JOR­GE BRE­DA

“O es­tra­bis­mo pro­por­ci­o­na-me um fas­cí­nio di­fí­cil de des­cre­ver”

OftalPro - - SUMÁRIO -

Mar­cá­mos en­con­tro no Hos­pi­tal de São João. De tra­to fá­cil e simpatia ge­nuí­na, Jor­ge Bre­da mos­trou-nos as ins­ta­la­ções da Uni­da­de de Of­tal­mo­lo­gia Pe­diá­tri­ca e Es­tra­bis­mo do Ser­vi­ço de Of­tal­mo­lo­gia do HSJ, sec­ção que di­ri­ge, e es­pe­lhou a pai­xão que nu­tre pe­la es­pe­ci­a­li­da­de que abra­çou em 1984.

Mar­cá­mos en­con­tro no Hos­pi­tal de São João - a sua “ca­sa”, co­mo nos re­ve­lou nes­ta entrevista. De tra­to fá­cil e simpatia ge­nuí­na, Jor­ge Bre­da mos­trou-nos as ins­ta­la­ções da Uni­da­de de Of­tal­mo­lo­gia Pe­diá­tri­ca e Es­tra­bis­mo do Ser­vi­ço de Of­tal­mo­lo­gia do HSJ, sec­ção que di­ri­ge, e, en­quan­to con­ver­sá­mos, es­pe­lhou a pai­xão que nu­tre pe­la es­pe­ci­a­li­da­de que abra­çou em 1984. Ape­sar de ter si­do “obra do aca­so”, a Of­tal­mo­lo­gia Pe­diá­tri­ca e o Es­tra­bis­mo pre­en­chem a sua vi­da de uma for­ma in­des­cri­tí­vel. “Ti­ve a ideia de mon­tar uma Con­sul­ta de Of­tal­mo­lo­gia Pe­diá­tri­ca, a pri­mei­ra exis­ten­te num Ser­vi­ço de Of­tal­mo­lo­gia em Por­tu­gal”. Dis­se-nos, ain­da, que “fal­ta (à Of­tal­mo­lo­gia) tem­po pa­ra pen­sar, pa­ra po­der ino­var. Pa­ra is­so, é pre­ci­so que as ins­ti­tui­ções pen­sem me­nos em pro­du­ção, pa­ra ha­ver tem­po pa­ra in­ves­ti­gar. Po­rém, sem pro­du­ção não há ver­bas pa­ra sus­ten­tar o pen­sa­men­to... mas é nes­te sen­ti­do que o ca­mi­nho tem que pros­se­guir”.

Of­talP­ro: Con­te-nos a sua his­tó­ria, des­de que en­ve­re­dou pe­la Of­tal­mo­lo­gia.

Jor­ge Bre­da: A mi­nha his­tó­ria em Of­tal­mo­lo­gia começou em 1979. Ti­nha aca­ba­do de cum­prir o Ser­vi­ço Mé­di­co à Pe­ri­fe­ria, du­ran­te um ano, no con­ce­lho de Montalegre. Era des­de 1975 as­sis­ten­te da ca­dei­ra de His­to­lo­gia e Em­bri­o­lo­gia da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na do Por­to, on­de da­va au­las e co­la­bo­ra­va nu­ma atra­en­te li­nha de in­ves­ti­ga­ção na área da ob­ser­va­ção ao Mi­cros­có­pio Ele­tró­ni­co do de­sen­vol­vi­men­to pré-na­tal da glân­du­la su­prar­re­nal do ra­to. O di­re­tor do Ser­vi­ço de Of­tal­mo­lo­gia era o pro­fes­sor Sil­va Pin­to e ti­nha si­do o an­te­ri­or di­re­tor do Ser­vi­ço de His­to­lo­gia. En­ca­rei a pos­si­bi­li­da­de de fa­zer um per­cur­so se­me­lhan­te, já que eu era fi­lho de um of­tal­mo­lo­gis­ta e, por­tan­to, des­de mui­to ce­do en­vol­vi­do no am­bi­en­te das do­en­ças ocu­la­res. Por es­se mo­ti­vo, atraiu-me tam­bém pas­sar da His­to­lo­gia pa­ra a Of­tal­mo­lo­gia. Co­me­cei pe­lo Es­tra­bis­mo, que era um ra­mo da Of­tal­mo­lo­gia mui­to ca­ro ao pro­fes­sor Sil­va Pin­to, que ti­nha fun­da­do a pri­mei­ra Es­co­la de Or­tó­ti­ca exis­ten­te em Por­tu­gal e ti­nha mon­ta­do no Ser­vi­ço uma Sec­ção de Es­tra­bis­mo, in­de­pen­den­te, que in­clu­si­va­men­te ti­nha uma en­tra­da pró­pria iden­ti­fi­ca­da nas pa­re­des de pe­dra do Hos­pi­tal. Era uma gran­de ino­va­ção. Fiz exa­me fi­nal de con­clu­são

da es­pe­ci­a­li­da­de em ja­nei­ro de 1984 e o pro­fes­sor Cas­tro Correia, que era o no­vo di­re­tor, co­lo­cou-me na Sec­ção de Es­tra­bis­mo, on­de eu ti­nha co­me­ça­do e que na re­a­li­da­de ti­nha fre­quen­ta­do du­ran­te to­do o in­ter­na­to. Na Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na mu­dei tam­bém de Ser­vi­ço, pas­san­do de as­sis­ten­te de His­to­lo­gia pa­ra as­sis­ten­te de Of­tal­mo­lo­gia. Em 1986, fui pa­ra o Ins­ti­tu­to de Of­tal­mo­lo­gia da Uni­ver­si­da­de de Lon­dres, ane­xo ao Mo­or­fi­elds Eye Hos­pi­tal. Re­gres­sei em 1987, sem ter cum­pri­do o mo­ti­vo es­sen­ci­al pe­lo qual ti­nha pa­ra lá ido, que era fa­zer es­tu­dos ex­pe­ri­men­tais pa­ra ela­bo­rar uma te­se de doutoramento. Man­ti­ve-me sem­pre a tra­ba­lhar ex­clu­si­va­men­te em es­tra­bis­mo, mas a cer­ta al­tu­ra co­me­çá­mos a ter na Sec­ção cri­an­ças com ou­tras pa­to­lo­gi­as pa­ra além do des­vio ocu­lar, já que os co­le­gas do Ser­vi­ço nos re­me­ti­am os mais pe­que­nos por es­tar­mos mais ha­bi­tu­a­dos a li­dar com es­se gru­po etá­rio. En­tre­tan­to, no iní­cio dos anos ‘90, eu ti­nha fi­ca­do res­pon­sá­vel pe­la Sec­ção, já que o dou­tor Coimbra de Ma­tos ti­nha de­ci­di­do sair do Ser­vi­ço. Foi en­tão que ti­ve a ideia de mon­tar uma Con­sul­ta de Of­tal­mo­lo­gia Pe­diá­tri­ca, que foi a pri­mei­ra exis­ten­te num Ser­vi­ço de Of­tal­mo­lo­gia em Por­tu­gal e que, mais tar­de, se fun­diu com a de es­tra­bis­mo e se cons­ti­tuiu a Uni­da­de de Of­tal­mo­lo­gia Pe­diá­tri­ca e Es­tra­bis­mo do Ser­vi­ço. Ho­je, ocu­pa­mos um es­pa­ço pró­prio den­tro do Ser­vi­ço, com cin­co ga­bi­ne­tes de ob­ser­va­ção e du­as zo­nas de es­pe­ra. Te­mos apoio ad­mi­nis­tra­ti­vo in­di­vi­du­a­li­za­do. Dis­po­mos de dois di­as por se­ma­na de Blo­co Ope­ra­tó­rio com Anes­te­sia Ge­ral e so­mos seis mé­di­cos a fa­zer Of­tal­mo­lo­gia Pe­diá­tri­ca e Es­tra­bis­mo. Além dis­so, apoi­a­mos a Ma­ter­ni­da­de de Jú­lio Di­nis, des­lo­can­do um mé­di­co to­das as se­ma­nas pa­ra

ob­ser­var os pre­ma­tu­ros e ten­do uma li­nha aber­ta à se­gun­da-fei­ra pa­ra re­ce­ber to­dos os pre­ma­tu­ros que ti­ve­ram al­ta dos Ser­vi­ços de Ne­o­na­to­lo­gia.

OF: Mas, den­tro des­ta es­pe­ci­a­li­da­de tão abran­gren­te, porquê a Of­tal­mo­lo­gia Pe­diá­tri­ca?

JB: Co­mo qua­se tu­do na mi­nha vi­da: por aca­so e por ne­ces­si­da­de, co­mo res­pon­de­ria o Jacques Mo­nod. Qua­se tu­do o que fiz foi obra do aca­so, de um con­jun­to de cir­cuns­tân­ci­as que se con­ju­ga­ram e pro­du­zi­ram um acon­te­ci­men­to. Co­mo ex­pli­quei an­tes, co­me­cei a mi­nha pre­pa­ra­ção of­tal­mo­ló­gi­ca nes­ta área, on­de na al­tu­ra em que en­trei no Ser­vi­ço não es­ta­va nin­guém a es­ta­gi­ar e, por is­so, o pro­fes­sor Sil­va Pin­to me co­lo­cou lá. Era di­ri­gi­da pe­lo dou­tor Coimbra de Ma­tos, que foi óti­mo pa­ra mim, en­si­nou-me mui­to e eu ti­nha uma von­ta­de in­fi­ni­ta de apren­der. De­pois, a mai­or par­te dos co­le­gas não gos­ta­va des­te te­ma, era mui­to tra­ba­lho­so, da­va mui­to que pen­sar por­que era pre­ci­so sa­ber mui­ta fi­si­o­lo­gia neu­ro­sen­so­ri­al. Es­tas di­fi­cul­da­des des­per­ta­ram-me von­ta­de de des­co­brir, de ul­tra­pas­sar ad­ver­si­da­des e is­so aca­bou de fac­to por me fas­ci­nar.

OF: E co­mo é li­dar com a vi­são das cri­an­ças? é um tra­ba­lho di­fí­cil?

JB: Li­dar com cri­an­ças é mui­tís­si­mo mais sim­ples do que pos­sa pa­re­cer e, so­bre­tu­do, do que li­dar com adul­tos. Bas­ta sa­ber co­mo são sinceras. O que se pas­sa com os seus olhos é mui­to ob­je­ti­vo, não es­tá mo­di­fi­ca­do por in­ter­pre­ta­ções nem in­ten­ções e, por is­so, só te­mos que iden­ti­fi­car o que ve­mos, fa­zer o di­ag­nós­ti­co e apli­car a te­ra­pêu­ti­ca ade­qua­da. Acho que o tra­ba­lho não é na­da di­fí­cil, ape­nas te­mos que “apa­nhar” a ma­nei­ra cer­ta de ob­ter a sua con­fi­an­ça pa­ra os ter sos­se­ga­dos e as­sim fa­ci­li­tar a nos­sa ob­ser­va­ção ob­je­ti­va, sem ter ne­ces­si­da­de de nos ba­se­ar­mos nas su­as res­pos­tas pa­ra apli­car um tra­ta­men­to.

OF: In­ter­vém com di­na­mis­mo na área do es­tra­bis­mo. Co­mo des­cre­ve es­ta ano­ma­lia?

JB: O es­tra­bis­mo é uma ano­ma­lia mo­to­ra que me tem pro­por­ci­o­na­do um fas­cí­nio di­fí­cil de des­cre­ver, já que re­sul­ta de um ema­ra­nha­do de fa­to­res que de­sen­ca­deia or­dens e con­tra or­dens ao ní­vel do Sis­te­ma Ner­vo­so Cen­tral. Luz, es­ti­mu­la­ção de gru- pos ce­lu­la­res que de­vem es­tar em sin­to­nia, ini­bi­ção con­tra la­te­ral, su­pres­são de es­tí­mu­los ner­vo­sos que, por sua vez, de­sen­ca­deia es­ti­mu­la­ção de ou­tros cen­tros ner­vo­sos, mo­vi­men­tos anó­ma­los, com­pen­sa­ção com ou­tros es­tí­mu­los, atro­fia neu­ro­nal, re­ar­ran­jo neu­ro­nal. Um fas­cí­nio que com­pa­ro com pen­sa­men­to, mo­di­fi­ca­ção do pen­sa­men­to pe­la es­ti­mu­la­ção sen­so­ri­al, apren­di­za­gem das cul­tu­ras, im­pos­si­bi­li­da­de de ab­sor­ver cer­tos gos­tos e es­ti­mu­lar ou­tros, mu­si­ca­li­da­de, mis­tu­ra de co­res, um in­fi­ni­to de sen­sa­ções e in­ter­pre­ta­ções.

OF: As cri­an­ças são o prin­ci­pal “al­vo” do es­tra­bis­mo?

JB: Di­ga­mos que um es­tra­bis­mo pres­su­põe uma ano­ma­lia. Es­sa ano­ma­lia po­de apa­re­cer num adul­to que es­te­ve bem e que te­ve uma qual­quer in­ter­cor­rên­cia ao ní­vel do flu­xo de im­pul­sos ner­vo­sos, por ra­zões me­di­ca­men­to­sas, vas­cu­la­res ou ou­tras. Nu­ma cri­an­ça tu­do é di­fe­ren­te. Há uma ano­ma­lia pré exis­ten­te que al­te­ra a sen­so­ri­a­li­da­de e al­te­ra o flu­xo neu­ro­nal. Um es­tra­bis­mo é, por­tan­to, uma con­sequên­cia ao ní­vel da po­si­ção dos glo­bos ocu­la­res de uma ano­ma­lia que es­tá lo­ca­li­za­da nou­tro la­do. Cla­ro que há fa­to­res pre­ci­pi­tan­tes ocu­la­res, mas há mui­tas cri­an­ças que têm es­ses fa­to­res pre­ci­pi­tan­tes e não têm es­tra­bis­mo. Há por­tan­to al­go mais. E é aí que re­si­de o fas­cí­nio do seu es­tu­do.

OF: Por on­de ca­mi­nha a in­ves­ti­ga­ção den­tro des­ta área?

JB: A in­ves­ti­ga­ção nes­ta área é alu­ci­nan­te, por­que se ba­seia nos con­cei­tos mais bá­si­cos da fi­si­o­lo­gia e da bi­o­lo­gia ce­lu­lar. Re­fi­ro-me aos es­tu­dos so­bre ini­bi­ção e re­ar­ran­jo neu­ro­nal, à fi­si­o­lo­gia da vas­cu­la­ri­za­ção da re­ti­na, à ge­né­ti­ca ocu­lar, ao me­ta­bo­lis­mo. Pen­so que, nas áre­as a que me de­di­co, hou­ve um de­sen­vol­vi­men­to acen­tu­a­do no es­tu­do e tra­ta­men­to da Re­ti­no­pa­tia da Pre­ma­tu­ri­da­de, por exem­plo. Re­pa­re-se que cri­an­ças que nas­cem com 24 se­ma­nas de ges­ta­ção e com 500gr., não fi­cam ce­gas co­mo fi­ca­vam no pas­sa­do, pois o seu se­gui­men­to re­gu­lar per­mi­te um tra­ta­men­to al­ta­men­te efi­caz qu­an­do efe­tu­a­do na al­tu­ra cer­ta, quer com La­ser quer com a aju­da dos an­ti-VEGFs, qu­an­do in­di­ca­do. Nas ca­ta­ra­tas con­gé­ni­tas, a bi­o­com­pa­ti­bi­la­de dos no­vos ma­te­ri­ais per­mi­te-nos in­tro­du­zir len­tes mui­to

pre­co­ce­men­te e res­tau­rar me­lhor a fi­si­o­lo­gia vi­su­al. Nas do­en­ças ge­né­ti­cas, há avan­ços no­tá­veis com a te­ra­pêu­ti­ca gé­ni­ca da re­ti­na.

OF: Pre­fe­re tra­ba­lhar no se­tor pú­bli­co ou no pri­va­do?

JB: Gos­to mui­to de tra­ba­lhar no Hos­pi­tal de São João. Es­tu­dei aqui, vi­vi sem­pre aqui. É a mi­nha ca­sa. To­dos os lo­cais on­de tra­ba­lho têm vir­tu­a­li­da­des, têm pon­tos mui­to po­si­ti­vos e pon­tos me­nos con­se­gui­dos que são com­pen­sa­dos uns pe­los ou­tros. Re­pa­re-se no se­tor pú­bli­co. É uma atu­a­li­za­ção per­ma­nen­te, con­tac­to cons­tan­te com os mais no­vos, ne­ces­si­da­de de en­si­nar os que es­ta­gi­am con­nos­co, apren­der mui­to com os co­le­gas in­ter­nos que se pre­pa­ram pa­ra o fu­tu­ro. Reu­niões clí­ni­cas diá­ri­as com to­dos e com to­das as pa­to­lo­gi­as, diá­lo­go cons­tan­te. Pa­to­lo­gi­as ra­ras e pa­to­lo­gi­as di­fí­ceis. In­ves­ti­ga­ção, reu­nir ti­pos de pa­to­lo­gi­as e pen­sar so­bre elas. Pa­rar e pen­sar. Con­ver­sar com os co­le­gas, en­sai­ar te­ra­pêu­ti­cas, me­di­tar em ci­rur­gi­as al­ter­na­ti­vas. Pro­du­zir tra­ba­lho ci­en­tí­fi­co. Me­nos bom, pa­ra mim, é não ha­ver li­vre es­co­lha. O do­en­te vem à mi­nha con­sul­ta por­que é obri­ga­do. Re­si­de na área de in­fluên­cia do Hos­pi­tal, tem que vir cá qu­an­do es­tá do­en­te e o sis­te­ma dis­tri­bui-o a es­te mé­di­co-fun­ci­o­ná­rio. É a par­te me­nos con­se­gui­da, no meu en­ten­di­men­to, além da má re­tri­bui­ção eco­nó­mi­ca que não dá aten­ção nem ao vo­lu­me nem à qua­li­da­de do tra­ba­lho. Pa­ra além de me­lhor re­tri­buí­dos, no se­tor pri­va­do so­mos es­co­lhi­dos pe­lo do­en­te pa­ra os tra­tar­mos. E is­to é uma di­fe­ren­ça fun­da­men­tal, ge­ra con­fi­an­ça e boa re­la­ção mé­di­co/do­en­te. É mui­to gra­ti­fi­can­te. Mas, por ou­tro la­do, não há reu­niões diá­ri­as nem atu­a­li­za­ção per­ma­nen­te em to­das as áre­as da Of­tal­mo­lo­gia. Por is­so me sin­to tão bem ao tra­ba­lhar nes­te bi­nó­mio que, a meu ver, se com­ple­ta. O se­tor pú­bli­co be­ne­fi­cia mui­to com o nos­so tra­ba­lho no se­tor pri­va­do on­de ga­nha­mos pa­ra com­prar os li­vros, pa­ra nos ins­cre­ver­mos nos Con­gres­sos e pa­ra nos des­lo­car­mos aos fó­runs mun­di­ais da Of­tal­mo­lo­gia (sem­pre me des­lo­quei à mi­nha cus­ta, o hos­pi­tal li­mi­ta-se a dis­pen­sar-me de tra­ba­lhar 15 di­as por ano, não gas­ta um cên­ti­mo). Des­ta for­ma, o Hos­pi­tal be­ne­fi­cia mui­to com o meu tra­ba­lho no se­tor pri­va­do, as­sim co­mo es­te com o meu tra­ba­lho no se­tor pú­bli­co.

OF: No seu cur­rí­cu­lo, des­ta­ca-se a pre­si­dên­cia da So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Of­tal­mo­lo­gia (SPO). Que de­sa­fi­os im­põem-se qu­an­do se as­su­me um car­go des­ta na­tu­re­za?

JB: A So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Of­tal­mo­lo­gia é uma So­ci­e­da­de Ci­en­tí­fi­ca e, por­tan­to, a sua prin­ci­pal fun­ção tem que ser a pro­mo­ção e di­vul­ga­ção da ci­ên­cia of­tal­mo­ló­gi­ca nas su­as di­ver­sas ver­ten­tes. Co­mo pre­si­den­te da SPO de­se­jei es­sen­ci­al­men­te três coi­sas: pri­mei­ro, con­tri­buir pa­ra a atu­a­li­za­ção per­ma­nen­te dos só­ci­os com con­gres­sos, reu­niões, re­vis­tas; segundo, es­ti­mu­lar a apren­di­za­gem dos fu­tu­ros of­tal­mo­lo­gis­tas com a dis­tri­bui­ção de bol­sas; ter­cei­ro, di­vul­gar cuidados es­sen­ci­ais de Of­tal­mo­lo­gia jun­to da po­pu­la­ção e in­flu­en­ci­ar as au­to­ri­da­des nes­se sen­ti­do. Con­se­guir es­te de­si­de­ra­to pa­re­ce-me ser o prin­ci­pal de­sa­fio de um pre­si­den­te.

OF: Que men­sa­gem gos­ta­ria de dei­xar a to­dos os nos­sos lei­to­res, seus co­le­gas de pro­fis­são?

JB: Pe­de-me uma men­sa­gem pa­ra os meus co­le­gas e lei­to­res. Se­ja en­tão uma men­sa­gem de mui­to res­pei­to pe­la al­ti­tu­de e ní­vel que al­can­ça­ram, pe­la ca­te­go­ria que têm e por se­rem tão bons of­tal­mo­lo­gis­tas. E a fir­me con­vic­ção de que a evo­lu­ção é sem­pre pa­ra di­an­te e, por­tan­to, ama­nhã a nos­sa Of­tal­mo­lo­gia se­rá de cer­te­za ain­da me­lhor que ho­je.

OF: O que o mo­ve, na vi­da e na pro­fis­são?

JB: Con­fes­so que não sei bem, es­tou no meu ou­to­no. Gos­ta­va de ser mais cul­to e mais sa­be­dor. Te­nho pe­na de não ter li­do con­ve­ni­en­te­men­te os clás­si­cos, de não sa­ber mais de pin­tu­ra e de mú­si­ca. Pro­cu­ro mui­to se­guir ao la­do das pes­so­as bem for­ma­das, das que não se dei­xam in­flu­en­ci­ar por aqui­lo que mais con­vém na con­jun­tu­ra. Qu­an­to à pro­fis­são, qu­e­ro apren­der sem­pre mais e exer­cê-la em con­jun­to com co­le­gas mais no­vos em am­bi­en­te mul­ti­dis­ci­pli­nar. Acom­pa­nhar o evo­luir. Te­nho es­pe­ran­ça de que pos­sa ser as­sim, que a éti­ca pre­va­le­ça e que con­ti­nue a ha­ver mé­di­cos que são mes­mo mé­di­cos. Ape­sar de to­das as di­fi­cul­da­des que nos co­lo­cam.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.