O Po­der da Mú­si­ca

OftalPro - - REPORTAGEM -

São mui­to an­ti­gos os re­gis­tos dos be­ne­fí­ci­os da mú­si­ca na saú­de hu­ma­na. Em pa­pi­ros de Kahun da­ta­dos de apro­xi­ma­da­men­te 1500 a.C., no Egi­to, es­tão des­cri­tos be­ne­fí­ci­os cau­sa­dos pe­la mú­si­ca em grá­vi­das que as aju­da­vam du­ran­te a ges­ta­ção. Tam­bém na Gré­cia An­ti­ga, o fi­ló­so­fo Aris­tó­te­les com­pre­en­deu a in­fluên­cia da mú­si­ca so­bre o cor­po hu­ma­no e, por volta do sé­cu­lo V a.C., ini­ci­ou a sua uti­li­za­ção co­mo téc­ni­ca de tra­ta­men­to de pes­so­as com pro­ble­mas psi­co­ló­gi­cos. No en­tan­to, a mu­si­co­te­ra­pia pro­pri­a­men­te di­ta só sur­giu em 1944. Em fi­nais da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al, mú­si­cos to­ca­vam e can­ta­vam nas en­fer­ma­ri­as pa­ra ali­vi­ar o so­fri­men­to e a dor dos soldados. Era um mé­to­do ba­ra­to e efi­caz, que le­vou a Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al do Mi­chi­gan, EUA, a abrir o pri­mei­ro cur­so a ní­vel mun­di­al.

A mú­si­ca é par­te in­te­gran­te da so­ci­e­da­de des­de o iní­cio da Hu­ma­ni­da­de. Es­tá pre­sen­te no quo­ti­di­a­no so­ci­al des­de pra­ti­ca­men­te que nas­ce­mos. Po­de ser uti­li­za­da tam­bém co­mo tra­ta­men­to, a cha­ma­da mu­si­co­te­ra­pia, usa­da pa­ra acal­mar ou re­du­zir ní­veis de stress, na re­cu­pe­ra­ção de trau­mas e ou­tras apli­ca­ções.

A mu­si­co­te­ra­pia

A mu­si­co­te­ra­pia é um con­jun­to de téc­ni­cas e mé­to­dos te­ra­pêu­ti­cos a par­tir do uso da mú­si­ca. É uma es­pe­ci­a­li­da­de pa­ra­mé­di­ca que, em­bo­ra se­ja uma prá­ti­ca re­la­ti­va­men­te jo­vem, es­tá fun­da­men­ta­da segundo es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos de or­dem clí­ni­co-te­ra­pêu­ti­ca. Atu­al­men­te, exis­tem mu­si­co­te­ra­peu­tas em to­do o mun­do. Es­ta es­pe­ci­a­li­da­de é con­si­de­ra­da uma te­ra­pêu­ti­ca tan­to pre­ven­ti­va, co­mo cu­ra­ti­va, e não faz par­te da me­di­ci­na al­ter­na­ti­va, mas sim com­ple­men­tar. Segundo a Fe­de­ra­ção Mun­di­al de Mu­si­co­te­ra­pia, a prá­ti­ca pre­ten­de sa­tis­fa­zer as ne­ces­si­da­des fí­si­cas e emo­ci­o­nais do pa­ci­en­te uti­li­zan­do rit­mos, me­lo­di­as e har­mo­ni­as por um mu­si­co­te­ra­peu­ta qua­li­fi­ca­do. Pa­ra He­le­na Sou­sa, mu­si­co­te­ra­peu­ta, es­ta téc­ni­ca atua psi­co­lo­gi­ca­men­te “ao ní­vel da re­so­lu­ção e rea-

bi­li­ta­ção de pro­ble­mas emo­ci­o­nais ou ati­tu­des”, que vi­sam “in­ter­vir ao ní­vel da re­pa­ra­ção de pa­to­lo­gi­as fí­si­cas ou psí­qui­cas”, atra­vés de uma li­ga­ção mui­to pró­xi­ma en­tre te­ra­peu­ta/pa­ci­en­te. “Se ana­li­sar­mos a ques­tão do pon­to de vis­ta bi­o­ló­gi­co, ob­ser­va­mos que a mú­si­ca, com­pa­ra­ti­va­men­te às ou­tras ar­tes, tem uma ex­ce­ci­o­nal e su­pe­ri­or for­ça, uma vez que des­de a vi­da in­tra-ute­ri­na vi­ve­mos ro­de­a­dos de sons e vi­bra­ções. De­pois, ao lon­go da nos­sa vi­da, so­mos in­flu­en­ci­a­dos pe­la mú­si­ca tam­bém nos âm­bi­tos psi­co­ló­gi­co e so­ci­al”, con­si­de­ra He­le­na Sou­sa. É uma for­ma de che­gar mais lon­ge, on­de ou­tras te­ra­pi­as não sur­tem efei­to, ou co­mo um pro­ces­so com­ple­men­tar de ou­tras te­ra­pi­as. Pa­ra Dul­ce Moreira, ou­tra mu­si­co­te­ra­peu­ta, es­ta te­ra­pia sig­ni­fi­ca “dar opor­tu­ni­da­de de a pes­soa se ex­pri­mir e co­mu­ni­car de for­ma não-ver­bal, lú­di­ca e mu­si­cal pa­ra fa­ci­li­tar as­pe­tos in­trap­sí­qui­cos e emo­ci­o­nais da pes­soa”. Nes­te sen­ti­do, pa­ra pes­so­as com au­tis­mo ve­ri­fi­ca-se que a mu­si­co­te­ra­pia po­de ser um re­cur­so fa­ci­li­ta­dor no pro­ces­so de co­mu­ni­ca­ção, já que uti­li­zam a pro­du­ção mu­si­cal co­mo uma ex­ten­são de si mes­mos. Pa­ra a prá­ti­ca mu­si­co­te­ra­pêu­ti­ca é ne­ces­sá­rio uma ava­li­a­ção ao pa­ci­en­te qu­an­to à sua re­la­ção com a mú­si­ca, de for­ma a “apu­rar a im­por­tân­cia dos sons na sua es­tru­tu­ra bi­op­si­cos­so­ci­al”. Já Pau­lo Ja­cob, um ou­tro mu­si­co­te­ra­peu­ta, con­si­de­ra que é a “uti­li­za­ção cons­ci­en­te da mú­si­ca num pro­ces­so te­ra­pêu­ti­co”, ali­a­da à uni­ver­sa­li­da­de, aces­si­bi­li­da­de e co­mu­ni­ca­bi­li­da­de des­ta ar­te, que dis­tin­gue es­ta te­ra­pia. “Na mu­si­co­te­ra­pia, ao con­trá­rio de ou­tros tra­ta­men­tos, a com­po­nen­te não-ver­bal (aqui en­ten­di­da co­mo som/mo­vi­men­to) é do­mi­nan­te so­bre a ver­bal (pois a uti­li­za­ção da pa­la­vra po­de ser, por ve­zes, li­mi­ta­do­ra)”, ex­pli­ca o mu­si­co­te­ra­peu­ta.

Usar a mú­si­ca pa­ra in­te­ra­gir

A mu­si­co­te­ra­pia po­de ser uti­li­za­da em qual­quer ida­de. Tra­ta vá­ri­os pro­ble­mas co­mo os re­la­ci­o­na­dos com ‘stress’, dis­túr­bi­os de in­fân­cia/ado­les­cên­cia, co­mo tam­bém dis­túr­bi­os neu­ro­ló­gi­cos, psí­qui­cos e cog­ni­ti­vos. No en­tan­to, é par­ti­cu­lar­men­te útil pa­ra in­te­ra­gir com do­en­tes do fo­ro men­tal, co­mo au­tis­tas e por­ta­do­res de tris­so­mia 21, já que es­tas pes­so­as usam a mú­si­ca pa­ra co­mu­ni­car. Quem tem ví­ci­os co­mo o do ál­co­ol ou dro­gas po­de ter na mú­si­ca um ca­mi­nho viá­vel pa­ra li­dar com es­tes pro­ble­mas, co­mo tam­bém as pes­so­as com fo­bi­as, de­pres­sões e ata­ques de pâ­ni­co. Co­mo au­xi­li­ar, a mu­si­co­te­ra­pia

po­de ser usa­da na re­cu­pe­ra­ção de do­en­tes em co­ma e em cuidados pa­li­a­ti­vos. Não é re­le­van­te que o pa­ci­en­te sai­ba to­car um ins­tru­men­to ou sa­ber te­o­ria da mú­si­ca, im­por­tan­te é ter um vín­cu­lo com a mú­si­ca. “O que a con­ver­te num ins­tru­men­to te­ra­pêu­ti­co é, na­da mais na­da me­nos, do que a sua uti­li­za­ção num pro­ces­so pla­ni­fi­ca­do por um pro­fis­si­o­nal ha­bi­li­ta­do”, ex­pli­ca Pau­lo Ja­cob. “Ca­da pa­ci­en­te é úni­co, es­ta­be­le­cen­do ao lon­go da sua vi­da uma re­la­ção mui­to pró­pria com o som/mú­si­ca, de­fi­nin­do as­sim uma iden­ti­da­de so­no­ro-mu­si­cal. Aqui­lo que pa­ra uma pes­soa po­de­rá ser um som/mú­si­ca re­la­xan­te, nou­tra pes­soa po­de­rá ter um efei­to es­ti­mu­lan­te. Tu­do de­pen­de, de fac­to, des­sa re­la­ção pró­pria que se es­ta­be­le­ce”. As­sim, o mu­si­co­te­ra­peu­ta tem de fa­zer um le­van­ta­men­to de in­for­ma­ções re­la­ti­vas à his­tó­ria so­no­ro-mu­si­cal do pa­ci­en­te, que for­ne­ce­rão “pis­tas so­bre o seu ‘con­tex­to so­no­ro-mu­si­cal’, aju­dan­do a re­co­lher ma­te­ri­al que po­de­rá fa­ci­li­tar o de­sen­vol­vi­men­to da te­ra­pia”, ex­pli­ca o mu­si­co­te­ra­peu­ta. Pa­ra além des­te le­van­ta­men­to, o te­ra­peu­ta de­ve­rá tam­bém “in­for­mar-se e pes­qui­sar so­bre a con­di­ção do pa­ci­en­te re­la­ti­va­men­te ao “di­ag­nós­ti­co, com­pe­tên­ci­as e ne­ces­si­da­des”. O pro­ces­so mu­si­co­te­ra­pêu­ti­co, atra­vés da apli­ca­ção de téc­ni­cas e es­tra­té­gi­as es­pe­cí­fi­cas, vi­sa­rá o al­can­ce de ob­je­ti­vos em do­mí­ni­os co­mo o cog­ni­ti­vo, sen­só­rio-mo­tor, so­ci­al/co­mu­ni­ca­ção e psi­co­e­mo­ci­o­nal”, es­cla­re­ceu Pau­lo Ja­cob.

Em Por­tu­gal

A mu­si­co­te­ra­pia sur­giu em Por­tu­gal no fim da dé­ca­da de ‘80, na Ma­dei­ra, segundo con­ta o mu­si­co­te­ra­peu­ta Pau­lo Ja­cob. “Os anos ‘90 são mar­ca­dos por du­as edi­ções do mes­mo cur­so e pe­lo apa­re­ci­men­to da As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Mu­si­co­te­ra­pia”, acres­cen­ta. Es­ta é a as­so­ci­a­ção que re­pre­sen­ta es­ta te­ra­pia no nos­so país, que tem pro­mo­vi­do e apoi­a­do os te­ra­peu­tas por­tu­gue­ses, com o es­ta­be­le­ci­men­to de cri­té­ri­os de qua­li­fi­ca­ção pa­ra a prá­ti­ca e for­ma­ção pro­fis­si­o­nal. Pa­ra Dul­ce Moreira, es­te apoio da or­ga­ni­za­ção po­de­ria ser “mais am­plo e ati­vo na reu­nião e vin­cu­la­ção dos vá­ri­os pro­fis­si­o­nais de mu­si­co­te­ra­pia in­de­pen­den­te­men­te da di­ver­si­da­de, da es­co­la e es­pe­ci­a­li­za­ção de mo­de­los. A pro­fis­são te­ria uma re­pre­sen­ta­ção na­ci­o­nal mais for­te e res­pei­ta­da pe­las vá­ri­as en­ti­da­des pú­bli­cas e po­lí­ti­cas”, con­si­de­ra. He­le­na Sou­sa le­van­ta a pro­ble­má­ti­ca de a mu­si­co­te­ra­pia não ser re­co­nhe­ci­da co­mo pro­fis­são em Por­tu­gal. Re­fe­re que é con­si­de­ra­da “uma es­pe­ci­a­li­za­ção e não exis­tem da­dos so­bre o nú­me­ro de pes­so­as que a es­tão a exer­cer. Po­rém re­si­dem cá pes­so­as que são re­co­nhe­ci­das em ou­tros paí­ses co­mo mu­si­co­te­ra­peu­tas”. Pa­ra Pau­lo Ja­cob, “a for­ma co­mo es­ta é en­ca­ra­da em Por­tu­gal ain­da se en­con­tra a anos-luz do que se ve­ri­fi­ca lá fo­ra. No nos­so país, a mu­si­co­te­ra­pia ain­da não é re­co­nhe­ci­da pe­las en­ti­da­des com­pe­ten­tes co­mo uma pro­fis­são. No en­tan­to, ao lon­go dos anos 2000 tem-se ve­ri­fi­ca­do um cres­cen­te nú­me­ro de cur­sos de es­pe­ci­a­li­za­ção em mu­si­co­te­ra­pia (Lis­boa e Por­to), as­sim co­mo um au­men­to de ins­ti­tui­ções (clí­ni­cas e I.P.S.S.) que pro­cu­ram in­te­grar es­te ti­po de res­pos­ta nos pla­nos de in­ter­ven­ção/ati­vi­da­des com os seus uten­tes”, ex­pli­cou o te­ra­peu­ta.

Mú­si­ca pa­ra além da te­ra­pia

“As apli­ca­ções com mú­si­ca fo­ra do âm­bi­to de in­ter­ven­ção mu­si­co­te­ra­pêu­ti­ca po­dem ser, es­sen­ci­al­men­te, de ca­rá­ter pe­da­gó­gi­co, ex­pres­si­vo e lú­di­co. O fac­to de mui­tos pro­fes­so­res de mú­si­ca e/ou edu­ca­do­res uti­li­za­rem a mú­si­ca num de­ter­mi­na­do con­tex­to (por exem­plo, ins­ti­tui­ções li­ga­das à de­fi­ci­ên­cia, es­co­las pú­bli­cas e pri­va­das que in­te­grem cri­an­ças com ne­ces­si­da­des edu­ca­ti­vas es­pe­ci­ais nas su­as tur­mas) não sig­ni­fi­ca que is­so se­ja mu­si­co­te­ra­pia, pois só um mu­si­co­te­ra­peu­ta sa­be apli­car as téc­ni­cas e re­co­nhe­ce o va­lor da mú­si­ca num pro­ces­so de in­ter­ven­ção, con­si­de­ra Pau­lo Ja­cob. Com­ple­ta ain­da que, “nor­mal­men­te, al­gu­mas des­tas in­ter­ven­ções po­de­rão en­qua­drar-se na de­sig­na­da Spe­ci­al Mu­sic Edu­ca­ti­on (Brus­cia, 1998), on­de o pro­fes­sor uti­li­za téc­ni­cas de adap­ta­ção que po­dem ser ou fí­si­cas e/ ou pro­gra­má­ti­cas, pa­ra ma­xi­mi­zar a apren­di­za­gem mu­si­cal dos alu­nos com ne­ces­si­da­des edu­ca­ti­vas es­pe­ci­ais”.

O que de­ve­mos ou­vir

To­dos nós sa­be­mos que não exis­te um es­ti­lo de mú­si­ca de­fi­ni­do co­mo mau ou bom, ape­nas o que gos­ta­mos de ou­vir. Os mu­si­co­te­ra­peu­tas re­co­men­dam vi­va­men­te ou­vir mú­si­ca, al­go in­dis­pen­sá­vel na nos­sa vi­da co­mo qual­quer ou­tra ar­te.

Pau­lo Ja­cob

Dul­ce Moreira

He­le­na Sou­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.