Ga­ran­tir a con­for­mi­da­de e uma uti­li­za­ção bem­su­ce­di­da de len­tes de con­tac­to por cri­an­ças

OftalPro - - ARTIGO TÉCNICO -

In­tro­du­ção

O uso de len­tes de con­tac­to (LC) por cri­an­ças com ida­de igual ou su­pe­ri­or a 8 anos tem si­do um dos tó­pi­cos mais dis­cu­ti­dos nos cuidados pri­má­ri­os da vi­são ao lon­go dos úl­ti­mos dois anos. Ape­sar das evidências que com­pro­vam que o uso de LC é uma mo­da­li­da­de de cor­re­ção efi­caz, se­gu­ra e con­ve­ni­en­te pa­ra cri­an­ças e ado­les­cen­tes, a pres­cri­ção de LC a cri­an­ças

1,2 con­ti­nua a ser al­go que é mais dis­cu­ti­do pe­los pro­fis­si­o­nais da vi­são (PV) do que pra­ti­ca­do.

3 Es­te ar­ti­go apre­sen­ta ori­en­ta­ções que per­mi­tem aos PV sen­ti­rem-se con­fi­an­tes na sua ca­pa­ci­da­de de cri­ar uti­li­za­do­res jo­vens bem-su­ce­di­dos de LC. Tal­vez a mai­or bar­rei­ra pa­ra re­co­men­dar LC a cri­an­ças se­ja a fal­ta de de­fi­ni­ção de uma ida­de li­mi­te “ade­qua­da” pe­los or­ga­nis­mos re­gu­la­do­res pro­fis­si­o­nais no âm­bi­to dos cuidados pri­má­ri­os ocu­la­res. As­sim, se os PV per­ce­bem uma mai­or pro­pen­são pa­ra re­sis­tên­cia na pres­cri­ção de LC a cri­an­ças, tal­vez se­ja im­por­tan­te es­ta bar­rei­ra ser as­so­ci­a­da ao de­sen­vol­vi­men­to das mes­mas e au­men­tar a sua “zo­na de con­for­to” de pres­cri­ção de LC pa­ra in­cluir cri­an­ças. Tan­to em in­ves­ti­ga­ção co­mo em am­bi­en­tes prá­ti­cos, cri­an­ças com ida­de igual ou su­pe­ri­or a 8 anos de­mons­tra­ram ca­pa­ci­da­de de cui­dar e ser bem su­ce­di­das no uso de LC, e não apre­sen­ta­ram um

1,2 au­men­to in­di­re­to na ta­xa de pro­gres­so mió­pi­co (em com­pa­ra­ção com uti­li­za­do­res de ócu­los de ida­de se­me­lhan­te) ou ta­xas mais ele­va­das de com­pli­ca

4,5 ções (com­pa­ra­ti­va­men­te a adul­tos com mais de 25 anos). Vá­ri­os au­to­res ad­vo­gam o uso de LC des­car

6 tá­veis diá­ri­as en­tre os uti­li­za­do­res pré-ado­les­cen­tes

e no iní­cio da ado­les­cên­cia, pa­ra re­du­zir a sus­cep­ti­bi­li­da­de de com­pli­ca­ções ad­ver­sas. Ou­tros in­di­cam

6 que a con­for­mi­da­de com a ma­nu­ten­ção e a hi­gi­e­ne das LC é me­lhor (e, cer­ta­men­te, não pi­or) do que nos uti­li­za­do­res de LC adul­tos, tal­vez por­que

5,7,8 es­tão me­nos “ocu­pa­dos” do que os adul­tos e, por is­so, me­nos pro­pen­sos a “abre­vi­ar o pro­ces­so”. É com­pre­en­sí­vel que os PV pos­sam exer­cer uma abor­da­gem mais «con­ser­va­do­ra» ao ofe­re­cer uma cor­re­ção re­fra­ti­va pa­ra os uti­li­za­do­res de LC que, por al­gum mo­ti­vo, pos­sam ser en­ten­di­dos co­mo «vul­ne­rá­veis» ou com uma mai­or sus­ce­ti­bi­li­da­de a pro­ble­mas ou ad­ver­si­da­des. Em­bo­ra, no tra­ba­lho, a pres­cri­ção de LC a cri­an­ças te­nha de­mons­tra­do ser se­gu­ra, mui­to pou­cos con­tes­tam que exis­te uma mai­or res­pon­sa­bi­li­da­de por par­te da re­co­men­da­ção dos PV. Des­de que os PV es­te­jam em «con­for­mi­da­de» com os seus pró­pri­os pro­ces­sos e pro­ce­di­men­tos, o ris­co de cau­sar da­nos ou pro­ble­mas de­vi­do ao uso de LC po­de ser efi­caz­men­te con­tro­la­do e sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te re­du­zi­do.

1. Co­nhe­ça a sua li­te­ra­tu­ra

Ter al­gum co­nhe­ci­men­to so­bre a li­te­ra­tu­ra atu­al re­la­ti­va à con­for­mi­da­de, à ta­xa de com­pli­ca­ções, ao avan­ço da mi­o­pia e à qua­li­da­de de vi­da po­de­rá aju­dar os PV a sen­ti­rem-se mais con­fi­an­tes ao pres­cre­ver LC a cri­an­ças. De­mons­trar o en­ten­di­men­to da li­te­ra­tu­ra tam­bém é im­por­tan­te, ao dis­cu­tir as van­ta­gens das LC com pais de cri­an­ças, cu­jas ati­tu­des e con­vic­ções vão in­flu­en­ci­ar o con­sen­ti­men­to pa­ra ini­ci­ar a co­lo­ca­ção. Mui­tos pais e PV po­dem pen­sar, por exem­plo, que, co­mo uma cri­an­ça não to­ma con­ta dos seus ócu­los, po­de­rá tra­tar as su­as LC da mes­ma for­ma. Es­ta não con­for­mi­da­de «as­su­mi­da» po­de re­sul­tar con­se­quen­te­men­te em que os pais e os PV ve­jam um mai­or ris­co nas com­pli­ca­ções as­so­ci­a­das a LC. Con­tu­do, es­te não pa­re­ce ser o ca­so. De fac­to, os

5-8 in­ves­ti­ga­do­res de­mons­tra­ram que a in­ci­dên­cia de com­pli­ca­ções re­la­ci­o­na­das com LC é in­fe­ri­or em uti­li­za­do­res mais jo­vens, com 8-12 anos, e mais ele­va­da aos 18-25 anos, cer­ca de 3,5 ve­zes. É

6 su­ge­ri­do que a apli­ca­ção po­pu­lar de LC des­car­tá­veis diá­ri­as en­tre os uti­li­za­do­res mais jo­vens pos­sa ser­vir co­mo uma fun­ção pro­te­to­ra, re­du­zin­do a in­ci­dên­cia de com­pli­ca­ções, em com­pa­ra­ção com uti­li­za­do­res mais ve­lhos.

6 Du­ran­te mui­tos anos, tam­bém se des­co­nhe­cia se o uso de LC em jo­vens mío­pes po­de­ria con­tri­buir pa­ra a pro­gres­são da mi­o­pia. Têm si­do apre­sen­ta­das vá­ri­as te­o­ri­as so­bre os efei­tos das LC na pro­gres­são da mi­o­pia. Al­gu­mas te­o­ri­as su­ge­rem que pe­que

9,10 nas quan­ti­da­des de ede­ma da cór­nea, in­du­zi­do pe­lo uso de LC, pos­sam con­tri­buir adi­ci­o­nal­men­te pa­ra o avan­ço da mi­o­pia (“de­for­ma­ção mió­pi­ca”), en­quan­to ou­tras apon­tam pa­ra o au­men­to da in­cli­na­ção da cór­nea, de­cor­ren­te dos efei­tos me­câ­ni­cos do uso de LC. No en­tan­to, ao con­trá­rio des­tas no­ções, Wal­li­ne et al. iden­ti­fi­ca­ram di­fe­ren­ças es­ta­tis­ti­ca­men­te

11 não sig­ni­fi­ca­ti­vas na ta­xa de pro­gres­são da mi­o­pia en­tre jo­vens uti­li­za­do­res de LC e uti­li­za­do­res de ócu­los, du­ran­te um es­tu­do lon­gi­tu­di­nal de 3 anos que en­vol­veu cer­ca de 480 cri­an­ças (com 8-11 anos), com va­lo­res de mi­o­pia bai­xos a mo­de­ra­dos (-1,00D a -6,00D); am­bos os gru­pos avan­ça­ram em ta­xas iguais de apro­xi­ma­da­men­te -0,37D a -0,43D por ano. O es­tu­do tam­bém de­mons­trou va­lo­res iguais

11 de al­te­ra­ções do com­pri­men­to axi­al en­tre os dois gru­pos, su­ge­rin­do que o uso de LC mo­les por cri­an­ças não con­duz ao au­men­to da mi­o­pia pa­ra além do ob­ser­va­do en­tre cri­an­ças que usam ócu­los.

11

2. Pro­mo­ver as van­ta­gens e não as len­tes em si

Exis­tem mui­tos mo­ti­vos pe­los quais as pes­so­as com ne­ces­si­da­des de cor­re­ção vi­su­al po­dem be­ne­fi­ci­ar com o uso de LC, mas tam­bém há mui­tos mo­ti­vos co­muns pa­ra os uti­li­za­do­res de ócu­los não con­si­de­ra­rem ape­la­ti­vo o uso de LC. Is­to é par­ti­cu­lar­men­te ver­da­dei­ro en­tre adul­tos que en­ten­dem mui­tas ve­zes que tra­tar das LC se­rá di­fí­cil e que as len­tes se­rão des­con­for­tá­veis nos olhos. Em con­tra­par­ti­da, as cri­an­ças de­mons­tra­ram um ele­va­do grau de in­te­res­se em usar LC, com al­guns es­tu­dos a su­ge­ri­rem que até 78% das cri­an­ças uti­li­za­do­ras de ócu­los es­ta­ri­am in­te­res­sa­das em ex­pe­ri­men­tá-las. Ao

12 con­trá­rio dos adul­tos, as cri­an­ças e ado­les­cen­tes pa­re­cem me­nos pre­o­cu­pa­dos com as ques­tões de con­for­to, ma­nu­ten­ção ou se­gu­ran­ça. Da­da a im­por­tân­cia dos pais de uma cri­an­ça no pro- ces­so de to­ma­da de de­ci­são, os PV de­vem en­ten­der as van­ta­gens es­pe­cí­fi­cas do uso de LC, re­le­van­tes pa­ra os jo­vens uti­li­za­do­res. O de­sem­pe­nho atlé­ti­co e o con­for­to ao pra­ti­car des­por­to, a con­fi­an­ça na apa­rên­cia e uma me­lho­ria ge­ral na li­ber­da­de de mo­vi­men­tos e na acei­ta­ção so­ci­al são as van­ta­gens mais co­muns ci­ta­das pe­las cri­an­ças. As­sim, é im­por­tan­te que os PV apre­sen­tem es­tas van­ta­gens (ou si­mi­la­res) pa­ra es­ti­mu­lar o seu en­tu­si­as­mo.

12-15 A Me­di­cal Of­fi­cers of Scho­ols As­so­ci­a­ti­on (MOSA), que ofe­re­ce ori­en­ta­ção e apoio, e in­cen­ti­va a apli­ca­ção dos mais ele­va­dos pa­drões de me­di­ci­na no am­bi­en­te edu­ca­ci­o­nal, iden­ti­fi­cou ris­cos re­pre­sen­ta­dos pe­lo uso de ócu­los no des­por­to, tan­to pa­ra o uti­li­za­dor co­mo pa­ra os ad­ver­sá­ri­os.

16 As ori­en­ta­ções da MOSA in­cen­ti­vam as es­co­las a con­si­de­rar a sua po­si­ção e acon­se­lham que “sem­pre que pos­sí­vel, as cri­an­ças de­ve­rão usar LC mo­les pa­ra cor­ri­gir a vi­são du­ran­te o des­por­to”.

16 Ou­tras van­ta­gens do uso de LC in­clu­em uma me­nor pro­pen­são pa­ra vitimização en­tre os pa­res17 e mai­or qua­li­da­de de vi­da em ge­ral. Num es­tu­do

13-15 re­a­li­za­do no Rei­no Uni­do, com 6500 cri­an­ças com uma mé­dia de ida­de de 7,5 anos, Horwo­od et al.

17 de­mons­tra­ram uma pro­pen­são de 35-37% pa­ra per­se­gui­ção pe­los pa­res (fí­si­ca ou ver­bal) en­tre cri­an­ças que usam ócu­los ou com um his­to­ri­al de oclu­são. Tam­bém su­ge­rem um pa­pel im­por­tan­te por par­te dos PV no de­sen­vol­vi­men­to e dis­cus­são de es­tra­té­gi­as pa­ra re­du­zir a ten­dên­cia de vitimização en­tre os pa­res, nas cri­an­ças que pre­ci­sam de cor­re­ção vi­su­al.

17 Em­bo­ra al­gu­mas des­tas van­ta­gens pos­sam não ser ne­ces­sa­ri­a­men­te in­te­gra­das na dis­cus­são so­bre a adap­ta­ção às LC com a cri­an­ça e/ou pais, po­dem tor­nar-se a ra­zão de ser pa­ra uma re­co­men­da­ção de LC.

3. Pre­ve­ja, en­ten­da e res­pon­da às pre­o­cu­pa­ções dos pais

É com­pre­en­sí­vel que a mai­o­ria dos pais sin­ta uma gran­de an­si­e­da­de em re­la­ção à adap­ta­ção ini­ci­al às LC. É co­mum os pais acha­rem que o uso de LC em cri­an­ças e ado­les­cen­tes é me­nos se­gu­ro em com­pa­ra­ção com o uso por adul­tos. Os pais tam­bém

12

con­si­de­ram que as cri­an­ças/ado­les­cen­tes vão sen­tir mais di­fi­cul­da­de em se­guir as ins­tru­ções e ma­ni­pu­lar as su­as len­tes.

12 Ape­sar dos avan­ços tec­no­ló­gi­cos nos ma­te­ri­ais das len­tes, mo­da­li­da­des e sis­te­mas de ma­nu­ten­ção, as emo­ções ne­ga­ti­vas re­la­ti­va­men­te ao uso de LC pre­va­le­cem en­tre a mai­o­ria dos pais cu­jos fi­lhos ne­ces­si­tam de cor­re­ção da vi­são. Is­to apre­sen­ta um de­sa­fio pa­ra os PV na co­mu­ni­ca­ção com os jo­vens (que po­dem es­tar en­tu­si­as­ma­dos) e os seus pais (que po­dem ter re­ser­vas). É pre­ci­so ser ca­paz de: 1. Des­co­brir a pre­o­cu­pa­ção em con­cre­to dos pais 2. Iden­ti­fi­car a cau­sa da pre­o­cu­pa­ção 3. De­mons­trar em­pa­tia 4. Tra­tar e ra­ci­o­na­li­zar a sua pre­o­cu­pa­ção é um pro­ces­so im­por­tan­te a se­guir qu­an­do se pro­cu­ra tran­qui­li­zar pais an­si­o­sos. Re­for­çar os be­ne­fí­ci­os es­pe­cí­fi­cos que uma cri­an­ça te­rá com o uso de LC ofe­re­ce mais con­fi­an­ça. Con­tu­do, o mais sig­ni­fi­ca­ti­vo é a con­fi­an­ça e o en­tu­si­as­mo de­mons­tra­dos pe­lo PV, o que trans­mi­ti­rá o mai­or ní­vel de se­gu­ran­ça aos pais. Os pais pre­ci­sam de ser es­cla­re­ci­dos de que as ações do PV não são “ma­ni­pu­la­das” de al­gu­ma for­ma e que, ao da­rem o seu con­sen­ti­men­to, não es­tão a in­cluir os seus fi­lhos nal­gum ti­po de «ex­pe­ri­men­ta­ção».

4. Tes­te o en­tu­si­as­mo dos seus fi­lhos

Os pais que usam LC po­dem, mui­tas ve­zes, trans­mi­tir a mo­ti­va­ção pa­ra que os seus fi­lhos co­me­cem a usar LC nu­ma ida­de pre­co­ce. Con­tu­do, is­to nem sem­pre acon­te­ce, por­que mes­mo os pais que usam LC po­dem pre­ci­sar do mes­mo ní­vel de con­fi­an­ça que os pais não uti­li­za­do­res de LC. Por ou­tro la­do, os PV de­vem es­tar aten­tos a pais in­sis­ten­tes com uma mai­or mo­ti­va­ção pa­ra que os seus fi­lhos usem LC do que os pró­pri­os fi­lhos. Nes­ses ca­sos, ten­tar con­ven­cer uma cri­an­ça que es­tá sa­tis­fei­ta com os seus ócu­los e não vê mé­ri­to em usar len­tes, ape­sar do en­tu­si­as­mo dos pais, não da­rá gran­de re­sul­ta­do. Os PV não de­vem par­tir do prin­cí­pio de que a cri­an­ça (ou os pais) vai per­gun­tar se es­tão in­te­res­sa­dos em com­bi­nar as van­ta­gens das LC com os seus ócu­los. As cri­an­ças e os pais pro­cu­ra­rão o seu PV

pa­ra ob­ter in­for­ma­ções e uma re­co­men­da­ção que me­lhor res­pon­da às ne­ces­si­da­des in­di­vi­du­ais das cri­an­ças. Na prá­ti­ca, po­de ha­ver mé­ri­to no fac­to de os PV co­me­ça­rem a dis­cu­tir as opor­tu­ni­da­des do uso de LC em cri­an­ças, cer­ca de 6 a 12 me­ses an­tes da ida­de em que pre­ten­dam adap­tar a cri­an­ça às len­tes. Des­ta for­ma, tan­to os pais co­mo a cri­an­ça te­rão uma opor­tu­ni­da­de re­for­ça­da pa­ra con­si­de­rar o mé­ri­to de re­du­zir a de­pen­dên­cia dos ócu­los e iden­ti­fi­car as ta­re­fas es­pe­cí­fi­cas em que a cri­an­ça po­de ob­ter ga­nhos.

5. Se­le­ção das len­tes

Con­for­me des­ta­ca­do aci­ma, as LC des­car­tá­veis diá­ri­as pa­re­cem ser a op­ção de elei­ção dos PV que ofe­re­cem len­tes a uti­li­za­do­res na pré-ado­les­cên­cia ou no iní­cio da ado­les­cên­cia. As van­ta­gens es­pe­cí

18 fi­cas des­te ti­po de len­tes in­clu­em o fac­to de se­rem:

6 • Ide­ais pa­ra uti­li­za­ção em tem­po par­ci­al (o que po­de ser pre­fe­rí­vel ini­ci­al­men­te) • Eco­nó­mi­cas e mais fá­ceis de subs­ti­tuir ca­so se per­cam ou par­tam • Dis­pen­sa­rem a ne­ces­si­da­de de lim­par e reu­ti­li­zar as len­tes • Con­se­quen­te­men­te, é ob­ser­va­da uma bai­xa ta­xa de com­pli­ca­ções Con­tu­do, se as ne­ces­si­da­des do po­ten­ci­al uti­li­za­dor não pu­de­rem ser sa­tis­fei­tas com uma len­te des­car­tá­vel diá­ria (por ex., er­ro re­fra­ti­vo pa­ra além da ga­ma do fa­bri­can­te), de­ve ser pro­cu­ra­do um ti­po de len­te al­ter­na­ti­vo, pro­va­vel­men­te uma len­te reu­ti­li­zá­vel. Co­mo a con­for­mi­da­de com os re­gi­mes de lim­pe­za das len­tes acres­cen­ta al­gu­ma com­ple­xi­da­de (em­bo­ra pe­que­na), os PV de­vem ga­ran­tir que a lim­pe­za e a ma­nu­ten­ção das len­tes se­rão co­ber­tas pe­lo uti­li­za­dor e pe­los seus pais du­ran­te o pro­ces­so de in­for­ma­ção (apli­ca­ção e re­mo­ção) (ver mais abai­xo). Ga­ran­tir uma boa con­for­mi­da­de com o pla­no de subs­ti­tui­ção das len­tes é uma con­si­de­ra­ção im­por­tan­te, so­bre­tu­do en­tre os jo­vens uti­li­za­do­res. É tam­bém im­por­tan­te que o PV mo­ni­to­ri­ze qual­quer re­du­ção na con­for­mi­da­de com a frequên­cia de subs­ti­tui­ção re­co­men­da­da pe­los fa­bri­can­tes das len­tes uti­li­za­das. Dum­ble­ton et al. iden­ti­fi­ca­ram,

19 19 en­tre os uti­li­za­do­res adul­tos, que a ten­dên­cia pa­ra au­men­tar a uti­li­za­ção de uma len­te de con­tac­to reu­ti­li­zá­vel pa­ra além da frequên­cia de subs­ti­tui­ção re­co­men­da­da pe­lo fa­bri­can­te era mai­or no ca­so das len­tes bis­se­ma­nais (52%) do que nas men­sais (28%). En­tre os jo­vens uti­li­za­do­res, a con­for­mi­da

19 de com o in­ter­va­lo de subs­ti­tui­ção po­de ser aju­da­da pe­lo fac­to de os pais das cri­an­ças vi­gi­a­rem mais qu­an­do es­tas são de­vem ser subs­ti­tuí­das, fa­zen­do com que tal se­ja mais fá­cil de lem­brar.

6. Re­for­ce a sua equi­pa

Mui­tos PV con­si­de­ram a adap­ta­ção das cri­an­ças a LC co­mo re­la­ti­va­men­te mais com­ple­xa e de­mo­ra­da do que no ca­so de um adul­to. Con­tu­do, na prá­ti­ca, não pa­re­ce ser o ca­so. In­ves­ti­ga­do­res do gru­po de es­tu­do so­bre LC em Pe­di­a­tria (CLIP) iden­ti­fi­ca­ram que, em­bo­ra o tem­po ne­ces­sá­rio pa­ra que uma cri­an­ça se adap­te bem se­ja, em mé­dia, mais lon­go do que num adul­to, mui­to do tem­po ex­tra es­ta­va as­so­ci­a­do ao trei­no de apli­ca­ção e re­mo­ção, o qual, na mai­o­ria dos ca­sos, era de­le­ga­do a um mem­bro da equi­pa.

20

Con­tu­do, os PV que acha­ram que pre­ci­sa­vam de mais tem­po pa­ra a adap­ta­ção de LC a uma cri­an­ça, por exem­plo, pa­ra con­du­zi­rem o pro­ces­so de trei­no por si mes­mos, por uma ques­tão de sa­tis­fa­ção clí­ni­ca, ve­ri­am jus­ti­fi­ca­do o re­fle­xo do tem­po adi­ci­o­nal nos seus ho­no­rá­ri­os pro­fis­si­o­nais. O pro­ces­so de trei­no é uma par­te vi­tal da adap­ta­ção às LC e con­tri­bui for­te­men­te pa­ra a “con­for­mi­da­de” do uti­li­za­dor, ou se­ja, ga­ran­te que o uti­li­za­dor de LC com­pre­en­de to­tal­men­te a im­por­tân­cia da frequên­cia de subs­ti­tui­ção, da hi­gi­e­ne e da ma­nu­ten­ção. De fac­to, o ní­vel de “con­for­mi­da­de” de­pen­de am­pla­men­te da qua­li­da­de das ins­tru­ções re­ce­bi­das. Os PV de­vem in­ves­tir tem­po pa­ra ga­ran­tir que a sua equi­pa de apoio es­tá a dar ins­tru­ções acei­tá­veis e ade­qua­das pa­ra cri­an­ças. A equi­pa de apoio de­ve adap­tar o seu pro­ces­so de for­ma­ção pa­ra as­se­gu­rar que co­mu­ni­ca uti­li­zan­do uma lin­gua­gem ade­qua­da à cri­an­ça. Se­guir uma abor­da­gem sis­te­má­ti­ca e con­sis­ten­te do pro­ces­so de trei­no aju­da­rá a ma­xi­mi­zar a con­for­mi­da­de nos uti­li­za­do­res de LC. A equi­pa de apoio de­ve as­se­gu­rar que a cri­an­ça: • Sa­be “co­mo” – des­cre­ve “qual” o pro­ces­so a se­guir, por ex: pa­ra ve­ri­fi­car se as LC es­tão bem co­lo­ca­das, a im­por­tân­cia da hi­gi­e­ne das mãos, etc. • Com­pre­en­de “porquê” – des­cre­ve “por­que” o pro- ces­so é im­por­tan­te, por ex: “la­var as mãos an­tes de to­car nas len­tes é im­por­tan­te, por­que aju­da a re­du­zir o ris­co de con­trair uma in­fe­ção nos olhos.” • De­mons­tra “co­mo” – pe­de à cri­an­ça pa­ra de­mons­trar a sua ca­pa­ci­da­de de de­sem­pe­nhar de­ter­mi­na­da ta­re­fa. Ve­ri­fi­ca se es­ta cum­pre o ne­ces­sá­rio. • Re­cor­da porquê e co­mo – pe­de à cri­an­ça pa­ra re­ca­pi­tu­lar a in­for­ma­ção da­da. Is­to po­de ser fei­to, pe­din­do à cri­an­ça pa­ra “en­si­nar” aos seus pais aqui­lo que apren­deu e por­que é que é im­por­tan­te. É tam­bém im­por­tan­te con­si­de­rar o ti­po de ma­te­ri­al de su­por­te que é da­do à cri­an­ça e aos seus pais. Mui­ta da li­te­ra­tu­ra tra­di­ci­o­nal so­bre os cuidados com as LC não é ade­qua­da pa­ra jo­vens uti­li­za­do­res de LC e tem de ser adap­ta­da. Po­de ser mais ade­qua­do uti­li­zar for­mas al­ter­na­ti­vas de mei­os edu­ca­ci­o­nais que se­jam mais adap­ta­dos às cri­an­ças, por exem­plo, a apli­ca­ção nos olhos de bo­ne­cas e o ví­deo de re­mo­ção cri­a­do pe­la Al­con.

Re­su­mo

As LC são uma for­ma se­gu­ra, efi­caz e có­mo­da de cor­re­ção re­fra­ti­va pa­ra cri­an­ças com ida­de igual ou su­pe­ri­or a 8 anos. Des­de que os PV fa­çam ajustes na sua ro­ti­na com os cli­en­tes «con­ven­ci­o­nais», a pro­ba­bi­li­da­de de com­pli­ca­ções as­so­ci­a­das a LC po­de ser con­tro­la­da e re­du­zi­da efi­caz­men­te. Os PV de­vem re­co­nhe­cer a ne­ces­si­da­de de uma co­mu­ni­ca­ção e de ins­tru­ções de uti­li­za­ção efe­ti­vas e ade­qua­das. Re­for­çar a equi­pa de apoio pa­ra cum­prir es­tes re­qui­si­tos, de acor­do com as ori­en­ta­ções do PV, aju­da­rá a ga­ran­tir aos PV e aos pais que os jo­vens uti­li­za­do­res te­rão êxi­to na uti­li­za­ção de LC, sem com­pli­ca­ções.

So­bre o Au­tor

O Dr. Ca­me­ron Hudson é Di­re­tor de As­sun­tos Pro­fis­si­o­nais na Al­con, Rei­no Uni­do.

Al­con e o lo­go Al­con são mar­cas re­gis­ta­das da No­var­tis AG. ©2014 No­var­tis. Ma­te­ri­al re­vis­to em fe­ve­rei­ro de 2014 Al­con Por­tu­gal-Pro­du­tos e Equi­pa­men­tos Of­tal­mo­ló­gi­cos; Lda. Nº Cont.501 251 685; Ave­ni­da Pro­fes­sor Dou­tor Ca­va­co Sil­va; n.º 10E Ta­gus­park 2740-255 Por­to Sal­vo. CV/GE/CLGE/AR/140208/PT

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.