Ja­pão aco­lhe um dos me­lho­res even­tos de sem­pre

WOC – World Oph­tal­mo­logy Con­gress

OftalPro - - REPORTAGEM -

De dois em dois anos, o World Oph­tal­mo­logy Con­gress, do In­ter­na­ti­o­nal Coun­cil of Oph­tal­mo­logy, ocu­pa lu­gar ci­mei­ro na ca­len­da­ri­za­ção de even­tos des­ta área a ní­vel mun­di­al. Reú­ne, num mes­mo lo­cal, mi­lha­res de pro­fis­si­o­nais, com o ob­je­ti­vo de de­ba­ter o es­ta­do da ar­te das ci­ên­ci­as vi­su­ais e for­ta­le­cer la­ços, se­jam pro­fis­si­o­nais ou de ami­za­de. Pa­ra 2014, a So­ci­e­da­de Ja­po­ne­sa de Of­tal­mo­lo­gia e a Aca­de­mia de Of­tal­mo­lo­gia Ásia-Pa­cí­fi­co fo­ram as en­ti­da­des es­co­lhi­das pa­ra as­se­gu­rar o su­ces­so do even­to em Tó­quio.

De 2 a 6 de abril, mais de seis mil of­tal­mo­lo­gis­tas vi­si­ta­ram a ca­pi­tal ja­po­ne­sa pa­ra as­sis­tir a apre­sen­ta­ções de gran­de ní­vel, al­tu­ra em que as tra­di­ci­o­nais flo­res de ce­re­jei­ra (ou sa­ku­ra) de­sa­bro­cham, um es­pe­tá­cu­lo na­tu­ral que ce­le­bra a efe­me­ri­da­de da vi­da (mor­rem pou­co tem­po após de­sa­bro­cha­rem to­tal­men­te), em que es­tas afa­ma­das pé­ta­las ro­sa pin­tam as ru­as do país do sol nas­cen­te, tam­bém uma me­tá­fo­ra pa­ra o ci­clo da vi­da. A or­ga­ni­za­ção do WOC - World Oph­tahl­mo­logy Con­gress pro­mo­veu um ‘ha­na­mi’, um pi­que­ni­que tra­di­ci­o­nal pa­ra fes­te­jar o bro­tar des­tas pé­ta­las, com a Re­ce­ção Sa­ku­ra. Ten­do em con­ta a sig­ni­fi­ca­ção des­tes acon­te­ci­men­tos, Tó­quio foi in­dis­cu­ti­vel­men­te uma es­co­lha de so­nho pa­ra se or­ga­ni­zar o cer­ta­me, que per­du­ra­rá na me­mó­ria dos par­ti­ci­pan­tes lon­gos pe­río­dos de tem­po.

Cin­co di­as de mui­to tra­ba­lho

Fo­ram 90 cur­sos, 590 tra­ba­lhos ci­en­tí­fi­cos (co­mo sim­pó­si­os, es­tu­dos de ca­so, pro­gra­mas in­te­ra­ti­vos), 1859 ‘pos­ters’ e ain­da 128 ví­de­os que to­ta­li­za­ram um pro­gra­ma ci­en­tí­fi­co abran­gen­te, tan­to pa­ra a área da Of­tal­mo­lo­gia, que viu re­pre­sen­ta­das 35 su­bes­pe­ci­a­li­da­des, co­mo pa­ra to­das as na­ci­o­na­li­da­des. Ocor­re­ram ain­da mais 50 ses­sões es­pe­ci­ais, apre­sen­ta­das por so­ci­e­da­des mem­bro ou ali­a­das do In­ter­na­ti­o­nal Coun­cil of Oph­tal­mo­logy (ICO), pa­ra co­brir pon­tos de in­te­res­se e de­ba­te pa­ra a Of­tal­mo­lo­gia. Ao to­do, par­ti­ci­pa­ram dois mil ora­do­res. Segundo Pe­ter Wi­e­de­mann, do co­mi­té do pro­gra­ma ci­en­tí­fi­co, “a So­ci­e­da­de Ja­po­ne­sa de Of­tal­mo­lo­gia (JOS) e a Aca­de­mia de Of­tal­mo­lo­gia Ásia-Pa­cí­fi­co (APAO) tra­ba­lha­ram afin­ca­da­men­te com o ICO” pa­ra tor­na­rem es­ta 34ª edi­ção ines­que­cí­vel. Destaque pa­ra a ce­ri­mó­nia de aber­tu­ra, no Tokyo In­ter­na­ti­o­nal Fo­rum, que con­tou com a pre­sen­ça de Na­ruhi­to do Ja­pão, prín­ci­pe her­dei­ro do tro­no.

Três em um!

Si­mul­ta­ne­a­men­te ao WOC, de­cor­reu o 29º con­gres­so da APAO e o 118º En­con­tro Anu­al da JOS. “Es­te con­gres­so (WOC) es­te­ve mui­tos anos a ser or­ga­ni­za­do, pe­lo que de­mos o nos­so má­xi­mo pa­ra ga­ran­tir su­ces­so em 2014”, dis­se Ma­ko­to Araie, pre­si­den­te da APAO. Es­ta com­bi­na­ção per­mi­te “um pro­gra­ma de even­tos ci­en­tí­fi­cos mais com­pre­en­si­vo, co­brir a Of­tal­mo­lo­gia de for­ma abran­gen­te do pon­to de vis­ta

do en­ten­di­men­to e ges­tão das pa­to­lo­gi­as ocu­la­res, co­mo tam­bém in­te­grar as téc­ni­cas de tra­ta­men­tos aos pa­ci­en­tes e abor­dar a dis­tri­bui­ção dos cuidados vi­su­ais”. Es­ta jun­ção de even­tos cria uma opor­tu­ni­da­de úni­ca de con­ví­vio en­tre pro­fis­si­o­nais de di­fe­ren­tes lu­ga­res, em es­pe­ci­al ao dar uma aten­ção mais ex­clu­si­va aos es­pe­ci­a­lis­tas asiá­ti­cos. Os ‘me­e­ting ro­oms’ ti­nham pre­ci­sa­men­te es­ta fun­ção, em que a or­ga­ni­za­ção dis­po­ni­bi­li­zou e pro­mo­veu os en­con­tros lo­go no dia 1 de abril. O pró­prio ICO com­ple­tou a pa­nó­plia de en­con­tros com mais ini­ci­a­ti­vas co­mo “Di­cas so­bre a ges­tão da do­en­ça ma­cu­lar, dis­cus­são so­bre a di­a­be­tes e re­ti­no­pa­tia” pe­lo Club Ju­les Go­nin. Nos mes­mos mol­des, de­cor­reu o quin­to Fó­rum Mun­di­al da Vi­são, com ses­sões so­bre a saú­de vi­su­al pública e cuidados a ter com o olho hu­ma­no, com es­pe­ci­al en­fo­que na pre­ven­ção. De­cor­re­ram ain­da sim­pó­si­os de Of­tal­mo­lo­gia e ‘workshops’ so­bre téc­ni­cas de edu­ca­ção van­guar­dis­tas com­ple­ta­ram o Co­ló­quio Mun­di­al so­bre Edu­ca­ção em Of­tal­mo­lo­gia, de­di­ca­do a to­dos os que am­bi­ci­o­nam se­guir a via do en­si­no nes­ta es­pe­ci­a­li­da­de. Os mais jo­vens pu­de­ram aper­fei­ço­ar co­nhe­ci­men­tos com a ini­ci­a­ti­va ICO Fel­lowships, co­mo tam­bém pôr os co­nhe­ci­men­tos à pro­va ao de­mons­trar o que apren­de­ram no ICO Exa­mi­na­ti­nos Over­vi­ew.

Há 157 anos a pro­mo­ver Of­tal­mo­lo­gia

Des­de 1857 que es­te é o even­to ba­si­lar des­ta área da Saú­de. O ICO ten­do vin­do a “Cons­truir uma Ali­an­ça Mun­di­al da Vi­são”, ten­do apro­vei­ta­do a es­ta­dia nas prin­ci­pais ci­da­des mun­di­ais pa­ra am­pli­ar ho­ri­zon­tes, co­mo nes­ta re­cen­te edi­ção. De­pois de pas­sar por Qui­o­to, há 36 anos, o WOC vol­tou a ali­ar Of­tal­mo­lo­gia à ri­ca tra­di­ção cul­tu­ral e mo­der­na ja­po­ne­sa, des­ta fei­ta em Tó­quio, um dos prin­ci­pais cen­tros eco­nó­mi­cos in­ter­na­ci­o­nais. Des­de o Pa­lá­cio Im­pe­ri­al e o Tem­plo Sen­so­ji, cu­jas ori­gens de am­bos os mo­nu­men­tos re­mon­tam à épo­ca dos Sho­gun, à Bai­xa da ci­da­de, é pal­pá­vel a pro­va de que Tó­quio es­tá em per­ma­nen­te mu­ta­ção, a evo­luir di­ver­sas áre­as co­mo o tu­ris­mo, o que a de­no­ta co­mo um lo­cal per­fei­to pa­ra al­ber­gar um con­gres­so in­ter­na­ci­o­nal “des­fru­tá­vel e de uma ex­pe­ri­ên­cia sa­tis­fa­tó­ria”, co­mo ad­je­ti­vou Tet­su­ro Oshi­ka, pre­si­den­te do WOC 2014. Em ple­no co­ra­ção da ci­da­de, o Tokyo In­ter­na­ti­o­nal Fo­rum e o Im­pe­ri­al Ho­tel fi­ca­ram en­car­re­gues de em­pres­tar o seu es­pa­ço ao con­gres­so que am­bi­ci­o­nou,

com su­ces­so, “equi­pa­rar-se às edi­ções de Abu Dha­bi, Berlim, Hong Kong e São Pau­lo”, segundo o pre­si­den­te do ICO, Bru­ce Spi­vey.

So­ci­a­li­zar em fes­ta

Não há fal­ta de ati­vi­da­des pa­ra des­con­tra­ção na ca­pi­tal ja­po­ne­sa. A or­ga­ni­za­ção do even­to jun­tou uma sé­rie de ini­ci­a­ti­vas pa­ra o efei­to, co­mo a Re­ce­ção Sa­ku­ra no pri­mei­ro dia e uma noi­te fes­ti­va de­no­mi­na­da Ja­pan Nights, no dia 4 de abril, com mos­tras de gas­tro­no­mia e ar­tes tra­di­ci­o­nais ni­pó­ni­cas, co­mo a dan­ça. Os vi­si­tan­tes pu­de­ram dar uma volta no bar­co da era Sa­mu­rai Ata­ke­ma­ru, que le­va­va os in­te­res­sa­dos à Ja­pan Nights e ao WOC pe­la baía de Tó­quio, pro­va­vel­men­te on­de se en­con­tra o mai­or por­to pes­quei­ro do mun­do. O pró­xi­mo World Oph­tal­mo­logy Con­gress se­rá em 2016, num lo­cal ain­da por de­fi­nir, mas ten­do em con­ta o su­ces­so des­ta 34ª edi­ção é de es­pe­rar mais um even­to ines­que­cí­vel, nu­ma ci­da­de cheia de per­so­na­li­da­de.

Pau­lo Tor­res

Mil­ton Ruiz

Ma­ko­to Araie

Pe­ter Wi­e­de­mann

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.