rur­gia. Den­tro da pa­to­lo­gia or­bi­tá­ria, João Ca­bral des­ta­ca os no­vos mo­dos de tra­ta­men­to da or­bi­to­pa­tia ti­roi­deia e no­vas or­bi­to­to­mi­as pa­ra o tra­ta­men­to de tu­mo­res or­bi­tá­ri­os, não es­que­cen­do tam­bém uma abor­da­gem às pos­sí­veis com­pli­ca­ções que se po­dem en­con­trar, re­la­ti­va­men­te aos mo­dos de as evi­tar e re­sol­ver. O de­ba­te prin­ci­pal cen­trar-se-á em “te­mas ha­bi­tu­ais em Ocu­lo­plás­ti­ca, sem dei­xar de fa­lar tam­bém em no­vas téc­ni­cas ci­rúr­gi­cas ou tec­no­lo­gi­as de pon­ta, que se têm vin­do a de­sen­vol­ver re­cen­te­men­te”. João Ca­bral re­fe­re ain­da que o re­al­ce es­ta­rá “nas me­sas re­don­das on­de, me­di­an­te co­men­tá­ri­os à apre­sen­ta­ção de ca­sos clí­ni­cos, se es­pe­ra que ha­ja uma gran­de ex­po­si­ção de opi­niões en­tre os ora­do­res e as­sis­tên­cia, co­mo tem si­do ha­bi­tu­al nes­tes con­gres­sos”.

Uma so­ci­e­da­de mais in­for­mal

“A So­ci­e­da­de Ibe­ro­a­me­ri­ca­na de Ocu­lo­plás­ti­ca foi cri­a­da pa­ra po­der agru­par um gran­de con­jun­to de ocu­lo­plás­ti­cos, que, por ser de ori­gem e men­ta­li­da­de la­ti­nas, tem um mo­do pró­prio de abor­dar e tra­tar as di­fe­ren­tes pa­to­lo­gi­as ocu­lo­plás­ti­cas e, tam­bém, um mo­do di­fe­ren­te de as apre­sen­tar”, ex­pli­ca João

Ca­bral. Nos vá­ri­os con­gres­sos la­ti­nos em que es­te­ve, o res­pon­sá­vel re­la­ta que há me­nos for­ma­li­da­de na ex­po­si­ção, com pri­ma­zia na crí­ti­ca po­si­ti­va, “pois to­dos sa­be­mos que so­mos em cer­to pon­to li­mi­ta­dos e es­ta­mos sem­pre dis­pos­tos pa­ra ou­vir as crí­ti­cas dos nos­sos pa­res, que pos­sam ter mais ex­pe­ri­ên­cia nal­gum as­pe­to, pa­ra po­der­mos me­lho­rar os nos­sos co­nhe­ci­men­tos”. É es­ta in­for­ma­li­da­de dos la­ti­nos que “ul­tra­pas­sa os li­mi­tes da me­ra ci­ên­cia e per­mi­te um con­ví­vio so­ci­al mui­to sa­lu­tar”, in­clu­si­ve na par­ti­lha de co­nhe­ci­men­tos clí­ni­cos, em que Por­tu­gal se in­se­re per­fei­ta­men­te. Um ou­tro pon­to sub­ja­cen­te ao con­gres­so são as di­fi­cul­da­des de fi­nan­ci­a­men­to, em es­pe­ci­al por se tra­tar de “uma es­pe­ci­a­li­da­de que, de­pen­den­do mui­to da ci­rur­gia de ti­po cor­te e cos­tu­ra, ne­ces­si­ta de re­la­ti­va­men­te pou­co ma­te­ri­al ex­tra”, o que faz com que ha­ja pou­co pa­tro­cí­nio por par­te da in­dús­tria. Daí que to­dos os ora­do­res fi­nan­ci­em a sua viagem, es­ta­dia e ins­cri­ção no con­gres­so “com ale­gria”, pois a pri­o­ri­da­de es­tá em ter “sem­pre dis­po­si­ção pa­ra en­si­nar quem quei­ra apren­der es­ta ar­te”. É igual­men­te opor­tu­ni­da­de pa­ra os of­tal­mo­lo­gis­tas por­tu­gue­ses se da­rem a co­nhe­cer in­ter­na­ci­o­nal­men­te, de for­ma a au­men­tar o pres­tí­gio da Of­tal­mo­lo­gia lu­sa. “Es­ta es­pe­ci­a­li­da­de é uma ba­se ne­ces­sá­ria pa­ra to­das as ou­tras em Of­tal­mo­lo­gia, pois só com um bom fun­ci­o­na­men­to dos ane­xos ocu­la­res e da ór­bi­ta se po­de con­se­guir um bom fun­ci­o­na­men­to do globo ocu­lar e ter uma boa vi­são, co­mo to­dos de­se­ja­mos”, con­si­de­rou João Ca­bral. Ten­do em con­ta a re­le­vân­cia do te­ma, co­mo tam­bém a opor­tu­ni­da­de úni­ca de aten­der a um even­to des­ta en­ver­ga­du­ra em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, é de es­pe­rar que es­te IV Con­gres­so Ibe­roa­me­ri­ca­no de Ocu­lo­plás­ti­ca e Ór­bi­ta ocu­pe um lu­gar ba­si­lar na agen­da dos pro­fis­si­o­nais na­ci­o­nais.

João Ca­bral, um dos or­ga­ni­za­do­res do IV Con­gres­so Ibe­roa­me­ri­ca­no de Ocu­lo­plás­ti­ca e Ór­bi­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.